Mapeador de Ilhas
Exclusivo

A Tabuleta

– As pessoas para mim são como nuvens – divagou o mais novo dos três. – Passam por nós e cada uma parece ser única, mas depois são todas iguais

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas
Exclusivo

O tamboreiro

A guerra que agora vivemos espalhou tanta pólvora sobre os caminhos que é bem possível que os vivos e os mortos se tenham perdido uns dos outros

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas
Exclusivo

Lição de caligrafia

A escrita pretende ser uma arrumação do caos. E como há muita variedade de caos, também há muitos modos de os ordenar

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas
Exclusivo

O vendilhão do tempo

Dizem os antigos: deixemos o tempo sossegado para que ele possa dormir dentro de cada pessoa

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas
Exclusivo

O descrucificado

Às vezes penso que, desde há milénios, estamos todos, no mundo inteiro, abrindo a mesma estrada

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas
Exclusivo

A roupa e o nome

As razões dela eram simples de explicar: em casa ou no hospital, os nossos mortos são nossos, lavámo-los com as nossas lágrimas

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas
Exclusivo

O colchão

Com o andar do tempo, as mãos da minha mãe foram perdendo agilidade. Deitada sobre o seu colo, eu sentia um desgosto antigo travando-lhe os dedos. Não é no rosto, é nas mãos que a idade se revela

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas
Exclusivo

Morrer de raça (2)

Sabíamos que o mundo era grande, mas estávamos longe de pensar que houvesse uma tal variedade de raças

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas
Exclusivo

Morrer de raça (1)

Aconteceu o que receávamos: saiu daqui "muno mutema" e voltou "murungu". Noutras palavras, quando saiu era dos nossos, um negro congénito. Quando regressou, era branco

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas
Exclusivo

Uma submissa desobediência

Tudo isso recordo, sentada na minha cozinha, em frente à porta que nunca mais se abre. O locutor da rádio insiste: hoje pode ser o primeiro dia de uma vida nova

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas
Exclusivo

O eterno retorno

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas
Exclusivo

Conversa entre pedras

Agitado, Gama alertou: andava pelo mundo um movimento reclamando o derrube das estátuas. Se não as derrubavam, desfiguravam-nas com tintas sujas e frases feias. O poeta encolheu os ombros e relembrou os seus próprios versos: “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas
Exclusivo

A alma têxtil

Cancelara os serviços de telefone quando recebeu a notícia da morte do seu companheiro de armas, o general Acácio Teixeira Lobo. Teve medo de que aquela fosse a primeira de outras notícias fúnebres. E havia uma outra mágoa: anúncios de baixas fazem-se em visita solene, olhos nos olhos. Nunca por telefone

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas
Exclusivo

A libélula

No sonho, o filho corria por entre os arbustos à procura do que faltava no corpo da mãe. Esgueirava-se por entre a folhagem, e o ruído dos passos convertia-se num rastolhar de bicho. Mariana tinha olhos de caçadora, mas foi perdendo o rasto de Madzina. De súbito, escutou tiros. Conhecia bem esse estampido que faz suspender o mundo

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas
Exclusivo

A parede

Certa vez, o marido atravessou a sala usando um vestido dela, batom nos lábios, rouge no rosto e, de cabeleira postiça, bateu a porta para nunca mais voltar. Levou tudo o que era retrato, moldura, encaixilhada lembrança. Não sobrou imagem de ninguém. As paredes vazias cresceram pela casa como a ela lhe crescera a pele do rosto

Mia Couto
Exclusivo
Mia Couto
Mapeador de Ilhas

A gota

Já não restam portas nem paredes, é verdade. Mas as pessoas têm artes mágicas de se enclausurar. Somos os mais competentes carcereiros de nós mesmos

Mia Couto
Mia Couto
Mapeador de Ilhas

De reis mortos e águas vivas

Os presentes entreolharam-se, intrigados. Que houvesse um rei sepultado, isso não causava espanto. O que não falta por aí são reis cobertos de terra e esquecimento

Mia Couto
Mia Couto
Mapeador de Ilhas

O parto póstumo

Ao princípio da tarde, encostou a canoa à margem e ajudou-me a retirar a minha bagagem. Apercebi-me de que iríamos pernoitar naquela clareira. O homem deu-me a beber um líquido escuro. Acreditei ser uma infusão, dessas que se usam para enganar a fome e o cansaço. É chá, tranquilizou-me, reparando na demora em levar a chávena aos lábios

Mia Couto
Mia Couto
Mapeador de Ilhas

O observatório

Não se engane, senhor padre: o senhor também trabalha nos subterrâneos. Aliás, não há neste mundo trabalho que não seja de mineiro, seja ele executado por cima ou por baixo da terra

Mia Couto
Mia Couto
Mapeador de Ilhas

O apeadeiro

Foi fazendo perguntas e anotando com letra de imprensa nos lugares certos do papel. – Agora, Gondaluai escreve-se com “w” – comentou o inspetor sem erguer a cabeça. – Africanizaram o teu apeadeiro. – Depois, já num outro tom: – Estás a cuidar bem daquela estação? Tens de manter aquilo direitinho. Aquilo é património do Estado

Mia Couto
Mia Couto
Mapeador de Ilhas

Uma história quase infantil

Nessa noite, se o pai estivesse acordado, teria visto o seu filho e o seu amigo país a aproximarem-se do aparelho de televisão e a entrarem, um após o outro, no ecrã de plasma. Desapareceram como se fossem luzes engolidas pelo ávido retângulo negro

Mia Couto
Mia Couto