Palco

Palco

Entre os músicos, os cantores, os artistas, gosto dos que estão em palco sossegados. O Mark Knopfler, o Chico Buarque, o Rui Veloso, o Bob Dylan, o João Gilberto, a Mafalda Veiga, o António Zambujo. A arte popular que brota destes meus heróis e heroínas resulta de uma natureza mais contemplativa, amadurecida ao longo de muitas horas, anos, vidas, enfiados em quartos a desenvolver uma natureza diametralmente oposta à natureza de querer estar no palco. Todos estes artistas que eu amo estão em palco como quem não quer estar lá, como quem preferia estar a fazer aquilo sem ninguém a olhar. Também venero o Freddie Mercury, o Mick Jagger e o Axl Rose, mas não me senti (ou sentiria, nos casos do Freddie e do Axl que nunca vi) confortável nos respetivos concertos. Eu não tenho uma relação física com a música, não danço, não salto, não tenho essa relação das vísceras e da pele com música. Num concerto dos Rolling Stones sinto o mesmo desconforto, medo até, que sentia em criança nas festas de Natal da Araújo e Sobrinho no Teatro Carlos Alberto durante as performances do palhaço. É o pânico de ter de participar de forma ativa naquele momento de êxtase e comunhão. O medo até de, por qualquer razão, ser chamado ao palco. Duvido que o Axl Rose me tivesse chamado ao palco, no Estádio de Alvalade em 1992, mas nunca fiando. Esse pesadelo aconteceu-me em 2002, num espetáculo cómico a que fui assistir, chamado Cócegas, num teatro no Rio de Janeiro. De tanto fugir com o olhar, de tanto emanar essa vibração aflita de quem não quer ir para o palco, fui mesmo convocado pela atriz que me topou a léguas no meio de centenas de pessoas. Por isso afino com quem não aprecia o (para mim) óbvio desconforto de estar debaixo das luzes. Pessoas recatadas em palco emitem uma espécie de energia em sinal negativo, como se fossem aspiradores que sugam para si pessoas como eu. Daí as salas cheias. Os exuberantes exercem em mim uma energia fortíssima de sinal positivo, como se fossem compressores que expelem para fora de si com toda a força e me afastam, afastam os meus. Ainda assim os estádios cheios de gente aos saltos, gente que não eu, pessoas que nunca hei de entender, pessoas cujos astros e as estrelas não se cruzam com os meus. Confidenciaram-me coisas maravilhosas alguns dos artistas que elenquei no primeiro parágrafo. “Simplesmente não me imagino num palco”, disse-me um à saída do palco de uma sala com milhares e milhares de pessoas a aplaudir em êxtase. “Canto de olhos fechados e vou para sei lá onde, mas depois vêm as palmas e estragam tudo.” Quanta sensibilidade nestas coisas. Dizia o Tom Jobim que uma criança saudável, normal, nunca trocaria um futebol de rua pela penumbra dum piano num quarto duma casa. Uma criança enfia-se no quarto a tocar guitarra para sempre. Outra pede para cantar e dançar nos anos. Quanta ironia nisto: é a primeira que provavelmente irá acabar em cima dum palco.

Os textos nesta secção refletem a opinião pessoal dos autores. Não representam a VISÃO nem espelham o seu posicionamento editorial.

Mais na Visão

Legislativas 2022

Legislativas: Jerónimo, “aqui de novo e sempre”, voltou à rua. Recebeu cravos e queixou-se dos espinhos das rosas socialistas

No tão aguardado regresso do secretário-geral comunista à campanha eleitoral, depois de uma cirurgia de urgência, Jerónimo de Sousa apostou as fichas todas no apelo ao “voto útil”. Pois, “a correlação de forças na Assembleia da República conta”, disse, numa arruada na Baixa da Banheira, Moita, em que criticou António Costa por dar o dito por não dito e se virar para a direita, quando a esquerda quer investir em “soluções concretas”

Exame Informática
Exame Informática

Xiaomi apresenta nova série Redmi Note 11

Com quatro novos dispositivos, a série oferece grande capacidade de bateria, maior sensibilidade ao toque e som estéreo envolvente

Sociedade

Tribunal da Relação mantém pena de dois anos de prisão efetiva para Armando Vara

O Tribunal da Relação de Lisboa manteve a pena de dois anos de prisão efetiva aplicada a Armando Vara por branqueamento de capitais, ao rejeitar o recurso da defesa do ex-ministro

Tekever Exame Informática
Exame Informática

Tekever recebe investimento de 20 milhões de euros

Empresa portuguesa quer apostar mais na recolha de dados ao nível da água e vai apostar no desenvolvimento de tecnologias submarinas

Mundo

Covid-19: Hong Kong pode ficar em confinamento até 2024

A Câmara Europeia de Comércio em Hong Kong considera que a abordagem das autoridades locais à pandemia de covid-19 pode manter o território isolado até 2024 e potenciar uma saída em massa dos expatriados

Mundo

Neil Young quer retirar as suas músicas do Spotify devido ao negacionismo em relação à pandemia promovido nessa plataforma

O cantor pretende retirar as suas músicas devido ao conteúdo do podcast "The Joe Rogan Experience", apresentado pelo comediante e apresentador de televisão norte-americano Joe Rogan

Opinião

Entre a cruz e a forca

Antes já tínhamos uma cultura pós-cristã no mundo, mas pelo menos desde há um ano que temos indícios duma igreja pós-cristã na América

VISÃO DO DIA
Exclusivo

VISÃO DO DIA: Quem chamou o Hitchcock para a campanha?

Legislativas 2022

Cotrim não conseguiu plantar uma árvore no Pinhal de Leiria, mas começou a escavar o terreno junto ao PSD

O autocarro liberal percorreu, esta terça-feira, a A1 toda, de Lisboa para o Porto. Pelo caminho, dirigentes do partido foram oferecer pinheiros à Marinha Grande, mas levaram-nos de volta na bagageira do carro; instalaram uma baliza em Leiria para marcar golos contra a estagnação e foram conhecer os empresários da Bairrada. Em contagem decrescente para as legislativas, Cotrim de Figueiredo só lamenta que tenha começado a polarização da campanha, com os focos mediáticos virados para o PS e PSD. E avisa: “Um governo do PSD sem a IL é igual ao PS”

Visão Saúde
VISÃO Saúde

O gráfico que mostra a subida a pique no último mês que deixa os casos ativos num número que representa 5% do total da população portuguesa

Os casos ativos voltaram a aumentar totalizando 512.571, o que corresponde a 5% da população nacional, segundo os últimos Censos

Legislativas 2022

Legislativas: O assalto ao aeroporto do Porto do CDS-PP, a vestir "a pele do lobo"

A privatização da TAP é uma prioridade dos centristas, como mostraram esta tarde numa rábula feita no Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Mas não pode ser “selvagem”, como defende aquela direita que, criticam, “quer privatizar tudo e todos, até o ar”

LD Linhas Direitas
Linhas Direitas

O Governo de Rio

O que faz sentido, agora, para o líder do PSD, é sonhar que será o futuro primeiro-ministro de Portugal. E o futuro não quer dizer o próximo