O grande negócio da habitação sénior, que já vale milhões em Portugal

O grande negócio da habitação sénior, que já vale milhões em Portugal

Há um frenesim a acontecer no mercado residencial para idosos. Os mais velhos estão a tornar-se o novo e rejuvenescido alvo de todo o tipo de investidores, dos chamados family offices aos grandes fundos internacionais. Com o mantra do envelhecimento ativo na moda e com o aumento da esperança média de vida, multiplicam-se os projetos de residências seniores direcionados para quem quer viver em pleno a reforma, com espaços bem equipados onde não faltam áreas de lazer como piscinas, ginásios, bibliotecas, salas de cinema ou de jogos, entre outros.

O setor esteve entre aqueles que menos se ressentiram nos anos da pandemia. A nível europeu, no primeiro semestre de 2021, registou-se um volume de investimento de mais de quatro mil milhões de euros no segmento imobiliário dedicado à população sénior, designadamente em residências para senior living e lares para pessoas da terceira idade, segundo dados da consultora Savills. Este é o valor mais alto que já foi registado num primeiro semestre e supera em 38% a média das primeiras metades dos últimos cinco anos.

Orpea

Investimentos em alta

O grupo francês Orpea tem sido um dos mais ativos em Portugal. Abriu, em pouco mais de três anos, dez residências seniores com um total de 900 camas. A procura não falta e, por isso, o grupo vai continuar a investir em novas aberturas (Braga, Sintra e Lisboa). Nas fotos, vista do edifício do Montijo e quarto da residência de Coimbra.

Palavras-chave:

Mais na Visão