Imobiliário: “As pessoas acham que têm um diamante na mão e, afinal, é apenas um rubi de qualidade média”

Foto: Tiago Caramujo

A Vanguard Properties é o maior investidor imobiliário privado de Portugal, com mais de mil milhões de euros aplicados em 20 projetos, maioritariamente de luxo, concentrados em Lisboa, no Algarve e na Comporta.

A emblemática Herdade da Comporta, antiga pérola dos Espírito Santo, o edifício com os apartamentos mais caros de Lisboa, o Castilho 203 (cujo único português morador é Cristiano Ronaldo), a casa mais cara da capital, na Lapa, e uma das torres mais altas da cidade, a Infinity, em Campolide, são alguns dos projetos que fazem parte da carteira deste império fundado pelo multimilionário francês Claude Berda e que está a ser gerido pelo seu braço-direito, José Cardoso Botelho.

A Vanguard Properties está a celebrar cinco anos de existência em Portugal. Quantos projetos e quantos milhões foram investidos durante este tempo?
A carteira da Vanguard soma já 20 projetos e 1 148 milhões de euros de investimento.

Posicionaram-se no mercado de luxo e superluxo em Portugal. Qual é o peso dos portugueses na vossa carteira de clientes?
Os portugueses sempre gostaram de investir em imobiliário. E nós sempre fizemos transações com portugueses, os quais representam 50% dos nossos clientes. Isso significa que não é verdade o que dizem, que se anda a construir só para estrangeiros. Nestes nacionais há um peso importante de portugueses que viviam no estrangeiro e que agora, com o teletrabalho incentivado pelas multinacionais onde desenvolvem a sua atividade, conseguem viver em Portugal e ainda beneficiar do programa do Residente Não Habitual. É um segmento de mercado que começa a aparecer.

A pandemia “congelou” muitos negócios imobiliários. Como foi com a Vanguard?
Excetuando 15 dias em março de 2020, em que, de facto, não houve procura, a partir do verão as coisas foram recuperando o seu ritmo e tivemos épocas muitíssimo boas, como os últimos quatro meses de 2020. Neste segmento de luxo, a procura manteve-se forte e, como a oferta de imóveis é escassa e está a reduzir… A verdade é que as pessoas dão cada vez mais importância à qualidade do ar, da vida, à liberdade, à segurança. E muita gente reconhece isso em Portugal, por isso escolhe o País não para investir, mas para viver. Ao contrário do Dubai, por exemplo, onde se veem prédios inteiros sem ninguém lá dentro. Acho que a pandemia veio reforçar a necessidade de se garantir qualidade de vida.

Mas teve algum impacto nos preços que praticam?
Nós nunca corrigimos preços! Até sou conhecido por não fazer descontos… E não fazemos porque isso seria violar a confiança dos nossos clientes que compraram as casas em planta, seria desvalorizar o seu património. Temos de ser coerentes.

Dos 20 projetos que a Vanguard tem na sua carteira, quantos já saíram da fase de licenciamento e estão em obra?
O Castilho 203, em Lisboa, está concluído e 100% vendido. Em obra estão os projetos A-Tower, também em Lisboa, a aldeia da Muda, o Torre, o Dunas, o Bayline, no Algarve, etc. Se estivermos a falar em volume, diria que cerca de 80% está a andar.

Os projetos são financiados com capitais próprios?
Não. O que fazemos é comprar os ativos com capital próprio e depois desenvolvemos com financiamento bancário ou uma parte de financiamento bancário garantido pelo imóvel e com um plano de negócios bem estruturado. Todos os projetos até agora têm cumprido as expectativas, ficando sempre além daquilo que é o plano de negócios.

Já venderam mais de 100 unidades no Bayline, todas as quintas de luxo na Comporta (durante a pandemia), todos os apartamentos do Castilho 203 e quase todos no A-Tower… Qual é o plano em termos de lançamento de novos projetos?
Pois, essa é a grande questão. Ainda há pouco tempo, estive em reunião do grupo em Paris, com o Claude Berda, e isso foi abordado. Estamos a ter um sucesso maior do que o esperado e corremos, de facto, o risco de vender tudo muito em breve e deixar quase de ter produto para vender, nomeadamente em Lisboa. Daí termos tido carta-branca para acelerar o processo.

Carta-branca para procurar oportunidades de investimento?
Sim.

E já há um volume predefinido para gastar?
A indicação que tenho é de que tudo aquilo que apareça e faça sentido comprar, é para avançar. Não temos um limite, ou melhor, o limite é grande. Estamos a falar de uma grande capacidade de investimento e, portanto, pode ser até mais do que já investimos até agora. Só não vamos comprar só por comprar, tem de fazer sentido.

Não é verdade que se ande a construir só para estrangeiros

E ponderam alargar para outras áreas geográficas?
À partida, não vamos sair de onde estamos. Portanto, Algarve, zona da Comporta, Lisboa. Não estamos convencidos ainda a ir ao Porto.

Investir nesta fase, ainda durante a pandemia, poderá ser uma boa estratégia em termos de preços dos terrenos ou imóveis para reabilitar?
Não existe muita oferta e há alguns proprietários que… Enfim, eu percebo a lógica de tentar vender ao melhor preço, mas vejo propostas de valor completamente fora de mercado. Costumo dizer que há alguns donos de ativos para vender que querem ganhar a margem de quem efetivamente arrisca, o promotor, e nesses casos eu só lhes digo: “Então avancem vocês se acreditam tanto no que dizem…” Existe um desconhecimento muito grande sobre o real custo da promoção, o fator tempo, os impostos envolvidos, etc. As pessoas acham que têm um diamante na mão e, afinal, é apenas um rubi de qualidade média. Portanto, a dificuldade neste momento é conseguir adquirir ativos de qualidade a um preço razoável.

Venderam as 40 quintas de luxo do projeto da aldeia da Muda, na Comporta, durante a pandemia, com preços até quatro milhões de euros. Surpreendeu-o a velocidade das vendas?
Sim, surpreendeu-me. Sempre achei que era um produto único e, de facto, não há nada parecido na região. Estamos muito satisfeitos porque, no fundo, confirmou a visão que tivemos há uns anos, e que era muito solitária. A maior parte das pessoas achou que eu e o Claude éramos completamente chalados da cabeça [Risos].

Criaram uma escola de ténis, estão a construir uma igreja na Comporta, doaram ventiladores durante a pandemia, participaram no lançamento da escola de programação 42 Lisboa e agora vão também contribuir para a construção do Museu Judaico, que vai nascer em Belém. Quanto é que já investiram no total em responsabilidade social?
Cerca de seis milhões de euros. A questão da responsabilidade social demonstra o carinho e o apreço que o Claude tem por Portugal e pelos portugueses, que não se demonstra apenas por palavras, mas também por atos concretos. E pode ser também um incentivo para que outros investidores tenham a mesma postura. Recebemos muitos pedidos e obviamente não podemos apoiar todos, mas temos feito um esforço significativo para apoiar os que consideramos mais relevantes. Um exemplo é o Museu Judaico. Tem a ver com uma ideia de justiça para uma comunidade que foi tão maltratada no passado e que pode voltar a ser muito importante para Portugal.

Mais na Visão

Política

“Que fiquem com os gays”. Cores do arco-íris do Santander provocam braço-de-ferro entre dirigentes do CDS-PP

Conselheiro Nacional do CDS-PP João Pedro Dias criticou o banco Santander por ter pintado logótipo com as cores do arco-íris. "Não é com estas pessoas que o CDS fará o seu caminho dentro da direita moderada”, respondeu dirigente democrata-cristão Miguel Baumgartner

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Perto de três milhões de portugueses com vacinação completa - DGS

Perto de três milhões de portugueses, o equivalente a 29% da população, tem a vacinação completa contra a covid-19, tendo sido administradas mais de 720 mil doses na última semana

Mundo

Impedir que Jeff Bezos regresso à Terra? Há uma petição para isso (e já tem mais de 76 mil assinaturas)

Mais de 76 mil pessoas assinaram uma petição na plataforma Change.org para que o homem mais rico do mundo, Jeff Bezos, que em julho pretende viajar para o espaço, seja deixado fora da Terra para sempre

EURO2020

Euro2020: OMS preocupada com relaxamento nas restrições e aumento de casos de covid-19

OMS expressou preocupação com o afrouxamento das restrições em alguns dos países anfitriões do Euro2020, pedindo rápidas reações após verificar surtos de covid-19 em torno de vários estádios

Política

Covid-19: Certificado digital pode ser tido em conta na definição de restrições

O Presidente da República apontou hoje o certificado digital covid-19 como "um elemento importante" que pode ser tido em conta na definição das restrições a adotar a nível concelhio

Mundo

Covid-19: Ministério Público brasileiro investiga indícios de crime na compra da vacina Covaxin

O Ministério Público Federal (MPF) do Brasil está a investigar a compra da vacina indiana Covaxin realizada pelo Governo central, após identificar indícios de crime no contrato de aquisição do imunizante, informaram hoje 'media' locais

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: 'Task force' reativa centro em Lisboa para vacinação sem agendamento acima dos 50 anos

O centro de vacinação do pavilhão 3 da Cidade Universitária, em Lisboa, vai reabrir esta quarta-feira a partir das 09:00 para vacinar pessoas acima dos 50 anos de idade sem agendamento

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Doença em vacinados não surpreende porque vacinas não evitam infeção, explica Ricardo Mexia

Ricardo Mexia disse que não é surpreendente existirem episódios de pessoas vacinadas que adoecem porque as vacinas são eficazes, mas não evitam a infeção

Política

Movimento Zero: Sindicato da PSP alerta que, sem respostas do Governo, grupo de polícias pode tornar-se “perigoso”

O protesto dos polícias do Movimento Zero lançou esta semana o alerta. A marcha do grupo conotado com a extrema-direita fugiu ao controlo das autoridades. Líder da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) alerta para “aproveitamento” exterior da insatisfação dos polícias. E admite que movimento pode tornar-se “perigoso”

EURO2020

Euro2020: Fernando Santos recusa fazer "contas" e lembra que Hungria está na luta

Fernando Santos reforçou hoje que a seleção portuguesa de futebol depende de si própria para se apurar para os oitavos de final do Euro2020 e recusou "fazer contas" antes do derradeiro jogo do Grupo F, com a França

EURO2020

Euro2020: Pode parecer que estamos assim tão mal, mas não estamos - Pepe

O futebolista Pepe disse hoje que Portugal não está assim tão mal como pode transparecer e revelou que o campeão europeu vai apresentar-se com "linhas muito juntas" na derradeira jornada do Grupo F do Euro2020, com a França

Sociedade

Pedrógão Grande: Nenhum país está preparado para a magnitude deste fogo

O engenheiro António Salgueiro, da Comissão Técnica Independente (CTI) que avaliou os incêndios na Região Centro em junho de 2017, afirmou hoje que nenhum país está preparado para a magnitude do fogo de Pedrógão Grande a partir de certa altura