“Quanto mais rica é uma nação, mais infelizes são as pessoas”

Foto: Steve Fisch

“Quanto mais rica é uma nação, mais infelizes são as pessoas”

A aparência discreta e serena da diretora da Clínica de Diagnóstico Dual de Medicina da Adição de Stanford, no estado da Califórnia, contrasta com a rapidez do discurso, a mente inquieta e uma honestidade desarmante. Aos 55 anos, a docente de Psiquiatria e Medicina da Adição vive bem com o facto de ser uma pessoa ansiosa, um pouco cética, e não tem problemas em admitir que conviveu desde cedo com a doença mental, tomou antidepressivos para a irritabilidade ligeira crónica e, como os seus pacientes, se perdeu nos caminhos do prazer. Com vários prémios e mais de uma centena de artigos científicos, a investigadora é uma voz ativa e acutilante na área das dependências, no plano institucional, em podcasts e documentários (veja-se O Dilema das Redes Sociais, na Netflix, em 2020). Em Dopaminados (Nascente, 320 págs., €19,95), o seu best-seller, aborda as causas e os mecanismos do consumo compulsivo e propõe soluções para equilibrar a balança da dor e do prazer no cérebro, em nome de uma vida mais plena, liberta do paradigma da gratificação imediata – e doentia –, que marca a sociedade atual.

O que a motivou a estudar Psiquiatria e a dedicar-se à medicina da adição?
Inicialmente, escolhi a Patologia. A minha irmã tinha doença mental severa, e só depois de conseguir ter distanciamento emocional face aos surtos psicóticos dela é que mudei a área de estudo. Curiosamente, fugia das adições, que, na altura em que concluí o curso, não eram entendidas como uma doença, mas algo que se resolvia com força de vontade e medidas sociais.

O que mudou, depois?
Na viragem do milénio, tive um incidente com uma pessoa que acompanhava há nove meses: os fármacos e a psicoterapia não estavam a funcionar, e, um dia, adormeceu na sessão. Só percebi o que estava em jogo quando o seu irmão me disse que ela tinha tido um acidente de viação por ter voltado à heroína. Desconhecia-o e senti-me mal por nunca ter inquirido a paciente sobre consumos. Desde então, passei a colocar a questão sobre álcool e drogas e dei-me conta de que havia muitos casos de dependência de fármacos – opioides, benzodiazepinas, estimulantes – prescritos por médicos. Foi também por isso que escrevi o livro Drug Dealer, MD, em 2016, que analisa as razões ligadas ao problema, dentro da medicina.

A busca desenfreada do prazer e a fuga à dor têm um preço?
Essa ideia já vem dos filósofos da Antiguidade. Platão, Demócrito e Sócrates anteviram mecanismos que são, hoje, validados pela neurociência. O nosso cérebro é incrivelmente complexo, e o número de neurónios e de conexões é tão grande como o de estrelas no céu. A dopamina, descoberta na década de 1950, tornou-se uma molécula muito eficaz para compreender os circuitos de reforço e de recompensa: quando o neurotransmissor é libertado nas vias dopaminérgicas, essa memória vívida fica tatuada no hipocampo. Devido ao mecanismo da neuroadaptação, o cérebro ganha tolerância e precisa de mais dopamina para obter o mesmo efeito, ficando com maior sensibilidade à dor. Essa é a base da adição: a busca incessante do prazer leva, paradoxalmente, à incapacidade de o sentir.

Em que medida é que isso influencia a nossa saúde e bem-estar?
Estamos a falar de algo em que não temos de pensar, ou de uma resposta quase reflexa. A nossa programação cerebral não está adaptada ao mundo moderno, em que acedemos, de forma ilimitada, a drogas e a comportamentos que conferem gratificação imediata, até mesmo aqueles que julgávamos adaptativos, como ler, praticar exercício físico, jogar xadrez e outros jogos ou relacionar-se com outras pessoas. Hoje, todos somos mais vulneráveis ao potencial aditivo. Basta pensar nas crianças: mal entram na escola, têm de usar computador e estar ligadas, para saber os horários, que estão sempre a mudar, já que a tecnologia o permite. Como diz o meu marido, o facto de podermos fazer uma coisa não significa que devamos fazê-la!

Estamos reféns dos sistemas que, em teoria, nos trazem mais felicidade e conforto?
Sim. Em termos filogenéticos, os circuitos de recompensa mantiveram-se inalterados, ou seja, a parte antiga do nosso cérebro continua operacional. Embora estejamos biologicamente equipados para procurar o prazer e evitar a dor, vivemos num ambiente em que a gratificação está ao alcance de um toque de dedo, o que nos deixa numa posição muito frágil.

O filósofo Byung-Chul Han (autor de A Sociedade do Cansaço) defende que a cultura de conveniência, o excesso de positividade e o acesso a tudo promovem perturbações da atenção e estados de exaustão. Concorda?
Não li, mas parece-me fazer imenso sentido. No limite, procurar compulsivamente recompensas cada vez maiores leva ao desespero. O cérebro é confrontado com excesso de estimulação, ou de intoxicação, e a forma que encontra para compensar isso é reduzir a transmissão de dopamina e de outros neurotransmissores – e esse défice conduz à ansiedade, à depressão e à incapacidade de dormir ou de se concentrar. O excesso demográfico e os níveis de abundância a que assistimos nas últimas décadas geraram-no: quanto mais rica é uma nação, mais infelizes são as pessoas. A adição é o lado negro do capitalismo, que assenta na ideia do consumo sem limites.

Quando compreendermos que o consumo excessivo e a constante busca do prazer são a causa da nossa infelicidade, o remédio natural é abstermo-nos ou moderar o consumo e os comportamentos

O que a leva a questionar os usos da farmacologia, sobretudo na área mental?
No meu livro anterior, falei sobre a medicalização da pobreza e a facilidade com que se adere a drogas que alteram os estados mentais, para tratar o sofrimento humano normal. Neste livro, quis analisar as razões que levam à prescrição crescente de psicotrópicos: os dados disponíveis permitem afirmar que, se uma pessoa for pobre ou desempregada, a probabilidade de lhe receitarem ansiolíticos e antidepressivos é maior. Isso preocupa-me, e receio que se esteja a legitimar o ópio das massas.

Porque acha que se está a ir por aí? Estaremos a entrar numa espécie de distopia?  
Eliminar a dor é um argumento muito forte nas políticas de saúde. É um facto que algumas pessoas têm uma predisposição inata para se envolver em comportamentos aditivos, mas, diante da adversidade e do sofrimento, a prioridade deveria ser dar um rumo e um propósito às nossas vidas, sem andarmos anestesiados.

Também podemos viciar-nos em coisas que nos causam dor?
Usando a analogia da balança, sempre que um dos lados tem mais peso, seja o do prazer ou o da dor, o organismo entra num estado de desequilíbrio. À luz da ciência da hormese, o regresso ao estado neutro faz-se pressionando, intencionalmente, o lado oposto da balança, num movimento pendular. Isso acontece, por exemplo, na prática de exercício físico, que gera dano celular, ao qual o cérebro responde acionando mecanismos de reparação, pela libertação de hormonas e neurotransmissores que geram bem-estar. Na dose certa, a dor do treino tem o efeito desejado e traz bem-estar; se for a menos, não chega a produzir os efeitos desejados e, sendo a mais, causa danos permanentes. Isto aplica-se ao treino excessivo, à estimulação com banhos gelados ou ao jejum intermitente: um dos lados da balança tende a ficar desalinhado em relação ao outro.

Isso explica o fenómeno dos viciados em trabalho, em desportos radicais e afins?
Vemos pessoas viciadas em exercício ao ponto de porem em risco o desempenho de outras atividades, porque, como disse há pouco, num mundo em que a lógica é converter toda e qualquer coisa que façamos numa droga, até os comportamentos saudáveis nos tornam mais expostos à adição. A dopamina é muito sensível aos números, e isso é o que mais acontece na prática desportiva. Os equipamentos dos ginásios têm vários percursos de corrida e diversos parâmetros programáveis; os dispositivos eletrónicos, para quantificar o ritmo cardíaco, mostram-nos os passos dados, a distância percorrida, o quão rápido nadamos e, além disso, fomentam a partilha digital dos valores obtidos e a comparação de likes. A certa altura, deseja-se correr riscos cada vez maiores e não se consegue parar.

É comum dizer-se que o exercício nos protege de cair em vícios. O que mostram os estudos?
Os cientistas pensavam que as rodas utilizadas para as cobaias, em laboratório, eram uma forma neutra de medir a atividade física. Quando colocavam um manípulo que permitia obter cocaína sempre que pressionado e uma roda, o animal optava por recorrer ao manípulo com menos frequência, por ter outra coisa para fazer no seu espaço. Contudo, alguns estudos mostraram que a roda, em si, era uma droga, porque havia ratos que corriam até ficarem exaustos e morrerem. A experiência foi replicada em ambiente natural com outros animais, e constatou-se que eles tinham um comportamento idêntico, acabando por transformar aquela atividade num vício.

A solução passa por questionar a natureza da nossa realidade, mesmo que isso pareça contranatura?
Quando compreendermos que o consumo excessivo e a constante busca do prazer pelo prazer são a verdadeira causa da nossa infelicidade, o remédio natural é abstermo-nos ou moderar o consumo e os comportamentos, incluindo os que nos parecem inofensivos, como ver programas televisivos, usar videojogos ou navegar nas redes sociais. A paragem, mesmo que temporária, visa o restauro [reset] das vias de recompensa no cérebro.

Que medidas nos deixam menos vulneráveis ao ciclo da adição?
Renunciar ao excesso de apelos que nos tornam vulneráveis à dependência e convidar a dor para as nossas vidas pode devolver-nos o contentamento e deixar-nos mais resilientes. Criar barreiras geográficas e temporais entre nós e os estímulos a que somos continuamente expostos, aceitar a incerteza e caminhar com os nossos medos é a via para ter pensamentos e emoções sustentados e produzir algo novo.

Os casos apresentados no livro incluem também aspetos pessoais. O que esteve por trás dessa opção?
Foi muito assustador expor aspetos da minha vida pessoal, sendo uma docente, médica e psiquiatra que, alegadamente, não tem problemas e trata os dos outros. Ao pedir aos meus pacientes para partilharem as suas histórias reais – apenas alterei os nomes –, seria uma falta de coragem da minha parte não o fazer também. Além disso, fui moldada pelo campo da medicina da adição, que tem uma forte ética de transparência. Contrariamente ao registo confessional e autoindulgente que se vê nas redes sociais, por vezes exagerado, dispus-me a mostrar os meus erros e defeitos de caráter. O feedback dos leitores confirma-o: as pessoas identificaram-se, sentiram-se tocadas, porque todos temos falhas, conflitos e não somos totalmente imunes à adição. 

Porque afirma que a vergonha restaura a nossa humanidade?
É uma das emoções mais poderosas e sociais que temos. Ao transgredirmos normas, enfrentamos o terror da rejeição; por isso, mentimos e coramos só de pensar que podemos ser apanhados. Experimentar algum grau de vergonha e de arrependimento dá-nos a consciência e a motivação para mudar, o que, no caso das pessoas com adições, pode representar aderir a um programa de reabilitação. Devemos encorajar os nossos filhos a sentar-se com a vergonha e a descobrir o que precisam de fazer para não terem de passar por isso outra vez. Se queremos mudar um sistema a partir da base, precisamos de abaná-lo, pois só dessa forma poderemos criar novas redes neurológicas para enfrentar o desafio.

Mais na Visão

Mais Notícias

CARAS Decoração de fevereiro: conforto é o novo luxo

CARAS Decoração de fevereiro: conforto é o novo luxo

10 casacos de pelo que a ajudam a estar na moda, mas sempre quente

10 casacos de pelo que a ajudam a estar na moda, mas sempre quente

Vencedores dos passatempos da edição n.º 223

Vencedores dos passatempos da edição n.º 223

A primeira foto de Carolina Carvalho após dar à luz

A primeira foto de Carolina Carvalho após dar à luz

Mostramos tudo com estas 20 peças transparentes

Mostramos tudo com estas 20 peças transparentes

Paixão pela tauromaquia leva Victoria Federica de Marichalar a receber prémio:

Paixão pela tauromaquia leva Victoria Federica de Marichalar a receber prémio: "É uma bonita herança que recebi da minha família"

Conheça 5 inimigos da perda de peso

Conheça 5 inimigos da perda de peso

Harry e Meghan juntos pela primeira vez desde o lançamento do livro

Harry e Meghan juntos pela primeira vez desde o lançamento do livro

Letizia recupera vestido verde de estampado 'paisley' pela sexta vez

Letizia recupera vestido verde de estampado 'paisley' pela sexta vez

Nissan mostra protótipo do conceito elétrico Max-Out

Nissan mostra protótipo do conceito elétrico Max-Out

Três floristas para encher a casa de alegria e bons cheiros

Três floristas para encher a casa de alegria e bons cheiros

Já a pensar no Dia de Namorados

Já a pensar no Dia de Namorados

Portugal em EXAME: Venha discutir a economia, a 16 de Fevereiro

Portugal em EXAME: Venha discutir a economia, a 16 de Fevereiro

Sónia Tavares vai buscar filho à escola de pijama

Sónia Tavares vai buscar filho à escola de pijama

Porque as crianças estão sempre cheias de piolhos?

Porque as crianças estão sempre cheias de piolhos?

Ministro da Saúde quer antecipar metas europeias no combate ao cancro

Ministro da Saúde quer antecipar metas europeias no combate ao cancro

Luana Piovani despede-se da novela

Luana Piovani despede-se da novela

Mamma mia! 12 novos restaurantes italianos de Lisboa e Porto

Mamma mia! 12 novos restaurantes italianos de Lisboa e Porto

VOLT Live: como serão os custos dos carregamentos em 2023

VOLT Live: como serão os custos dos carregamentos em 2023

Iñaki Urdangarin deixa de ter guarda-costas

Iñaki Urdangarin deixa de ter guarda-costas

SNS realizou em 2022 o maior número de sempre de cirurgias oncológicas

SNS realizou em 2022 o maior número de sempre de cirurgias oncológicas

Número de casas à venda em Portugal cai para mínimos de 15 anos

Número de casas à venda em Portugal cai para mínimos de 15 anos

Já começou a campanha eleitoral de 'Miúdos a Votos'!

Já começou a campanha eleitoral de 'Miúdos a Votos'!

Intergift, em Espanha, abriu portas com Portugal bem representado

Intergift, em Espanha, abriu portas com Portugal bem representado

Agenda para pais e filhos: o que fazer em fevereiro com os seus filhos

Agenda para pais e filhos: o que fazer em fevereiro com os seus filhos

Perímetro abdominal: Mario Kart de Super Nintendo World não é para todos

Perímetro abdominal: Mario Kart de Super Nintendo World não é para todos

Nissan mostra protótipo do conceito elétrico Max-Out

Nissan mostra protótipo do conceito elétrico Max-Out

O creme milagroso usado pela princesa Diana

O creme milagroso usado pela princesa Diana

Massandra 1949: uma viagem pela História das Guerras

Massandra 1949: uma viagem pela História das Guerras

Comissão de Avaliação dá parecer favorável à mina de lítio em Montalegre

Comissão de Avaliação dá parecer favorável à mina de lítio em Montalegre

Não contem comigo!

Não contem comigo!

Uma vénia ao ovo

Uma vénia ao ovo

Investigadores imprimem enxertos de pele em 3D

Investigadores imprimem enxertos de pele em 3D

Homem do Leme: Anna

Homem do Leme: Anna

Arcaico: Estas conservas portuguesas são 100% artesanais

Arcaico: Estas conservas portuguesas são 100% artesanais

Paixão pela tauromaquia leva Victoria Federica de Marichalar a receber prémio:

Paixão pela tauromaquia leva Victoria Federica de Marichalar a receber prémio: "É uma bonita herança que recebi da minha família"

Stand-up comedy: O palco é deles e delas

Stand-up comedy: O palco é deles e delas

Para evento em Alicante, Letizia recupera vestido que estreou há um ano em Viena

Para evento em Alicante, Letizia recupera vestido que estreou há um ano em Viena

Análise em vídeo ao primeiro 100% elétrico da Toyota, o BZ4X

Análise em vídeo ao primeiro 100% elétrico da Toyota, o BZ4X

APA diz que empresa tem 6 meses para reformular projeto da mina de lítio em Montalegre

APA diz que empresa tem 6 meses para reformular projeto da mina de lítio em Montalegre

Parecer final dá luz verde à mina de lítio em Montalegre

Parecer final dá luz verde à mina de lítio em Montalegre

Shakespeare musical no Trindade

Shakespeare musical no Trindade