“Os vírus não distinguem entre quem tem seguro de saúde e quem não tem”

A desigualdade de género na saúde tem provocado uma maior mortalidade nas mulheres. O financiamento público direcionado maioritariamente a cancros cuja mortalidade é maior entre os homens, o encaminhamento mais frequente destes para a realização de exames e a determinação de diagnósticos baseada sobretudo em sintomas masculinos são apenas alguns exemplos de variáveis que contribuem para a situação. Quem o diz é Judit Vall Castelló, professora associada do Departamento de Economia da Universitat de Barcelona e investigadora do Centro de Pesquisa em Saúde e Economia da Universidade Pompeu Fabra. A especialista em avaliação de políticas de economia da saúde e economia do trabalho participou na 17ª Conferência Nacional de Economia da Saúde, que decorreu em outubro, em Lisboa, e à VISÃO revela estas e outras conclusões de uma análise recente que fez a seis países europeus: França, Alemanha, Itália, Portugal, Espanha e Reino Unido. Além das diferenças e lacunas existentes a nível da saúde física, Judit Vall Castelló analisa ainda as que pautam a saúde mental, particularmente amplificadas durante a pandemia de Covid-19. Com a VISÃO partilha também aquelas que acredita serem as políticas essenciais a implementar nos sistemas de saúde, a fim de os tornar mais resilientes e capazes de responder aos desafios do futuro.

Nos estudos que tem conduzido, observou que, por vezes, os sinais de alerta considerados modelo-padrão para certas doenças têm em conta os sintomas típicos dos homens. De que forma esta prática afeta a mortalidade e a prevenção precoce de doenças nas mulheres?

Apesar de homens e mulheres terem sintomas diferentes para a mesma doença, a maioria dos protocolos de tratamento está demasiado baseada nos sintomas masculinos, o que faz com que os médicos possam não detetar tantos dos sintomas femininos. Se olharmos para os registos das consultas médicas, particularmente em Portugal, vemos que as mulheres vão muito mais ao médico do que os homens. Isto acontece porque vivem mais anos e têm mais doenças crónicas. No entanto, uma vez chegadas à consulta, a probabilidade de serem referenciadas para exames de diagnóstico, como colonoscopias, rastreios ou check-ups, essenciais para a deteção precoce de determinadas doenças, é muito menor. Já os homens, apesar de irem menos ao médico, são encaminhados mais frequentemente para exames de diagnóstico, enquanto o tratamento das mulheres acaba por passar muito mais pela prescrição de medicamentos. É difícil dizer com toda a certeza por que razão isto acontece, mas é algo transversal a muitos países e pode estar relacionado com o facto de muitos médicos não terem informação suficiente sobre determinadas doenças que afetam mais predominantemente as mulheres.

Porque é que essa informação está em falta?

Pode ser por não existir investigação suficiente direcionada para este tipo de doenças. Os fundos disponibilizados pela Comissão Europeia para a investigação oncológica, por exemplo, estão maioritariamente destinados aos cancros que representam uma mortalidade mais alta para os homens. Vários estudos têm mostrado que os cancros ginecológicos e o cancro da mama são extremamente subfinanciados, o que faz com que o número de ensaios clínicos e opções terapêuticas para estes cancros, que afetam sobretudo as mulheres, sejam muito mais reduzidos, levando a uma mortalidade mais alta. Além disso, a própria persistência destas diferenças tornará quase impossível para este tipo de cancros acompanhar alguns dos grandes avanços que estão já a ocorrer no tratamento de cancros como o da próstata, o do pulmão ou no melanoma.

Portanto, o problema não se prende tanto com o facto de a maioria dos participantes em ensaios clínicos ser homens, mas com o facto de a maioria dos ensaios clínicos se destinar a cancros que afetam mais os homens…

Na verdade, é um pouco das duas coisas. A maioria dos ensaios clínicos, atualmente, tem de cumprir protocolos éticos e, por essa razão, a questão das quotas já está mais salvaguardada, embora, por vezes, ainda haja mais homens do que mulheres. A maior diferença são mesmo os fundos alocados aos diferentes tipos de cancro, que sabemos que são determinantes para conseguirmos encontrar novos tratamentos e aumentar a esperança média de vida dos doentes, neste caso, das mulheres.

A discrepância entre saúde mental masculina e feminina existe há 15 anos, mas a diferença é agora muito maior do que antes da Covid-19

É uma situação que acontece apenas no cancro ou verifica-se também noutras doenças?

Nas doenças crónicas a diferença entre géneros também é bastante evidente, ainda que haja menos estudos, pois a mortalidade associada a estas doenças é menor do que a do cancro. A maioria das doenças crónicas, como por exemplo a depressão crónica, tem uma incidência mais alta nas mulheres, que vivem mais anos e acabam por ter mais tempo para desenvolver este tipo de problemas.

Que políticas de saúde pública deveriam ser repensadas a fim de alterar esta realidade?

Penso que o primeiro passo para quebrar este tipo de enviesamentos é ter a consciência de que eles existem. Para isso, são necessários mais estudos e investigação nesta área, porque muitos homens, mulheres, médicos e investigadores nem sequer sabem que estão a contribuir para este enviesamento de dados. Em segundo lugar, seria importante que os fundos públicos fossem mais direcionados para certos tipos de doenças que afetam muito as mulheres, como é o caso da depressão crónica. Conseguir mais fundos públicos para o serviço nacional de saúde mental dos vários países significaria tratar mais mulheres e travar algum enviesamento de dados que possa existir.

A pandemia veio agravar esta iniquidade de género no campo da saúde mental?

A discrepância entre saúde mental masculina e feminina é algo que existe há mais de 15 anos. Tanto homens como mulheres pioraram a saúde mental durante a pandemia, mas no caso das mulheres o impacto foi mais forte. Em Portugal, por exemplo, se compararmos o número de horas semanais que as mulheres e os homens trabalharam, nos respetivos empregos, durante a pandemia, a diferença nem é significativa, com as mulheres a trabalharem 36 horas e os homens 38. Porém, se a essas horas acrescentarmos aquelas de trabalho não pago, como limpar a casa, cozinhar, cuidar dos filhos ou tomar conta de membros da família mais idosos, as mulheres portuguesas trabalharam 75 horas semanais e os homens apenas 64. Perante isto, não deixa de ser curioso que os homens, que já dedicavam mais horas por dia a praticar exercício físico do que as mulheres, tenham reconhecido que encontraram ainda mais tempo para o fazer durante a pandemia… De todos os países europeus que analisei, a diferença da carga horária de trabalho, pago e não pago, entre homens e mulheres, é especialmente acentuada em Portugal e em Itália e representa um claro peso para as mulheres, que acabaram por sofrer um impacto muito maior na saúde mental durante a pandemia. Em Portugal 27,5% das mulheres reportaram sintomas de depressão durante a pandemia, em comparação com apenas 24% dos homens. A saúde mental das mulheres está agora muito pior do que a dos homens e a diferença entre os dois é muito maior do que antes da Covid-19. É urgente começar a tomar medidas.

Porque, se não, a própria estrutura socioeconómica do País começa a ressentir-se?

Claro. Os níveis de produtividade e o Produto Interno Bruto nacional descem, além de esta ser uma situação com consequências preocupantes para todas as crianças que pertencem a agregados familiares onde um dos membros tem problemas de saúde mental.

Seria importante que os médicos e os enfermeiros fossem capazes de atuar noutras áreas para lá da sua especialização e que existisse uma maior articulação e comunicação entre o sistema de saúde primário e os hospitais

Os fatores de stresse que a pandemia trouxe foram especialmente danosos para as famílias?

Sim, a pandemia aumentou os níveis de ansiedade em muitas famílias, afetando particularmente os mais jovens e as mulheres. O facto de as pessoas estarem isoladas em casa, e o medo que tinham de perder o emprego, levou ainda a um aumento da violência doméstica. Este aumento pode ser observado quando olhamos para o número de chamadas feitas para as linhas de apoio às vítimas de violência doméstica. É algo que se verificou em muitos países. No entanto, como durante o isolamento era muito mais difícil para as mulheres conseguirem sair de casa, as denúncias à polícia acabaram por diminuir, tal como a identificação destes casos por parte dos sistemas de saúde. Essa redução deixará agora muitas mulheres desprotegidas e expostas à violência dos seus parceiros.

Quais as estratégias que os governos devem começar a adotar hoje a fim de construir um futuro mais sustentável no campo da saúde e assegurar que não são apanhados desprevenidos de novo?

Uma das coisas mais importantes é transformar os sistemas de saúde em algo mais flexível, com capacidade de se adaptarem e reajustarem rapidamente a mudanças no quadro social e sanitário de cada país. Em todo o mundo assistimos a um aumento de desastres naturais, sejam eles pandemias ou outros, o que reforça esta necessidade de uma organização na saúde que não seja tão fechada, tão compartimentada. Por exemplo, seria importante que os médicos e enfermeiros estivessem prontos e fossem capazes de atuar noutras áreas para lá da sua área de especialização e que existisse uma maior articulação e comunicação entre o sistema de saúde primário e os hospitais. Alargar os sistemas de saúde não será uma prioridade, porque, no geral, têm a dimensão necessária para dar resposta à atividade diária regular. O caminho passa por assegurar que, em momentos de crise, estes sistemas são capazes de se adaptar. Ao nível dos hospitais, por exemplo, é necessário que haja a capacidade de distribuir as diferentes alas de forma mais fluida para que o sistema de saúde possa reorganizar-se e adaptar-se perante emergências como uma pandemia.

A prevenção de pandemias é a área onde devemos investir mais dinheiro?

Não apenas a prevenção de pandemias, mas a área da saúde pública no geral, que engloba também, por exemplo, os hábitos alimentares. A obesidade está a crescer exponencialmente em todo o lado e sabemos que isso leva à proliferação de doenças crónicas que, apesar de não terem uma mortalidade elevada, implicam muitos exames, tratamentos e consultas, representando um enorme custo para os sistemas públicos de saúde. A saúde pública é de uma importância extrema e nós, enquanto sociedade, não lhe temos dado a devida atenção. Em Espanha, e acredito que em Portugal seja semelhante, apenas 1% da percentagem do Orçamento do Estado reservada à Saúde foi destinada à saúde pública. É claro que certas doenças, como o cancro, necessitam de muito dinheiro e é importante termos fundos para elas, mas a pandemia veio mostrar-nos que temos de aumentar a percentagem de fundos destinada à saúde pública.

Existe alguma área da saúde na qual o mundo esteja a desperdiçar fundos?

Não, não acho que haja qualquer tipo de desperdício. O que se passa é que, na maioria dos países, o orçamento da saúde mantém-se o mesmo há anos, apesar de agora vivermos todos mais tempo e, por isso, existirem mais pessoas com mais doenças para tratar.

Uma parceria mais sólida com o setor privado poderia ajudar a resolver o problema?

Claro que o orçamento público é limitado. Em Portugal e em Espanha, há um sistema misto e, à partida, parece-me uma boa solução, na medida em que, mesmo quem pode pagar pelo privado não deixa de contribuir para o Sistema Nacional de Saúde. Mas é preciso ter cuidado, porque, se muitas das pessoas com capacidade financeira para ter um seguro de saúde e resolver tudo através do privado começarem a votar em partidos que defendem o desmantelamento do Sistema Nacional de Saúde, pode ser desastroso. A pandemia veio mostrar isso em países onde não há um Sistema Nacional de Saúde, como os Estados Unidos da América. Os vírus não distinguem entre quem tem seguro de saúde e quem não tem.

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

ASSINE JÁ

Mais na Visão

Legislativas 2022

Rio passeou por Alvalade envolvido num abraço laranja gigante e recusou convite para pingue-pongue com Costa

Rodeado pelos seus, o líder do PSD entrou em meia dúzia de lojas e restaurantes na Avenida da Igreja, em Lisboa, para cumprimentar eleitores. Recebeu uma laranja, prometeu voltar por um croquete, mas dirigentes, apoiantes e JSD garantiram que não se ficava pelas miudezas, criando um autêntico espetáculo pré-pandemia. Máquina partidária não estava à espera de tanta gente e não conseguiu evitar uma arruada “à antiga”, que acabou com Rio a acusar Costa de amedrontar os portugueses com o “papão da direita”, quando “o PSD nem sequer é de direita”, e a prometer deixar o PS a falar sozinho

LD Linhas Direitas
Linhas Direitas

O que falta para o voto digital?

Pode-se renovar o cartão de cidadão, uma carta de condução, pedir um registo criminal, criar uma empresa, ou até solicitar a reforma, para além de inúmeros outros atos, mas não se pode votar eletronicamente

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Menino de 6 anos com teste positivo morreu no domingo no Hospital Santa Maria

Um menino de 6 anos com teste positivo para Sars-CoV-2 morreu no domingo no Hospital Santa Maria, anunciou hoje o Centro Hospitalar (CHULN), referindo que as causas estão a ser analisadas

Atualidade

Fugitivo americano que fingiu a própria morte encontrado vivo na Escócia depois de a Covid-19 o ter feito ficar ligado a um ventilador

A sua morte foi noticiada em vários órgãos de comunicação em fevereiro mas agora a Covid empurrou-o para um hospital, onde foi, finalmente, detido

Sociedade

Covid-19: Aberto autoagendamento para maiores de 40 anos para dose de reforço

A marcação da toma da dose de reforço da vacina contra a covid-19 está disponível, desde hoje, para pessoas com 40 ou mais anos no portal do autoagendamento da Direção-Geral da Saúde

Sociedade

Afinal, meteorito proveniente de Marte não contém sinais de vida primitiva no planeta vermelho

Em 1996, uma equipa da NASA anunciou que os compostos orgânicos encontrados num meteorito de 4 mil milhões de anos proveniente de Marte e descoberto em 1984 na Antártida podiam ser sinais de vida marciana antiga. Um novo estudo desfaz essa ideia à volta do polémico meteorito

Mundo

Covid-19: Grécia começa a multar pessoas com mais de 60 anos que não estejam vacinadas

Cerca de 300 mil gregos acima dos 60 anos poderão ser obrigados a pagar uma multa por não estarem vacinados, já que termina hoje o prazo que o Governo grego estabeleceu para se imunizarem contra a doença covid-19

Mundo

Covid-19: Maioria dos brasileiros acredita que Bolsonaro dificulta vacinação de crianças

Seis em cada dez brasileiros disseram acreditar que o Presidente do país, Jair Bolsonaro, dificulta a vacinação de crianças contra a covid-19, de acordo com uma sondagem do Instituto DataFolha publicada hoje

Legislativas 2022

Costa avisa: Rio abriu "brecha". Se "normaliza" perpétua, tudo o resto corre risco. E "candidatos muito modernos" também são de recear e ter debaixo de olho

Pousado em Lisboa ao segundo dia de campanha, Costa mandou um recado a Rio: o líder do PSD abriu "uma brecha" ao tentar "normalizar" propostas do Chega. Sem falar no nome do social-democrata, o secretário-geral do PS alertou que, após esse gesto, "se começa a achar" que se pode normalizar desde o racismo à homofobia, mas também preveniu para os candidatos "com ar muito moderno"

Mundo

Os 10 homens mais ricos do mundo duplicaram a sua riqueza durante a pandemia

No mesmo período, cerca de 160 milhões de pessoas passaram a situação de pobreza

Economia

Músico Armando Gama morre aos 67 anos

O cantor Armando Gama morreu na madrugada de hoje, aos 67 anos, no Instituto Português de Oncologia (IPO), em Lisboa, onde se encontrava internado, disse à Lusa fonte próxima da família

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Portugal é quarto país da UE e sexto do mundo com mais novos contágios diários

Portugal é o quarto país da União Europeia (UE) e sexto do mundo com mais novos casos diários de contágio com SARS-CoV-2 por milhão de habitantes nos últimos sete dias, segundo o 'site' estatístico Our World in Data