Marquês de Pombal: A história secreta

E se começássemos por dizer que a controversa figura do marquês de Pombal podia muito bem nunca ter existido na nossa História? Sebastião José de Carvalho e Melo nasceu em 1699, em Lisboa, numa família tida como de fidalgos de terceira categoria – o avô homónimo e o pai, Manuel de Carvalho e Ataíde, eram meros capitães de cavalaria da Casa Real, com magros soldos e sem pagamentos em dia. Para contrariar a maledicência na corte sobre os “pergaminhos duvidosos” dos Carvalho e Melo, rumores que incluíam um suposto “sangue impuro” proveniente de uma africana e de uma cristã-nova, o pai de Sebastião José resolveu inventar um livro de genealogia. Impresso em 1702, em Nápoles, para fugir às autorizações necessárias em Portugal, Manuel de Carvalho e Ataíde ficcionou no livro, pela pena de um inexistente “prior D. Tivisco de Nasão Zarco y Colona”, ligações dos Carvalho e Melo a distintas raízes, de fidalgos da Restauração (a que acrescentou outros, como o florentino “Genebra Cavalcanti”) a “mestres-sala de D. João II”. A burla seria denunciada e eternizou-se como mancha na reputação da família.

Mas o livro que veio de Nápoles não nasceu de uma mente delirante. Fazia parte de uma luta, dir-se-ia obsessiva, que o avô de Sebastião José, Sebastião de Carvalho e Melo, e o pai travaram até ao fim das suas vidas – e que perderam. Desdobravam-se em litigâncias judiciais com o objetivo de reaver para a família o morgado de Carvalho, uma terriola perto de Coimbra que lhes devolveria “nome” e “brasão”. Ou seja, tirá-los-ia da relativa penúria e da irrelevância. Nunca conseguiram, porém, ganhar a causa, devido a um obstáculo colocado por um seu próprio antepassado, o qual, tendo um filho bastardo que demorou a reconhecer, deixou escrito que “a eleição” da “administração e senhorio” do morgado caberia “à Câmara da cidade de Coimbra, para que a apresentasse na pessoa que lhe parecesse mais idónea das da sua geração, sem atender à sucessão de pai e filho conforme o direito”.

Ironia trágica: embora tivesse sido instituído, em 1178, pelo antepassado Domingos Feyrol de Carvalho, o morgado estava, desde a Restauração de 1640, na posse do conde de Atouguia, um ramo dos Távora, família da alta nobreza que, muitos anos mais tarde, quando o poder do marquês de Pombal se encontrava no auge, foi barbaramente executada num patíbulo, em Belém. E então, sim, o tão desejado morgado passou para as mãos dos Carvalho e Melo…

Este artigo não está disponível na íntegra no site. ASSINE AQUI e leia a edição digital da VISÃO em primeira mão.
Se JÁ É ASSINANTE da VISÃO digital, leia na aplicação a nova edição ou clique AQUI.

Pack especial de curta duração de 9 revistas (edição digital) por €9,90 mês

ASSINE JÁ

ASSINE JÁ!

Mais na Visão

Sociedade

Inspetores do SEF acusados de homicídio no caso do ucraniano morto no aeroporto lançam suspeitas sobre seguranças privados

Em julgamento, os três arguidos também vão alegar que não foi disponibilizado a Ihor Homeniuk um medicamento para a síndrome de abstinência alcoólica, que lhe tinha sido receitado no Hospital de Santa Maria, e cuja falta “contribuiu para o agravamento da sua situação clínica”

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

A primeira tarefa urgente de Marcelo

O modelo do Infarmed não funciona. Cada uma fala da sua "quinta", apresenta as suas ideias e estudos, e no final ninguém fica habilitado, ou seguro, para tomar esta ou aquela decisão. É urgente, vital, que seja criado este grupo especial de combate

Exame Informática
Mercados

Huawei pode alienar marcas de smartphone P e Mate

Fabricante chinesa desmente categoricamente a intenção de alienar duas linhas de smartphones, mas fez o mesmo antes de confirmar a separação da marca Honor

Exame Informática
Mercados

Apple enfrenta novo processo na Europa por abrandar iPhones

Grupo italiano pede 60 milhões de euros à Apple, o que corresponde aproximadamente aos 60 euros que cada utilizador teria de pagar para substituir bateria dos equipamentos afetados

Mundo

Novo movimento #MeTooInceste em França leva a uma mudança da lei para proteger crianças vítimas de incesto e violência sexual

Após o lançamento de um livro que denunciou Olivier Duhamel, aclamado académico francês, pelo abuso sexual do seu enteado de 14 anos, surgiu um novo movimento em França: o #MeTooInceste. Ao longo deste mês, milhares de vítimas deram os seus testemunhos nas redes sociais - e o Presidente Macron foi obrigado a implementar reformas legais

Cultura

Cada um... na sua bolha. Como uma banda dos EUA deu um concerto ao vivo em plena pandemia

Sabe-se que a cultura tem sido muito afetada pela pandemia Covid-19, e não só em Portugal. Em vez das máscaras, uma banda dos EUA criou uma alternativa para os festivaleiros poderem desfrutar de música ao vivo em segurança: dentro de bolhas de plástico

Sociedade

Covid-19: Mapa atualizado da incidência por concelho deixa quase 70% do Continente no nível máximo

Quase 70% dos concelhos portugueses estão em risco extremo devido ao número de casos de covid-19, tendo registado uma taxa de incidência acumulada superior a 960 por 100 mil habitantes, entre 05 e 18 de janeiro

Imobiliário

Preços das casas só descem em 26% dos concelhos

Lisboa, Cascais e Porto com os valores mais elevados. Nos dois principais distritos do país, saiba quais são os concelhos onde se encontram as moradias mais baratas, segundo dados da Imovendo

Visão Saúde
VISÃO Saúde

"Como os mais pequenos não têm a capacidade de exprimir as emoções temos de estar atentos a sinais como a tristeza, a apatia ou quando ficam no canto deles"

A psicóloga Marta Calado dá sugestões aos pais sobre a melhor forma de lidar com as crianças e adolescentes no novo confinamento

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Vacina da Moderna parece eficaz contra as variantes sul-africana e britânica do coronavírus

Testes laboratoriais sugerem que os anticorpos desenvolvidos após a toma da vacina reconhecem (e combatem) as novas variantes do SARS-CoV-2

Opinião

Tenho mais medo de envelhecer que de morrer

É impossível negar que chegar a velho significa ter tido uma longa vida. Mas o que determina qual é a vida que tem mais valor? E se o novo for inútil e o velho tiver ainda muito para contribuir?

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Portugal regista 252 mortes em 24 horas

Duzentas e cinquenta e duas pessoas morreram em Portugal por covid-19 nas últimas 24 horas, tendo sido registados 6.923 novos casos de infeção com o novo coronavirus, segundo a DGS