Marquês de Pombal: A história secreta

E se começássemos por dizer que a controversa figura do marquês de Pombal podia muito bem nunca ter existido na nossa História? Sebastião José de Carvalho e Melo nasceu em 1699, em Lisboa, numa família tida como de fidalgos de terceira categoria – o avô homónimo e o pai, Manuel de Carvalho e Ataíde, eram meros capitães de cavalaria da Casa Real, com magros soldos e sem pagamentos em dia. Para contrariar a maledicência na corte sobre os “pergaminhos duvidosos” dos Carvalho e Melo, rumores que incluíam um suposto “sangue impuro” proveniente de uma africana e de uma cristã-nova, o pai de Sebastião José resolveu inventar um livro de genealogia. Impresso em 1702, em Nápoles, para fugir às autorizações necessárias em Portugal, Manuel de Carvalho e Ataíde ficcionou no livro, pela pena de um inexistente “prior D. Tivisco de Nasão Zarco y Colona”, ligações dos Carvalho e Melo a distintas raízes, de fidalgos da Restauração (a que acrescentou outros, como o florentino “Genebra Cavalcanti”) a “mestres-sala de D. João II”. A burla seria denunciada e eternizou-se como mancha na reputação da família.

Mas o livro que veio de Nápoles não nasceu de uma mente delirante. Fazia parte de uma luta, dir-se-ia obsessiva, que o avô de Sebastião José, Sebastião de Carvalho e Melo, e o pai travaram até ao fim das suas vidas – e que perderam. Desdobravam-se em litigâncias judiciais com o objetivo de reaver para a família o morgado de Carvalho, uma terriola perto de Coimbra que lhes devolveria “nome” e “brasão”. Ou seja, tirá-los-ia da relativa penúria e da irrelevância. Nunca conseguiram, porém, ganhar a causa, devido a um obstáculo colocado por um seu próprio antepassado, o qual, tendo um filho bastardo que demorou a reconhecer, deixou escrito que “a eleição” da “administração e senhorio” do morgado caberia “à Câmara da cidade de Coimbra, para que a apresentasse na pessoa que lhe parecesse mais idónea das da sua geração, sem atender à sucessão de pai e filho conforme o direito”.

Ironia trágica: embora tivesse sido instituído, em 1178, pelo antepassado Domingos Feyrol de Carvalho, o morgado estava, desde a Restauração de 1640, na posse do conde de Atouguia, um ramo dos Távora, família da alta nobreza que, muitos anos mais tarde, quando o poder do marquês de Pombal se encontrava no auge, foi barbaramente executada num patíbulo, em Belém. E então, sim, o tão desejado morgado passou para as mãos dos Carvalho e Melo…

Este artigo não está disponível no site. ASSINE AQUI e leia a edição digital da VISÃO em primeira mão.
Se JÁ É ASSINANTE da VISÃO digital, leia na aplicação a nova edição ou clique AQUI.

Assine a VISÃO em digital ou papel, a partir de 1,90 por edição. Ao assinar está a apoiar o jornalismo independente e de qualidade.

É PRECISO TER VISÃO

ASSINE JÁ!

Mais na Visão

Exame Informática
Direto do Lab

Samsung Galaxy Z Fold 2 em análise

Este novo smartphone dobrável apresenta melhor qualidade de construção e destaque para o novo sistema de dobradiça que possibilita diferentes cenários de utilização. O Galaxy Z Fold 2 consegue mostrar duas aplicações em simultâneo, permitindo uma utilização mais fácil em contexto profissional

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Portugal com mais de 4.000 infetados em 24 horas

Portugal ultrapassou hoje os 4.000 casos diários de infeção com o novo coronavírus, registando 4.224 novos casos, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde

Exame Informática
Exame Informática

Envelhecimento: Por que razão umas pessoas perdem a memória rapidamente e outras não

A Cientista Luísa Vaqueiro Lopes é uma das vencedoras de concurso internacional para o estudo do envelhecimento. Com o patrocínio da Academia Nacional de Medicina americana e em colaboração com outros dois cientistas - uma americana e um japonês - irá estudar o papel do neurotransmissor acetilcolina na perda de memória

VOLT
Volt

Cupra Leon e-Hybrid: primeiro contacto em direto

Já conduzimos o plug-in que apela a condutores que valorizam o comportamento desportivo. Conheça as nossas primeiras impressões neste vídeo feito em direto.

Sociedade

As imagens do ajuntamento para ver as ondas da Nazaré

Milhares de pessoas juntaram-se, esta manhã, na Praia do Norte, na expectativa de verem as ondas gigantes da Nazaré. O distanciamento social não foi cumprido e várias pessoas não usavam máscara. Veja as imagens

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: As razões para as mortes não estarem a aumentar, apesar do crescimento de infeções nesta segunda vaga

Os mais recente dados disponíveis indicam que a taxa de mortalidade não está a acompanhar a subida de casos. Mas nem tudo são boas notícias

Exame Informática
Ciência

ROXY: Projeto liderado pela Airbus transforma poeira lunar em oxigénio

O processo ROXY prevê a produção de oxigénio e metais a partir da poeira na Lua, foi criado após dois anos de pesquisa e pode revolucionar a exploração espacial

Cultura

Ana Rocha de Sousa: "Vou ser muitas vezes inconveniente"

De estrela juvenil da televisão a realizadora multipremiada no Festival de Veneza, e logo com a sua primeira longa-metragem – Listen, passada em Inglaterra, sobre um tema polémico –, Ana Rocha de Sousa revela-se, na primeira pessoa

Exame Informática
Hardware

Logitech ERGO M575: Um rato sem fios e que pode usar sem mexer o braço

Ergo M575 é o novo rato trackball sem fios e ergonómico da Logitech, que chega ao mercado ainda este mês e que custa cerca de 50 €

Atualidade

Está apto para salvar o ambiente? Teste os seus conhecimentos

A sustentabilidade não é só um assunto na moda, é uma responsabilidade cívica. Será que sabe tudo o que podia saber?

Opinião

Um voto na Flórida pode mudar o mundo?

Sabemos, por exemplo, que os EUA, então a única superpotência global, teriam enveredado por um caminho completamente diferente em matéria de ambiente e liderado o mundo no combate às alterações climáticas. Tudo o que Al Gore fez depois dessa derrota não deixa margem para grandes dúvidas sobre qual teria sido o seu caminho nessa matéria. E o mundo estaria, hoje, certamente melhor, sem tantos anos perdidos pelo caminho

Editorial

Obscurantismo 2.0 e os quatro tipos de negacionistas Covid

Há os alucinados, os libertários, os chico-espertos e os ignorantes. Todos são perigosos, mas uns mais perigosos do que outros