Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

Johnson&Johnson: regulador norte-americano confirma presença de amianto no pó de talco para bebé

Exame

Mike Segar/ Reuters

CEO da companhia testemunhou, no início deste mês, não haver provas da existência daquela susbstância no produto. Empresa enfrenta vários processos em tribunal

A agência noticiosa Reuters revelou esta quarta-feira que, há cerca de 13 dias, o CEO da Johnson & Johnson afirmou em depoimento que o seu pó de talco para bebé era totalmente seguro e não conteria qualquer vestígio de amianto, ao contrário daquilo que tem sido alegado por alguns dos utilizadores que processam a companhia - um dos quais enfrenta uma batalha contra o cancro que, acredita, terá sido causado por décadas de utilização de pó de talco da marca americana. As declarações ainda não tinham sido tornadas públicas e agora tomam outros contornos.

É que poucos dias depois das declarações de Alex Gorsky, no entanto, a empresa retirou do mercado, pela primeira vez na sua história, cerca de 33 mil embalagens de um lote de pó de talco. A decisão aconteceu um dia depois de a Food and Drugs Administration (FDA, que será o equivalente ao Infarmed português) revelar que os seus testes tinham revelado vestígios de amianto numa das embalagens de pó de talco.

“Acreditamos, inequivocamente, que o nosso talco e o nosso pó para bebés não contém amianto”, terá testemunhado Gorsky no dia 3 de outubro durante o julgamento do caso de um professor do Indiana cujo cancro atribuiu à utilização do pó de talco. Segundo Gorsky, houve “milhares de testes e de estudos” que sustentam o seu depoimento. E repetiu: “Não tenho conhecimento de que o nosso produto contenha amianto”.

As ações da empresa sofreram um tombo nos mercados financeiros na passada sexta-feira, aquando da retirada do produto das prateleiras. A Johnson & Johnson enfrenta milhares de processos relacionados com vários produtos, incluindo uma ação coletiva com mais de 15 mil consumidores que alegam que o pós de talco para bebé foi o causador dos seus cancros.

Num comunicado libertado no passado domingo, dia 20, a gigante norte-americana referia que “durante os últimos 40 anos, milhares de testes confirmaram repetidamente que os nossos produtos de talco não contêm amianto, incluindo testes feitos imediatamente antes dos que foram levados a cabo pela FDA” e afirmava ainda que não sabia se os testes levados a cabo pela autoridade norte-americana poderiam ter sido feitos a uma embalagem contrafeita, que não estivesse devidamente selada ou que pudesse, até, não ser um falso positivo.

A empresa reforçava ainda que “durante os seus 133 anos de história, as empresas da Johnson & Johnson têm estado sempre comprometidas com o bem-estar dos consumidores, algo que continuará a fazer”.