Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

Estas são as empresas mais antigas do mundo...

Exame

Pode uma empresa viver para sempre? A experiência e o senso comum dizem-nos que não mas, se olharmos para o número de anos que algumas empresas já têm, somos visitados por algumas dúvidas... Este texto foi originalmente publicado na edição de maio de 2018 da revista EXAME

Sem dúvida que as startups vieram dinamizar o mercado, mas será que justificam toda a atenção que recebem, sobretudo quando sabemos que 90% delas terminam em falência antes ainda de chegar à idade adulta? Porque não olhar para aquelas empresas que andam a ganhar dinheiro há mais de 300, 500, 1000 anos? Podem ser micro, pequenas, médias ou muito grandes. O tamanho pouco importa – apenas o facto de existirem há muitos, muitos anos

705 /Japão
Nishiyama Onsen Keiunkan

O Nishi é o mais antigo hotel do mundo, e possivelmente a mais antiga empresa também. É tão antigo que o ano do seu nascimento se escreve com três números apenas. São 1313 anos. Mais surpreendente ainda, esteve sempre nas mãos da mesma família. São já 52 gerações desde que Fujiwara Mahito fundou estas termas bem perto do monte Fuji. Por esta altura, aliás, já não se trata apenas da família do proprietário, pois muitos dos postos de trabalho viraram quase um assunto de herança para as famílias das redondezas. E assim se fomenta um espírito de comunidade e um sentido de dedicação sem paralelo na indústria hoteleira.

803 /São Pedro, em Salzburgo
Stiftskeller

Consegue imaginar fazer uma refeição no mesmo restaurante que serviu Carlos Magno (742-814), o primeiro imperador europeu? O Stiftskeller está extremamente bem localizado, na abadia de São Pedro, em Salzburgo, e diz--se que foi fundado em 803, porque nessa data foi feita a primeira referência ao restaurante, pelo clérigo Alcuíno que acompanhava o séquito de Carlos Magno. Alcuíno virou santo patrono das universidades cristãs, e o Stiftskeller continuou a servir reis, cardeais, artistas como Mozart ou descobridores, como Cristóvão Colombo, ao longo dos 1200 anos seguintes.

900 / Irlanda 953 /Bingley Arms, Reino Unido
Seans Bar

Uma verdade imutável é a sua localização, que o diga o Seans Bar, que precede temporalmente o Bingley em 50 anos. O Seans fica situado nas margens do rio Shannon, na altura um ponto de passagem entre os fiordes que ainda subsistiam nessa época. Ainda hoje ocupa uma posição central no coração da Irlanda. Nos anos 1970, foram realizadas obras de renovação no bar que revelaram técnicas de construção, canecas e moedas do século X. Entre os muitos proprietários descobrimos o cantor Boy George, nos anos 1980.
Para desafiar os séculos é sempre bom apostar em suprir as necessidades humanas mais básicas. Foi assim que nasceu outro pub, o Bingley Arms, numa altura em que os víquingues invadiam a Inglaterra e o rei Alfredo, o Grande, acabava de morrer. Matava a fome e a sede a camponeses e a soldados de Barsley, perto de Leeds, embora nessa altura a cidade ainda nem sequer existisse. Por algum tempo, o Bingley ficou também conhecido como a “estalagem dos padres”, porque dava abrigo aos padres católicos perseguidos em Inglaterra. Ainda hoje é possível observar, na grande chaminé do bar, os buracos utilizados para os esconder.

1000 /França
Castelo de Goulaine

Os Goulaine são uma antiga família nobre que participou em cruzadas, mediou conflitos entre França e Inglaterra, ou tomou o partido dos católicos contra os protestantes nas guerras de religião. Há mais de mil anos que os Goulaine habitam o mesmo castelo na Bretanha, e sempre o fizeram exceto num curto período da Revolução Francesa, em que “venderam” a propriedade a um negociante holandês e fugiram, regressando apenas quando já não corriam riscos de perdê-la. Na propriedade, os Goulaine sempre fizeram vinho, sendo por isso o mais antigo produtor em atividade e o negócio familiar mais antigo da Europa. Hoje é mesmo o último dos grandes castelos do Loire que ainda produz um excelente Muscadet. Declarado monumento histórico pelo governo francês em 1913, o castelo de Goulaine sofreu muitas remodelações ao longo dos anos, mas ainda é possível observar as fortificações medievais. Hoje duplica a sua atividade como turismo de habitação, mas os Goulaine ainda habitam no primeiro andar.

1040 /Itália
Pontificia Fonderia Marinelli

Antigamente havia muitas fundições em Agnone, uma aldeia nos montes apeninos. Agora resta apenas uma, a primeira, a original. Desde 1339 que a fundição é gerida pela mesma família, e ainda são dois irmãos Marinelli que podemos encontrar ao leme desta casa que produz maioritariamente sinos para o Vaticano. É a única com selo de aprovação papal.

1472 /Itália
Banca Monte dei Paschi di Siena

Os tempos não estão fáceis para a Banca Monte dei Paschi di Siena (MPS). Apesar de ser o terceiro (ou quarto, depende das análises) maior banco comercial de Itália, nos últimos dois anos sucederam-se escândalos de corrupção, crédito malparado e perdas no valor de €6,7 mil milhões (onde é que já se viu isto?), acabando mesmo por ser resgatado pelo Governo italiano, em 2017, o que levou até a um confronto direto com a União Europeia. Agora, segundo a Bloomberg, o Governo pondera uma fusão com, pelo menos, outra instituição de crédito, numa tentativa de consolidar o setor. Será este o fim para um banco que se orgulha de ser o mais antigo da História?
O MPS foi fundado em 1472 pela República de Siena, como um Monte Pio, para conceder ajuda aos mais carenciados. Mas rapidamente se transformou num banco tradicional, algo confirmado pelas reformas de 1568 e 1624. Nesse ano, Siena estava sob domínio dos Médici, e o grande-duque garantiu todos os depósitos com o rendimento das suas terras de pasto (Paschi). Em troca, exigiu “apenas” ser indemnizado por todos os cidadãos de Siena, caso ocorressem perdas...

1422 /Estónia
Raeapteek

A Officina Profumo Farmaceutica di Santa Maria Novella foi fundada “apenas” em 1612, pelo que a “pharmacia” Raeapteek, em Tallin, é a mais antiga ainda em atividade. Certamente testemunho da qualidade dos seus unguentos e remédios, que a dada altura incluíram pó de chifre de unicórnio e de múmias egípcias.

1526 /Itália
Fabbrica d’Armi Pietro Beretta

A Beretta anda há praticamente meio milénio a construir armas de fogo e a equipar exércitos em todas as grandes guerras. Forneceu os arcabuzes para a famosa batalha do Lepanto, em 1576, quando uma armada da Liga Santa (montada pelo Rei Filipe II de Espanha e I de Portugal e pela República de Veneza) enfrentou o Império Otomano. A vitória europeia marcou o fim da expansão otomana pelo Mediterrâneo, e os arcabuzes da Beretta foram cruciais para a alcançar. A companhia tinha sido fundada poucos anos antes, por Bartolomeo Beretta, e os seus segredos foram passando de pai para filho pelos séculos vindouros, nunca saindo da família. Hoje é Ugo Gussalli Beretta que, com a ajuda dos filhos Pietro e Franco, gere a companhia que, entre 1986 e 2017, manteve com as Forças Armadas norte-americanas o contrato mais lucrativo de sempre, tendo entregue perto de 600 mil pistolas M9.

1623 /Turquia
Zildjian

Era uma vez um alquimista turco de nome Avedis que se encontrava ao serviço do sultão Osman II, buscando a fórmula para transformar qualquer metal em ouro. Foi então que descobriu uma nova liga de estanho, cobre e metal, que possuía excelentes propriedades musicais e não se partia com as vibrações. O sultão acrescentou-lhe Zildjian, ou “fazedor de címbalos”, ao nome, e permitiu que continuasse o negócio por conta própria. Tinha nascido uma lenda, e desde Mozart que os címbalos – ou pratos de bateria – são um elemento fundamental nas melhores músicas. A companhia mudou-se para os Estados Unidos da América, em 1909, mas a posse manteve-se nas mãos dos Zildjian, e o segredo da liga a ser transmitido apenas de pai para filho – ou filha, porque desde a década de 1970 que a Zildjian é gerida por mulheres.

1608 /Irlanda
Bushmills

Os irlandeses dizem que Deus inventou o uísque para os impedir de governar o mundo. A Bushmills ocupa um papel principal nessa estratégia divina, não só por ser a destilaria mais antiga da História (receberam permissão do rei James I no dia 20 de abril de 1608), como porque desde esse dia nunca mais deixaram de produzir alguns dos melhores uísques que o palato humano já provou. Aliás, alguma vez viram um ditador irlandês?