Exame

Siga-nos nas redes

Perfil

Pestana e Enatur investem um milhão para reabrir Pousada de Setúbal em 2020

Exame

Marcos Borga

Capacidade de alojamento vai duplicar e o número de postos de trabalho aumenta de 15 para 25.

A Pousada de Setúbal, cujo funcionamento se encontra suspenso desde 2014, vai receber obras de remodelação e ampliação para voltar a abrir ao público em 2020. O anúncio foi feito esta quinta-feira em Setúbal pelo Grupo Pestana, que tem a concessão da rede de Pousadas de Portugal e que, com a Enatur, vai investir cerca de um milhão de euros na intervenção.

Com as obras - suportadas em 750 mil euros pela Enatur, empresa detida a 51% pelo Turismo de Portugal e a 49% pelo Grupo Pestana Pousadas - o edifício localizado no forte de São Filipe mais do que duplicará a sua capacidade, de 16 para 35 quartos. "É duas vezes mais do que o que aqui estava, com mais serviços e mais potencial de rentabilidade," realçou o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, durante a apresentação. "É um projeto que conheço e acarinho."

As intervenções, além de permitirem o aumento da capacidade, vão também reposicionar a receção do edifício e tornar o espaço acessível a pessoas com mobilidade reduzida. Está ainda prevista a construção de uma piscina e a reconfiguração do local do restaurante.

O projeto, que já se encontra viabilizado pela Direção Geral do Património Cultural, aguarda licenciamento da parte da Câmara Municipal de Setúbal, onde foi entregue em março. Assim que o licenciamento seja concedido, o presidente das Pousadas de Portugal, Luís Castanheira Lopes, espera que a obra demore um ano a estar concluída. "No princípio de 2020, é aceitável," concretiza.

Quando a Pousada reabrir, o grupo Pestana estima a criação de 10 novos postos de trabalho, a juntar aos 15 que se encontravam ao serviço do empreendimento aquando da suspensão de funcionamento e que ou tinham sido reposicionados pelo grupo Pestana noutras unidades ou rescindiram contrato entretanto.

A atividade da Pousada de Setúbal está suspensa há quatro anos devido a razões de segurança, relacionadas com a instabilidade da encosta onde se encontra implantado o edifício de origem militar e que está a ser consolidada pela autarquia.

A fortaleza de São Filipe foi construída no final do século XVI sob domínio filipino para a defesa de Setúbal e da foz do rio Sado. No século XIX os edifícios localizados no interior da fortificação foram destruídos por um incêndio e, nos anos 60 do século passado, a estrutura foi adaptada à instalação de uma Pousada de Portugal. A partir de 2003, com a assinatura do contrato de concessão com o Estado, a gestão das Pousadas de Portugal passou para a esfera do Grupo Pestana.