Viver no fundo do mar para descobrir os seus segredos

Sabemos mais sobre a superfície da Lua do que sobre o fundo do mar, já o escrevemos aqui, mas Ghislain Bardout acrescenta que “90% dos nossos oceanos continuam por explorar”. Noventa por cento! Há muito ainda por descobrir neste Planeta Azul, e é esse caminho que o francês está a desbravar.

Ghislain vive praticamente no mar, num veleiro oceanográfico, junto com a mulher, Emmanuelle Bardout, com quem partilha a aventura, os filhos Tom e Robin, de 4 e 8 anos, uma cadela husky chamada Kayak e uma equipa de mais oito cientistas.

“Os humanos serão sempre exploradores”, avança Ghislain, que já mergulhou inclusivamente debaixo do Círculo Polar Ártico, no extremo mais agreste e inóspito do planeta. A grande diferença é que, “hoje em dia, as explorações devem servir um objetivo maior, a conservação ambiental”.

Ghislain Bardout, co-fundador e diretor das expedições Under The Pole (Frank Gazzola /Rolex)

Para os Bardout, isso implica alterar a forma como se explora o mar: “Antigamente, o objetivo era mergulhar cada vez mais fundo, mas hoje o desafio reside na capacidade de manter a imersão por longos períodos de tempo, com o objetivo de estudar e compreender os oceanos e a vida que aqui vive.” Para perceber melhor a ideia, imaginemos um explorador numa selva: quando chega vai alterar o comportamento dos animais e, apenas passadas algumas horas, ou dias, será possível observar esse habitat como realmente é. Debaixo de água acontece o mesmo.

Para o conseguirem, os Bardout desenvolveram uma nova cápsula que permite ficar submerso por 72 horas seguidas, servindo também de “acampamento-base” para realizar mergulhos com maior profundidade. Lá em baixo, respiram uma mistura de gazes e oxigénio, que permite reduzir brutalmente o tempo de descompressão, mas obriga-os a falar com aquela voz de quem inspirou um balão. Estas cápsulas serão um dos fatores decisivos para o sucesso da próxima expedição, a quarta: Under the Pole IV – Deep Life, que preparam já sob os auspícios da Década dos Oceanos das Nações Unidas. O objetivo será explorar as florestas marinhas na zona mesofótica, ou seja, entre os 30 e os 200 metros de profundidade, e o papel que desempenham nos ecossistemas marinhos. Viajarão uma vez mais até ao Círculo Polar, a Svalbard, em meados de março do próximo ano, e ali ficarão até junho ou julho. Regressarão depois à Bretanha, para uma escala técnica (e merecidas férias) antes de partirem de novo em setembro, desta vez para as Canárias, e dali diretamente para as Caraíbas, provavelmente em setembro, onde permanecerão até maio de 2023.

A união dos dois Bardout foi um casamento feito no céu − ou pelo menos lá em cima, no Polo Norte, onde se conheceram numa expedição científica em 2007. Ela era a comandante do navio, ele o mergulhador. Foi a paixão pela conservação que os juntou e, pouco depois, estavam a planear uma nova expedição ao Polo. Foram três anos de dificuldades e perseverança, mas, uma vez conseguido o apoio da Rolex, puderam partir em 2010. A equipa (de oito pessoas mais a Kayak) percorreu o Polo a pé, até ao ponto cardeal, realizando os primeiros mergulhos em zonas absolutamente inexploradas, e nas condições climatéricas mais difíceis, como recorda Ghislain: “O equipamento de mergulho não tinha nenhum defeito, mas as condições eram tão más que o material simplesmente não aguentava.” Ainda assim, a missão foi um sucesso e conseguiram realizar 51 mergulhos e fotografar e filmar, pela primeira vez, esse mundo maravilhoso debaixo do gelo. Essas imagens inéditas percorreram e encantaram o resto do mundo, mas a missão serviu também para perceber como “a maior parte do degelo ocorre debaixo de água, não em cima, para onde toda a gente olha”.

Prolongar o tempo submerso é o objetivo de Bardout

Regressariam quatro anos mais tarde, para continuar o trabalho de avaliação dos bancos de gelo polar e a biodiversidade da zona. Nesta Under the Pole II conseguiram realizar 400 mergulhos, até que o degelo precoce os obrigou a encurtar a missão, “os bancos estão a derreter mesmo à nossa frente, e não estão a recuperar”, avisa.

A Under the Pole III foi mais longa, começando em 2017 e terminando apenas este ano. Desta vez circum-navegaram o globo, do Polo Norte ao Polo Sul, entre o Pacífico e o Atlântico, por águas tantas vezes navegadas, mas nem por isso mais conhecidas. Mergulharam em profundidade, e descobriram uma riqueza biológica incrível, trazendo inclusivamente amostras de coral recolhidas a 172 metros de profundidade, onde antes não se admitia como possível a sua existência. Descobriram, ainda, que entre os 40 e os 60 metros existe uma maior biodiversidade de corais do que até aos 40 metros. Algo que a comunidade científica também desconhecia. São cerca de 60% dos corais, estimam, por oposição aos 25% que se pensava. Uma descoberta fundamental e que nos deve encher de esperança, pois estes corais profundos poderão ser utilizados para replantar os recifes à superfície. O que, se teme, venha mesmo a ser necessário.

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

ASSINE JÁ

Mais na Visão

Legislativas 2022

Rio passeou por Alvalade envolvido num abraço laranja gigante e recusou convite para pingue-pongue com Costa

Rodeado pelos seus, o líder do PSD entrou em meia dúzia de lojas e restaurantes na Avenida da Igreja, em Lisboa, para cumprimentar eleitores. Recebeu uma laranja, prometeu voltar por um croquete, mas dirigentes, apoiantes e JSD garantiram que não se ficava pelas miudezas, criando um autêntico espetáculo pré-pandemia. Máquina partidária não estava à espera de tanta gente e não conseguiu evitar uma arruada “à antiga”, que acabou com Rio a acusar Costa de amedrontar os portugueses com o “papão da direita”, quando “o PSD nem sequer é de direita”, e a prometer deixar o PS a falar sozinho

LD Linhas Direitas
Linhas Direitas

O que falta para o voto digital?

Pode-se renovar o cartão de cidadão, uma carta de condução, pedir um registo criminal, criar uma empresa, ou até solicitar a reforma, para além de inúmeros outros atos, mas não se pode votar eletronicamente

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Menino de 6 anos com teste positivo morreu no domingo no Hospital Santa Maria

Um menino de 6 anos com teste positivo para Sars-CoV-2 morreu no domingo no Hospital Santa Maria, anunciou hoje o Centro Hospitalar (CHULN), referindo que as causas estão a ser analisadas

Atualidade

Fugitivo americano que fingiu a própria morte encontrado vivo na Escócia depois de a Covid-19 o ter feito ficar ligado a um ventilador

A sua morte foi noticiada em vários órgãos de comunicação em fevereiro mas agora a Covid empurrou-o para um hospital, onde foi, finalmente, detido

Sociedade

Covid-19: Aberto autoagendamento para maiores de 40 anos para dose de reforço

A marcação da toma da dose de reforço da vacina contra a covid-19 está disponível, desde hoje, para pessoas com 40 ou mais anos no portal do autoagendamento da Direção-Geral da Saúde

Sociedade

Afinal, meteorito proveniente de Marte não contém sinais de vida primitiva no planeta vermelho

Em 1996, uma equipa da NASA anunciou que os compostos orgânicos encontrados num meteorito de 4 mil milhões de anos proveniente de Marte e descoberto em 1984 na Antártida podiam ser sinais de vida marciana antiga. Um novo estudo desfaz essa ideia à volta do polémico meteorito

Mundo

Covid-19: Grécia começa a multar pessoas com mais de 60 anos que não estejam vacinadas

Cerca de 300 mil gregos acima dos 60 anos poderão ser obrigados a pagar uma multa por não estarem vacinados, já que termina hoje o prazo que o Governo grego estabeleceu para se imunizarem contra a doença covid-19

Mundo

Covid-19: Maioria dos brasileiros acredita que Bolsonaro dificulta vacinação de crianças

Seis em cada dez brasileiros disseram acreditar que o Presidente do país, Jair Bolsonaro, dificulta a vacinação de crianças contra a covid-19, de acordo com uma sondagem do Instituto DataFolha publicada hoje

Legislativas 2022

Costa avisa: Rio abriu "brecha". Se "normaliza" perpétua, tudo o resto corre risco. E "candidatos muito modernos" também são de recear e ter debaixo de olho

Pousado em Lisboa ao segundo dia de campanha, Costa mandou um recado a Rio: o líder do PSD abriu "uma brecha" ao tentar "normalizar" propostas do Chega. Sem falar no nome do social-democrata, o secretário-geral do PS alertou que, após esse gesto, "se começa a achar" que se pode normalizar desde o racismo à homofobia, mas também preveniu para os candidatos "com ar muito moderno"

Mundo

Os 10 homens mais ricos do mundo duplicaram a sua riqueza durante a pandemia

No mesmo período, cerca de 160 milhões de pessoas passaram a situação de pobreza

Economia

Músico Armando Gama morre aos 67 anos

O cantor Armando Gama morreu na madrugada de hoje, aos 67 anos, no Instituto Português de Oncologia (IPO), em Lisboa, onde se encontrava internado, disse à Lusa fonte próxima da família

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Portugal é quarto país da UE e sexto do mundo com mais novos contágios diários

Portugal é o quarto país da União Europeia (UE) e sexto do mundo com mais novos casos diários de contágio com SARS-CoV-2 por milhão de habitantes nos últimos sete dias, segundo o 'site' estatístico Our World in Data