A poluição sonora já devasta a vida animal dos oceanos. Michel André está à escuta

Em 1956, Jacques Cousteau e Louis Malle ganharam a Palma de Ouro em Cannes com Le Monde du Silence. Foi um dos primeiros documentários a retratarem o fundo do mar a cores, e maravilhou inúmeros espetadores por todo o mundo. Ganhou inclusivamente um Óscar no ano seguinte, mas o título dado ao filme não podia estar mais errado.

Durante séculos, a Humanidade criou esta imagem de um azul profundo e silencioso, mas os oceanos nunca foram silenciosos. Na água, o som propaga-se mais veloz e mais longe do que no ar, ao contrário da luz que apenas consegue penetrar meia dúzia de metros em profundidade. O som é o único “sentido” para muitas espécies, desempenhando um papel fundamental na sua orientação e comunicação – e é por isso que o aumento da poluição sonora é tão perigosa: “Temos de perceber que o ruído é vital para a sobrevivência do oceano, e para a sobrevivência da Humanidade, e temos de dar o nosso melhor para reduzir esta contaminação sonora”, avisa o especialista em Bioacústica, Michel André, o principal responsável por esta nova perceção da realidade.

O cientista francês realizou os primeiros estudos bioacústicos no mar na viragem do milénio, recorrendo a um conjunto de novas tecnologias como os hidrofones, e rapidamente se apercebeu da existência de todo o tipo de sons provocados pelo Homem que inutilizavam as suas gravações. “Pensei então se não estaria a acontecer o mesmo com os animais, se todos estes sons estranhos não os impediam também de receber as informações que procuravam. Podíamos estar perante um problema de conservação que desconhecíamos.”

De facto, pouco depois surgiram relatos de colisões entre cachalotes e ferries de passageiros nas ilhas Canárias – colisões fatais para os animais. Michel André mudou-se para Las Palmas onde descobriu como os cetáceos (que dependem da acústica para se orientarem) estavam a ser vítimas do ruído gerado pelo tráfego marítimo, que os desorientava.

MicMichel André desenvolveu o Sistema Anti-Colisão de Baleias (WACS) para evitar que os navios enbatam nos animais. Ele descobriu que, devido ao crescente tumulto do som gerado pelo homem nos oceanos do mundo, os mamíferos gigantes não podiam ouvir nem evitar os navios que se aproximavam (François Gohier/Foto-Agentur Sutter)

Esse trabalho valeu-lhe um Rolex Award For Enterprise em 2002, e aproveitou o prémio para financiar a investigação de um sistema de alerta que permitisse aos navios evitarem os cachalotes. “Acredito que progresso e Natureza podem coexistir, mas será necessário recorrer à tecnologia para que isso aconteça. A mesma tecnologia que durante um século prejudicou os oceanos pode ser utilizada para atingirmos o equilíbrio acústico”, afirma.

Tem sido esse o trabalho da sua vida ao longo dos últimos 20 anos. Michel André é agora professor de Bioacústica na Universidade Politécnica da Catalunha, em Barcelona, e dirige o LAB (Laboratório de Bioacústica Aplicada), onde criou um projeto de observação sonora à escala mundial com mais de 150 “postos de escuta”, todos conectados em rede e criando “uma imagem verdadeiramente global do som do oceano e os seus efeitos”.

Descobriu como até os seres mais insuspeitos, como polvos, crustáceos, bivalves, alforrecas ou corais, desprovidos de aparelho auditivo, possuem sensores sensíveis às vibrações acústicas, e sofrem igualmente com níveis de ruído muito altos. As suas pesquisas saltaram inclusivamente do meio aquático e são agora utilizadas para evitar atropelamentos de elefantes por comboios, na Índia, para criar uma nova disciplina da espeleologia baseada na acústica dentro das cavernas, ou para salvar a maior floresta do mundo: “Os satélites conseguem ver se estão a derrubar árvores na Amazónia, mas não conseguem perceber qual o estado de saúde da floresta. A acústica consegue.”

A antena do Whale Anti-Collision System (WACS) é abaixada na água do navio Moline durante o teste (Kurt Amsler/Rolex)

Nestes últimos anos assistimos já à adoção de algumas boas práticas, como a insonorização das salas de máquinas nos navios de carga mais modernos, ou a utilização de membranas isolantes, nas turbinas eólicas colocadas em alto-mar, mas há ainda muito a fazer, “sobretudo no caso das explorações de petróleo e de gás natural, atividades excessivamente ruidosas para a vida marinha, tal como os sonares das marinhas de guerra. Temos de continuar a procurar soluções alternativas”, conclui, sempre com uma nota de esperança.

Até lá, Michel André continua a “tentar ouvir a Natureza”. Mesmo quando não está a trabalhar, mesmo sem equipamentos especiais, porque “a Humanidade perdeu essa capacidade há muitos anos, de ouvir e compreender a Natureza”. E ele está a tentar recuperá-la.

Michel André usa a bioacústica para estudar e monitorizartambém a biodiversidade da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, no Brasil (Teresa Correa)

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e a organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba mais sobre esta missão comum.

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

Uma VISÃO mais completa

Assinar agora

Mais na Visão

LD Linhas Direitas
Linhas Direitas

Nem Orçamento nem Maternidade

Este Orçamento, como está, já morreu. E foi de arritmia. Fulminante. O Governo ainda tentou, o PR também, mas não há manobra que o reanime

Mundo

Juiz Ivo Rosa manda desbloquear conta bancária de Tchizé dos Santos

O Tribunal Central de Instrução Criminal desbloqueou uma conta bancária de Tchizé dos Santos, filha do ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos, por "decurso excessivo" do tempo e falta de provas quanto à origem ilícita dos fundos

Política

OE2022: "Já disse muito, vamos esperar agora os próximos dias", afirma Presidente da República

O PR recusou hoje falar mais sobre as negociações do Orçamento do Estado para 2022 e uma eventual crise política, considerando que agora há que aguardar o que acontece nos próximos dias

Ideias

"Esta sensação de incerteza permanente desgasta, cria ansiedade e frustrações. As pessoas estão sempre a gerir o imediato. A precariedade não é apenas um fenómeno laboral"

Renato Miguel do Carmo, diretor do Observatório das Desigualdades, em entrevista à VISÃO

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Longevidade. O que a ciência sabe sobre como prolongar a vida de maneira saudável

Quer viver até aos 100 anos? A ciência revela que hábitos alimentares e de exercício físico saudáveis e uma perspetiva mental otimista podem ajudar a retardar os efeitos do envelhecimento e das doenças que lhe estão associadas

Economia

OE2022: BE vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais

O BE anunciou hoje que vai enviar ao Governo propostas de articulado de 9 pontos negociais colocados em cima da mesa no início de setembro, aos quais declara não ter obtido resposta

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Ficar muito tempo sentado é mau para a saúde. Devemos passar mais tempo agachados?

Novas descobertas científicas revelam que os nossos corpos podem estar evolutivamente adaptados à atividade muscular contínua, algo que não conseguimos estando sentados durante grande parte do dia. Uma nova investigação, que analisou uma tribo de caçadores-recoletores na Tanzânia, sugere que talvez seja melhor passarmos menos tempo sentados em cadeiras e mais tempo agachados no chão

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Portugal com mais 465 confirmados e nove mortes desde sábado

Portugal regista hoje mais 465 casos confirmados de infeção com o coronavírus SARS-CoV-2, nove mortes e um aumento dos internamentos em enfermaria e em unidades de cuidados intensivos - DGS

RIR HUMOR FELIZ
Sociedade

Querida serotonina: o que sentimos quando a "molécula da felicidade" nos falta e como recuperá-la

Sem ela, a nossa vida complica-se: ficamos mais nervosos, cansados, deprimidos e com dificuldades em manter a cabeça no lugar e o corpo regulado. Conhecer os sinais de alerta e tomar alguns cuidados é a via para retomar o equilíbrio

Artigos de Newsletter

Telegrama: O êxito de “Squid Game” é consequência do descontentamento global contra a desigualdade? (sem spoilers...)

"Squide Game" vem na linha de outros trabalhos sul-coreanos que “lidam com as ansiedades económicas e a luta de classes, temas que estão profundamente enraizados nas preocupações da população, mas também no resto do mundo”. O seu êxito deve-se à mistura inteligente entre um “entretenimento violento” e uma “crítica muito atual ao capitalismo”

VISÃO VERDE
VISÃO Verde

Químico encontrado em milhares de produtos está ligado a morte prematura, segundo estudo

Um novo estudo científico concluiu que uma maior concentração de ftalatos no organismo está ligada a um maior risco de morte prematura. Os ftalatos são compostos presentes em produtos de plástico

Sociedade
Exclusivo

Muito além da quimioterapia: As novas esperanças e os avanços da Ciência contra o cancro

Desengatar o travão de mão do sistema imunitário, carregar a fundo no acelerador com uma vacina, enviar anticorpos à boleia de células T, isolar alvos e abatê-los com tiros certeiros de medicamentos biológicos... No futuro da luta contra o cancro, há muita vida para além da quimioterapia