Em contrarrelógio para salvar os cavalos-marinhos da ria Formosa

Em poucos anos passámos de uma comunidade com quase dois milhões de cavalos-marinhos na ria Formosa, de longe a maior densidade populacional em todo o mundo, para pouco mais de 150 mil indivíduos. A devastação foi de tal ordem − em menos de duas décadas − que seria necessária uma dose extra de fé para acreditar no milagre da multiplicação destes peixes. No entanto, Miguel Correia, investigador do Centro de Ciências do Mar (CCMar) da Universidade do Algarve, acredita que temos razões para estar otimistas. Justifica-o com a criação de duas zonas de proteção na ria: “Uma coisa fantástica, que nunca pensei que pudesse vir a acontecer.

Não é fácil descobrir um cavalo-marinho na Natureza. São animais extremamente pequenos, com uma capacidade de camuflagem impressionante. “É como encontrar o Wally”, brinca. Depois de incontáveis mergulhos à sua procura, Miguel realizou os últimos censos à população na ria, consagrando os seus dias a estudar o pequeno peixe. Coordena também, a nível europeu, as ações no âmbito da União Internacional para a Conservação da Natureza.

Mas o que se passou, então, para chegarmos a um panorama tão desolador? Como se formou o que nas palavras do biólogo foi uma “tempestade perfeita”, que atingiu tão fortemente a população de cavalos-marinhos na ria?

Miguel Correia durante um trabalho de campo na ria Formosa.

Parte da explicação encontra-se nas alterações climáticas, e no consequente aumento da temperatura das águas, que trouxe duas espécies invasoras: o caranguejo-azul do Mediterrâneo, um dos poucos (potenciais) predadores dos cavalos-marinhos, e uma alga que veio competir com as pradarias, o habitat natural da espécie. “O nome científico é Caulerpa prolífera, o que dá uma boa ideia da sua capacidade para se expandir.” Porém nada bate a ação direta do homem, começando pelo “excesso de tráfego marítimo, sobretudo na altura do verão, quando inúmeros barcos fundeiam em zonas de pradaria e destroem ainda mais o habitat com as suas âncoras”, e terminando na pesca ilegal, responsável “pelo desaparecimento de centenas de milhares de indivíduos”.

Estima-se que todos os anos sejam mortos 70 milhões de cavalos-marinhos no mundo − para alimentar a procura crescente da medicina tradicional chinesa, que utiliza estes animais para curar maleitas como a asma e à impotência sexual. Na ria Formosa, o alerta soou em 2016, quando surgiram os primeiros relatos de “pescadores que se vangloriaram de terem apanhado 400 e 500 cavalos-marinhos”. Relatos rapidamente confirmados por apreensões, algumas até em Espanha. “Antigamente”, conta o investigador do CCMar, “existia a tradição de secar e oferecer como amuleto, mas nunca houve o propósito específico de os apanhar”.

No laboratório do CCMar, na Universiade de Faro, onde faz a criação de cavalos marinhos.

Alertada para o problema em 2018, a Fundação Oceano Azul montou uma campanha de sensibilização (que tem Miguel Correia como consultor científico) junto da população local, “procurando sempre incluir todos os intervenientes”, as empresas marítimo-turísticas, os pescadores, “que na sua maioria nunca aderiram a este comércio ilegal”, a autoridade marítima, os municípios, o CCMar, o Instituto da Conservação da Natureza e a Agência Portuguesa do Ambiente. “Conseguimos montar um projeto com um alcance abrangente” e o início de uma ação que levou à criação das duas zonas protegidas, onde os cavalos-marinhos terão todas as condições para prosperar. O trabalho de base está feito e “os sinais de mobilização das populações” e a “crescente preocupação dos municípios com a proteção da biodiversidade” justificam o otimismo de Miguel Correia, de que ainda será possível recuperar as populações na ria Formosa.

O objetivo agora será tentar mapear toda a costa portuguesa (São Miguel, nos Açores, Sesimbra, os estuários do Sado, do Tejo e a ria de Aveiro são alguns dos locais já identificados) e juntar esses dados aos de outras regiões no Atlântico e no Mediterrâneo onde também existem as duas espécies presentes em Portugal. Isto irá permitir à União Internacional para a Conservação da Natureza definir um estatuto de proteção − algo que estranhamente ainda não acontece “precisamente por não existirem dados suficientes”. A classificação parece urgente, basta recordar, como Miguel fez, um mergulho feito em 2012 onde encontrou mais de 120 cavalos-marinhos, “mais recentemente voltei a esse local e já só restava um!”

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e a organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba mais sobre esta missão comum.

Assine a Revista VISÃO, em digital, por €1 e apoie o jornalismo de qualidade.

ASSINE JÁ

ASSINE JÁ!

Mais na Visão

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

O Presidente mais do que certo!

O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa é como nenhum outro: o mais comum de todos os cidadãos, mas também o mais extraordinário, e isso permitiu-lhe aproximar-se de todos os portugueses, indistintamente. Não está em Belém pela pompa, nem pela liturgia, e muito menos pelo distanciamento. E é por isso que Marcelo está no lugar certo, e na hora em que o País mais precisa

Sociedade

Caso Constança Braddell: Hospital de Santa Maria faz pedido para utilização de medicamento inovador em cinco doentes com fibrose quística

Confirmam-se as boas notícias que a família da jovem de 24 anos aguardava. Outros quatro doentes serão também abrangidos neste processo

Exame Informática
Internet

SpaceX quer rede da Starlink a ligar carros, barcos e aviões

Empresa espacial de Elon Musk já apresentou o pedido de aprovação às autoridades nos EUA para poder colocar tornar a rede Starlink móvel, ligando carros, barcos e aviões

Exame Informática
EI TV

Teste em vídeo ao Hyundai Kauai elétrico

Colocamos à prova o Kauai EV, o elétrico da Hyundai para as famílias. O destaque vai para a prolongada autonomia, que facilmente ultrapassa os 400 quilómetros com apenas uma carga. O nível de tecnologia a bordo também é bastante apreciável.

Fotografia

O novo "comboio de saúde" italiano em 20 imagens

Um comboio para transporte de pacientes durante emergências ou desastres foi apresentado esta segunda feira, 8, na Estação de Termini, em Roma, Itália. No mesmo local, haverá também um centro de vacinação contra a Covid-19

Fotografia

5 estátuas, 10 imagens, uma homenagem fotográfica à Mulher

No Dia da Mulher, a homenagem original da repórter fotográfica da VISÃO Lucília Monteiro

Vai comprar casa? Saiba o que fazer antes de avançar
Bolsa de Especialistas

O difícil salto de arrendar para comprar

A Divvy Homes compra a tão desejada casa em nome do cliente para depois a arrendar, por forma a que o seu cliente consiga ganhar alavancagem financeira para realizar a sua compra mais à frente

Sociedade

Declarações de Meghan Markle a Oprah correm mundo, mas, e o que disse Harry?

A relação fragilizada com a família, a similaridade com a situação da mãe e as questões raciais. O foco tem estado nas declarações de Meghan Markle, mas o príncipe Harry também fez a sua quota de declarações polémicas

Exame
Exame

Disparidade salarial reduz-se com mulheres no topo

Goldman Sachs prevê que sejam precisos mais 25 anos para que haja paridade na gestão das empresas do STOXX 600. França destaca-se pela positiva entre os congéneres europeus

Sociedade

Jovem com fibrose quística angariou com 'crowdfunding' verba para comprar medicamento, mas processo é mais complexo

Numa onda solidária durante o fim de semana, mais de 13 500 pessoas doaram o suficiente para o medicamento que Constança Braddell precisa para sobreviver, mas isso não chega para resolver a questão

Sociedade

Teletrabalho, restauração, convívio. As propostas dos peritos para desconfinar

Os especialistas propuseram várias medidas de desconfinamento que podem ajudar o Governo a delinear o alívio das medidas restritivas atualmente em vigor

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Marta Temido alerta para continuidade de "três ameaças" da pandemia

A pandemia de covid-19 em Portugal continua a apresentar "três ameaças" apesar das medidas de restrição em vigor, adiantou hoje a ministra da Saúde