Menos de 10% dos milhões de toneladas de plásticos produzidos todos os anos são reciclados. Mas Miranda quer mudar isso

No último ano produzimos 350 milhões de toneladas de plástico. Mais do que no ano anterior, em que já tínhamos produzido mais do que no precedente… O problema está longe de estar resolvido e a razão, explica a cientista canadiana Miranda Wang, é sempre a mesma: “O plástico é mais barato e funciona melhor do que as alternativas.” Dá o exemplo de uma fralda, na qual os hidrogéis utilizados conseguem absorver até 300 vezes o seu peso: “Não há nada no mundo natural que se compare, mas estes hidrogéis não são biodegradáveis, pior, são tóxicos e esse é o problema com os produtos sintéticos: aquilo que os faz realmente bons é, geralmente, aquilo que os faz tão prejudiciais também.”

Vários tipos de plástics recolhidos por Miranda Wang numa praia da Califórnia

Assim, a esmagadora maioria dessas toneladas acabará no lixo, em aterros e, eventualmente, nos rios e oceanos, nunca chegando a ser reciclada – porque menos de 10% dos plásticos o são. Mas em breve esta realidade poderá mudar, graças – em parte – a esta jovem de apenas 26 anos que descobriu uma forma de transformar os plásticos que hoje não são reciclados nos mesmos compostos químicos que servem de base à produção de novos plásticos, num exemplo perfeito de economia circular.

“Estamos a trabalhar com polietileno (PE). É o plástico mais simples de todos, mas corresponde a um terço do total produzido. É também aquele que tem as taxas de reciclagem mais baixas, até por serem artigos (sacos e embrulhos a nível industrial) que, por princípio, não compensa reciclar. Mas, com o nosso processo, o tipo de produto torna-se indiferente, porque a estrutura química é a mesma e o que vamos fazer é desfazê-los a um nível molecular.” Produzindo assim a matéria-prima que pode dar origem a novos plásticos, em vez de a ir buscar aos derivados de petróleo, como agora.

Miranda Wang no laboratório da BioCellection, em Menlo Park, Silicon Valley, Califórnia

O plano será conseguir reciclar centenas de toneladas por ano, já a partir de 2023, eliminando também mais de 4 500 toneladas de emissões de CO2 que seriam lançadas na atmosfera ao produzir novos plásticos.

O método está dominado a nível laboratorial, estando neste momento em processo de industrialização, por forma a torná-lo uma solução viável: “Trabalhamos com várias marcas que estão a testar o nosso material reciclado e a produzir novas peças. Contamos, no próximo ano, anunciar algumas dessas colaborações.”

Estamos a trabalhar com plásticos que não são recicláveis hoje e para os quais não existem alternativas economicamente viáveis

miranda Wang

Miranda Wang fundou, juntamente com a sócia, amiga de liceu e colega de universidade, Jeanny Yao, a startup BioCellection na Califórnia. Despertaram ambas para este problema ao mesmo tempo, durante uma visita de liceu a uma estação de reciclagem, e desde então que são as melhores parceiras no crime: “A Jeanny é uma pessoa incrivelmente prática e persistente, com um coração enorme. Já eu tenho mais tendência para um pensamento conceptual, e para descobrir as ligações improváveis. Complementamo-nos muito bem, e por isso é tão fácil trabalharmos juntas.”

No laboratório da BioCellection, frascos com várias etapas na transformação do plástico

O mundo parece acreditar nas suas possibilidades, como provam os prémios Young Champion of the Earth Award, das Nações Unidas, o Pritzker Environamental Genius Award e, mais recentemente, o Rolex Award for Enterprise. O seu trabalho captou a atenção das grandes empresas do ramo, mas Miranda não coloca grande fé nestes gigantes: “Não acredito que as empresas químicas estejam interessadas em mudar muita coisa. Estão preocupadas com o ambiente, naturalmente, mas mais em tentar mitigar os seus problemas. São empresas cotadas, com dividendos a distribuir pelos acionistas que não estão dispostos a fazer este tipo de investimentos a longo prazo. Isso não acontece numa startup como a nossa. Este é o nosso único produto, queremos que seja um sucesso.”

(Créditos das Fotos: Bart Michiels /Rolex)

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e a organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba mais sobre esta missão comum.

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

ASSINE JÁ

Relacionados

Oceano de Esperança

“Todo o plástico retirado do mar será sempre uma gota de água no oceano”

No fundo do mar o cenário é catastrófico, alerta Paula Sobral, presidente da Associação Portuguesa do Lixo Marinho, há mais de dez anos a remar contra esta maré

Oceano de Esperança

“É uma atrocidade contra o planeta e contra a espécie humana”

Descobriu uma nova espécie invasora nos mares à qual deu um nome científico inspirado: Plasticus Maritimus. Desde então que a bióloga Ana Pêgo se dedica a combater este flagelo

Oceano de Esperança

“Andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos”

Para Alexander More, conceituado cientista climático, é preciso explicar às pessoas porque o aquecimento global vai afetá-las, na saúde e na carteira

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Mais na Visão

Sociedade

O exercício físico rende mais de manhã ou ao fim do dia?

O que nos diz a Ciência sobre a melhor hora para pôr o corpo a mexer

Legislativas 2022

No mercado, Inês Sousa Real promete ser "oposição construtiva", com PS ou PSD, mas, para já, não conta com as bancadas dos enchidos e do peixe

No Mercado de Periscoxe (Loures), um apoiante do PSD "abriu a porta" a Inês Sousa Real: "Gostava de a ver num Governo do PSD", disse. A porta-voz do PAN desconversou, mas sempre foi adiantando que espera ser, após as Legislativas, "uma oposição construtiva", seja com Costa ou Rio como Primeiro-ministro. O apelo ao voto só falhou nas bancas dos enchidos e do peixe

Legislativas 2022

Legislativas: Costa fala aos indecisos e diz que questão é entre modelo PS ou PSD e não a da maioria

Costa esteve em campanha pelas ruas de Leiria, com mensagens dirigidas aos indecisos sobre as diferenças entre PS e PSD nos salários e impostos, secundarizando a questão da maioria absoluta

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Como é que os pandas ganham peso, comendo apenas bambu? Um novo estudo explica

De acordo com a equipa do Instituto de Zoologia da Academia Chinesa das Ciências, que analisou pandas selvagens nas montanhas Qinling, na China central, isto deve-se ao facto de os níveis de um tipo de bactérias intestinais destes animais alterarem na estação em que os brotos de bambu mais nutritivos ficam disponíveis

Cultura

Moncorvo tem ermida do século XVI com  40 painéis a fresco ao estilo da Capela Sistina

O eremitério da Senhora da Teixeira (século XVI) em Sequeiros, no concelho de Moncorvo, apresenta um conjunto de 40 painéis de pinturas a fresco, agora recuperados, um templo tido como a Capela Sistina do Douro Superior

Visão Saúde
VISÃO Saúde

ASAE apreende quase 10 toneladas de carne e fecha entreposto frigorífico sem licença

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu quase dez toneladas de géneros alimentares de origem animal, na sequência de ações de fiscalização, tendo encerrado um entreposto frigorífico, anunciou hoje a entidade

Economia

Preço do pão deverá subir este ano impulsionado pelos custos de produção

O preço do pão deverá subir este ano, refletindo a subida nos valores dos fatores de produção, adiantou a Associação do Comércio e da Indústria de Panificação (ACIP), ressalvando que a decisão depende de cada empresa

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Mais de 28 mil embalagens de antidepressivos vendidas em média por dia em 2021 em Portugal

O consumo de antidepressivos em Portugal tem vindo a aumentar desde 2019, segundo dados do Infarmed, que revelam que só em 2021 se venderam, em média, mais de 28 mil embalagens por dia

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Investigadores utilizam imagens raio-X para detetar infeções por Covid-19 "com precisão"

Os autores do estudo garantem que este método é 98% eficaz na identificação do novo coronavírus, sendo até mais rápido que os testes PCR

Telegrama

Telegrama: Os Jogos Olímpicos vão fazer a China grande de novo... outra vez?

Sociedade

Como os rituais de sono dos nossos antepassados podem ajudar-nos a dormir melhor

Só há algumas centenas de anos começou a ser comum dormir durante a noite inteira. Um historiador desmistifica algumas ideias associadas ao sono

Se7e
VISÃO sete

Rui Reininho ao som de taças e gongos, em Espinho

Rui Reininho regressa aos palcos para apresentar o seu disco a solo, “20 000 Éguas Submarinas”, neste sábado, 22, em Espinho