A Amazónia está em risco. João quer ajudar a salvá-la com as comunidades locais

Marc Latzel / Rolex

Jonathan Baillie não é facilmente impressionável, até porque é responsável por avaliar e supervisionar todos os projetos que se candidatam ao financiamento da National Geographic Society. Já viu de tudo, mas quando fala do trabalho de João Campos-Silva o seu entusiasmo é evidente: “Cerca de 15% da Terra está protegida e existe um plano para proteger 30%, até 2030. Nos oceanos o valor é menor (entre 5% e 7%), mas já existem estudos suficientes para perceber exatamente o que temos de fazer”, explica. “Agora, sobre os sistemas de água doce sabemos muito pouco. O projeto do João é mesmo o primeiro modelo de sucesso que tivemos. E ainda por cima pode ser facilmente adaptado para outras zonas do mundo, pelo que a sua importância ultrapassa largamente a simples conservação do arapaima.”

Baillie é, também, um dos dez membros do júri dos Rolex Awards for Enterprise, que no ano passado galardoaram o jovem cientista brasileiro pelo trabalho na Amazónia.

O arapaima, ou pirarucu, como os brasileiros o preferem chamar, é um enorme peixe de água doce que se encontra apenas na bacia do Amazonas. Os maiores espécimes chegam a pesar quase 200 quilos e ocupam um papel central na alimentação dos povos indígenas, sendo que a sobre-exploração dos recursos naturais e a pesca furtiva quase o levaram à extinção.

Curiosamente, quando o biólogo João Campos-Silva partiu para a Amazónia, há cerca de 13 anos, o arapaima estava longe de ser uma das suas prioridades: “Queria perceber que espécies de aves estavam mais suscetíveis de extinção, considerando as altas taxas de desmatamento previstas.” Só que, ao fim de algum tempo a viver na selva, percebeu como seria impossível ter “uma Amazónia sustentável, no futuro, se não houver um alinhamento profundo entre conservação da biodiversidade e o bem-estar das populações locais”.

É impossível uma Amazónia sustentável, no futuro, se não houver um alinhamento profundo entre conservação da biodiversidade e o bem-estar das populações locais

João Campos-silva

Campos-Silva percebeu que não poderia proteger o arapaima à força, mas apenas se conseguisse transformar essa missão numa tarefa a realizar em conjunto com as comunidades locais. Na verdade, algumas já estavam a fazê-lo, pelo que João apenas sistematizou o processo. “Primeiro, tivemos de estabelecer um período de quarentena de três anos”, para recuperar o número de peixes no rio e, “depois, criámos uma gestão comunitária das pescas, num sistema de quotas e em que todos os lucros são partilhados pela comunidade”.

Com isso conseguiu não só aumentar o número de arapaimas em cerca de 30 vezes, como muitas outras espécies beneficiaram também dessa proteção, “incluindo as tartarugas de água doce, botos, vários outros peixes”. E até jacarés.

“O arapaima é um modelo que nos ajuda a vislumbrar um outro tipo de desenvolvimento para a Amazónia – um desenvolvimento que contempla a proteção da Natureza com a qualidade de vida das comunidades locais, em que a floresta gera muito mais valor estando de pé. Todo o trabalho mais importante é feito por essas comunidades. Elas merecem muito mais os holofotes do que eu”, pede.

De facto, a gestão comunitária já permitiu criar escolas e centros de saúde locais. Os lucros passaram a ser partilhados por toda a comunidade, e, pela primeira vez, as mulheres têm acesso ao seu rendimento, sem depender do marido: “O pirarucu também tem contribuído para a equidade de género.” Olhando para todas as conquistas, sentimo-nos realmente um pouco como Jonathan Baillie: parece impossível não ficar entusiasmado com o projeto e com esta força de vontade.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e a organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba mais sobre esta missão comum.

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

ASSINE JÁ

Relacionados

Oceano de Esperança

“Andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos”

Para Alexander More, conceituado cientista climático, é preciso explicar às pessoas porque o aquecimento global vai afetá-las, na saúde e na carteira

Oceano de Esperança

“Numa semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos”

A jovem bióloga inglesa Emma Camp está numa corrida para salvar a Grande Barreira de Coral na Austrália. Será que vai a tempo?

Oceano de Esperança

“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

Nuno Sá é o nosso mais prestigiado cameramen subaquático e já viu de tudo: paisagens virgens, profundezas misteriosas, espécies fascinantes, mas também animais feridos por humanos e rios de lixo

Oceano de Esperança

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Mais na Visão

Sociedade

O exercício físico rende mais de manhã ou ao fim do dia?

O que nos diz a Ciência sobre a melhor hora para pôr o corpo a mexer

Legislativas 2022

No mercado, Inês Sousa Real promete ser "oposição construtiva", com PS ou PSD, mas, para já, não conta com as bancadas dos enchidos e do peixe

No Mercado de Periscoxe (Loures), um apoiante do PSD "abriu a porta" a Inês Sousa Real: "Gostava de a ver num Governo do PSD", disse. A porta-voz do PAN desconversou, mas sempre foi adiantando que espera ser, após as Legislativas, "uma oposição construtiva", seja com Costa ou Rio como Primeiro-ministro. O apelo ao voto só falhou nas bancas dos enchidos e do peixe

Legislativas 2022

Legislativas: Costa fala aos indecisos e diz que questão é entre modelo PS ou PSD e não a da maioria

Costa esteve em campanha pelas ruas de Leiria, com mensagens dirigidas aos indecisos sobre as diferenças entre PS e PSD nos salários e impostos, secundarizando a questão da maioria absoluta

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Como é que os pandas ganham peso, comendo apenas bambu? Um novo estudo explica

De acordo com a equipa do Instituto de Zoologia da Academia Chinesa das Ciências, que analisou pandas selvagens nas montanhas Qinling, na China central, isto deve-se ao facto de os níveis de um tipo de bactérias intestinais destes animais alterarem na estação em que os brotos de bambu mais nutritivos ficam disponíveis

Cultura

Moncorvo tem ermida do século XVI com  40 painéis a fresco ao estilo da Capela Sistina

O eremitério da Senhora da Teixeira (século XVI) em Sequeiros, no concelho de Moncorvo, apresenta um conjunto de 40 painéis de pinturas a fresco, agora recuperados, um templo tido como a Capela Sistina do Douro Superior

Visão Saúde
VISÃO Saúde

ASAE apreende quase 10 toneladas de carne e fecha entreposto frigorífico sem licença

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu quase dez toneladas de géneros alimentares de origem animal, na sequência de ações de fiscalização, tendo encerrado um entreposto frigorífico, anunciou hoje a entidade

Economia

Preço do pão deverá subir este ano impulsionado pelos custos de produção

O preço do pão deverá subir este ano, refletindo a subida nos valores dos fatores de produção, adiantou a Associação do Comércio e da Indústria de Panificação (ACIP), ressalvando que a decisão depende de cada empresa

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Mais de 28 mil embalagens de antidepressivos vendidas em média por dia em 2021 em Portugal

O consumo de antidepressivos em Portugal tem vindo a aumentar desde 2019, segundo dados do Infarmed, que revelam que só em 2021 se venderam, em média, mais de 28 mil embalagens por dia

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Investigadores utilizam imagens raio-X para detetar infeções por Covid-19 "com precisão"

Os autores do estudo garantem que este método é 98% eficaz na identificação do novo coronavírus, sendo até mais rápido que os testes PCR

Telegrama

Telegrama: Os Jogos Olímpicos vão fazer a China grande de novo... outra vez?

Sociedade

Como os rituais de sono dos nossos antepassados podem ajudar-nos a dormir melhor

Só há algumas centenas de anos começou a ser comum dormir durante a noite inteira. Um historiador desmistifica algumas ideias associadas ao sono

Se7e
VISÃO sete

Rui Reininho ao som de taças e gongos, em Espinho

Rui Reininho regressa aos palcos para apresentar o seu disco a solo, “20 000 Éguas Submarinas”, neste sábado, 22, em Espinho