“Andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos”

“Por que motivo as pessoas precisam de comer fruta que veio do outro lado do mundo? Porque estamos em janeiro e ‘apetece-me comer uvas?’ Por favor, comam laranjas! É um sacrifício assim tão grande?” O pedido é feito por Alexander More, investigador, professor em Harvard e no Instituto das Alterações Climáticas da Universidade do Maine, em que lidera um projeto sobre o impacto das alterações ambientais na saúde humana, no ecossistema e na economia. Para ele, é preciso explicar às pessoas o impacto de escolhas tão simples como estas do dia a dia no ambiente, por causa das emissões de CO2 que implicam.

More é também um dos responsáveis pela análise de um núcleo de gelo de 73 metros de comprimento, retirado do glaciar Colle Gnifetti, perto da fronteira entre a Suíça e a Itália, em 2015. “É diferente de todas as outras amostras [provenientes dos polos] porque foi retirado do local que foi o centro da civilização nos últimos dois mil anos”, explica. “Conseguimos perceber como foram as estações, os meses em cada um desses anos. Conseguimos até detetar uma tempestade.” Depois, “é preciso cruzar esses dados com fontes históricas”, o que faz em Harvard, onde gere a maior biblioteca digital do mundo dedicada ao clima. “Só fazendo essa ligação se consegue entender o que realmente aconteceu.”

E avança com um exemplo tão claro quanto perturbador: “Sempre se pensou que o chumbo existia na atmosfera, mas descobrimos, num período da Idade Média, que esses níveis ficaram tão baixos que praticamente não eram detetáveis. Esse período coincide com a peste negra, que dizimou boa parte da população na Europa e levou ao encerramento de um grande número de minas.” Ou seja, percebemos como os efeitos da nossa atividade sobre o clima são bem anteriores à Revolução Industrial e como, afinal, “andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos.”

Alexander More é investigador, professor em Harvard e no Instituto das Alterações Climáticas da Universidade do Maine

A maioria das pessoas não quer realmente saber dos outros, mas preocupa-se quando percebe como as alterações climáticas as afetam no que mais lhes importa. Só assim vamos conseguir mudar mentalidadesAlexander more

Para Alexander More, o grande desafio é não só estudar, analisar e quantificar, mas pegar nesses dados e criar uma narrativa que todos percebam, virada para a ação. “Não sou fã desta administração norte-americana, mas independentemente disso precisamos de tirar a política da luta climática, que deve ser assumida por todos, sem interferência dos políticos.” E, para tal, o foco da comunicação deve centrar-se em dois fatores cruciais: “health and wealth”, como costuma resumir, ou seja, na saúde e na riqueza. “A maioria das pessoas não quer realmente saber dos outros, mas preocupa-se quando percebe como as alterações climáticas as afetam no que mais lhes importa. Só assim vamos conseguir mudar mentalidades.”

E há outra maneira, mais singela: “Levar as pessoas a redescobrirem a Natureza.” “Portugal é uma nação marítima, a vossa História tem tudo que ver com o oceano e com as explorações, e não há nada mais fácil do que pegar numa máscara de mergulho e partir à descoberta de um novo mundo. Para mim, que cresci no Sul de Itália, ao pé do mar, e até aos 17 anos vivi entre Itália e Grécia e sempre fiz mergulho, isso é evidente. Se ligarmos estas duas ideias – comunhão com a Natureza e perceção do mal que lhe estamos a fazer –, as mentalidades mudam. Tenho visto isso a acontecer por todo o lado.”

Não precisa obviamente de ser mergulho, pode ser outra atividade, mas More tinha outra analogia subaquática – que também é uma crítica a todos arautos da desgraça: “Se entrarmos em pânico com as alterações climáticas, afogamo-nos. Consegue imaginar mover uma cidade como Nova Iorque, com dez milhões de pessoas para o interior? Porque é isso que terá de acontecer se não fizermos nada…” É preciso informar e agir – e quanto mais cedo, melhor. Para não ser tarde demais.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Assine a VISÃO digital e receba a VISÃO Saúde, Edição Especial “70 Perguntas e Respostas sobre Saúde”, também em formato digital.

EM TEMPOS DIFÍCEIS É PRECISO TER VISÃO

ASSINE JÁ!

Relacionados

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“Numa semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos”

A jovem bióloga inglesa Emma Camp está numa corrida para salvar a Grande Barreira de Coral na Austrália. Será que vai a tempo?

Oceano de Esperança

“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

Nuno Sá é o nosso mais prestigiado cameramen subaquático e já viu de tudo: paisagens virgens, profundezas misteriosas, espécies fascinantes, mas também animais feridos por humanos e rios de lixo

CAPA DA EDIÇÃO

You need to configure google service credentials! Quota exceeded for quota group 'AnalyticsDefaultGroup' and limit 'Requests per user per 100 seconds' of service 'analyticsreporting.googleapis.com' for consumer 'project_number:1009437737423'.

Mais na Visão

Mundo

Governo chinês revela número de enviados para “centros de treino vocacional”

Relatório chinês confirma a existência de “centros de treino vocacional” na região independente de Xinjiang, mas nega abusos contra uigures e outras minorias étnicas

Economia

Portugueses e shoppings: A paixão ainda resiste?

O modelo pegou de estaca a partir dos anos 70 e hoje os portugueses já não vivem sem centros comerciais. Mas o ciclo de novos e grandes espaços terminou e, daqui em diante, só se esperam renovações e expansões. Até lá, o setor tenta sobreviver à pandemia e adaptar-se ao comércio digital e às novas tendências de consumo, que privilegiam a proximidade. Será a transição para outra era? E os consumidores acompanharão?

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Rio de Janeiro anuncia regresso do público aos estádios de futebol

O prefeito da cidade brasileira do Rio de Janeiro anunciou o regresso do público aos estádios de futebol locais, a partir de outubro

Sociedade

Juíza do Supremo Tribunal dos EUA Ruth Bader Ginsburg morre aos 87 anos

A juíza do Supremo Tribunal dos Estados Unidos Ruth Bader Ginsburg morreu aos 87 anos de "complicações causadas por um cancro do pâncreas", anunciou o tribunal

Atualidade

Areal da Praia de Carcavelos engolido pela água durante o ciclone Alpha. Veja as fotos

Ciclone subtropical Alpha atinge Portugal Continental e causa estragos nas praias

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Bolsonaro diz que ficar em casa na pandemia é para "fracos"

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, disse hoje que ficar em casa durante a pandemia de covid-19 é para "fracos" e deu os parabéns a um grupo de agricultores por "não terem entrado na conversinha mole" do isolamento social

Rui Rangel recebeu 270 depósitos em notas
Sociedade

Como a VISÃO revelou há quatro anos as suspeitas de corrupção sobre Rui Rangel

A VISÃO revelou em fevereiro de 2016 que Rui Rangel era suspeito de ter recebido milhares de euros de José Veiga em troca de decisões judiciais favoráveis para o empresário. O então desembargador negou, mas a acusação do MP divulgada hoje confirma que Rangel irá a julgamento por se ter deixado "subornar" pelo ex-agente de futebolistas. Recorde este e outros artigos exclusivos que a VISÃO publicou sobre a alegada rede de compra e venda de decisões judiciais, montada a partir do Tribunal da Relação de Lisboa

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

Governo entrega-nos aos bichos

Não é papel primordial do Governo agir, defender, e tomar todas as medidas para proteger os portugueses? Não é isso que os outros Governos estão a fazer lá fora? Ficam de braços cruzados? Lavam as mãos e atiram para cima dos seus cidadãos?

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Relatório da AstraZeneca revela ao detalhe reação adversa de voluntário à vacina desenvolvida em conjunto com Oxford

A gigante farmacêutoca suspendeu de imediato os testes, sem adiantar o que acontecera. Agora, um documento interno a que a CNN teve acesso clarifica o estado neurológico sofrido por um dos participantes naquele ensaio clínico

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Número de novos contágios de Covid-19 em Lisboa atinge o valor mais alto de sempre

A região de Lisboa e Vale do Tejo bateu hoje o record de novos casos diários de Covid-19

Cinco detidos e vários arguídos na "Operação Lex"
Sociedade

Os sms de Luís Filipe Vieira apanhados na Operação Lex: Rangel "é um turista do carago"

Presidente do Benfica está acusado de um crime de recebimento indevido de vantagem por ter oferecido bilhetes e viagens ao então juiz Rui Rangel. A VISÃO revela as mensagens que provam pedidos de ajuda ao magistrado para resolver processo fiscal pendente: "Vem sempre ao meu pensamento Sintra Sintra Sintra Sintra Sintra. Quando resolvemos?" Rangel chegou a queixar-se de que dificuldade em obter bilhetes de Vieira para a tribuna presidencial não o deixava com vontade de resolver "os problemas dele", já que aquele camarote estaria sempre cheio "dos mesmos chulos des sempre".

Imobiliário

Saiba quais são as melhores reabilitações do País

O Pavilhão Rosa Mota venceu na categoria da melhor intervenção com impacto social. O Prémio Nacional de Reabilitação Urbana recebeu mais de 70 candidatos de todo o País, tendo sido distinguidos cerca de dez