“Andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos”

“Por que motivo as pessoas precisam de comer fruta que veio do outro lado do mundo? Porque estamos em janeiro e ‘apetece-me comer uvas?’ Por favor, comam laranjas! É um sacrifício assim tão grande?” O pedido é feito por Alexander More, investigador, professor em Harvard e no Instituto das Alterações Climáticas da Universidade do Maine, em que lidera um projeto sobre o impacto das alterações ambientais na saúde humana, no ecossistema e na economia. Para ele, é preciso explicar às pessoas o impacto de escolhas tão simples como estas do dia a dia no ambiente, por causa das emissões de CO2 que implicam.

More é também um dos responsáveis pela análise de um núcleo de gelo de 73 metros de comprimento, retirado do glaciar Colle Gnifetti, perto da fronteira entre a Suíça e a Itália, em 2015. “É diferente de todas as outras amostras [provenientes dos polos] porque foi retirado do local que foi o centro da civilização nos últimos dois mil anos”, explica. “Conseguimos perceber como foram as estações, os meses em cada um desses anos. Conseguimos até detetar uma tempestade.” Depois, “é preciso cruzar esses dados com fontes históricas”, o que faz em Harvard, onde gere a maior biblioteca digital do mundo dedicada ao clima. “Só fazendo essa ligação se consegue entender o que realmente aconteceu.”

E avança com um exemplo tão claro quanto perturbador: “Sempre se pensou que o chumbo existia na atmosfera, mas descobrimos, num período da Idade Média, que esses níveis ficaram tão baixos que praticamente não eram detetáveis. Esse período coincide com a peste negra, que dizimou boa parte da população na Europa e levou ao encerramento de um grande número de minas.” Ou seja, percebemos como os efeitos da nossa atividade sobre o clima são bem anteriores à Revolução Industrial e como, afinal, “andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos.”

Alexander More é investigador, professor em Harvard e no Instituto das Alterações Climáticas da Universidade do Maine

A maioria das pessoas não quer realmente saber dos outros, mas preocupa-se quando percebe como as alterações climáticas as afetam no que mais lhes importa. Só assim vamos conseguir mudar mentalidades

Alexander more

Para Alexander More, o grande desafio é não só estudar, analisar e quantificar, mas pegar nesses dados e criar uma narrativa que todos percebam, virada para a ação. “Não sou fã desta administração norte-americana, mas independentemente disso precisamos de tirar a política da luta climática, que deve ser assumida por todos, sem interferência dos políticos.” E, para tal, o foco da comunicação deve centrar-se em dois fatores cruciais: “health and wealth”, como costuma resumir, ou seja, na saúde e na riqueza. “A maioria das pessoas não quer realmente saber dos outros, mas preocupa-se quando percebe como as alterações climáticas as afetam no que mais lhes importa. Só assim vamos conseguir mudar mentalidades.”

E há outra maneira, mais singela: “Levar as pessoas a redescobrirem a Natureza.” “Portugal é uma nação marítima, a vossa História tem tudo que ver com o oceano e com as explorações, e não há nada mais fácil do que pegar numa máscara de mergulho e partir à descoberta de um novo mundo. Para mim, que cresci no Sul de Itália, ao pé do mar, e até aos 17 anos vivi entre Itália e Grécia e sempre fiz mergulho, isso é evidente. Se ligarmos estas duas ideias – comunhão com a Natureza e perceção do mal que lhe estamos a fazer –, as mentalidades mudam. Tenho visto isso a acontecer por todo o lado.”

Não precisa obviamente de ser mergulho, pode ser outra atividade, mas More tinha outra analogia subaquática – que também é uma crítica a todos arautos da desgraça: “Se entrarmos em pânico com as alterações climáticas, afogamo-nos. Consegue imaginar mover uma cidade como Nova Iorque, com dez milhões de pessoas para o interior? Porque é isso que terá de acontecer se não fizermos nada…” É preciso informar e agir – e quanto mais cedo, melhor. Para não ser tarde demais.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Leia a VISÃO, VISÃO História, VISÃO Júnior, VISÃO Saúde, Jornal de Letras, Exame, Courrier Internacional,  Activa e Exame Informática por apenas €9 /mês

LEITURA PARA TODOS

ASSINE

Relacionados

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“Numa semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos”

A jovem bióloga inglesa Emma Camp está numa corrida para salvar a Grande Barreira de Coral na Austrália. Será que vai a tempo?

Oceano de Esperança

“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

Nuno Sá é o nosso mais prestigiado cameramen subaquático e já viu de tudo: paisagens virgens, profundezas misteriosas, espécies fascinantes, mas também animais feridos por humanos e rios de lixo

CAPA DA EDIÇÃO

You need to configure google service credentials! Quota Error: profileId 167904776 has exceeded the daily request limit.

Mais na Visão

Mundo

Covid-19: Bolsonaro declara que proibir as pessoas de irem à praia é atitude de uma 'ditadura'

O Presidente do Brasil volta a torcer o nariz às medidas de prevenção recomendadas pela OMS

LInhas Direitas

Mais longe, mais fundo, mais depressa

Se nos querem salvar, pensem em grande, sejam ousados e atuem como se não houvesse amanhã. E tenham sempre em mente um princípio vital desta crise: vai ser tudo muito pior do que parece

COVIDiário

A falta de vergonha servida em pdf

Corremos o risco de viver num mundo sem informação de qualidade as pessoas não perceberem que produzi-la custa dinheiro e tem um preço

Cultura

Festas populares, Amália e “Avante!”: o que a pandemia já cancelou e o que ainda resiste

Santo António e São João ficam para o ano. Parte das comemorações oficiais do centenário de Amália Rodrigues também. Só o PCP mantém a sua festa anual para o início de setembro. Até ver

Imobiliário

Covid-19: pandemia trava construção de casas para famílias portuguesas

O impacto na economia irá ditar a continuidade ou não de projetos imobiliários para a classe média

Exame Informática
Ciência

Inteligência Artificial prevê quais os pacientes que precisarão de ventiladores

Projeto científico na Dinamarca faz a análise de múltiplos dados para tentar encontrar padrões e identificar os doentes de maior risco

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Medidas adotadas em Portugal foram das mais rápidas da Europa

As medidas para conter pandemia adotadas em Portugal foram das mais rápidas na UE, ainda antes da primeira morte, enquanto as restrições em Itália, Espanha e França foram tardias

Ganhar dinheiro a olhar para um ecrã (ou para vários)
Opinião

Surpresa!? Partilhar pdfs de jornais e revistas é mesmo um crime

Estas partilhas super engraçadas, voluntariosas e meritórias (#soquenao) são punidas com pena de prisão até três anos e multa de 150 a 250 dias. E quem as faz fica obrigado a indemnizar os titulares das publicações em causa pelas perdas e danos

Visão Júnior
VISÃO Júnior

Animais incríveis: conheces os escorpiões?

Eis o primeiro episódio de uma série sobre animais com o biólogo Pedro Lobo Coelho, que revela factos fascinantes, desta vez sobre os escorpiões: eles são capazes de dançar!

Economia

Quem é o empresário que não vai despedir e desafia os bancos a ajudar o País?

Em entrevista à VISÃO, Paulo Pereira, sócio da Quinta da Pacheca e de empresas ligadas à hotelaria e grande distribuição em França, vai manter os trabalhadores e pede ao sistema bancário que se reconcilie com o País

Exame
Exame

Covid-19: Um terço da hotelaria e restauração falhou salários em março

A quase totalidade empresas do setor ainda não fez despedimentos, e a tendência junto da grande maioria é avançar para lay-off. Negócio dos resorts aponta para perdas de 70% este ano.

Exame Informática
Ciência

Investigadores portugueses mostram o ponto em que o vírus da Covid-19 se liga a células humanas

A imagem produzida no ITQB-Nova recorre a uma técnica conhecida por Cryo-EM, que tem por base imagens e coordenadas tridimensionais de moléculas, que foram obtidas através de técnicas de microscopia eletrónica