“Andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos”

“Andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos”

“Por que motivo as pessoas precisam de comer fruta que veio do outro lado do mundo? Porque estamos em janeiro e ‘apetece-me comer uvas?’ Por favor, comam laranjas! É um sacrifício assim tão grande?” O pedido é feito por Alexander More, investigador, professor em Harvard e no Instituto das Alterações Climáticas da Universidade do Maine, em que lidera um projeto sobre o impacto das alterações ambientais na saúde humana, no ecossistema e na economia. Para ele, é preciso explicar às pessoas o impacto de escolhas tão simples como estas do dia a dia no ambiente, por causa das emissões de CO2 que implicam.

More é também um dos responsáveis pela análise de um núcleo de gelo de 73 metros de comprimento, retirado do glaciar Colle Gnifetti, perto da fronteira entre a Suíça e a Itália, em 2015. “É diferente de todas as outras amostras [provenientes dos polos] porque foi retirado do local que foi o centro da civilização nos últimos dois mil anos”, explica. “Conseguimos perceber como foram as estações, os meses em cada um desses anos. Conseguimos até detetar uma tempestade.” Depois, “é preciso cruzar esses dados com fontes históricas”, o que faz em Harvard, onde gere a maior biblioteca digital do mundo dedicada ao clima. “Só fazendo essa ligação se consegue entender o que realmente aconteceu.”

E avança com um exemplo tão claro quanto perturbador: “Sempre se pensou que o chumbo existia na atmosfera, mas descobrimos, num período da Idade Média, que esses níveis ficaram tão baixos que praticamente não eram detetáveis. Esse período coincide com a peste negra, que dizimou boa parte da população na Europa e levou ao encerramento de um grande número de minas.” Ou seja, percebemos como os efeitos da nossa atividade sobre o clima são bem anteriores à Revolução Industrial e como, afinal, “andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos.”

Alexander More é investigador, professor em Harvard e no Instituto das Alterações Climáticas da Universidade do Maine

A maioria das pessoas não quer realmente saber dos outros, mas preocupa-se quando percebe como as alterações climáticas as afetam no que mais lhes importa. Só assim vamos conseguir mudar mentalidades

Alexander more

Para Alexander More, o grande desafio é não só estudar, analisar e quantificar, mas pegar nesses dados e criar uma narrativa que todos percebam, virada para a ação. “Não sou fã desta administração norte-americana, mas independentemente disso precisamos de tirar a política da luta climática, que deve ser assumida por todos, sem interferência dos políticos.” E, para tal, o foco da comunicação deve centrar-se em dois fatores cruciais: “health and wealth”, como costuma resumir, ou seja, na saúde e na riqueza. “A maioria das pessoas não quer realmente saber dos outros, mas preocupa-se quando percebe como as alterações climáticas as afetam no que mais lhes importa. Só assim vamos conseguir mudar mentalidades.”

E há outra maneira, mais singela: “Levar as pessoas a redescobrirem a Natureza.” “Portugal é uma nação marítima, a vossa História tem tudo que ver com o oceano e com as explorações, e não há nada mais fácil do que pegar numa máscara de mergulho e partir à descoberta de um novo mundo. Para mim, que cresci no Sul de Itália, ao pé do mar, e até aos 17 anos vivi entre Itália e Grécia e sempre fiz mergulho, isso é evidente. Se ligarmos estas duas ideias – comunhão com a Natureza e perceção do mal que lhe estamos a fazer –, as mentalidades mudam. Tenho visto isso a acontecer por todo o lado.”

Não precisa obviamente de ser mergulho, pode ser outra atividade, mas More tinha outra analogia subaquática – que também é uma crítica a todos arautos da desgraça: “Se entrarmos em pânico com as alterações climáticas, afogamo-nos. Consegue imaginar mover uma cidade como Nova Iorque, com dez milhões de pessoas para o interior? Porque é isso que terá de acontecer se não fizermos nada…” É preciso informar e agir – e quanto mais cedo, melhor. Para não ser tarde demais.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Relacionados

Mais na Visão

Mais Notícias

Os Melhores & As Maiores do Portugal Tecnológico 2022: conheça os vencedores

Os Melhores & As Maiores do Portugal Tecnológico 2022: conheça os vencedores

Sugestões de decoração de Natal

Sugestões de decoração de Natal

Wall&gami: fazer da arte do origami uma peça de decoração

Wall&gami: fazer da arte do origami uma peça de decoração

Maria Botelho Moniz substitui Cristina Ferreira na TVI

Maria Botelho Moniz substitui Cristina Ferreira na TVI

Primeiro contacto: Toyota bZ4X, o elétrico com garantia de um milhão de quilómetros para a bateria

Primeiro contacto: Toyota bZ4X, o elétrico com garantia de um milhão de quilómetros para a bateria

10 Looks para combater o frio sem perder o estilo

10 Looks para combater o frio sem perder o estilo

7 livros novos em bom português

7 livros novos em bom português

"Casa aberta" disponível para vacinação de pessoas acima dos 60 anos

CORREÇÃO

CORREÇÃO "Casa aberta" disponível para vacinação de pessoas acima dos 60 anos

Joana Freitas restaura casa de banho preferida dos seguidores com Cinacryl

Joana Freitas restaura casa de banho preferida dos seguidores com Cinacryl

Sara Matos apresenta Júlia, a trigémea de “Sangue Oculto”

Sara Matos apresenta Júlia, a trigémea de “Sangue Oculto”

The Devil In Me em análise: Hotel dos horrores

The Devil In Me em análise: Hotel dos horrores

Quanto valem os dados que não usamos?

Quanto valem os dados que não usamos?

A VISÃO Se7e desta semana - edição 1552

A VISÃO Se7e desta semana - edição 1552

Príncipe Joaquim da Dinamarca vai mudar-se para os Estados Unidos

Príncipe Joaquim da Dinamarca vai mudar-se para os Estados Unidos

Balenciaga retira campanha e pede desculpa

Balenciaga retira campanha e pede desculpa

Sarah Ferguson poderá passar o Natal com a família real britânica pela primeira vez em 30 anos

Sarah Ferguson poderá passar o Natal com a família real britânica pela primeira vez em 30 anos

Truques para estudares melhor

Truques para estudares melhor

Segredos para um look de inverno com estilo

Segredos para um look de inverno com estilo

Esta Iguana move-se no universo das novelas gráficas

Esta Iguana move-se no universo das novelas gráficas

Mesa com tecnologia inovadora foi premiada

Mesa com tecnologia inovadora foi premiada

Em “Sangue Oculto”: Benedita opera a filha de Carolina e salva-a

Em “Sangue Oculto”: Benedita opera a filha de Carolina e salva-a

Lancia ‘renasce’ como marca 100% elétrica

Lancia ‘renasce’ como marca 100% elétrica

Volta a Portugal em design nos dois apartamentos da Santo Infante

Volta a Portugal em design nos dois apartamentos da Santo Infante

Um Calendário do Advento cheio de ideias e presentes!

Um Calendário do Advento cheio de ideias e presentes!

JL 1357

JL 1357

Girl Talk: este País não é para nós

Girl Talk: este País não é para nós

Jardim Zoológico de Lisboa tem nova cria de veado-da-birmânia, uma espécie em perigo

Jardim Zoológico de Lisboa tem nova cria de veado-da-birmânia, uma espécie em perigo

JL 1360

JL 1360

Seixo by Vasco Coelho Santos: Cozinha do dia a dia no novo restaurante do Douro

Seixo by Vasco Coelho Santos: Cozinha do dia a dia no novo restaurante do Douro

Letizia recupera o seu fato de plumas

Letizia recupera o seu fato de plumas

Portugal mantém uma das prevalências mais elevadas da diabetes da Europa

Portugal mantém uma das prevalências mais elevadas da diabetes da Europa

O novo romance de Lídia Jorge

O novo romance de Lídia Jorge

Atitude, arrojo e inovação: Recorde os

Atitude, arrojo e inovação: Recorde os "looks" de Letizia na entrega dos prémios Francisco Cerecedo

Palácio de Buckingham afasta funcionária após ato racista durante evento da rainha Camilla

Palácio de Buckingham afasta funcionária após ato racista durante evento da rainha Camilla

Eco-Rally de Lisboa: os elétricos passaram pela capital

Eco-Rally de Lisboa: os elétricos passaram pela capital

Raimundo apela à mobilização nas ruas para reconquistar direitos que

Raimundo apela à mobilização nas ruas para reconquistar direitos que "não caem no colo"

Manifestação no Campus de Justiça em solidariedade com ativistas em julgamento

Manifestação no Campus de Justiça em solidariedade com ativistas em julgamento

Lancia ‘renasce’ como marca 100% elétrica

Lancia ‘renasce’ como marca 100% elétrica

Recrie o look chique de Catarina Gouveia

Recrie o look chique de Catarina Gouveia

Livros: O melhores de 2022

Livros: O melhores de 2022

As maiores fortunas de Portugal na capa da EXAME de Dezembro

As maiores fortunas de Portugal na capa da EXAME de Dezembro