“Andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos”

“Por que motivo as pessoas precisam de comer fruta que veio do outro lado do mundo? Porque estamos em janeiro e ‘apetece-me comer uvas?’ Por favor, comam laranjas! É um sacrifício assim tão grande?” O pedido é feito por Alexander More, investigador, professor em Harvard e no Instituto das Alterações Climáticas da Universidade do Maine, em que lidera um projeto sobre o impacto das alterações ambientais na saúde humana, no ecossistema e na economia. Para ele, é preciso explicar às pessoas o impacto de escolhas tão simples como estas do dia a dia no ambiente, por causa das emissões de CO2 que implicam.

More é também um dos responsáveis pela análise de um núcleo de gelo de 73 metros de comprimento, retirado do glaciar Colle Gnifetti, perto da fronteira entre a Suíça e a Itália, em 2015. “É diferente de todas as outras amostras [provenientes dos polos] porque foi retirado do local que foi o centro da civilização nos últimos dois mil anos”, explica. “Conseguimos perceber como foram as estações, os meses em cada um desses anos. Conseguimos até detetar uma tempestade.” Depois, “é preciso cruzar esses dados com fontes históricas”, o que faz em Harvard, onde gere a maior biblioteca digital do mundo dedicada ao clima. “Só fazendo essa ligação se consegue entender o que realmente aconteceu.”

E avança com um exemplo tão claro quanto perturbador: “Sempre se pensou que o chumbo existia na atmosfera, mas descobrimos, num período da Idade Média, que esses níveis ficaram tão baixos que praticamente não eram detetáveis. Esse período coincide com a peste negra, que dizimou boa parte da população na Europa e levou ao encerramento de um grande número de minas.” Ou seja, percebemos como os efeitos da nossa atividade sobre o clima são bem anteriores à Revolução Industrial e como, afinal, “andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos.”

Alexander More é investigador, professor em Harvard e no Instituto das Alterações Climáticas da Universidade do Maine

A maioria das pessoas não quer realmente saber dos outros, mas preocupa-se quando percebe como as alterações climáticas as afetam no que mais lhes importa. Só assim vamos conseguir mudar mentalidades

Alexander more

Para Alexander More, o grande desafio é não só estudar, analisar e quantificar, mas pegar nesses dados e criar uma narrativa que todos percebam, virada para a ação. “Não sou fã desta administração norte-americana, mas independentemente disso precisamos de tirar a política da luta climática, que deve ser assumida por todos, sem interferência dos políticos.” E, para tal, o foco da comunicação deve centrar-se em dois fatores cruciais: “health and wealth”, como costuma resumir, ou seja, na saúde e na riqueza. “A maioria das pessoas não quer realmente saber dos outros, mas preocupa-se quando percebe como as alterações climáticas as afetam no que mais lhes importa. Só assim vamos conseguir mudar mentalidades.”

E há outra maneira, mais singela: “Levar as pessoas a redescobrirem a Natureza.” “Portugal é uma nação marítima, a vossa História tem tudo que ver com o oceano e com as explorações, e não há nada mais fácil do que pegar numa máscara de mergulho e partir à descoberta de um novo mundo. Para mim, que cresci no Sul de Itália, ao pé do mar, e até aos 17 anos vivi entre Itália e Grécia e sempre fiz mergulho, isso é evidente. Se ligarmos estas duas ideias – comunhão com a Natureza e perceção do mal que lhe estamos a fazer –, as mentalidades mudam. Tenho visto isso a acontecer por todo o lado.”

Não precisa obviamente de ser mergulho, pode ser outra atividade, mas More tinha outra analogia subaquática – que também é uma crítica a todos arautos da desgraça: “Se entrarmos em pânico com as alterações climáticas, afogamo-nos. Consegue imaginar mover uma cidade como Nova Iorque, com dez milhões de pessoas para o interior? Porque é isso que terá de acontecer se não fizermos nada…” É preciso informar e agir – e quanto mais cedo, melhor. Para não ser tarde demais.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Aproveite os descontos que preparámos para si, por tempo muito limitado. Só até 30 de novembro. Conheça todos os valores e opções para a assinatura da sua VISÃO aqui: https://bit.ly/tinbf2020

BLACK FRIDAY

Aproveite Já

Relacionados

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“Numa semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos”

A jovem bióloga inglesa Emma Camp está numa corrida para salvar a Grande Barreira de Coral na Austrália. Será que vai a tempo?

Oceano de Esperança

“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

Nuno Sá é o nosso mais prestigiado cameramen subaquático e já viu de tudo: paisagens virgens, profundezas misteriosas, espécies fascinantes, mas também animais feridos por humanos e rios de lixo

Mais na Visão

Mundo

Dinamarca quer eliminar de vez as “martas zombie”, que emergiram de valas onde tinham sido enterradas

Martas abatidas no início do mês, após ter sido detetada em alguns animais uma mutação do novo coronavírus, emergiram de valas comuns. Um fenómeno químico explica o episódio insólito. A Dinamarca quer agora incinerar as carcaças

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Portugal com mais 87 mortos e 4.868 novos casos nas últimas 24 horas

Portugal contabiliza hoje mais 87 mortos relacionados com a covid-19 e 4.868 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde

Sociedade

A vila de Fucking, na Áustria, está cansada de brincadeiras de mau gosto

Após o chumbo de duas propostas de mudança de nome, a vila austríaca entrará no novo ano com um nome menos controverso: Fugging

Sociedade

Quando a vida se apaga da memória: Três histórias de quem se viu obrigado a reconstruir uma vida sem lembranças

O episódio verídico de um médico italiano que perdeu anos de memórias, na sequência de um acidente de viação, deu azo a uma série de televisão. Aqui se contam três histórias de quem também se viu obrigado a reconstruir uma vida sem lembranças, depois de um traumatismo crânio-encefálico

Economia

PCP/Congresso: João Ferreira aponta 10 falhanços a Marcelo

João Ferreira, candidato presidencial apoiado pelo PCP, apontou hoje dez falhas ao atual Presidente, Marcelo Rebelo de Sousa, e alertou que as eleições de janeiro vão influenciar a vida dos portugueses, "para o bem ou para o mal"

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Ordem dos Médicos pede transparência e equidade na vacinação

O bastonário e o Gabinete de Crise para a covid-19 da Ordem dos Médicos pediram hoje transparência, equidade e fundamentação na vacinação contra o novo coronavírus, manifestando disponibilidade para colaborar na proposta de vacinação nacional

Economia

TAP: Plano de reestruturação prevê despedimento de 500 pilotos e redução de salários - Sindicato

O plano de reestruturação da TAP prevê o despedimento de 500 pilotos e a redução em 25% dos seus salários, segundo a informação divulgada hoje pelo Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil

Imobiliário

Pandemia potencia crédito malparado

A crise atual vai deixar famílias e empresas mais endividadas e, terminadas as moratórias, o crédito malparado vai disparar, alerta a Prime Yield. A solução habitacional para as famílias reside no arrendamento institucional, defende Nelson Rêgo, CEO da consultora

Política

Chega: "O Tribunal Constitucional não pode contentar-se com uma avaliação meramente formal do que se encontra escrito no programa ideológico"

A Democracia, como regime político, "não é o regime do 'vale tudo' e tem de fixar os mínimos existenciais para evitar a sua destruição por dentro", explica o constitucionalista Jorge Bacelar Gouveia

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Quem vacinar primeiro? Como os outros países estão a resolver o dilema

O Governo vai divulgar o seu plano de vacinação para a Covid-19 nos próximos dias. Outros países também estão a lançar os seus planos, mas nem todos definem os mesmos grupos como prioritários. Idosos ou trabalhadores essenciais: quem serão os primeiros a receber a vacina?

Sociedade

Covid-19: Concelhos de maior risco novamente com recolher obrigatório a partir das 13:00

Os 127 concelhos com risco "extremamente elevado" e de risco "muito elevado" de contágio por covid-19 voltam a ter recolher obrigatório a partir das 13:00 durante o fim de semana e feriado

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

Vacina já dá confusão

É ridículo perder tempo na discussão metafísica das prioridades da vacinação. A Covid19, sozinha, já as estabeleceu. Todos as conhecemos. Basta elencar