“Andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos”

“Por que motivo as pessoas precisam de comer fruta que veio do outro lado do mundo? Porque estamos em janeiro e ‘apetece-me comer uvas?’ Por favor, comam laranjas! É um sacrifício assim tão grande?” O pedido é feito por Alexander More, investigador, professor em Harvard e no Instituto das Alterações Climáticas da Universidade do Maine, em que lidera um projeto sobre o impacto das alterações ambientais na saúde humana, no ecossistema e na economia. Para ele, é preciso explicar às pessoas o impacto de escolhas tão simples como estas do dia a dia no ambiente, por causa das emissões de CO2 que implicam.

More é também um dos responsáveis pela análise de um núcleo de gelo de 73 metros de comprimento, retirado do glaciar Colle Gnifetti, perto da fronteira entre a Suíça e a Itália, em 2015. “É diferente de todas as outras amostras [provenientes dos polos] porque foi retirado do local que foi o centro da civilização nos últimos dois mil anos”, explica. “Conseguimos perceber como foram as estações, os meses em cada um desses anos. Conseguimos até detetar uma tempestade.” Depois, “é preciso cruzar esses dados com fontes históricas”, o que faz em Harvard, onde gere a maior biblioteca digital do mundo dedicada ao clima. “Só fazendo essa ligação se consegue entender o que realmente aconteceu.”

E avança com um exemplo tão claro quanto perturbador: “Sempre se pensou que o chumbo existia na atmosfera, mas descobrimos, num período da Idade Média, que esses níveis ficaram tão baixos que praticamente não eram detetáveis. Esse período coincide com a peste negra, que dizimou boa parte da população na Europa e levou ao encerramento de um grande número de minas.” Ou seja, percebemos como os efeitos da nossa atividade sobre o clima são bem anteriores à Revolução Industrial e como, afinal, “andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos.”

Alexander More é investigador, professor em Harvard e no Instituto das Alterações Climáticas da Universidade do Maine

A maioria das pessoas não quer realmente saber dos outros, mas preocupa-se quando percebe como as alterações climáticas as afetam no que mais lhes importa. Só assim vamos conseguir mudar mentalidades

Alexander more

Para Alexander More, o grande desafio é não só estudar, analisar e quantificar, mas pegar nesses dados e criar uma narrativa que todos percebam, virada para a ação. “Não sou fã desta administração norte-americana, mas independentemente disso precisamos de tirar a política da luta climática, que deve ser assumida por todos, sem interferência dos políticos.” E, para tal, o foco da comunicação deve centrar-se em dois fatores cruciais: “health and wealth”, como costuma resumir, ou seja, na saúde e na riqueza. “A maioria das pessoas não quer realmente saber dos outros, mas preocupa-se quando percebe como as alterações climáticas as afetam no que mais lhes importa. Só assim vamos conseguir mudar mentalidades.”

E há outra maneira, mais singela: “Levar as pessoas a redescobrirem a Natureza.” “Portugal é uma nação marítima, a vossa História tem tudo que ver com o oceano e com as explorações, e não há nada mais fácil do que pegar numa máscara de mergulho e partir à descoberta de um novo mundo. Para mim, que cresci no Sul de Itália, ao pé do mar, e até aos 17 anos vivi entre Itália e Grécia e sempre fiz mergulho, isso é evidente. Se ligarmos estas duas ideias – comunhão com a Natureza e perceção do mal que lhe estamos a fazer –, as mentalidades mudam. Tenho visto isso a acontecer por todo o lado.”

Não precisa obviamente de ser mergulho, pode ser outra atividade, mas More tinha outra analogia subaquática – que também é uma crítica a todos arautos da desgraça: “Se entrarmos em pânico com as alterações climáticas, afogamo-nos. Consegue imaginar mover uma cidade como Nova Iorque, com dez milhões de pessoas para o interior? Porque é isso que terá de acontecer se não fizermos nada…” É preciso informar e agir – e quanto mais cedo, melhor. Para não ser tarde demais.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Leia todos os conteúdos exclusivos da VISÃO no site. E experimente a nova app, mais completa, com podcasts, newsletters diárias, alertas noticiosos e muitos conteúdos só para assinantes

Tenha mais VISÃO

Assinar

Relacionados

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“Numa semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos”

A jovem bióloga inglesa Emma Camp está numa corrida para salvar a Grande Barreira de Coral na Austrália. Será que vai a tempo?

Oceano de Esperança

“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

Nuno Sá é o nosso mais prestigiado cameramen subaquático e já viu de tudo: paisagens virgens, profundezas misteriosas, espécies fascinantes, mas também animais feridos por humanos e rios de lixo

Mais na Visão

Sociedade

Enviaram lulas para o espaço. Porquê?

Seguiram, junto com outros animais e aparelhos, lulas a bordo do foguetão SpaceX, que aterrou há uma semana na Estação Espacial Internacional

Fotografia

15 imagens que mostram os momentos em que todo o Parken Stadium acreditou no pior

As imagens do momento da queda de Eriksen, inanimado, no relvado, correram mundo, assim como as a das tentativas de reanimação. Estas são outras: as da mistura de estupefação, medo e tristeza que se viveu no estádio antes de se saber o que se sabe agora: o dinamarquês está estável

Desporto
Exclusivo

Misters: Quem os viu e quem os vê

No Campeonato da Europa, vão estar no banco a comandar as respetivas seleções. Durante anos, porém, habituaram os adeptos a vibrar com o seu talento e a celebrar as suas conquistas no relvado

Desporto

UEFA anuncia que Eriksen está estável

O jogador foi transportado para o hospital de Copenhaga e está estável

Política

Arraial da IL em Lisboa com parecer desfavorável da DGS para atividades que extravassem comício

A Iniciativa Liberal promove hoje um "Arraial Liberal" em Santos, Lisboa, com animação e 20 barraquinhas, mas a autoridade de saúde deu parecer desfavorável

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Há ou não solução para as cólicas dos bebés? Um pediatra explica

Em alguns momentos as famílias stressadas abanam as crianças para as tentar calar. Estes movimentos repetidos e violentos podem provocar lesões. A explicação do pediatra José Manuel Aparício

Mundo

Cientistas descobrem origem da inundação fatal de fevereiro na Índia. O incidente foi tudo menos comum

Foi um cenário de "multi-risco" que se traduziu em muito maior fluidez e movimento do que se espera de uma derrocada. Na verdade, concretizou-se o pior cenário possível, unindo rochas, gelo e a altura da queda

Mundo

G7: Líderes acordam lançar plano de infraestruturas para combater projeto chinês "Nova Rota da Seda"

O Presidente dos Estados Unidos convenceu os líderes do G7, reunidos numa cimeira no sudoeste da Inglaterra, a lançar um grande plano de infraestruturas para conter o avanço da China

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Fuma? Aqui estão as doenças que pode ter

Cancros, AVC, asma, entre outros — já não há dúvidas de que uma das suas causas são os cigarros. A cardiologista Mónica Mendes Pedro, do Hospital da Luz e membro da direção da Sociedade Portuguesa de Cardiologia, explica as consequências deste vício para a saúde

Sociedade

Falta de mão-de-obra nos restaurantes no Canadá limita reabertura

Numa altura em que a província do Ontário iniciou a primeira fase do desconfinamento, permitindo a abertura das esplanadas, muitos dos restaurantes deparam-se com a falta de mão-de-obra

Mundo

Como uma cidade japonesa pegou nas lições que aprendeu com o tsunami de 2011 e as aplicou à vacinação contra a Covid-19

Se no total do Japão, apenas 12% da população já recebeu, pelo menos, uma dose da vacina - Canadá e Israel estão nos 63% - a cidade de Soma, no nordeste do país, é uma exceção de sucesso

Sociedade

Auckland é agora a cidade mais "habitável" do mundo

O Top 10 das cidades mais habitáveis do mundo sofreu mudanças drásticas devido à Covid-19. A cidade que ocupava o primeiro lugar desde 2018 saiu do top, enquanto cidades da Nova Zelândia, Austrália, Suíça e Japão obtiveram as melhores cotações