“Andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos”

“Por que motivo as pessoas precisam de comer fruta que veio do outro lado do mundo? Porque estamos em janeiro e ‘apetece-me comer uvas?’ Por favor, comam laranjas! É um sacrifício assim tão grande?” O pedido é feito por Alexander More, investigador, professor em Harvard e no Instituto das Alterações Climáticas da Universidade do Maine, em que lidera um projeto sobre o impacto das alterações ambientais na saúde humana, no ecossistema e na economia. Para ele, é preciso explicar às pessoas o impacto de escolhas tão simples como estas do dia a dia no ambiente, por causa das emissões de CO2 que implicam.

More é também um dos responsáveis pela análise de um núcleo de gelo de 73 metros de comprimento, retirado do glaciar Colle Gnifetti, perto da fronteira entre a Suíça e a Itália, em 2015. “É diferente de todas as outras amostras [provenientes dos polos] porque foi retirado do local que foi o centro da civilização nos últimos dois mil anos”, explica. “Conseguimos perceber como foram as estações, os meses em cada um desses anos. Conseguimos até detetar uma tempestade.” Depois, “é preciso cruzar esses dados com fontes históricas”, o que faz em Harvard, onde gere a maior biblioteca digital do mundo dedicada ao clima. “Só fazendo essa ligação se consegue entender o que realmente aconteceu.”

E avança com um exemplo tão claro quanto perturbador: “Sempre se pensou que o chumbo existia na atmosfera, mas descobrimos, num período da Idade Média, que esses níveis ficaram tão baixos que praticamente não eram detetáveis. Esse período coincide com a peste negra, que dizimou boa parte da população na Europa e levou ao encerramento de um grande número de minas.” Ou seja, percebemos como os efeitos da nossa atividade sobre o clima são bem anteriores à Revolução Industrial e como, afinal, “andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos.”

Alexander More é investigador, professor em Harvard e no Instituto das Alterações Climáticas da Universidade do Maine

A maioria das pessoas não quer realmente saber dos outros, mas preocupa-se quando percebe como as alterações climáticas as afetam no que mais lhes importa. Só assim vamos conseguir mudar mentalidades

Alexander more

Para Alexander More, o grande desafio é não só estudar, analisar e quantificar, mas pegar nesses dados e criar uma narrativa que todos percebam, virada para a ação. “Não sou fã desta administração norte-americana, mas independentemente disso precisamos de tirar a política da luta climática, que deve ser assumida por todos, sem interferência dos políticos.” E, para tal, o foco da comunicação deve centrar-se em dois fatores cruciais: “health and wealth”, como costuma resumir, ou seja, na saúde e na riqueza. “A maioria das pessoas não quer realmente saber dos outros, mas preocupa-se quando percebe como as alterações climáticas as afetam no que mais lhes importa. Só assim vamos conseguir mudar mentalidades.”

E há outra maneira, mais singela: “Levar as pessoas a redescobrirem a Natureza.” “Portugal é uma nação marítima, a vossa História tem tudo que ver com o oceano e com as explorações, e não há nada mais fácil do que pegar numa máscara de mergulho e partir à descoberta de um novo mundo. Para mim, que cresci no Sul de Itália, ao pé do mar, e até aos 17 anos vivi entre Itália e Grécia e sempre fiz mergulho, isso é evidente. Se ligarmos estas duas ideias – comunhão com a Natureza e perceção do mal que lhe estamos a fazer –, as mentalidades mudam. Tenho visto isso a acontecer por todo o lado.”

Não precisa obviamente de ser mergulho, pode ser outra atividade, mas More tinha outra analogia subaquática – que também é uma crítica a todos arautos da desgraça: “Se entrarmos em pânico com as alterações climáticas, afogamo-nos. Consegue imaginar mover uma cidade como Nova Iorque, com dez milhões de pessoas para o interior? Porque é isso que terá de acontecer se não fizermos nada…” É preciso informar e agir – e quanto mais cedo, melhor. Para não ser tarde demais.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Assine a Revista VISÃO, em digital, por €1 e apoie o jornalismo de qualidade.

ASSINE JÁ

ASSINE JÁ!

Relacionados

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“Numa semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos”

A jovem bióloga inglesa Emma Camp está numa corrida para salvar a Grande Barreira de Coral na Austrália. Será que vai a tempo?

Oceano de Esperança

“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

Nuno Sá é o nosso mais prestigiado cameramen subaquático e já viu de tudo: paisagens virgens, profundezas misteriosas, espécies fascinantes, mas também animais feridos por humanos e rios de lixo

Mais na Visão

Mundo

FIA concluiu que incêndio no acidente de Grosjean se deveu à violência do impacto

A Federação Internacional do Automóvel concluiu hoje que o incêndio no acidente sofrido pelo francês Romain Grosjean (Haas) no GP de Fórmula 1 do Bahrain de 2020 se ficou a dever à violência do impacto

Economia

Covid-19: Misericórdias sem óbitos esta semana em resultado da vacinação

Os lares das misericórdias não registaram esta semana mortes por covid-19, "números espetaculares" que são "consequência direta da vacinação" e uma "queda abrupta" face aos 140 óbitos registados numa semana no início de fevereiro

Sociedade

Guia básico (de educação e bom senso) para viver nas redes

Se imaginar que as redes sociais são um infantário, estas seriam as regras de bom comportamento afixadas na parede. Numa sociedade casa vez mais digital, é importante relembrar o bê-á-bá da boa educação

Política

Covid-19: Governo português espera reabrir turismo em maio

Portugal espera poder abrir as fronteiras e o turismo no início de maio graças a certificados de vacinação ou de testes, afirmou hoje a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, à BBC. 

Sociedade

Covid-19: Portugal já administrou um milhão de vacinas num "caminho ainda longo"

Portugal ultrapassou hoje um milhão de vacinas contra covid-19 administradas, uma marca que o sec.de Estado da Saúde descreveu como significativa e o início de um caminho que ainda é longo

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Vacina aproxima-se dos mais jovens

As farmacêuticas começaram a testar as vacinas contra o vírus SARS-CoV-2 em crianças e adolescentes. Será prioritário vaciná-los?

Sociedade

Constança Braddell: Infarmed garante que está a acompanhar o caso, mas só pode interceder depois do pedido oficial do hospital

A jovem com fibrose quística que precisa de financiamento para um medicamento inovador de 200 mil euros fez hoje um emotivo apelo nas redes sociais: “Não quero morrer”

Exame
Inconsistência problemática

“Se se preocupa com desigualdade, um imposto sobre a riqueza deve estar no centro do que defende."

Deveria existir um imposto sobre as fortunas? A discussão tende a ser ideológica, com linhas que dividem normalmente esquerda e direita. Mas um grupo de economistas britânicos tentou colocá-la num domínio mais técnico. Se acharmos que ele vale a pena, como poderia funcionar? A EXAME entrevistou um dos autores desse estudo sobre as vantagens de um imposto sobre a riqueza e os seus obstáculos.

Fotografia

25 imagens da histórica visita do Papa ao Iraque como "peregrino da paz"

O Papa Francisco iniciou esta sexta-feira hoje uma visita de quatro dias ao Iraque, a primeira de um papa a um país muçulmano de maioria xiita, numa missão em que se apresenta como "peregrino da paz"

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Internamentos semelhantes ao que estavam a 25 de outubro e em UCI no número que estavam a 12 de novembro

Há agora 63260 casos ativos de Covid-19 em Portugal

Política

Covid-19: Rio admite possibilidade de um desconfinamento a ritmos diferentes, por regiões

O presidente do PSD, Rui Rio, admitiu hoje um desconfinamento a ritmos diferentes, por regiões, quando a evolução epidemiológica não for homogénea, como forma de não prejudicar as populações menos "massacradas" pela pandemia de covid-19

Exame Informática
MI - Mobilidade Inteligente

Sport e Cross, as bicicletas elétricas da Porsche

A fabricante de automóveis de luxo apresentou as duas novas bicicletas elétricas ao mesmo tempo que anunciou o modelo Taycan Cross Turismo. Os preços são, como esperado, elevados