“Numa semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos”

Em 2016, Emma Camp aterrava pela primeira vez em Sydney. Na bagagem levava um doutoramento em Biologia Marinha, uma bolsa de investigação atribuída pelo governo australiano e um plano para salvar os corais. Ainda não tinha completado 30 anos, mas “para uma bióloga de corais, não havia melhor sítio no mundo para trabalhar”, diz-nos agora, aos 32, a partir do seu laboratório na University of Technology Sydney.

Infelizmente, mal tinha chegado à Austrália quando começou “a grande descoloração”, um fenómeno provocado por um aumento na temperatura das águas do mar que afetou praticamente todas as colónias de corais do mundo. O evento repetiu-se no ano seguinte e, para se perceber a dimensão dos danos, apenas 10% a 40% dos recifes sobreviveram intactos. Da segunda vez, Camp assistiu, impotente, a um cenário devastador: “No espaço de uma semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos.” Já tinham sucedido eventos semelhantes, mas nunca com esta magnitude. A Grande Barreira de Coral da Austrália (GBC) perdeu um terço da sua superfície, um terço de uma área equivalente à Itália.

“Muita gente pensa erradamente que os corais são plantas, quando, na verdade são animais, embora compostos também por microalgas que vivem na pele. As microalgas são responsáveis por fornecer a maioria dos nutrientes, através da fotossíntese, mas os corais também se alimentam de outras algas e de pequenos peixes”, explica. Por isso, quando os vossos filhos perguntarem qual é o maior animal da terra não lhes respondam que é a baleia-azul ou o elefante, mas a Grande Barreira de Coral. É, de facto, o maior organismo vivo, composto por dois mil e muitos recifes individuais.

Mas a GBC, tal como todos os outros corais do mundo, está perigosamente ameaçada pelas alterações climáticas. Águas mais quentes, com menos oxigénio, e mais ácidas provocam stresse aos corais que expulsam as algas coloridas do seu organismo, perdendo a cor. Como as algas são a principal fonte de energia, o coral morre em poucos dias.

Muita gente pensa erradamente que os corais são plantas, quando, na verdade são animais, embora compostos também por microalgas que vivem na pele

Uma catástrofe de consequências inimagináveis para o planeta, e, no entanto, os cientistas sabem que as ocorrências de descoloração vão repetir-se, porventura “com maior frequência e intensidade”. Uma parte importante da comunidade científica acredita mesmo que, em 2030, todos os corais possam já ter morrido.

Mas Emma Camp quer ter uma palavra a dizer sobre o assunto. Ainda durante o doutoramento, descobriu que junto dos mangais, em locais como a Nova Caledónia, existem colónias que sobrevivem e prosperam em ambientes muito mais hostis. “Porque não olhar para a natureza e tentar perceber como esses corais se adaptaram e a que custo?”, pensou. Na expectativa de descobrir como funciona essa resiliência transplantaram corais destes mangais para a Grande Barreira, e vice-versa e estão a analisar como as espécies evoluem nos novos ambientes: “A ideia é, obviamente, identificar as melhores para poder replantar os recifes caso seja necessário.”

O seu trabalho tem sido reconhecido pela comunidade científica, como aconteceu recentemente ao ser eleita Associate Laureate nos Rolex Awards for Enterprise. A iniciativa decorreu em Washington DC, em paralelo com o festival Explorers, da National Geographic. Antes, já tinha sido eleita Jovem Líder para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, discursando perante uma plateia de líderes mundiais: “Nem toda a gente consegue perceber a importância de perder um ecossistema como um recife, e estes prémios fornecem uma plataforma para o comunicar, não só aos líderes, mas ao mundo.”

Porque ainda hoje Emma Camp se lembra bem do dia em que meteu a cabeça dentro de água e viu, pela primeira vez, “aquela cidade subaquática, cheia de cor e vida”. Sendo inglesa, “não tinha grande contacto com recifes de coral, mas tive a sorte de a minha família ter ido passar umas férias às Caraíbas quando tinha 6 anos”. Privilégio que ela se esforça por passar às próximas gerações.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Assine a VISÃO digital e receba a VISÃO Saúde, Edição Especial “70 Perguntas e Respostas sobre Saúde”, também em formato digital.

EM TEMPOS DIFÍCEIS É PRECISO TER VISÃO

ASSINE JÁ!

Relacionados

Oceano de Esperança

“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

Nuno Sá é o nosso mais prestigiado cameramen subaquático e já viu de tudo: paisagens virgens, profundezas misteriosas, espécies fascinantes, mas também animais feridos por humanos e rios de lixo

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Mais na Visão

Visão Saúde
VISÃO Saúde

O sushi é mesmo saudável?

Uma refeição de sushi não engorda muito? E quais os “rolinhos” que fazem melhor à saúde? As nutricionistas Júlia Alina Fernandes e Ágata Roquete explicam o que esta popular comida japonesa tem de bom e de mau. E ajudam a descobrir como tirar o melhor partido deste tipo de alimentos

Sociedade

Vem aí outra corrida ao ouro?

Nunca o metal amarelo valorizou tanto, atingindo máximos históricos, mas nem por isso os portugueses desataram a vender as suas joias – sobretudo porque já se desfizeram de grande parte do que tinham na crise anterior. Mas, com o fim das férias e a escalada do desemprego, as casas de compra de ouro e de penhores esperam voltar a ter enchentes

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

Terceira crise só a brincar

Se o PSD tiver de salvar o Orçamento, e evitar uma terceira crise catastrófica, em simultâneo, será recompensado, e com justiça, pelo eleitorado

Exame Informática
Internet

Azure: Microsoft remove 18 aplicações usadas por hackers chineses

As vantagens como velocidade, flexibilidade e escala que os serviços na cloud proporcionam estão a ser explorados por hackers. A Microsoft terminou 18 aplicações com que hackers chineses tentavam ganhar controlo de redes

Follow the leader Vestager Exame Informática
Mercados

Comissão Europeia vai recorrer de decisão que iliba Apple de pagar 13 mil milhões de euros

Comissária para a Concorrência anunciou hoje que não concorda com a decisão do tribunal, que isentava a Apple do pagamento de 13 mil milhões de euros em impostos devidos na Irlanda e que vai recorrer

Visão Saúde
VISÃO Saúde

"O vírus é uma desculpa para um enredo de proporções totalitárias” que origina “um poço de desinformação"

Médico e criador do projeto SCIMED-Ciência Baseada na Evidência, João Júlio Cerqueira diz que há uma “fusão de paranoias” em quem se manifesta contra as medidas para conter a pandemia e a vacina para a Covid-19

Se7e
Sair

Precisa de uma bicicleta? O Selim empresta, se viver, estudar ou trabalhar em Lisboa

O Selim – Banco de Bicicletas é um novo projeto lisboeta de incentivo à mobilidade. Instalado no Mercado de Arroios, recolhe, repara e empresta bicicletas a quem delas precisa para se deslocar na cidade

Exame Informática
Capa da Revista

Como abandonar as redes sociais sem deixar rasto

Nesta edição vai aprender a retomar o controlo da sua informação pessoal no Facebook, Instagram, Google, TikTok...

Sociedade

Um homem foi executado nos EUA devido a um crime que cometeu na adolescência. A Psicologia acha mal

Segundo estudos da área da Psicologia, o cérebro de um adolescente não é suficientemente maturo, não tendo a capacidade de avaliar situações de perigo

Exame Informática
Exame Informática

Empresa portuguesa lidera missão de remoção de lixo espacial, bem ao estilo do filme Gravity

Satélites inativos a pairar no espaço representam um risco de colisão cada vez maior, tendo em conta o acumular de peças à solta. Deimos Engenharia participa na missão Clearspace-1, a primeira de sempre que tem como objetivo rebocar estes objetos perdidos

Sociedade

Nada de novo no Vaticano. "Eutanásia e suicídio assistido são intrinsecamente maléficos”

Considerar que uma doença é incurável não pode significar que os cuidados tenham chegado ao fim, sublinha novo documento sobre doentes terminais

Nem Tudo É Ficção

A menina que colecionava espantos

Desde bebé que Kalumba-Tubia conversa com vaga--lumes. Na verdade, com todo o tipo de animais, mas especialmente com aqueles capazes de voar. No início, os pais riam-se muito ao ouvi-la dialogar com os pássaros, os besouros e as borboletas. Depois, começaram a ficar preocupados. Um psicólogo tranquilizou-os: “Não há nada de errado com a menina. Conversar com os animais é uma forma que ela encontrou de estabelecer vínculos com o mundo que a rodeia”