“Numa semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos”

Em 2016, Emma Camp aterrava pela primeira vez em Sydney. Na bagagem levava um doutoramento em Biologia Marinha, uma bolsa de investigação atribuída pelo governo australiano e um plano para salvar os corais. Ainda não tinha completado 30 anos, mas “para uma bióloga de corais, não havia melhor sítio no mundo para trabalhar”, diz-nos agora, aos 32, a partir do seu laboratório na University of Technology Sydney.

Infelizmente, mal tinha chegado à Austrália quando começou “a grande descoloração”, um fenómeno provocado por um aumento na temperatura das águas do mar que afetou praticamente todas as colónias de corais do mundo. O evento repetiu-se no ano seguinte e, para se perceber a dimensão dos danos, apenas 10% a 40% dos recifes sobreviveram intactos. Da segunda vez, Camp assistiu, impotente, a um cenário devastador: “No espaço de uma semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos.” Já tinham sucedido eventos semelhantes, mas nunca com esta magnitude. A Grande Barreira de Coral da Austrália (GBC) perdeu um terço da sua superfície, um terço de uma área equivalente à Itália.

“Muita gente pensa erradamente que os corais são plantas, quando, na verdade são animais, embora compostos também por microalgas que vivem na pele. As microalgas são responsáveis por fornecer a maioria dos nutrientes, através da fotossíntese, mas os corais também se alimentam de outras algas e de pequenos peixes”, explica. Por isso, quando os vossos filhos perguntarem qual é o maior animal da terra não lhes respondam que é a baleia-azul ou o elefante, mas a Grande Barreira de Coral. É, de facto, o maior organismo vivo, composto por dois mil e muitos recifes individuais.

Mas a GBC, tal como todos os outros corais do mundo, está perigosamente ameaçada pelas alterações climáticas. Águas mais quentes, com menos oxigénio, e mais ácidas provocam stresse aos corais que expulsam as algas coloridas do seu organismo, perdendo a cor. Como as algas são a principal fonte de energia, o coral morre em poucos dias.

Muita gente pensa erradamente que os corais são plantas, quando, na verdade são animais, embora compostos também por microalgas que vivem na pele

Uma catástrofe de consequências inimagináveis para o planeta, e, no entanto, os cientistas sabem que as ocorrências de descoloração vão repetir-se, porventura “com maior frequência e intensidade”. Uma parte importante da comunidade científica acredita mesmo que, em 2030, todos os corais possam já ter morrido.

Mas Emma Camp quer ter uma palavra a dizer sobre o assunto. Ainda durante o doutoramento, descobriu que junto dos mangais, em locais como a Nova Caledónia, existem colónias que sobrevivem e prosperam em ambientes muito mais hostis. “Porque não olhar para a natureza e tentar perceber como esses corais se adaptaram e a que custo?”, pensou. Na expectativa de descobrir como funciona essa resiliência transplantaram corais destes mangais para a Grande Barreira, e vice-versa e estão a analisar como as espécies evoluem nos novos ambientes: “A ideia é, obviamente, identificar as melhores para poder replantar os recifes caso seja necessário.”

O seu trabalho tem sido reconhecido pela comunidade científica, como aconteceu recentemente ao ser eleita Associate Laureate nos Rolex Awards for Enterprise. A iniciativa decorreu em Washington DC, em paralelo com o festival Explorers, da National Geographic. Antes, já tinha sido eleita Jovem Líder para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, discursando perante uma plateia de líderes mundiais: “Nem toda a gente consegue perceber a importância de perder um ecossistema como um recife, e estes prémios fornecem uma plataforma para o comunicar, não só aos líderes, mas ao mundo.”

Porque ainda hoje Emma Camp se lembra bem do dia em que meteu a cabeça dentro de água e viu, pela primeira vez, “aquela cidade subaquática, cheia de cor e vida”. Sendo inglesa, “não tinha grande contacto com recifes de coral, mas tive a sorte de a minha família ter ido passar umas férias às Caraíbas quando tinha 6 anos”. Privilégio que ela se esforça por passar às próximas gerações.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

ESTE VERÃO ASSINE A VISÃO, EM PAPEL OU DIGITAL, E RECEBA ATÉ SEIS MESES DE LEITURA GRÁTIS

PRECISAMOS DE SI: ASSINE!

ASSINE

Relacionados

Oceano de Esperança

“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

Nuno Sá é o nosso mais prestigiado cameramen subaquático e já viu de tudo: paisagens virgens, profundezas misteriosas, espécies fascinantes, mas também animais feridos por humanos e rios de lixo

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Mais na Visão

Atualidade

Covid-19: O que seria preciso, afinal, para ficarmos infetados através do contacto com uma superfície

As dúvidas em relação ao comportamento e transmissão do coronavírus persistem e continuam a ser fonte de inquietação. A possibilidade de transmissão por contacto indireto, tal como por superfícies, é um dos temas mais polémicos

Imobiliário

Trabalhadores mais jovens são os que menos apreciam o teletrabalho

Poderá o teletrabalho aniquilar os edifícios de escritórios e o ambiente empresarial a que estávamos habituados? Uma pergunta a que a consultora JLL dá resposta no seu mais recente estudo

Sociedade

Encontrados jornais num glaciar que poderão estar relacionados com acidente aéreo

O degelo de um glaciar no Monte Branco revelou a presença de jornais, perfeitamente preservado,s que remontam aos anos 60, época em que ocorreu um desastre aéreo na zona

História

Homicídio às mãos de D. João II

Isabel Stilwell leva-nos a conhecer, em video e podcast, os lugares que marcaram a vida do rei D. Manuel I. De norte a sul de Portugal, dez lugares de aventura e crueldade, de riqueza e desgraça, de amor e ódio. 7º episódio

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Estudo mostra porque é que o lopinavir e a hidroxicloroquina não são eficazes no combate ao coronavírus

O lopinavir é um medicamento utilizado no tratamento do VIH e, por sua vez, a hidroxicloroquina é usada contra a malária e o reumatismo. Têm sido várias as tentativas para verificar se os dois medicamentos poderiam, efetivamente, ter mais do que um propósito e, neste caso, ajudar no combate à Covid-19

Huawei Stayaway Covid Exame Informática
Software

Aplicação Stayaway Covid não vai funcionar em smartphones Huawei sem serviços Google

Huawei terminou primeiro trimestre como a segunda marca que mais smartphones vende em Portugal. No entanto, marca tem tido dificuldade em vender smartphones ‘sem Google’ no mercado português e por isso o número de utilizadores que não vão ter acesso à Stayaway Covid será baixo

Exame
Exame

Central a carvão em Sines fecha dentro de seis meses

Perda de rentabilidade das centrais a carvão, com maior peso das licenças de CO2 e menores custos do gás natural, determinaram fecho antecipado, justifica EDP. Central só deveria encerrar dentro de três anos, em setembro de 2023

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Baixo consumo de peixe durante gravidez pode afetar neurodesenvolvimento das crianças

Um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) mostra que um baixo consumo de peixe durante a gravidez pode ter impacto negativo e afetar o neurodesenvolvimento das crianças, foi hoje anunciado

Economia

Covid-19: Uso de máscaras nas lojas vai ser obrigatório em Inglaterra

O uso de máscaras dentro de lojas e supermercados vai passar a ser obrigatório em Inglaterra a partir de 24 de julho para reduzir o risco de agravamento da pandemia de covid-19, anunciou o governo britânico

Bolsa de Especialistas

Extrair dentes é mesmo necessário? Um dentista explica

Já está a contrair-se só de pensar em arrancar um dente? Eduardo Bastos explica aqui tudo o que deve saber sobre um dos procedimentos mais temidos no consultório do dentista

Imobiliário

Portugal atrai 1,45 mil milhões em três meses

O mercado de investimento imobiliário esteve mais dinâmico do que nunca no início do ano, no período pré-Covid, realça a consultora bPrime

Paralelo 38

Um açoriano no Pentágono

Esta história sobre Eduardo Pires, a desempenhar funções na inteligência norte-americana e com um percurso pessoal e profissional verdadeiramente invejável, tem outro sabor quando o comandante americano é originário dos Açores