“Numa semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos”

Em 2016, Emma Camp aterrava pela primeira vez em Sydney. Na bagagem levava um doutoramento em Biologia Marinha, uma bolsa de investigação atribuída pelo governo australiano e um plano para salvar os corais. Ainda não tinha completado 30 anos, mas “para uma bióloga de corais, não havia melhor sítio no mundo para trabalhar”, diz-nos agora, aos 32, a partir do seu laboratório na University of Technology Sydney.

Infelizmente, mal tinha chegado à Austrália quando começou “a grande descoloração”, um fenómeno provocado por um aumento na temperatura das águas do mar que afetou praticamente todas as colónias de corais do mundo. O evento repetiu-se no ano seguinte e, para se perceber a dimensão dos danos, apenas 10% a 40% dos recifes sobreviveram intactos. Da segunda vez, Camp assistiu, impotente, a um cenário devastador: “No espaço de uma semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos.” Já tinham sucedido eventos semelhantes, mas nunca com esta magnitude. A Grande Barreira de Coral da Austrália (GBC) perdeu um terço da sua superfície, um terço de uma área equivalente à Itália.

“Muita gente pensa erradamente que os corais são plantas, quando, na verdade são animais, embora compostos também por microalgas que vivem na pele. As microalgas são responsáveis por fornecer a maioria dos nutrientes, através da fotossíntese, mas os corais também se alimentam de outras algas e de pequenos peixes”, explica. Por isso, quando os vossos filhos perguntarem qual é o maior animal da terra não lhes respondam que é a baleia-azul ou o elefante, mas a Grande Barreira de Coral. É, de facto, o maior organismo vivo, composto por dois mil e muitos recifes individuais.

Mas a GBC, tal como todos os outros corais do mundo, está perigosamente ameaçada pelas alterações climáticas. Águas mais quentes, com menos oxigénio, e mais ácidas provocam stresse aos corais que expulsam as algas coloridas do seu organismo, perdendo a cor. Como as algas são a principal fonte de energia, o coral morre em poucos dias.

Muita gente pensa erradamente que os corais são plantas, quando, na verdade são animais, embora compostos também por microalgas que vivem na pele

Uma catástrofe de consequências inimagináveis para o planeta, e, no entanto, os cientistas sabem que as ocorrências de descoloração vão repetir-se, porventura “com maior frequência e intensidade”. Uma parte importante da comunidade científica acredita mesmo que, em 2030, todos os corais possam já ter morrido.

Mas Emma Camp quer ter uma palavra a dizer sobre o assunto. Ainda durante o doutoramento, descobriu que junto dos mangais, em locais como a Nova Caledónia, existem colónias que sobrevivem e prosperam em ambientes muito mais hostis. “Porque não olhar para a natureza e tentar perceber como esses corais se adaptaram e a que custo?”, pensou. Na expectativa de descobrir como funciona essa resiliência transplantaram corais destes mangais para a Grande Barreira, e vice-versa e estão a analisar como as espécies evoluem nos novos ambientes: “A ideia é, obviamente, identificar as melhores para poder replantar os recifes caso seja necessário.”

O seu trabalho tem sido reconhecido pela comunidade científica, como aconteceu recentemente ao ser eleita Associate Laureate nos Rolex Awards for Enterprise. A iniciativa decorreu em Washington DC, em paralelo com o festival Explorers, da National Geographic. Antes, já tinha sido eleita Jovem Líder para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, discursando perante uma plateia de líderes mundiais: “Nem toda a gente consegue perceber a importância de perder um ecossistema como um recife, e estes prémios fornecem uma plataforma para o comunicar, não só aos líderes, mas ao mundo.”

Porque ainda hoje Emma Camp se lembra bem do dia em que meteu a cabeça dentro de água e viu, pela primeira vez, “aquela cidade subaquática, cheia de cor e vida”. Sendo inglesa, “não tinha grande contacto com recifes de coral, mas tive a sorte de a minha família ter ido passar umas férias às Caraíbas quando tinha 6 anos”. Privilégio que ela se esforça por passar às próximas gerações.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Relacionados

Oceano de Esperança

“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

Nuno Sá é o nosso mais prestigiado cameramen subaquático e já viu de tudo: paisagens virgens, profundezas misteriosas, espécies fascinantes, mas também animais feridos por humanos e rios de lixo

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Mais na Visão

Imobiliário

Portugueses em grande nas compras imobiliárias

Os compradores nacionais representaram 82% dos imóveis vendidos pelo grupo Remax no ano passado. São mais de 50 mil casas. Entre os clientes estrangeiros, os brasileiros já ultrapassaram os franceses

Política

Auditoria forense às contas de Pedrógão Grande fica na gaveta do presidente

Em 2018, a câmara municipal contratou uma sociedade de revisores, por 36 mil euros, para uma investigação aos quatro anos anteriores (nos quais se incluía o fatídico 2017, dos incêndios, dos donativos e das fraudes). As conclusões continuam guardadas. Valdemar Alves diz que “em breve” as divulgará

E que tal uma pulseira eletrónica para a Justiça?
Sociedade

Conselho Superior da Magistratura está a investigar sorteios dos processos na Relação de Lisboa

Notícia da VISÃO leva órgão disciplinar dos magistrados judiciais a investigar regularidade dos sorteios naquele tribunal superior. Presidente do Conselho diz que nenhum juiz deixará de ser investigado, "doa a quem doer"

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Nova técnica permite a mulher infértil dar à luz após tratamentos de quimioterapia, num caso inédito

Chama-se Jules e é o primeiro bebé filho de uma mulher que ficou infértil após tratamentos de quimioterapia para combater cancro da mama

Exame Informática
Volt

Açores: renováveis vão fornecer 65% da energia da Graciosa

”A principal característica diferenciadora do projeto é a existência de uma central de baterias que permite armazenar a energia e regular a frequência e a tensão da rede elétrica da ilha”, refere uma nota do Governo Regional

Sociedade

Afinal, os dinossauros tinham sangue frio ou quente?

Evolutivamente falando, a espécie encontra-se entre os pássaros, de sangue quente, e os répteis, de sangue frio. A sua temperatura corporal foi sempre um tema pouco consensual entre os paleontólogos, mas um novo estudo promete por fim à questão

Como o wi-fi pode denunciar cada passo que damos em casa Exame Informática
Opinião

5HSy7FZUMh2bY9yruaPKZ W3+UYF6DnCzWjRfStjFpYU=

A problemática da encriptação em análise neste artigo de opinião de Rui Ferreira da Rocha

Facebook: centenas de milhões de passwords expostas internamente Exame Informática
Insólitos

Funcionários do Facebook secavam sovacos de Zuckerberg antes de discursos

O fundador do Facebook é conhecido por começar a suar antes de intervenções públicas devido a ansiedade

Há um ponto no Oceano Pacífico tão longe de terra, que os humanos mais próximos são, muitas vezes, astronautas Exame Informática
Ciência

Sinal rádio em loop misterioso pode estar a ser emitido por alienígenas

Um professor de Harvard acredita que um sinal de rádio que está a ser captado desde o espaço exterior e que tem um padrão de repetição possa ser indício de vida extraterrestre

Bolsa de Especialistas

Comunicar em público – uma missão difícil, mas possível!

Como poderemos, então, subir ao palco sem que os nervos nos devorem como um leão? Como nos podemos tornar oradores memoráveis, que inspiram audiências com um discurso vencedor? As dicas da especialista em Linguística Sandra Duarte Tavares

Como ajudar as crianças a lidar com o luto 
Mundo

Todos os países do mundo estão a falhar proteção da saúde das crianças

Nenhum país do mundo está a proteger adequadamente a saúde das crianças, o seu ambiente e futuro, segundo um relatório das Nações Unidas e da revista The Lancet divulgado esta terça-feira

Opinião

Os dois Papas. E o povo, pá?

Muito para lá da apropriação de um e de outro por terceiros, Bento e Francisco são, em si mesmos, rostos de modos diferentes de ser Igreja no mundo do nosso tempo