“Numa semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos”

Em 2016, Emma Camp aterrava pela primeira vez em Sydney. Na bagagem levava um doutoramento em Biologia Marinha, uma bolsa de investigação atribuída pelo governo australiano e um plano para salvar os corais. Ainda não tinha completado 30 anos, mas “para uma bióloga de corais, não havia melhor sítio no mundo para trabalhar”, diz-nos agora, aos 32, a partir do seu laboratório na University of Technology Sydney.

Infelizmente, mal tinha chegado à Austrália quando começou “a grande descoloração”, um fenómeno provocado por um aumento na temperatura das águas do mar que afetou praticamente todas as colónias de corais do mundo. O evento repetiu-se no ano seguinte e, para se perceber a dimensão dos danos, apenas 10% a 40% dos recifes sobreviveram intactos. Da segunda vez, Camp assistiu, impotente, a um cenário devastador: “No espaço de uma semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos.” Já tinham sucedido eventos semelhantes, mas nunca com esta magnitude. A Grande Barreira de Coral da Austrália (GBC) perdeu um terço da sua superfície, um terço de uma área equivalente à Itália.

“Muita gente pensa erradamente que os corais são plantas, quando, na verdade são animais, embora compostos também por microalgas que vivem na pele. As microalgas são responsáveis por fornecer a maioria dos nutrientes, através da fotossíntese, mas os corais também se alimentam de outras algas e de pequenos peixes”, explica. Por isso, quando os vossos filhos perguntarem qual é o maior animal da terra não lhes respondam que é a baleia-azul ou o elefante, mas a Grande Barreira de Coral. É, de facto, o maior organismo vivo, composto por dois mil e muitos recifes individuais.

Mas a GBC, tal como todos os outros corais do mundo, está perigosamente ameaçada pelas alterações climáticas. Águas mais quentes, com menos oxigénio, e mais ácidas provocam stresse aos corais que expulsam as algas coloridas do seu organismo, perdendo a cor. Como as algas são a principal fonte de energia, o coral morre em poucos dias.

Muita gente pensa erradamente que os corais são plantas, quando, na verdade são animais, embora compostos também por microalgas que vivem na pele

Uma catástrofe de consequências inimagináveis para o planeta, e, no entanto, os cientistas sabem que as ocorrências de descoloração vão repetir-se, porventura “com maior frequência e intensidade”. Uma parte importante da comunidade científica acredita mesmo que, em 2030, todos os corais possam já ter morrido.

Mas Emma Camp quer ter uma palavra a dizer sobre o assunto. Ainda durante o doutoramento, descobriu que junto dos mangais, em locais como a Nova Caledónia, existem colónias que sobrevivem e prosperam em ambientes muito mais hostis. “Porque não olhar para a natureza e tentar perceber como esses corais se adaptaram e a que custo?”, pensou. Na expectativa de descobrir como funciona essa resiliência transplantaram corais destes mangais para a Grande Barreira, e vice-versa e estão a analisar como as espécies evoluem nos novos ambientes: “A ideia é, obviamente, identificar as melhores para poder replantar os recifes caso seja necessário.”

O seu trabalho tem sido reconhecido pela comunidade científica, como aconteceu recentemente ao ser eleita Associate Laureate nos Rolex Awards for Enterprise. A iniciativa decorreu em Washington DC, em paralelo com o festival Explorers, da National Geographic. Antes, já tinha sido eleita Jovem Líder para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, discursando perante uma plateia de líderes mundiais: “Nem toda a gente consegue perceber a importância de perder um ecossistema como um recife, e estes prémios fornecem uma plataforma para o comunicar, não só aos líderes, mas ao mundo.”

Porque ainda hoje Emma Camp se lembra bem do dia em que meteu a cabeça dentro de água e viu, pela primeira vez, “aquela cidade subaquática, cheia de cor e vida”. Sendo inglesa, “não tinha grande contacto com recifes de coral, mas tive a sorte de a minha família ter ido passar umas férias às Caraíbas quando tinha 6 anos”. Privilégio que ela se esforça por passar às próximas gerações.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Este verão assine 6 meses a VISÃO, em papel ou digital, e receba mais 3 meses de leitura grátis

PRECISAMOS DE SI: ASSINE!

Relacionados

Oceano de Esperança

“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

Nuno Sá é o nosso mais prestigiado cameramen subaquático e já viu de tudo: paisagens virgens, profundezas misteriosas, espécies fascinantes, mas também animais feridos por humanos e rios de lixo

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Mais na Visão

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

Kamala de Biden ajuda Trump

Biden, nas suas tradicionais trapalhadas, já disse que devido à sua idade, e ao desgaste do cargo, não deverá conseguir fazer mais do que um mandato. Se conseguir. E aqui é que entra Trump. Vai assustar tudo e todos com a hipótese, não marginal, de Kamala Harris poder chegar a Presidente dos EUA, "by default"

Política

Chamou cigana a Luísa Salgueiro, PS expulsou-o, mas Manuel dos Santos recorreu

Antigo vice-presidente do Parlamento Europeu chamou “cigana” à atual autarca de Matosinhos. Agora, três anos depois, o PS decidiu expulsá-lo. Esta quinta, em entrevista à VISÃO, Luísa Salgueiro fala pela primeira vez sobre o caso

Sociedade

Catarina de Bragança, a 'influencer' maldita

A vida da infanta nascida em Vila Viçosa que foi rainha de Inglaterra. Diz-se que introduziu o chá, o tabaco e os talheres de mesa nos hábitos dos britânicos, mas também foi vítima de calúnias e de bullying.Deu o nome ao bairro de Queens, em Nova Iorque – onde não tem estátua, por causa da sua ligação ao comércio de escravos

Opinião

Kamala, a falsa (questão)

Se Kamala Harris e Joe Biden baterem Donald Trump, a 3 de novembro, ela será sempre uma forte candidata à presidência em 2024

Sociedade

Encontrada baleia morta na Praia Formosa em Santa Cruz

Não se conhece a causa de morte da baleia, mas sabe-se que andava à deriva "há vários dias"

Sociedade

Covid-19: Ministra da Saúde partilha reservas da OMS quanto a vacina russa

A ministra da Saúde partilhou hoje as reservas da OMS quanto à vacina para a covid-19 anunciada pela Rússia, afirmando que não se pode sacrificar "segurança e eficácia" em nome da rapidez

Exame
Macro

A interminável sombra das agências de rating

O Grande Confinamento secou receitas e fez disparar despesas. O choque iniciou uma onda de cortes de rating. As autoridades estão atentas aos riscos para a estabilidade financeira e os bancos centrais tentam flexibilizar as regras que os forçam a seguir as notações dadas por estas entidades

Irrevogável

Alexandre Poço: "Há discriminação racial em Portugal"

Alexandre Poço, novo líder da JSD, não recusa entendimentos com o CHEGA, desde que as linhas vermelhas do seu partido sejam respeitadas. Por outro lado, admite, ao contrário de Rui Rio, que "há um problema de discriminação racial" em Portugal

McDonald's sob suspeita Exame Informática
Insólitos

CEO da McDonald’s enviou fotos de cariz sexual pelo email do trabalho

O diretor executivo da McDonald’s foi despedido, com uma indemnização de 40 milhões de dólares, por suspeitas de se ter envolvido sexualmente com funcionários da empresa. Agora, emails recuperados dos servidores são provas contra o CEO

Mundo

Quem é Kamala Harris, a “senadora sem medo” escolhida para ser vice do democrata Joe Biden

A número dois do candidato que foi vice de Obama também aspirou a ser a primeira mulher presidente dos EUA. Agora, quer ajudar a unir o país contra Trump

Sociedade

Covid-19: Portugal com 12.519 casos ativos e 161 surtos

Portugal tem atualmente 12.519 casos ativos de covid-19 e 161 surtos, circunstâncias em que os casos ativos estão ligados a um fenómeno comum

Imobiliário

Descida de preço das casas é "residual"

O valor dos imóveis tem sofrido variações negativas mas mínimas, aponta a análise da Confidencial Imobiliário