“Numa semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos”

Em 2016, Emma Camp aterrava pela primeira vez em Sydney. Na bagagem levava um doutoramento em Biologia Marinha, uma bolsa de investigação atribuída pelo governo australiano e um plano para salvar os corais. Ainda não tinha completado 30 anos, mas “para uma bióloga de corais, não havia melhor sítio no mundo para trabalhar”, diz-nos agora, aos 32, a partir do seu laboratório na University of Technology Sydney.

Infelizmente, mal tinha chegado à Austrália quando começou “a grande descoloração”, um fenómeno provocado por um aumento na temperatura das águas do mar que afetou praticamente todas as colónias de corais do mundo. O evento repetiu-se no ano seguinte e, para se perceber a dimensão dos danos, apenas 10% a 40% dos recifes sobreviveram intactos. Da segunda vez, Camp assistiu, impotente, a um cenário devastador: “No espaço de uma semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos.” Já tinham sucedido eventos semelhantes, mas nunca com esta magnitude. A Grande Barreira de Coral da Austrália (GBC) perdeu um terço da sua superfície, um terço de uma área equivalente à Itália.

“Muita gente pensa erradamente que os corais são plantas, quando, na verdade são animais, embora compostos também por microalgas que vivem na pele. As microalgas são responsáveis por fornecer a maioria dos nutrientes, através da fotossíntese, mas os corais também se alimentam de outras algas e de pequenos peixes”, explica. Por isso, quando os vossos filhos perguntarem qual é o maior animal da terra não lhes respondam que é a baleia-azul ou o elefante, mas a Grande Barreira de Coral. É, de facto, o maior organismo vivo, composto por dois mil e muitos recifes individuais.

Mas a GBC, tal como todos os outros corais do mundo, está perigosamente ameaçada pelas alterações climáticas. Águas mais quentes, com menos oxigénio, e mais ácidas provocam stresse aos corais que expulsam as algas coloridas do seu organismo, perdendo a cor. Como as algas são a principal fonte de energia, o coral morre em poucos dias.

Muita gente pensa erradamente que os corais são plantas, quando, na verdade são animais, embora compostos também por microalgas que vivem na pele

Uma catástrofe de consequências inimagináveis para o planeta, e, no entanto, os cientistas sabem que as ocorrências de descoloração vão repetir-se, porventura “com maior frequência e intensidade”. Uma parte importante da comunidade científica acredita mesmo que, em 2030, todos os corais possam já ter morrido.

Mas Emma Camp quer ter uma palavra a dizer sobre o assunto. Ainda durante o doutoramento, descobriu que junto dos mangais, em locais como a Nova Caledónia, existem colónias que sobrevivem e prosperam em ambientes muito mais hostis. “Porque não olhar para a natureza e tentar perceber como esses corais se adaptaram e a que custo?”, pensou. Na expectativa de descobrir como funciona essa resiliência transplantaram corais destes mangais para a Grande Barreira, e vice-versa e estão a analisar como as espécies evoluem nos novos ambientes: “A ideia é, obviamente, identificar as melhores para poder replantar os recifes caso seja necessário.”

O seu trabalho tem sido reconhecido pela comunidade científica, como aconteceu recentemente ao ser eleita Associate Laureate nos Rolex Awards for Enterprise. A iniciativa decorreu em Washington DC, em paralelo com o festival Explorers, da National Geographic. Antes, já tinha sido eleita Jovem Líder para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, discursando perante uma plateia de líderes mundiais: “Nem toda a gente consegue perceber a importância de perder um ecossistema como um recife, e estes prémios fornecem uma plataforma para o comunicar, não só aos líderes, mas ao mundo.”

Porque ainda hoje Emma Camp se lembra bem do dia em que meteu a cabeça dentro de água e viu, pela primeira vez, “aquela cidade subaquática, cheia de cor e vida”. Sendo inglesa, “não tinha grande contacto com recifes de coral, mas tive a sorte de a minha família ter ido passar umas férias às Caraíbas quando tinha 6 anos”. Privilégio que ela se esforça por passar às próximas gerações.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Aproveite os descontos que preparámos para si, por tempo muito limitado. Só até 30 de novembro. Conheça todos os valores e opções para a assinatura da sua VISÃO aqui: https://bit.ly/tinbf2020

BLACK FRIDAY

Aproveite Já

Relacionados

Oceano de Esperança

“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

Nuno Sá é o nosso mais prestigiado cameramen subaquático e já viu de tudo: paisagens virgens, profundezas misteriosas, espécies fascinantes, mas também animais feridos por humanos e rios de lixo

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Mais na Visão

Política

Jerónimo de Sousa reeleito secretário-geral do PCP com um voto contra

Há quatro eleições consecutivas que o líder era eleito por unanimidade. Terceiro e último dia do XXI Congresso do partido, em Loures, revelou ainda a chegada do candidato presidencial João Ferreira à Comissão Política do Comité Central

Mundo

Irão exorta comunidade internacional a condenar o assassínio de cientista iraniano

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Mohamad Javad Zarif, exortou hoje a comunidade internacional a condenar o assassínio do cientista nuclear Mohsen Fakhrizadeh, considerando "vergonhoso" que se tenham limitado a fazer pedidos de calma

Cultura

Ator David Prowse que deu vida a Darth Vader da "Guerra das Estrelas" morre aos 85 anos

O ator inglês David Prowse, que ficou conhecido por dar vida a Darth Vader, o vilão da "Guerra das Estrelas" nos filmes da trilogia original, morreu no sábado aos 85 anos

Sociedade

Covid-19: O isolamento visto por dentro

Hugo Silva esteve 24 dias dentro do seu quarto e aproveitou o muito tempo livre para fazer uma das coisas que mais gosta: fotografar. Em Felgueiras, o tempo passa tão devagar como no resto do mundo

Mundo

Com polegares mais grossos, neandertais usavam as mãos de forma diferente

O novo estudo foi realizado através da análise e comparação entre cinco indivíduos neandertais e cerca de 40 adultos recentes

Se7e
TV

O regresso de Sophia Loren em "Uma Vida à Sua Frente", na Netflix

Aos 86 anos, Sophia Loren volta a encher o ecrã com uma interpretação sem artifícios. O filme "Uma Vida à Sua Frente" está disponível na Netflix

Mundo

Covid-19: Portugal terá "níveis muito baixos" de novos casos se mantiver restrições

Se mantiver "as medidas de resposta em vigor a 18 de novembro de 2020 e até ao final do período de previsão, que é 25 de dezembro de 2020", Portugal terá menos casos, diz o ECDC

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Cientistas não acreditam que vírus desapareça e avisam: "Vacina até pode impulsionar mais mutações"

Investigação sugere que essa evolução pode trocar as voltas às vacinas prestes a chegar ao mercado

Ideias

Bessel van der Kolk: "Estar muito tempo entre quatro paredes com a mesma pessoa amplia divergências e conflitos, atenuados através do abuso de álcool e drogas"

Somos mamíferos, precisamos de toque, do seu efeito protetor, que restaura o equilíbrio interno. Quem não lhe acede pode passar pior na atual crise pandémica

Economia

Os portugueses estão a poupar durante esta crise

O dinheiro colocado em depósitos bateu máximos este ano. Com menos opções de consumo, os portugueses foram forçados a poupar e estão mais cautelosos em relação ao futuro. Os orçamentos familiares saem reforçados. Mas a economia ressente-se

Mundo

Dinamarca quer eliminar de vez os “visons zombie”, que emergiram de valas onde tinham sido enterrados

Visons abatidos no início do mês, após ter sido detetada em alguns animais uma mutação do novo coronavírus, emergiram de valas comuns. Um fenómeno químico explica o episódio insólito. A Dinamarca quer agora incinerar as carcaças

Economia

"Nunca seremos primeiro violino de orquestra dirigida por sociais-democratas", diz líder parlamentar do PCP

João Oliveira afirmou que a opção pela abstenção ao Orçamento de 2021 foi tomada com "total liberdade" e que a estratégia definida há quatro anos pelos comunistas se revelou acertada