“Numa semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos”

Em 2016, Emma Camp aterrava pela primeira vez em Sydney. Na bagagem levava um doutoramento em Biologia Marinha, uma bolsa de investigação atribuída pelo governo australiano e um plano para salvar os corais. Ainda não tinha completado 30 anos, mas “para uma bióloga de corais, não havia melhor sítio no mundo para trabalhar”, diz-nos agora, aos 32, a partir do seu laboratório na University of Technology Sydney.

Infelizmente, mal tinha chegado à Austrália quando começou “a grande descoloração”, um fenómeno provocado por um aumento na temperatura das águas do mar que afetou praticamente todas as colónias de corais do mundo. O evento repetiu-se no ano seguinte e, para se perceber a dimensão dos danos, apenas 10% a 40% dos recifes sobreviveram intactos. Da segunda vez, Camp assistiu, impotente, a um cenário devastador: “No espaço de uma semana, corais saudáveis, vibrantes e cheios de cor ficaram completamente brancos.” Já tinham sucedido eventos semelhantes, mas nunca com esta magnitude. A Grande Barreira de Coral da Austrália (GBC) perdeu um terço da sua superfície, um terço de uma área equivalente à Itália.

“Muita gente pensa erradamente que os corais são plantas, quando, na verdade são animais, embora compostos também por microalgas que vivem na pele. As microalgas são responsáveis por fornecer a maioria dos nutrientes, através da fotossíntese, mas os corais também se alimentam de outras algas e de pequenos peixes”, explica. Por isso, quando os vossos filhos perguntarem qual é o maior animal da terra não lhes respondam que é a baleia-azul ou o elefante, mas a Grande Barreira de Coral. É, de facto, o maior organismo vivo, composto por dois mil e muitos recifes individuais.

Mas a GBC, tal como todos os outros corais do mundo, está perigosamente ameaçada pelas alterações climáticas. Águas mais quentes, com menos oxigénio, e mais ácidas provocam stresse aos corais que expulsam as algas coloridas do seu organismo, perdendo a cor. Como as algas são a principal fonte de energia, o coral morre em poucos dias.

Muita gente pensa erradamente que os corais são plantas, quando, na verdade são animais, embora compostos também por microalgas que vivem na pele

Uma catástrofe de consequências inimagináveis para o planeta, e, no entanto, os cientistas sabem que as ocorrências de descoloração vão repetir-se, porventura “com maior frequência e intensidade”. Uma parte importante da comunidade científica acredita mesmo que, em 2030, todos os corais possam já ter morrido.

Mas Emma Camp quer ter uma palavra a dizer sobre o assunto. Ainda durante o doutoramento, descobriu que junto dos mangais, em locais como a Nova Caledónia, existem colónias que sobrevivem e prosperam em ambientes muito mais hostis. “Porque não olhar para a natureza e tentar perceber como esses corais se adaptaram e a que custo?”, pensou. Na expectativa de descobrir como funciona essa resiliência transplantaram corais destes mangais para a Grande Barreira, e vice-versa e estão a analisar como as espécies evoluem nos novos ambientes: “A ideia é, obviamente, identificar as melhores para poder replantar os recifes caso seja necessário.”

O seu trabalho tem sido reconhecido pela comunidade científica, como aconteceu recentemente ao ser eleita Associate Laureate nos Rolex Awards for Enterprise. A iniciativa decorreu em Washington DC, em paralelo com o festival Explorers, da National Geographic. Antes, já tinha sido eleita Jovem Líder para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, discursando perante uma plateia de líderes mundiais: “Nem toda a gente consegue perceber a importância de perder um ecossistema como um recife, e estes prémios fornecem uma plataforma para o comunicar, não só aos líderes, mas ao mundo.”

Porque ainda hoje Emma Camp se lembra bem do dia em que meteu a cabeça dentro de água e viu, pela primeira vez, “aquela cidade subaquática, cheia de cor e vida”. Sendo inglesa, “não tinha grande contacto com recifes de coral, mas tive a sorte de a minha família ter ido passar umas férias às Caraíbas quando tinha 6 anos”. Privilégio que ela se esforça por passar às próximas gerações.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

Uma VISÃO mais completa

Assinar agora

Relacionados

Oceano de Esperança

“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

Nuno Sá é o nosso mais prestigiado cameramen subaquático e já viu de tudo: paisagens virgens, profundezas misteriosas, espécies fascinantes, mas também animais feridos por humanos e rios de lixo

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Mais na Visão

Sociedade

Novos coronavírus descobertos em morcegos no Laos são os mais semelhantes até agora ao SARS-CoV-2

Cientistas que estudavam morcegos no Laos desde o verão de 2020 descobriram os três vírus mais semelhantes ao SARS-CoV-2 até agora. As descobertas podem ter implicações na antecipação de possíveis futuras pandemias, mas também no debate controverso sobre a verdadeira origem do vírus

VISÃO DO DIA

Liga dos Campeões: Uma semana só para duros

Sociedade

Covid-19: Vacinação simultânea contra gripe e novo coronavírus arranca hoje

A administração em simultâneo das vacinas contra a gripe e a covid-19 arranca hoje em Portugal continental, com a DGS a prever vacinar cerca de dois milhões de pessoas nessa modalidade

Autárquicas 2021

Autárquicas: Carlos Moedas toma hoje posse como presidente da Câmara de Lisboa

O social-democrata Carlos Moedas toma hoje posse como presidente da Câmara Municipal de Lisboa, após três semanas da vitória sem maioria absoluta nas autárquicas de setembro, em que conseguiu derrotar a candidatura do presidente cessante, o socialista Fernando Medina

Mundo

Facebook anuncia criação de 10.000 novos empregos na UE nos próximos 5 anos

O Facebook anunciou hoje que vai criar 10.000 novos empregos na União Europeia nos próximos cinco anos e colocar a região no centro dos seus planos para ajudar a construir o metaverso

LD Linhas Direitas
Linhas Direitas

Nem Orçamento nem Maternidade

Este Orçamento, como está, já morreu. E foi de arritmia. Fulminante. O Governo ainda tentou, o PR também, mas não há manobra que o reanime

Política

OE2022: "Já disse muito, vamos esperar agora os próximos dias", afirma Presidente da República

O PR recusou hoje falar mais sobre as negociações do Orçamento do Estado para 2022 e uma eventual crise política, considerando que agora há que aguardar o que acontece nos próximos dias

Ideias

"Esta sensação de incerteza permanente desgasta, cria ansiedade e frustrações. As pessoas estão sempre a gerir o imediato. A precariedade não é apenas um fenómeno laboral"

Renato Miguel do Carmo, diretor do Observatório das Desigualdades, em entrevista à VISÃO

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Longevidade. O que a ciência sabe sobre como prolongar a vida de maneira saudável

Quer viver até aos 100 anos? A ciência revela que hábitos alimentares e de exercício físico saudáveis e uma perspetiva mental otimista podem ajudar a retardar os efeitos do envelhecimento e das doenças que lhe estão associadas

Economia

OE2022: BE vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais

O BE anunciou hoje que vai enviar ao Governo propostas de articulado de 9 pontos negociais colocados em cima da mesa no início de setembro, aos quais declara não ter obtido resposta

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Ficar muito tempo sentado é mau para a saúde. Devemos passar mais tempo agachados?

Novas descobertas científicas revelam que os nossos corpos podem estar evolutivamente adaptados à atividade muscular contínua, algo que não conseguimos estando sentados durante grande parte do dia. Uma nova investigação, que analisou uma tribo de caçadores-recoletores na Tanzânia, sugere que talvez seja melhor passarmos menos tempo sentados em cadeiras e mais tempo agachados no chão

RIR HUMOR FELIZ
Sociedade

Querida serotonina: o que sentimos quando a "molécula da felicidade" nos falta e como recuperá-la

Sem ela, a nossa vida complica-se: ficamos mais nervosos, cansados, deprimidos e com dificuldades em manter a cabeça no lugar e o corpo regulado. Conhecer os sinais de alerta e tomar alguns cuidados é a via para retomar o equilíbrio