“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

O mundo não precisava definitivamente de mais um advogado. Já um cameraman subaquático, capaz de nos mostrar as maravilhas das profundezas e todas as formas como estamos a destruí-las, pode fazer a diferença. Foi por isso uma boa decisão quando, há coisa de 20 anos, e com um curso de Direito na mão e um de mergulho na outra, Nuno Sá optou pelo segundo. Agora, defende uma causa muito mais importante.

Foi o que fez durante as filmagens nos Açores para a série da BBC Blue Planet II – vencedora de um BAFTA (os Oscars da Academia Britânica de Cinema) –, como conta à VISÃO: “Encontrámos um rio de lixo. Era uma coisa enorme, que seguimos ao longo de horas, e descobrimos peixes, tartarugas, tubarões… todos a viverem ali. Não sabíamos da sua existência, e não estava no plano de filmagens, mas acabou por se tornar uma das histórias da série que causaram mais impacto.”

Nuno Sá é hoje, aos 42 anos, um dos nossos mergulhadores mais respeitados, trabalhando regularmente para os canais National Geographic e Discovery. Mais recentemente, realizou para a RTP, com o apoio da Fundação Oceano Azul e do Oceanário de Lisboa, o extraordinário documentário Mar, a Última Fronteira, “para mostrar aos portugueses, e ao mundo, como o nosso mar tem uma vida marinha comparável aos melhores sítios do planeta.”

Assim passou um ano e meio, a percorrer o País de lés a lés, continente, ilhas e debaixo de água, fazendo “uma centena de mergulhos” para captar imagens inéditas. Desceu às profundezas – ele que nunca tinha passado dos 60 metros, desta vez chegou aos 1 000, “num lugar incrível ao largo da ilha do Faial chamado Banco Condor”. Para o conseguir, teve de apanhar “boleia” no Lula 1000, um dos 12 submarinos no mundo capazes de realizar mergulhos desta grandeza, e que pertence a uma fundação privada, a Rebikoff-Niggeler, sediada na Horta, precisamente para realizar expedições científicas.

Mergulhou no banco de Gorringe, “a maior montanha submersa da Europa”, a sensivelmente 200 quilómetros da costa Vicentina. É aqui que as placas continentais europeia e africana se juntam, e onde terá ocorrido o epicentro do terramoto de 1755. Os seus picos mais altos chegam a elevar-se a 5 000 metros de altitude, ficando apenas a 30 da superfície. Nuno ficou impressionado com a riqueza que encontrou: “Magnífica, porque é uma zona inexplorada, ainda prístina, e parece-se com o que seria o fundo do mar antes da pesca industrial, repleto de floresta submersa. É um pouco deprimente voltar e pensar em tudo o que estragámos…”

Um fotógrafo normal tira a foto de uma borboleta em cima de uma flor. Um fotógrafo conservacionista faz a mesma imagem, mas a ver-se o bulldozer por trás

Foi um dos motivos que o levaram a produzir esta série – que ainda pode ser vista na RTP Play. “97% do território nacional é mar, mas quando vou às escolas ou dou palestras sobre o tema, as pessoas só me perguntam se já fui atacado por tubarões ou se não tenho medo, quando é precisamente o contrário: o mar é maravilhoso, e as pessoas sabem mais sobre a Lua…” Quanto a ter medo de tubarões, revela: “É o peixe que mais gosto de filmar: temos de interpretar os seus movimentos, sentir se estão à vontade ou sob tensão, é um desafio incrível!”

Como nem tudo são algas no mar português – leiam rosas, se preferirem –, Nuno Sá gostaria agora de produzir dois ou três filmes para mostrar os vários problemas que enfrentamos. “Esta série serviu para dar a conhecer a vida, a beleza, do nosso mar. Isso está feito.” E cita uma espécie de mantra da Liga de Fotógrafos Conservacionistas (da qual faz parte): “Um fotógrafo normal tira a foto de uma borboleta em cima de uma flor. Um fotógrafo conservacionista faz a mesma imagem, mas a ver-se o bulldozer por trás.”

Nuno Sá fez essa “foto” durante as filmagens: “Estivemos a gravar com tubarões azuis nos Açores e todos eles tinham marcas de ‘encontros’ com os humanos. Alguns tinham mesmo a cara rasgada de uma ponta à outra, dos anzóis. Estas filmagens não entraram na série – porque filmámos os mesmos tubarões em Sesimbra e achámos mais interessante mostrar como existem tantos ao largo de Lisboa –, mas foi um dos momentos que mais me marcaram. Era importante mostrar isso às pessoas.”

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Relacionados

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Oceano de Esperança

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Mais na Visão

Imobiliário

Portugueses em grande nas compras imobiliárias

Os compradores nacionais representaram 82% dos imóveis vendidos pelo grupo Remax no ano passado. São mais de 50 mil casas. Entre os clientes estrangeiros, os brasileiros já ultrapassaram os franceses

Política

Auditoria forense às contas de Pedrógão Grande fica na gaveta do presidente

Em 2018, a câmara municipal contratou uma sociedade de revisores, por 36 mil euros, para uma investigação aos quatro anos anteriores (nos quais se incluía o fatídico 2017, dos incêndios, dos donativos e das fraudes). As conclusões continuam guardadas. Valdemar Alves diz que “em breve” as divulgará

E que tal uma pulseira eletrónica para a Justiça?
Sociedade

Conselho Superior da Magistratura está a investigar sorteios dos processos na Relação de Lisboa

Notícia da VISÃO leva órgão disciplinar dos magistrados judiciais a investigar regularidade dos sorteios naquele tribunal superior. Presidente do Conselho diz que nenhum juiz deixará de ser investigado, "doa a quem doer"

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Nova técnica permite a mulher infértil dar à luz após tratamentos de quimioterapia, num caso inédito

Chama-se Jules e é o primeiro bebé filho de uma mulher que ficou infértil após tratamentos de quimioterapia para combater cancro da mama

Exame Informática
Volt

Açores: renováveis vão fornecer 65% da energia da Graciosa

”A principal característica diferenciadora do projeto é a existência de uma central de baterias que permite armazenar a energia e regular a frequência e a tensão da rede elétrica da ilha”, refere uma nota do Governo Regional

Sociedade

Afinal, os dinossauros tinham sangue frio ou quente?

Evolutivamente falando, a espécie encontra-se entre os pássaros, de sangue quente, e os répteis, de sangue frio. A sua temperatura corporal foi sempre um tema pouco consensual entre os paleontólogos, mas um novo estudo promete por fim à questão

Como o wi-fi pode denunciar cada passo que damos em casa Exame Informática
Opinião

5HSy7FZUMh2bY9yruaPKZ W3+UYF6DnCzWjRfStjFpYU=

A problemática da encriptação em análise neste artigo de opinião de Rui Ferreira da Rocha

Facebook: centenas de milhões de passwords expostas internamente Exame Informática
Insólitos

Funcionários do Facebook secavam sovacos de Zuckerberg antes de discursos

O fundador do Facebook é conhecido por começar a suar antes de intervenções públicas devido a ansiedade

Há um ponto no Oceano Pacífico tão longe de terra, que os humanos mais próximos são, muitas vezes, astronautas Exame Informática
Ciência

Sinal rádio em loop misterioso pode estar a ser emitido por alienígenas

Um professor de Harvard acredita que um sinal de rádio que está a ser captado desde o espaço exterior e que tem um padrão de repetição possa ser indício de vida extraterrestre

Bolsa de Especialistas

Comunicar em público – uma missão difícil, mas possível!

Como poderemos, então, subir ao palco sem que os nervos nos devorem como um leão? Como nos podemos tornar oradores memoráveis, que inspiram audiências com um discurso vencedor? As dicas da especialista em Linguística Sandra Duarte Tavares

Como ajudar as crianças a lidar com o luto 
Mundo

Todos os países do mundo estão a falhar proteção da saúde das crianças

Nenhum país do mundo está a proteger adequadamente a saúde das crianças, o seu ambiente e futuro, segundo um relatório das Nações Unidas e da revista The Lancet divulgado esta terça-feira

Opinião

Os dois Papas. E o povo, pá?

Muito para lá da apropriação de um e de outro por terceiros, Bento e Francisco são, em si mesmos, rostos de modos diferentes de ser Igreja no mundo do nosso tempo