“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

O mundo não precisava definitivamente de mais um advogado. Já um cameraman subaquático, capaz de nos mostrar as maravilhas das profundezas e todas as formas como estamos a destruí-las, pode fazer a diferença. Foi por isso uma boa decisão quando, há coisa de 20 anos, e com um curso de Direito na mão e um de mergulho na outra, Nuno Sá optou pelo segundo. Agora, defende uma causa muito mais importante.

Foi o que fez durante as filmagens nos Açores para a série da BBC Blue Planet II – vencedora de um BAFTA (os Oscars da Academia Britânica de Cinema) –, como conta à VISÃO: “Encontrámos um rio de lixo. Era uma coisa enorme, que seguimos ao longo de horas, e descobrimos peixes, tartarugas, tubarões… todos a viverem ali. Não sabíamos da sua existência, e não estava no plano de filmagens, mas acabou por se tornar uma das histórias da série que causaram mais impacto.”

Nuno Sá é hoje, aos 42 anos, um dos nossos mergulhadores mais respeitados, trabalhando regularmente para os canais National Geographic e Discovery. Mais recentemente, realizou para a RTP, com o apoio da Fundação Oceano Azul e do Oceanário de Lisboa, o extraordinário documentário Mar, a Última Fronteira, “para mostrar aos portugueses, e ao mundo, como o nosso mar tem uma vida marinha comparável aos melhores sítios do planeta.”

Assim passou um ano e meio, a percorrer o País de lés a lés, continente, ilhas e debaixo de água, fazendo “uma centena de mergulhos” para captar imagens inéditas. Desceu às profundezas – ele que nunca tinha passado dos 60 metros, desta vez chegou aos 1 000, “num lugar incrível ao largo da ilha do Faial chamado Banco Condor”. Para o conseguir, teve de apanhar “boleia” no Lula 1000, um dos 12 submarinos no mundo capazes de realizar mergulhos desta grandeza, e que pertence a uma fundação privada, a Rebikoff-Niggeler, sediada na Horta, precisamente para realizar expedições científicas.

Mergulhou no banco de Gorringe, “a maior montanha submersa da Europa”, a sensivelmente 200 quilómetros da costa Vicentina. É aqui que as placas continentais europeia e africana se juntam, e onde terá ocorrido o epicentro do terramoto de 1755. Os seus picos mais altos chegam a elevar-se a 5 000 metros de altitude, ficando apenas a 30 da superfície. Nuno ficou impressionado com a riqueza que encontrou: “Magnífica, porque é uma zona inexplorada, ainda prístina, e parece-se com o que seria o fundo do mar antes da pesca industrial, repleto de floresta submersa. É um pouco deprimente voltar e pensar em tudo o que estragámos…”

Um fotógrafo normal tira a foto de uma borboleta em cima de uma flor. Um fotógrafo conservacionista faz a mesma imagem, mas a ver-se o bulldozer por trás

Foi um dos motivos que o levaram a produzir esta série – que ainda pode ser vista na RTP Play. “97% do território nacional é mar, mas quando vou às escolas ou dou palestras sobre o tema, as pessoas só me perguntam se já fui atacado por tubarões ou se não tenho medo, quando é precisamente o contrário: o mar é maravilhoso, e as pessoas sabem mais sobre a Lua…” Quanto a ter medo de tubarões, revela: “É o peixe que mais gosto de filmar: temos de interpretar os seus movimentos, sentir se estão à vontade ou sob tensão, é um desafio incrível!”

Como nem tudo são algas no mar português – leiam rosas, se preferirem –, Nuno Sá gostaria agora de produzir dois ou três filmes para mostrar os vários problemas que enfrentamos. “Esta série serviu para dar a conhecer a vida, a beleza, do nosso mar. Isso está feito.” E cita uma espécie de mantra da Liga de Fotógrafos Conservacionistas (da qual faz parte): “Um fotógrafo normal tira a foto de uma borboleta em cima de uma flor. Um fotógrafo conservacionista faz a mesma imagem, mas a ver-se o bulldozer por trás.”

Nuno Sá fez essa “foto” durante as filmagens: “Estivemos a gravar com tubarões azuis nos Açores e todos eles tinham marcas de ‘encontros’ com os humanos. Alguns tinham mesmo a cara rasgada de uma ponta à outra, dos anzóis. Estas filmagens não entraram na série – porque filmámos os mesmos tubarões em Sesimbra e achámos mais interessante mostrar como existem tantos ao largo de Lisboa –, mas foi um dos momentos que mais me marcaram. Era importante mostrar isso às pessoas.”

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

ESTE VERÃO ASSINE A VISÃO, EM PAPEL OU DIGITAL, E RECEBA ATÉ SEIS MESES DE LEITURA GRÁTIS

PRECISAMOS DE SI: ASSINE!

ASSINE

Relacionados

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Oceano de Esperança

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Mais na Visão

Exame
Inconsistência problemática

Covid-19. Uma oportunidade para reformar as regras orçamentais da UE?

A pandemia provocará a explosão dos défices e das dívidas dos países europeus, com enorme incerteza em torno da possibilidade e força de uma recuperação. Com as regras orçamentais suspensas, há quem veja neste momento uma oportunidade para as reformar. De saída do Eurogrupo, Mário Centeno explica à VISÃO que esses constrangimentos não podem voltar a ser ativados de um dia para o outro, como um interruptor. E antecipa que a generalidade das economias demorará mais de dois anos a recuperar totalemente

Exame Informática
EILive

Aprenda a controlar remotamente os smartphones das crianças

Sabia que existe uma app que permite um controlo parental apurado sobre praticamente tudo o que as crianças podem fazer no telemóvel?

Atualidade

Covid-19: O que seria preciso, afinal, para ficarmos infetados através do contacto com uma superfície

As dúvidas em relação ao comportamento e transmissão do coronavírus persistem e continuam a ser fonte de inquietação. A possibilidade de transmissão por contacto indireto, tal como por superfícies, é um dos temas mais polémicos

Imobiliário

Trabalhadores mais jovens são os que menos apreciam o teletrabalho

Poderá o teletrabalho aniquilar os edifícios de escritórios e o ambiente empresarial a que estávamos habituados? Uma pergunta a que a consultora JLL dá resposta no seu mais recente estudo

Sociedade

Encontrados jornais num glaciar que poderão estar relacionados com acidente aéreo

O degelo de um glaciar no Monte Branco revelou a presença de jornais, perfeitamente preservado,s que remontam aos anos 60, época em que ocorreu um desastre aéreo na zona

História

Homicídio às mãos de D. João II

Isabel Stilwell leva-nos a conhecer, em video e podcast, os lugares que marcaram a vida do rei D. Manuel I. De norte a sul de Portugal, dez lugares de aventura e crueldade, de riqueza e desgraça, de amor e ódio. 7º episódio

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Estudo mostra porque é que o lopinavir e a hidroxicloroquina não são eficazes no combate ao coronavírus

O lopinavir é um medicamento utilizado no tratamento do VIH e, por sua vez, a hidroxicloroquina é usada contra a malária e o reumatismo. Têm sido várias as tentativas para verificar se os dois medicamentos poderiam, efetivamente, ter mais do que um propósito e, neste caso, ajudar no combate à Covid-19

Huawei Stayaway Covid Exame Informática
Software

Aplicação Stayaway Covid não vai funcionar em smartphones Huawei sem serviços Google

Huawei terminou primeiro trimestre como a segunda marca que mais smartphones vende em Portugal. Tecnológica vendeu poucos smartphones ‘sem Google’ no mercado português e por isso o número de utilizadores que não vão ter acesso à Stayaway Covid será baixo

Exame
Exame

Central a carvão em Sines fecha dentro de seis meses

Perda de rentabilidade das centrais a carvão, com maior peso das licenças de CO2 e menores custos do gás natural, determinaram fecho antecipado, justifica EDP. Central só deveria encerrar dentro de três anos, em setembro de 2023

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Baixo consumo de peixe durante gravidez pode afetar neurodesenvolvimento das crianças

Um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) mostra que um baixo consumo de peixe durante a gravidez pode ter impacto negativo e afetar o neurodesenvolvimento das crianças, foi hoje anunciado

Economia

Covid-19: Uso de máscaras nas lojas vai ser obrigatório em Inglaterra

O uso de máscaras dentro de lojas e supermercados vai passar a ser obrigatório em Inglaterra a partir de 24 de julho para reduzir o risco de agravamento da pandemia de covid-19, anunciou o governo britânico

Bolsa de Especialistas

Extrair dentes é mesmo necessário? Um dentista explica

Já está a contrair-se só de pensar em arrancar um dente? Eduardo Bastos explica aqui tudo o que deve saber sobre um dos procedimentos mais temidos no consultório do dentista