“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

O mundo não precisava definitivamente de mais um advogado. Já um cameraman subaquático, capaz de nos mostrar as maravilhas das profundezas e todas as formas como estamos a destruí-las, pode fazer a diferença. Foi por isso uma boa decisão quando, há coisa de 20 anos, e com um curso de Direito na mão e um de mergulho na outra, Nuno Sá optou pelo segundo. Agora, defende uma causa muito mais importante.

Foi o que fez durante as filmagens nos Açores para a série da BBC Blue Planet II – vencedora de um BAFTA (os Oscars da Academia Britânica de Cinema) –, como conta à VISÃO: “Encontrámos um rio de lixo. Era uma coisa enorme, que seguimos ao longo de horas, e descobrimos peixes, tartarugas, tubarões… todos a viverem ali. Não sabíamos da sua existência, e não estava no plano de filmagens, mas acabou por se tornar uma das histórias da série que causaram mais impacto.”

Nuno Sá é hoje, aos 42 anos, um dos nossos mergulhadores mais respeitados, trabalhando regularmente para os canais National Geographic e Discovery. Mais recentemente, realizou para a RTP, com o apoio da Fundação Oceano Azul e do Oceanário de Lisboa, o extraordinário documentário Mar, a Última Fronteira, “para mostrar aos portugueses, e ao mundo, como o nosso mar tem uma vida marinha comparável aos melhores sítios do planeta.”

Assim passou um ano e meio, a percorrer o País de lés a lés, continente, ilhas e debaixo de água, fazendo “uma centena de mergulhos” para captar imagens inéditas. Desceu às profundezas – ele que nunca tinha passado dos 60 metros, desta vez chegou aos 1 000, “num lugar incrível ao largo da ilha do Faial chamado Banco Condor”. Para o conseguir, teve de apanhar “boleia” no Lula 1000, um dos 12 submarinos no mundo capazes de realizar mergulhos desta grandeza, e que pertence a uma fundação privada, a Rebikoff-Niggeler, sediada na Horta, precisamente para realizar expedições científicas.

Mergulhou no banco de Gorringe, “a maior montanha submersa da Europa”, a sensivelmente 200 quilómetros da costa Vicentina. É aqui que as placas continentais europeia e africana se juntam, e onde terá ocorrido o epicentro do terramoto de 1755. Os seus picos mais altos chegam a elevar-se a 5 000 metros de altitude, ficando apenas a 30 da superfície. Nuno ficou impressionado com a riqueza que encontrou: “Magnífica, porque é uma zona inexplorada, ainda prístina, e parece-se com o que seria o fundo do mar antes da pesca industrial, repleto de floresta submersa. É um pouco deprimente voltar e pensar em tudo o que estragámos…”

Um fotógrafo normal tira a foto de uma borboleta em cima de uma flor. Um fotógrafo conservacionista faz a mesma imagem, mas a ver-se o bulldozer por trás

Foi um dos motivos que o levaram a produzir esta série – que ainda pode ser vista na RTP Play. “97% do território nacional é mar, mas quando vou às escolas ou dou palestras sobre o tema, as pessoas só me perguntam se já fui atacado por tubarões ou se não tenho medo, quando é precisamente o contrário: o mar é maravilhoso, e as pessoas sabem mais sobre a Lua…” Quanto a ter medo de tubarões, revela: “É o peixe que mais gosto de filmar: temos de interpretar os seus movimentos, sentir se estão à vontade ou sob tensão, é um desafio incrível!”

Como nem tudo são algas no mar português – leiam rosas, se preferirem –, Nuno Sá gostaria agora de produzir dois ou três filmes para mostrar os vários problemas que enfrentamos. “Esta série serviu para dar a conhecer a vida, a beleza, do nosso mar. Isso está feito.” E cita uma espécie de mantra da Liga de Fotógrafos Conservacionistas (da qual faz parte): “Um fotógrafo normal tira a foto de uma borboleta em cima de uma flor. Um fotógrafo conservacionista faz a mesma imagem, mas a ver-se o bulldozer por trás.”

Nuno Sá fez essa “foto” durante as filmagens: “Estivemos a gravar com tubarões azuis nos Açores e todos eles tinham marcas de ‘encontros’ com os humanos. Alguns tinham mesmo a cara rasgada de uma ponta à outra, dos anzóis. Estas filmagens não entraram na série – porque filmámos os mesmos tubarões em Sesimbra e achámos mais interessante mostrar como existem tantos ao largo de Lisboa –, mas foi um dos momentos que mais me marcaram. Era importante mostrar isso às pessoas.”

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

ESTE VERÃO ASSINE A VISÃO, EM PAPEL OU DIGITAL, E RECEBA ATÉ SEIS MESES DE LEITURA GRÁTIS

PRECISAMOS DE SI: ASSINE!

ASSINE

Relacionados

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Oceano de Esperança

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Mais na Visão

Atualidade

O olho negro de António Mexia e Manso Neto e o justiceiro Carlos Alexandre, os turistas ingleses desaparecidos e a cegueira de Trump e Bolsonaro no Olho Vivo

O programa de comentário da atualidade política e económica da VISÃO

Suspeito de fraude com barras de ouro adulteradas na China fugiu para Portugal Exame
Exame

Ouro em máximos de quase nove anos com receios da Covid-19

Baixa rendibilidade de outros ativos, dúvidas sobre o ritmo de recuperação dos EUA e receios quanto ao impacto da pandemia na economia mundial impulsionam preço do metal amarelo. Que pode quebrar em breve o valor máximo de sempre

gafanhoto
Sociedade

Comê-los, matá-los ou confundi-los: as hipóteses em cima da mesa para controlar as pragas de gafanhotos em África

Neste momento, a África Ocidental enfrenta duas crises: a Covid-19... e os gafanhotos. Se o coronavírus representa uma situação nova, as pragas de gafanhotos na região já existem há 50 anos e os investigadores continuam a tentar encontrar uma forma de controlar a presença desta espécie de animais

Encontre o erro

Qual é o erro de português nesta frase?

Mais uma semana, mais um erro para encontrar. Aceita o desafio? Tem 10 segundos

História

A longa viagem do comboio

A extraordinária história da invenção de uma máquina andante é o tema da nova VISÃO História

Imobiliário

Remax vende 28 moradias por dia

A procura por moradias, quintas e terrenos nos últimos dois meses aumentou quase 20% em comparação com o momento pré-Covid

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Stayaway Covid: O que falta fazer para a app que ajudará no rastreio da Covid-19 estar pronta

Anunciada em abril, a Stayaway Covid prometia estar disponível até ao final de maio. Dois meses mais tarde, os especialistas revelaram ao Governo o que ainda falta fazer até que os portugueses possam descarregar a aplicação

Exame Informática
Internet

Microsoft mostra Together Mode e novas funcionalidades no Teams

As conversas e reuniões no Teams vão passar a ser mais dinâmicas, com os novos modos e funcionalidades que a Microsoft está a lançar agora

Sociedade

Polícia holandesa descobre câmara de tortura num contentor

Seis homens foram presos após as autoridades holandesas encontrarem uma câmara de tortura dentro de um contentor à prova de som

Exame Informática
Internet

Tinder testa conversas vídeo Face to Face

A aplicação de encontros está a testar uma funcionalidade que permite a dois utilizadores entrarem numa conversa em vídeo em tempo real, quando ambos o escolham

Exame Informática
Hardware

Intel revela especificações da ligação Thunderbolt 4

O novo padrão anunciado pela Intel não permite maiores velocidades máximas, mas melhora os requisitos mínimos de uma forma mais global

Em sincronização

Máscaras, tribos e karma

Bolsonaro confirmou ter Covid-19. Por enquanto apenas com sintomas ligeiros. Boris Johnson, que no início também desvalorizou o perigo, já recebeu a sua lição e esteve internado. Não sou de desejar o mal alheio, mas aprecio quando se prova do próprio veneno. Chamem-lhe justiça divina, universal ou karma