“Os tubarões azuis nos Açores tinham todos marcas de ‘encontros’ com os humanos”

O mundo não precisava definitivamente de mais um advogado. Já um cameraman subaquático, capaz de nos mostrar as maravilhas das profundezas e todas as formas como estamos a destruí-las, pode fazer a diferença. Foi por isso uma boa decisão quando, há coisa de 20 anos, e com um curso de Direito na mão e um de mergulho na outra, Nuno Sá optou pelo segundo. Agora, defende uma causa muito mais importante.

Foi o que fez durante as filmagens nos Açores para a série da BBC Blue Planet II – vencedora de um BAFTA (os Oscars da Academia Britânica de Cinema) –, como conta à VISÃO: “Encontrámos um rio de lixo. Era uma coisa enorme, que seguimos ao longo de horas, e descobrimos peixes, tartarugas, tubarões… todos a viverem ali. Não sabíamos da sua existência, e não estava no plano de filmagens, mas acabou por se tornar uma das histórias da série que causaram mais impacto.”

Nuno Sá é hoje, aos 42 anos, um dos nossos mergulhadores mais respeitados, trabalhando regularmente para os canais National Geographic e Discovery. Mais recentemente, realizou para a RTP, com o apoio da Fundação Oceano Azul e do Oceanário de Lisboa, o extraordinário documentário Mar, a Última Fronteira, “para mostrar aos portugueses, e ao mundo, como o nosso mar tem uma vida marinha comparável aos melhores sítios do planeta.”

Assim passou um ano e meio, a percorrer o País de lés a lés, continente, ilhas e debaixo de água, fazendo “uma centena de mergulhos” para captar imagens inéditas. Desceu às profundezas – ele que nunca tinha passado dos 60 metros, desta vez chegou aos 1 000, “num lugar incrível ao largo da ilha do Faial chamado Banco Condor”. Para o conseguir, teve de apanhar “boleia” no Lula 1000, um dos 12 submarinos no mundo capazes de realizar mergulhos desta grandeza, e que pertence a uma fundação privada, a Rebikoff-Niggeler, sediada na Horta, precisamente para realizar expedições científicas.

Mergulhou no banco de Gorringe, “a maior montanha submersa da Europa”, a sensivelmente 200 quilómetros da costa Vicentina. É aqui que as placas continentais europeia e africana se juntam, e onde terá ocorrido o epicentro do terramoto de 1755. Os seus picos mais altos chegam a elevar-se a 5 000 metros de altitude, ficando apenas a 30 da superfície. Nuno ficou impressionado com a riqueza que encontrou: “Magnífica, porque é uma zona inexplorada, ainda prístina, e parece-se com o que seria o fundo do mar antes da pesca industrial, repleto de floresta submersa. É um pouco deprimente voltar e pensar em tudo o que estragámos…”

Um fotógrafo normal tira a foto de uma borboleta em cima de uma flor. Um fotógrafo conservacionista faz a mesma imagem, mas a ver-se o bulldozer por trás

Foi um dos motivos que o levaram a produzir esta série – que ainda pode ser vista na RTP Play. “97% do território nacional é mar, mas quando vou às escolas ou dou palestras sobre o tema, as pessoas só me perguntam se já fui atacado por tubarões ou se não tenho medo, quando é precisamente o contrário: o mar é maravilhoso, e as pessoas sabem mais sobre a Lua…” Quanto a ter medo de tubarões, revela: “É o peixe que mais gosto de filmar: temos de interpretar os seus movimentos, sentir se estão à vontade ou sob tensão, é um desafio incrível!”

Como nem tudo são algas no mar português – leiam rosas, se preferirem –, Nuno Sá gostaria agora de produzir dois ou três filmes para mostrar os vários problemas que enfrentamos. “Esta série serviu para dar a conhecer a vida, a beleza, do nosso mar. Isso está feito.” E cita uma espécie de mantra da Liga de Fotógrafos Conservacionistas (da qual faz parte): “Um fotógrafo normal tira a foto de uma borboleta em cima de uma flor. Um fotógrafo conservacionista faz a mesma imagem, mas a ver-se o bulldozer por trás.”

Nuno Sá fez essa “foto” durante as filmagens: “Estivemos a gravar com tubarões azuis nos Açores e todos eles tinham marcas de ‘encontros’ com os humanos. Alguns tinham mesmo a cara rasgada de uma ponta à outra, dos anzóis. Estas filmagens não entraram na série – porque filmámos os mesmos tubarões em Sesimbra e achámos mais interessante mostrar como existem tantos ao largo de Lisboa –, mas foi um dos momentos que mais me marcaram. Era importante mostrar isso às pessoas.”

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Assine a Revista VISÃO, em digital, por €1 e apoie o jornalismo de qualidade.

ASSINE JÁ

ASSINE JÁ!

Relacionados

Oceano de Esperança

Ric O'Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

A vida de Richard O'Barry mudou para sempre quando viu um golfinho a suicidar-se num tanque. Fundou o Dolphin Project e passou de treinador em aquários a ativista pelos direitos dos animais

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Oceano de Esperança

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Mais na Visão

Política

André Ventura reeleito presidente do Chega com 97,3% deixa recado ao PSD

O presidente demissionário do Chega foi reeleito com 97,3% dos votos, percentagem que considerou legitimá-lo para as lutas dos próximos quatro anos e para dizer ao PSD que só governará Portugal com o seu partido

Sociedade

As conversas raramente acabam quando queremos

Já que os seres humanos passam tanto tempo a conversar, um grupo de investigadores quis perceber, especificamente, se para terminar uma conversa basta desejá-lo...

Sociedade

Como se deve comportar quem já tomou a vacina

Já ter sido vacinado não é justificação para deixar de ter cuidados, como usar máscara, uma vez que ainda se desconhece até que ponto as pessoas imunizadas podem transmitir o vírus

Mundo

Covid-19: Senado norte-americano aprova plano de 1,9 biliões de dólares de Joe Biden

O Senado dos Estados Unidos da América (EUA) aprovou hoje um plano de estímulo de 1,9 biliões de dólares (1,59 biliões de euros) para relançar a economia norte-americana, naquela que é a primeira vitória legislativa do Presidente Joe Biden

Mundo

FBI investiga ligações entre assaltantes do Capitólio e pessoa próxima de Trump

O FBI concluiu que uma pessoa ligada à presidência de Donald Trump terá contactado com o grupo de extrema-direita "Proud Boys" dias antes do ataque ao Capitólio, noticia o The New York Times

Newsletters

Telegrama: É agora que o despertar da China vai fazer tremer o mundo?

Sociedade

Como os nómadas digitais descobriram a Madeira

Viajam pelo mundo e trabalham a partir de qualquer lugar, sem horário fixo. Só precisam de um computador e ligação à internet. São os nómadas digitais e chegaram à Madeira

Exame
Exame

Governo dá mais €1,5 milhões e estuda público na F1

Regresso do Grande Prémio de Fórmula 1 a Portimão foi confirmado esta sexta-feira. Executivo não fecha a porta à presença de público na prova

Sociedade

Ferramenta online mostra como vários sítios turísticos são para alguém com doenças oculares

Existe uma plataforma na internet que permite ver alguns dos mais famosos lugares no planeta através dos olhos de quem tem problemas de visão

Criatividade é a chave para o sucesso na transição do RGPD Exame
Macro

Emprego: As áreas que as empresas procuram e as dicas dos especialistas

Os especialistas em Recursos Humanos ouvidos pela EXAME apontam várias áreas que poderão vir a ter mais procura por parte das empresas no relançamento da economia

Exame
Macro

Onde vai estar o emprego na hora da retoma

O que fica quando, a uma vaga inédita de destruição de emprego, se somam a incógnita do ritmo de recuperação da economia e a herança de uma transformação acelerada das profissões – tudo durante uma pandemia?

Sociedade

Guia básico (de educação e bom senso) para viver nas redes

Se imaginar que as redes sociais são um infantário, estas seriam as regras de bom comportamento afixadas na parede. Numa sociedade casa vez mais digital, é importante relembrar o bê-á-bá da boa educação