Ric O’Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

Quando tentámos falar pela primeira vez com Richard O’Barry, ele encontrava-se algures na Indonésia, montando a operação de resgate de Rocky e Rambo, dois golfinhos presos em cativeiro ilegal no Hotel Melka. O tempo era crucial, pois pouco antes um terceiro golfinho, Gombloh, morreu “sem nunca ter tido hipótese de experimentar a liberdade”, contou-nos mais tarde. Ric (todos o tratam pelo diminutivo) não ia deixar que os outros sofressem o mesmo destino.

A história deste ativista dos direitos dos animais começou há meio século, tinha então 30 anos. Nessa altura não era um “salvador”, mas um treinador, no Miami Seaquarium. Bastante bom, diga-se, tanto que foi escolhido para treinar os quatro golfinhos que interpretaram Flipper, na popular série de televisão norte-americana dos anos 1960. Desde então, Flipper é sinónimo de golfinhos, mas as memórias de Ric são menos simpáticas, e prendem-se com a morte de Cathy, um desses animais, que se terá suicidado, pois “nadou para o fundo do tanque e não voltou acima para respirar”. Ric não teve dúvidas disso, e a sua vida mudou nesse instante: “Passei os últimos 50 anos a tentar acabar com o cativeiro de golfinhos pela indústria do entretenimento. Estamos a falar de animais inteligentes, socialmente complexos, destinados a nadarem longas distâncias e a reunirem-se em grupos sociais específicos, e tudo isto é impossível num tanque. Não é justificável sujeitá-los a estas condições apenas para que os visitantes possam ter alguns minutos de entretenimento e tirar umas fotos.”

Passei os últimos 50 anos a tentar acabar com o cativeiro de golfinhos pela indústria do entretenimento. Estamos a falar de animais inteligentes, socialmente complexos, destinados a nadarem longas distâncias e a reunirem-se em grupos sociais específicos, e tudo isto é impossível num tanque

Assim, “no Dia da Terra de 1970”, fundou o Dolphin Project e lançou a campanha Empty the Tanks (esvaziem os tanques): “A nossa missão é fazer com que estes mamíferos possam reformar-se e sejam libertados no oceano, sempre que possível. Que em nenhum caso se necessite de atuar para assegurar a sua sobrevivência.” Reconhece que nem todos os parques são iguais, mas “mesmo as melhores instalações, com os melhores cuidados, não substituem o oceano aberto”. E também não acredita que possam desempenhar qualquer papel educativo: “As crianças ficam encantadas com os dinossauros sem nunca terem visto um e aprendem sobre o monte Everest sem lá terem subido. É completamente possível ensinar reverência e respeito sem sujeitar o objeto de estudo a uma vida de confinamento. Mostrar animais em cativeiro às crianças não é educativo nem inspirador. Podemos dar um exemplo melhor, ensinando-as a proteger essas espécies na Natureza e a valorizar o nosso ambiente.”

Ao longo destes 50 anos, Ric e a sua equipa já libertaram mais de duas dúzias de animais, embora ele prefira medir o sucesso por um número menos tangível: o dos golfinhos “poupados de uma captura em alto-mar em virtude dos nossos esforços ao longo destes anos”. Esforços que se materializaram, por exemplo, no documentário The Cove, vencedor de um Óscar da Academia, em 2010, realizado por Louie Psihoyos. The Cove segue Ric numa campanha para impedir a matança de golfinhos em Taiji, no Japão. Um espetáculo aterrador, pois os golfinhos são degolados, deixando o mar vermelho de sangue. A caça acontece todos os anos nesta vila piscatória, sob o beneplácito do Governo japonês, e é aqui que também são capturados muitos dos golfinhos que acabam em “supostos parques aquáticos”, a maioria deles na Ásia (não há registo de nenhum parque em Portugal nem na Europa recorrer a estes mamíferos).

O’Barry estima que ainda existam cerca de 3 mil golfinhos em cativeiro no mundo, mas pelo menos agora tem um Santuário de Golfinhos, construído no mar de Bali, em conjunto com as autoridades indonésias, para onde pode levá-los depois de serem resgatados. Foi esse o destino de Rocky e Rambo, segundo contou à VISÃO depois de os ter libertado no oceano. Após o seu regresso à Califórnia, era evidente como ainda vinha maravilhado por ter assistido ao primeiro contacto dos golfinhos com o mar. “Foi um momento de tirar o fôlego, que faz com que todos estes longos anos de determinação valham realmente a pena.”

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Assine a VISÃO digital e receba a VISÃO Saúde, Edição Especial “70 Perguntas e Respostas sobre Saúde”, também em formato digital.

EM TEMPOS DIFÍCEIS É PRECISO TER VISÃO

ASSINE JÁ!

Relacionados

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Oceano de Esperança

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Mais na Visão

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

Orçamento sem Bloco

Governar ao sabor da vontade política de outros partidos é demasiado inseguro, arriscado, e de futuro incerto. E tanto pior será, quanto maior a crise pandémica e económica

Visão Fest

“Com esta crise, teremos maior domínio das energias renováveis, incluindo o hidrogénio”

António Costa Silva e José Sá Fernandes debatem no VISÃO FEST verde o impacto que a pandemia terá na produção e consumo de energia, assim como na organização das nossas cidades, reclamando uma perspetiva otimista

Visão Fest

A última tarde de VISÃO FEST Verde

A seleção dos fotógrafos da VISÃO de alguns dos melhores momentos do evento que ocupou todo o fim de semana na Estufa Fria, em Lisboa

Visão Fest

António Zambujo: Tournées ecológicas e disco gravado em casa

Em jeito de encerramento do VISÃO FEST Verde, Zambujo interpretou o tema 'Terra', de Caetano Veloso, e falou dos planos para o futuro

Visão Fest

Inventar um mundo mais sustentável com vinagre ou eucaliptos? Sim, eles também têm um papel

No centro da estratégia de redução de resíduos eletrónicos e de um consumo mais sustentável pode estar a celulose, defendeu a cientista e investigadora Elvira Fortunato no VISÃO FEST Verde

Visão Fest

"A visão do ambiente como uma realidade lateral, incómoda e que suscita obstáculos ao desenvolvimento passou. E já passou há muito"

No encerramento do VISÃO FEST Verde, o Presidente da República salientou que o País tem a obrigação de utilizar os fundos europeus para assegurar a transição energética e conseguir avanços estruturais em que o ambiente seja o tema central, sob pena de ter termos uma “oportunidade perdida”

Visão Fest

"Não tenho a intenção de procurar um planeta B que seja habitável por nós"

A astrofísica molecular Clara Sousa e Silva alertou, no VISÃO FEST Verde, para a importância de cuidar da Terra porque, apesar de ser possível encontrar outros planetas habitados ou habitáveis, eles não estarão preparados para acolher vida humana

Visão Fest

"A Natureza só nos dá lucro quando a destruímos"

O planeta está a queixar-se do que lhe fazemos, disso ninguém duvida. Mas os convidados de Capicua sentem a urgência da mudança de outra forma e mostraram-no neste painel do VISÃO FEST Verde

Visão Fest

"Estar vivo é uma improbabilidade estatística". As imagens comoventes e poderosas do fotógrafo Joel Santos

As imagens que saem da lente de Joel Santos têm o poder de comover quem as olha. Cada fotografia é como uma prova que Homem e Natureza são um, de que não possuímos o Mundo, somos, sim, parte dele

Mundo

Covid-19: Casa Branca admite que EUA não poderão controlar pandemia por ser tão contagiosa

A Casa Branca admitiu hoje que os EUA não poderão controlar a pandemia por ser tão contagiosa, numa mudança à postura de minimização da gravidade da crise

Visão Fest

"Já estão a existir alterações no Oceano que, se nada for feito, daqui a uma ou duas décadas terão custos enormes"

O biólogo marinho José Xavier estuda a vida na Antártida a fim de tentar perceber como será a vida na Terra dentro de algumas décadas. No VISÃO FEST Verde, alertou para o impacto da subida do nível do mar e a presença de microplásticos nas cadeias alimentares mais remotas do Planeta

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Portugal volta a atingir novo máximo de internamentos

Portugal registou hoje um novo recorde de internamentos desde o início da pandemia de covid-19, com 1.574 pessoas hospitalizadas e 230 em unidades de cuidados intensivos, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS)