Ric O’Barry, uma vida dedicada a resgatar golfinhos em cativeiro

Quando tentámos falar pela primeira vez com Richard O’Barry, ele encontrava-se algures na Indonésia, montando a operação de resgate de Rocky e Rambo, dois golfinhos presos em cativeiro ilegal no Hotel Melka. O tempo era crucial, pois pouco antes um terceiro golfinho, Gombloh, morreu “sem nunca ter tido hipótese de experimentar a liberdade”, contou-nos mais tarde. Ric (todos o tratam pelo diminutivo) não ia deixar que os outros sofressem o mesmo destino.

A história deste ativista dos direitos dos animais começou há meio século, tinha então 30 anos. Nessa altura não era um “salvador”, mas um treinador, no Miami Seaquarium. Bastante bom, diga-se, tanto que foi escolhido para treinar os quatro golfinhos que interpretaram Flipper, na popular série de televisão norte-americana dos anos 1960. Desde então, Flipper é sinónimo de golfinhos, mas as memórias de Ric são menos simpáticas, e prendem-se com a morte de Cathy, um desses animais, que se terá suicidado, pois “nadou para o fundo do tanque e não voltou acima para respirar”. Ric não teve dúvidas disso, e a sua vida mudou nesse instante: “Passei os últimos 50 anos a tentar acabar com o cativeiro de golfinhos pela indústria do entretenimento. Estamos a falar de animais inteligentes, socialmente complexos, destinados a nadarem longas distâncias e a reunirem-se em grupos sociais específicos, e tudo isto é impossível num tanque. Não é justificável sujeitá-los a estas condições apenas para que os visitantes possam ter alguns minutos de entretenimento e tirar umas fotos.”

Passei os últimos 50 anos a tentar acabar com o cativeiro de golfinhos pela indústria do entretenimento. Estamos a falar de animais inteligentes, socialmente complexos, destinados a nadarem longas distâncias e a reunirem-se em grupos sociais específicos, e tudo isto é impossível num tanque

Assim, “no Dia da Terra de 1970”, fundou o Dolphin Project e lançou a campanha Empty the Tanks (esvaziem os tanques): “A nossa missão é fazer com que estes mamíferos possam reformar-se e sejam libertados no oceano, sempre que possível. Que em nenhum caso se necessite de atuar para assegurar a sua sobrevivência.” Reconhece que nem todos os parques são iguais, mas “mesmo as melhores instalações, com os melhores cuidados, não substituem o oceano aberto”. E também não acredita que possam desempenhar qualquer papel educativo: “As crianças ficam encantadas com os dinossauros sem nunca terem visto um e aprendem sobre o monte Everest sem lá terem subido. É completamente possível ensinar reverência e respeito sem sujeitar o objeto de estudo a uma vida de confinamento. Mostrar animais em cativeiro às crianças não é educativo nem inspirador. Podemos dar um exemplo melhor, ensinando-as a proteger essas espécies na Natureza e a valorizar o nosso ambiente.”

Ao longo destes 50 anos, Ric e a sua equipa já libertaram mais de duas dúzias de animais, embora ele prefira medir o sucesso por um número menos tangível: o dos golfinhos “poupados de uma captura em alto-mar em virtude dos nossos esforços ao longo destes anos”. Esforços que se materializaram, por exemplo, no documentário The Cove, vencedor de um Óscar da Academia, em 2010, realizado por Louie Psihoyos. The Cove segue Ric numa campanha para impedir a matança de golfinhos em Taiji, no Japão. Um espetáculo aterrador, pois os golfinhos são degolados, deixando o mar vermelho de sangue. A caça acontece todos os anos nesta vila piscatória, sob o beneplácito do Governo japonês, e é aqui que também são capturados muitos dos golfinhos que acabam em “supostos parques aquáticos”, a maioria deles na Ásia (não há registo de nenhum parque em Portugal nem na Europa recorrer a estes mamíferos).

O’Barry estima que ainda existam cerca de 3 mil golfinhos em cativeiro no mundo, mas pelo menos agora tem um Santuário de Golfinhos, construído no mar de Bali, em conjunto com as autoridades indonésias, para onde pode levá-los depois de serem resgatados. Foi esse o destino de Rocky e Rambo, segundo contou à VISÃO depois de os ter libertado no oceano. Após o seu regresso à Califórnia, era evidente como ainda vinha maravilhado por ter assistido ao primeiro contacto dos golfinhos com o mar. “Foi um momento de tirar o fôlego, que faz com que todos estes longos anos de determinação valham realmente a pena.”

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Relacionados

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

PRECISAMOS DE SI, CARO LEITOR A INFORMAÇÃO INDEPENDENTE É UM PILAR DA DEMOCRACIA. APOIAR O JORNALISMO INDEPENDENTE É UM DEVER DE CIDADANIA.

É PRECISO TER VISÃO

ASSINE

Mais na Visão

Estudo encontra consequência surpreendente de perder peso na meia idade Visão Saúde

Estes são os acontecimentos marcantes da nossa vida que nos fazem engordar

As variações de peso ao longo da vida são perfeitamente comuns, mas há circunstâncias específicas que pesam mais que outras

O fim do congresso do CDS em imagens

Rodrigues dos Santos afasta fantasma da extinção: "Não nos vamos diluir em nenhuma força política"

Depois de anos de abandono, o palácio da Arrábida que serviu de refúgio a Jackie Kennedy foi vendido por 50 milhões

Pertenceu a Vasco da Gama e à Rainha D. Maria II e, ao longo do século XX, foi casa de veraneio do Conde D'Armand e dos seus amigos da alta sociedade e realeza europeia. Agora vai ser a residência privada de um casal de milionários

Como os próximos Jogos Olímpicos vão ser os mais tecnológicos e sustentáveis de sempre

Tóquio vai ser a sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2020. O maior acontecimento desportivo do mundo promete ser o mais tecnológico e sustentável de sempre. E a prova de mais um renascimento do Japão

Visão Saúde

Caso suspeito de coronavírus sob observação em Lisboa com resultado negativo

Homem tinha regressado da China há pouco tempo e apresentada sintomas gripais

A longa noite do CDS em imagens

Foi uma verdadeira maratona: o primeiro dia do 28.º Congresso do CDS-PP, em Aveiro, terminou pouco antes das 4 da manhã, com o anúncio da moção vencedora

Tops por cima de camisas? Sim, senhora!

É uma tendência controversa que, como diz o ditado, primeiro estranha-se e depois entranha-se… Conheça as instagrammers que usam e abusam desta sobreposição de peças.

As bactérias do nosso intestino poderão revelar o futuro da nossa saúde

A análise do microbioma intestinal humano pode ser fundamental no diagnóstico de doenças e na previsão do estado de saúde de doentes

Se7e

"Bombshell – O Escândalo": Uma história pura de #MeToo no cinema

Roger Ailes, histórico diretor da Fox, implicado na prática de assédio, é a figura central de "Bombshell – O Escândalo". O filme, com três nomeações para os Oscars, já se estreou no cinema

Não há geringonças. Francisco Rodrigues dos Santos sucede a Assunção Cristas

Líder da JP obteve 671 votos, contra os 562 de João Almeida e os 209 de Filipe Lobo d'Ávila. Caminho até à presidência do CDS-PP passa a ser uma mera formalidade

Generais de um lado, soldados do outro. Um sábado nas trincheiras do CDS

Notáveis do partido saíram (quase) todos em defesa de João Almeida. Apoiantes de Francisco Rodrigues dos Santos insurgiram-se contra a cúpula e contra os senadores. Pires de Lima foi apupado pela JP e respondeu: o partido "não é uma tribo"