“O planeta não pode esperar mais”

Humildade. É isto que se sente quando se mergulha no meio de 12 gigantes cachalotes, o maior predador que alguma vez existiu no planeta. Este mergulho a norte da ilha de São Miguel, a seis milhas da costa, é a mais doce memória do biólogo Emanuel Gonçalves no meio que mais preza e onde se sente “num maravilhoso mundo à parte”: o oceano. Medo não sentiu nenhum, apesar de estes animais conseguirem destroçar um ser humano só com o impacto do seu sonar no nosso corpo. “É, em certo sentido, como estar com uma entidade alienígena: sei que têm capacidades cognitivas enormes, mas não conseguimos ainda conversar.”

Emanuel sabe bem do que fala. Faz uma média de 50 a 70 mergulhos anuais e é, na verdade, um dos grandes campeões do mar português: assume as funções de administrador da Fundação Oceano Azul, detentora do Oceanário, e vice-presidente do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente. Antes foi chefe-adjunto do grupo que elaborou a Estratégia Nacional para o Mar e coordenador do grupo da União Europeia que identificou as áreas marinhas ecologicamente significativas. 

Para ele, tudo começou numas férias de verão, passadas em família, no Portinho da Arrábida. Mal sabia nadar nessa altura, mas colocava óculos de mergulho para explorar o fundo do mar. “Desde então, sempre soube o que queria ser.”  Formou-se em Biologia e dedicou a vida à conservação. O impacto desastroso da ação do Homem nos oceanos, conhece-o bem. Vê-o, por exemplo, aqui, onde nasceu esta paixão. “No Parque Marinho Luiz Saldanha desapareceu tudo do que antes era uma pradaria marinha excecional.” Por isso, há uma década que trabalha com um grupo de investigadores que tenta recuperar a zona. “A boa notícia é que a Natureza responde, mas há um limite. Há danos irreparáveis, é muito difícil inverter estes processos. Por isso é tão importante preservar o que resta”, explica.

Recentemente, numa conferência, lançou à plateia uma provocação sob a forma de pergunta: “Será a Humanidade demasiado imatura para cuidar do planeta?” Quisemos saber a resposta: “Tenho alguma dificuldade em perceber como são ou não tomadas certas decisões. Já não temos a justificação das gerações anteriores, que prejudicaram o planeta por pura ignorância. Agora sabemos bem o que se passa e temos a informação necessária para agir. A responsabilidade é de todos, mas é muito superior de quem tem capacidade para fazer a diferença.” E esses são os cientistas e os políticos.

Como cientista, Emanuel Gonçalves está particularmente orgulhoso do papel da Fundação Oceano Azul: “Não nos substituímos aos governos, mas conseguimos juntar um conjunto de conhecimentos muito importantes, que nos permite apontar o caminho da mudança. Estamos a agir na educação, na conservação e a começar na área da economia.”

Entre estes projetos destacam-se a proteção daquela que foi, em tempos, a maior população mundial de cavalos-marinhos do mundo, na ria Formosa, ou a criação da Blue Azores, uma nova área de proteção marinha com 150 mil quilómetros quadrados. Mas a conservação, tal como ele a entende, não se esgota na proteção: deve ser encarada como “uma ferramenta para alavancar todo um novo capital económico”.

Acredita, por isso, que Portugal está no limiar de uma nova era, porque se levarmos em conta toda a área atlântica sob a nossa jurisdição, ganhamos recursos ao nível das grandes potências mundiais. Se o País quiser ser ambicioso, o passo seguinte seria o de criar um cluster de inovação e empreendedorismo, “um Silicon Valley da bioeconomia marinha. Temos os recursos e os centros de ciência marítima. Só falta direcionar esse conhecimento para a inovação e para o negócio”.

“O planeta não pode esperar mais”, insiste. “A pergunta que devemos fazer é a seguinte: ‘Será que esta atividade económica é compatível com o meio ambiente?’ Será com base na resposta que devemos decidir. Isto se quisermos continuar a viver aqui por mais uns tempos. Porque aqueles cenários futuristas onde vivemos em bolhas isoladas… Não vão acontecer. Muito antes disso, destruímos a sociedade humana.”

Conheça os principais factos e números sobre os oceanos que mais preocupam Emanuel Gonçalves.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Assine a VISÃO, papel ou digital, e receba o saco do Ricardo Araújo Pereira. A partir de €1,60 por semana. 

PRECISAMOS DE SI: ASSINE!

ASSINE

Relacionados

Oceano de Esperança

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Mais na Visão

Opinião

Esperança de renovação

Em entrevista recente a um jornal o novo presidente da Conferência Episcopal Portuguesa disse claramente ao que vinha, sem rodeios, o que alimenta alguma esperança de renovação no catolicismo português

Economia

Covid-19: Bruxelas lança processo de infração a Portugal devido aos 'vouchers'

A Comissão Europeia decidiu lançar processos de infração por violação das leis comunitárias para direitos dos passageiros, designadamente a emissão de 'vouchers', em vez de reembolsos

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Quarenta e cinco utentes de lar em Alcabideche infetados

Quarenta e cinco utentes de um lar de Alcabideche, em Cascais, no distrito de Lisboa, testaram positivo à covid-19, adiantou hoje à agência Lusa fonte da autarquia, ressalvando que estão agora a ser feitos testes aos colaboradores

Política

Isabel dos Santos pode ser ouvida em Portugal, diz PGR angolana

Isabel dos Santos pode ser ouvida em Portugal ou noutro país com acordos judiciários com Angola, no âmbito do processo-crime por alegada má gestão e desvio de fundos da Sonangol

Mundo

Centenas de elefantes foram encontrados mortos e ninguém sabe porquê

As autoridades de Botsuana ainda não testaram os restos mortais dos animais para tentar descobrir a causa das mortes, já consideradas um "desastre de conservação"

Mundo

Encontradas partículas nucleares com excesso de energia na região do Mar Báltico

Na passada sexta feira, os sensores de radiação em Estocolmo detetaram níveis de isótopos radioativos, isto é, átomos com excesso de energia nuclear, acima da média. Estima-se que foram gerados por uma fenda nuclear, algures nos arredores do Mar Báltico

Computador, concentração, trabalho, erro
Encontre o erro

Consegue encontrar o erro de português na frase desta semana?

Tem 10 segundos para encontrar o erro de português nesta frase. Aceita o nosso desafio?

Exame Informática
Mercados

Governo quer monitorizar discurso de ódio na Internet

A ministra de Estado e da Presidência anunciou que vai arrancar em breve a contratação pública de um projeto para acompanhar e monitorizar o discurso de ódio online

HZDR Exame Informática
Ciência

Investigadores procuram recriar ‘chuva de diamantes’ em Neptuno e Urano

Uma equipa internacional está a tentar replicar as condições encontradas em planetas distantes para perceber por que motivo ocorrem as ‘chuvas de diamantes’ naqueles locais

Exame Informática
Hardware

Samsung revela (acidentalmente?) imagens do Galaxy Note 20 Ultra

O novo topo de gama da Samsung só deve ser apresentado em agosto, mas já circulam imagens na Internet que foram publicadas no próprio site da fabricante sul coreana

Economia

Covid-19: Governo britânico prepara levantamento de quarentena para dezenas de países

Dezenas de países vão ficar isentos de restrições de viagem e quarentena à entrada no Reino Unido a partir de segunda-feira, mas ainda é incerto se Portugal vai ser incluído

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Muitos portugueses “estão a usar máscaras erradas”

Loureço Aroso, diretor operacional da PPTex, diz não entender como as autoridades promovem o uso de máscaras comunitárias que oferecem apenas 70% de filtragem quando há alternativas que garantem mais de 90%