“O planeta não pode esperar mais”

Humildade. É isto que se sente quando se mergulha no meio de 12 gigantes cachalotes, o maior predador que alguma vez existiu no planeta. Este mergulho a norte da ilha de São Miguel, a seis milhas da costa, é a mais doce memória do biólogo Emanuel Gonçalves no meio que mais preza e onde se sente “num maravilhoso mundo à parte”: o oceano. Medo não sentiu nenhum, apesar de estes animais conseguirem destroçar um ser humano só com o impacto do seu sonar no nosso corpo. “É, em certo sentido, como estar com uma entidade alienígena: sei que têm capacidades cognitivas enormes, mas não conseguimos ainda conversar.”

Emanuel sabe bem do que fala. Faz uma média de 50 a 70 mergulhos anuais e é, na verdade, um dos grandes campeões do mar português: assume as funções de administrador da Fundação Oceano Azul, detentora do Oceanário, e vice-presidente do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente. Antes foi chefe-adjunto do grupo que elaborou a Estratégia Nacional para o Mar e coordenador do grupo da União Europeia que identificou as áreas marinhas ecologicamente significativas. 

Para ele, tudo começou numas férias de verão, passadas em família, no Portinho da Arrábida. Mal sabia nadar nessa altura, mas colocava óculos de mergulho para explorar o fundo do mar. “Desde então, sempre soube o que queria ser.”  Formou-se em Biologia e dedicou a vida à conservação. O impacto desastroso da ação do Homem nos oceanos, conhece-o bem. Vê-o, por exemplo, aqui, onde nasceu esta paixão. “No Parque Marinho Luiz Saldanha desapareceu tudo do que antes era uma pradaria marinha excecional.” Por isso, há uma década que trabalha com um grupo de investigadores que tenta recuperar a zona. “A boa notícia é que a Natureza responde, mas há um limite. Há danos irreparáveis, é muito difícil inverter estes processos. Por isso é tão importante preservar o que resta”, explica.

Recentemente, numa conferência, lançou à plateia uma provocação sob a forma de pergunta: “Será a Humanidade demasiado imatura para cuidar do planeta?” Quisemos saber a resposta: “Tenho alguma dificuldade em perceber como são ou não tomadas certas decisões. Já não temos a justificação das gerações anteriores, que prejudicaram o planeta por pura ignorância. Agora sabemos bem o que se passa e temos a informação necessária para agir. A responsabilidade é de todos, mas é muito superior de quem tem capacidade para fazer a diferença.” E esses são os cientistas e os políticos.

Como cientista, Emanuel Gonçalves está particularmente orgulhoso do papel da Fundação Oceano Azul: “Não nos substituímos aos governos, mas conseguimos juntar um conjunto de conhecimentos muito importantes, que nos permite apontar o caminho da mudança. Estamos a agir na educação, na conservação e a começar na área da economia.”

Entre estes projetos destacam-se a proteção daquela que foi, em tempos, a maior população mundial de cavalos-marinhos do mundo, na ria Formosa, ou a criação da Blue Azores, uma nova área de proteção marinha com 150 mil quilómetros quadrados. Mas a conservação, tal como ele a entende, não se esgota na proteção: deve ser encarada como “uma ferramenta para alavancar todo um novo capital económico”.

Acredita, por isso, que Portugal está no limiar de uma nova era, porque se levarmos em conta toda a área atlântica sob a nossa jurisdição, ganhamos recursos ao nível das grandes potências mundiais. Se o País quiser ser ambicioso, o passo seguinte seria o de criar um cluster de inovação e empreendedorismo, “um Silicon Valley da bioeconomia marinha. Temos os recursos e os centros de ciência marítima. Só falta direcionar esse conhecimento para a inovação e para o negócio”.

“O planeta não pode esperar mais”, insiste. “A pergunta que devemos fazer é a seguinte: ‘Será que esta atividade económica é compatível com o meio ambiente?’ Será com base na resposta que devemos decidir. Isto se quisermos continuar a viver aqui por mais uns tempos. Porque aqueles cenários futuristas onde vivemos em bolhas isoladas… Não vão acontecer. Muito antes disso, destruímos a sociedade humana.”

Conheça os principais factos e números sobre os oceanos que mais preocupam Emanuel Gonçalves.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Relacionados

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

PRECISAMOS DE SI, CARO LEITOR A INFORMAÇÃO INDEPENDENTE É UM PILAR DA DEMOCRACIA. APOIAR O JORNALISMO INDEPENDENTE É UM DEVER DE CIDADANIA.

É PRECISO TER VISÃO

ASSINE

Mais na Visão

Visão Saúde

Caso suspeito de coronavírus sob observação em Lisboa com resultado negativo

Homem tinha regressado da China há pouco tempo e apresentada sintomas gripais

A longa noite do CDS em imagens

Foi uma verdadeira maratona: o primeiro dia do 28.º Congresso do CDS-PP, em Aveiro, terminou pouco antes das 4 da manhã, com o anúncio da moção vencedora

Tops por cima de camisas? Sim, senhora!

É uma tendência controversa que, como diz o ditado, primeiro estranha-se e depois entranha-se… Conheça as instagrammers que usam e abusam desta sobreposição de peças.

As bactérias do nosso intestino poderão revelar o futuro da nossa saúde

A análise do microbioma intestinal humano pode ser fundamental no diagnóstico de doenças e na previsão do estado de saúde de doentes

Se7e

"Bombshell – O Escândalo": Uma história pura de #MeToo no cinema

Roger Ailes, histórico diretor da Fox, implicado na prática de assédio, é a figura central de "Bombshell – O Escândalo". O filme, com três nomeações para os Oscars, já se estreou no cinema

Não há geringonças. Francisco Rodrigues dos Santos sucede a Assunção Cristas

Líder da JP obteve 671 votos, contra os 562 de João Almeida e os 209 de Filipe Lobo d'Ávila. Caminho até à presidência do CDS-PP passa a ser uma mera formalidade

Generais de um lado, soldados do outro. Um sábado nas trincheiras do CDS

Notáveis do partido saíram (quase) todos em defesa de João Almeida. Apoiantes de Francisco Rodrigues dos Santos insurgiram-se contra a cúpula e contra os senadores. Pires de Lima foi apupado pela JP e respondeu: o partido "não é uma tribo"

Facebook está a aceder secretamente à câmara dos utilizadores

12 regras de etiqueta para as redes sociais, por um especialista

Conheça e domine as 12 principais regras de etiqueta nas redes sociais que utiliza ou frequenta. Elas são fundamentais para construir, manter e garantir a sua melhor reputação online

Sem-abrigo: a primeira noite a dormir na rua

Um está sem teto há 37 anos; outro, há pouco mais de um mês. Nas noites de Lisboa encontrámos dezenas de pessoas a dormir na rua e as seis histórias que aqui contamos são padrões matizados do desamparo. Da falta de amor. Mas nem todos desistiram já do seu final feliz

O vídeo de 2 minutos que nos faz amar (ainda mais) a Terra

O elogio do fotógrafo Joel Santos ao planeta, reunindo algumas das mais belas imagens que captou ao longo da carreira – muitas delas em Portugal

João vs. Francisco: um primeiro round de murros no estômago

Almeida quer um partido sem "controleiros" e "seguidores". Rodrigues dos Santos pretende acabar com as fontes anónimas que "tentam condicionar o Congresso". Guerra entre os notáveis e os sub-30 é cada vez mais notória em Aveiro

Já existe a vela “Smells Like My Penis” - e tem um objetivo nobre

Depois do lançamento da vela "This Candle Smells Like My Vagina", da atriz americana Gwyneth Paltrow, agora foi a vez da uma agência de publicidade canadiana pôr à venda a homónima masculina. O projeto pretende alertar para as desigualdades salariais entre homens e mulheres