“O planeta não pode esperar mais”

Humildade. É isto que se sente quando se mergulha no meio de 12 gigantes cachalotes, o maior predador que alguma vez existiu no planeta. Este mergulho a norte da ilha de São Miguel, a seis milhas da costa, é a mais doce memória do biólogo Emanuel Gonçalves no meio que mais preza e onde se sente “num maravilhoso mundo à parte”: o oceano. Medo não sentiu nenhum, apesar de estes animais conseguirem destroçar um ser humano só com o impacto do seu sonar no nosso corpo. “É, em certo sentido, como estar com uma entidade alienígena: sei que têm capacidades cognitivas enormes, mas não conseguimos ainda conversar.”

Emanuel sabe bem do que fala. Faz uma média de 50 a 70 mergulhos anuais e é, na verdade, um dos grandes campeões do mar português: assume as funções de administrador da Fundação Oceano Azul, detentora do Oceanário, e vice-presidente do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente. Antes foi chefe-adjunto do grupo que elaborou a Estratégia Nacional para o Mar e coordenador do grupo da União Europeia que identificou as áreas marinhas ecologicamente significativas. 

Para ele, tudo começou numas férias de verão, passadas em família, no Portinho da Arrábida. Mal sabia nadar nessa altura, mas colocava óculos de mergulho para explorar o fundo do mar. “Desde então, sempre soube o que queria ser.”  Formou-se em Biologia e dedicou a vida à conservação. O impacto desastroso da ação do Homem nos oceanos, conhece-o bem. Vê-o, por exemplo, aqui, onde nasceu esta paixão. “No Parque Marinho Luiz Saldanha desapareceu tudo do que antes era uma pradaria marinha excecional.” Por isso, há uma década que trabalha com um grupo de investigadores que tenta recuperar a zona. “A boa notícia é que a Natureza responde, mas há um limite. Há danos irreparáveis, é muito difícil inverter estes processos. Por isso é tão importante preservar o que resta”, explica.

Recentemente, numa conferência, lançou à plateia uma provocação sob a forma de pergunta: “Será a Humanidade demasiado imatura para cuidar do planeta?” Quisemos saber a resposta: “Tenho alguma dificuldade em perceber como são ou não tomadas certas decisões. Já não temos a justificação das gerações anteriores, que prejudicaram o planeta por pura ignorância. Agora sabemos bem o que se passa e temos a informação necessária para agir. A responsabilidade é de todos, mas é muito superior de quem tem capacidade para fazer a diferença.” E esses são os cientistas e os políticos.

Como cientista, Emanuel Gonçalves está particularmente orgulhoso do papel da Fundação Oceano Azul: “Não nos substituímos aos governos, mas conseguimos juntar um conjunto de conhecimentos muito importantes, que nos permite apontar o caminho da mudança. Estamos a agir na educação, na conservação e a começar na área da economia.”

Entre estes projetos destacam-se a proteção daquela que foi, em tempos, a maior população mundial de cavalos-marinhos do mundo, na ria Formosa, ou a criação da Blue Azores, uma nova área de proteção marinha com 150 mil quilómetros quadrados. Mas a conservação, tal como ele a entende, não se esgota na proteção: deve ser encarada como “uma ferramenta para alavancar todo um novo capital económico”.

Acredita, por isso, que Portugal está no limiar de uma nova era, porque se levarmos em conta toda a área atlântica sob a nossa jurisdição, ganhamos recursos ao nível das grandes potências mundiais. Se o País quiser ser ambicioso, o passo seguinte seria o de criar um cluster de inovação e empreendedorismo, “um Silicon Valley da bioeconomia marinha. Temos os recursos e os centros de ciência marítima. Só falta direcionar esse conhecimento para a inovação e para o negócio”.

“O planeta não pode esperar mais”, insiste. “A pergunta que devemos fazer é a seguinte: ‘Será que esta atividade económica é compatível com o meio ambiente?’ Será com base na resposta que devemos decidir. Isto se quisermos continuar a viver aqui por mais uns tempos. Porque aqueles cenários futuristas onde vivemos em bolhas isoladas… Não vão acontecer. Muito antes disso, destruímos a sociedade humana.”

Conheça os principais factos e números sobre os oceanos que mais preocupam Emanuel Gonçalves.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Assine a VISÃO digital e receba a VISÃO Saúde, Edição Especial “70 Perguntas e Respostas sobre Saúde”, também em formato digital.

EM TEMPOS DIFÍCEIS É PRECISO TER VISÃO

ASSINE JÁ!

Relacionados

Oceano de Esperança

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Mais na Visão

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

Orçamento sem Bloco

Governar ao sabor da vontade política de outros partidos é demasiado inseguro, arriscado, e de futuro incerto. E tanto pior será, quanto maior a crise pandémica e económica

Visão Fest

“Com esta crise, teremos maior domínio das energias renováveis, incluindo o hidrogénio”

António Costa Silva e José Sá Fernandes debatem no VISÃO FEST verde o impacto que a pandemia terá na produção e consumo de energia, assim como na organização das nossas cidades, reclamando uma perspetiva otimista

Visão Fest

A última tarde de VISÃO FEST Verde

A seleção dos fotógrafos da VISÃO de alguns dos melhores momentos do evento que ocupou todo o fim de semana na Estufa Fria, em Lisboa

Visão Fest

António Zambujo: Tournées ecológicas e disco gravado em casa

Em jeito de encerramento do VISÃO FEST Verde, Zambujo interpretou o tema 'Terra', de Caetano Veloso, e falou dos planos para o futuro

Visão Fest

Inventar um mundo mais sustentável com vinagre ou eucaliptos? Sim, eles também têm um papel

No centro da estratégia de redução de resíduos eletrónicos e de um consumo mais sustentável pode estar a celulose, defendeu a cientista e investigadora Elvira Fortunato no VISÃO FEST Verde

Visão Fest

"A visão do ambiente como uma realidade lateral, incómoda e que suscita obstáculos ao desenvolvimento passou. E já passou há muito"

No encerramento do VISÃO FEST Verde, o Presidente da República salientou que o País tem a obrigação de utilizar os fundos europeus para assegurar a transição energética e conseguir avanços estruturais em que o ambiente seja o tema central, sob pena de ter termos uma “oportunidade perdida”

Visão Fest

"Não tenho a intenção de procurar um planeta B que seja habitável por nós"

A astrofísica molecular Clara Sousa e Silva alertou, no VISÃO FEST Verde, para a importância de cuidar da Terra porque, apesar de ser possível encontrar outros planetas habitados ou habitáveis, eles não estarão preparados para acolher vida humana

Visão Fest

"A Natureza só nos dá lucro quando a destruímos"

O planeta está a queixar-se do que lhe fazemos, disso ninguém duvida. Mas os convidados de Capicua sentem a urgência da mudança de outra forma e mostraram-no neste painel do VISÃO FEST Verde

Visão Fest

"Estar vivo é uma improbabilidade estatística". As imagens comoventes e poderosas do fotógrafo Joel Santos

As imagens que saem da lente de Joel Santos têm o poder de comover quem as olha. Cada fotografia é como uma prova que Homem e Natureza são um, de que não possuímos o Mundo, somos, sim, parte dele

Mundo

Covid-19: Casa Branca admite que EUA não poderão controlar pandemia por ser tão contagiosa

A Casa Branca admitiu hoje que os EUA não poderão controlar a pandemia por ser tão contagiosa, numa mudança à postura de minimização da gravidade da crise

Visão Fest

"Já estão a existir alterações no Oceano que, se nada for feito, daqui a uma ou duas décadas terão custos enormes"

O biólogo marinho José Xavier estuda a vida na Antártida a fim de tentar perceber como será a vida na Terra dentro de algumas décadas. No VISÃO FEST Verde, alertou para o impacto da subida do nível do mar e a presença de microplásticos nas cadeias alimentares mais remotas do Planeta

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Portugal volta a atingir novo máximo de internamentos

Portugal registou hoje um novo recorde de internamentos desde o início da pandemia de covid-19, com 1.574 pessoas hospitalizadas e 230 em unidades de cuidados intensivos, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS)