“O planeta não pode esperar mais”

Humildade. É isto que se sente quando se mergulha no meio de 12 gigantes cachalotes, o maior predador que alguma vez existiu no planeta. Este mergulho a norte da ilha de São Miguel, a seis milhas da costa, é a mais doce memória do biólogo Emanuel Gonçalves no meio que mais preza e onde se sente “num maravilhoso mundo à parte”: o oceano. Medo não sentiu nenhum, apesar de estes animais conseguirem destroçar um ser humano só com o impacto do seu sonar no nosso corpo. “É, em certo sentido, como estar com uma entidade alienígena: sei que têm capacidades cognitivas enormes, mas não conseguimos ainda conversar.”

Emanuel sabe bem do que fala. Faz uma média de 50 a 70 mergulhos anuais e é, na verdade, um dos grandes campeões do mar português: assume as funções de administrador da Fundação Oceano Azul, detentora do Oceanário, e vice-presidente do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente. Antes foi chefe-adjunto do grupo que elaborou a Estratégia Nacional para o Mar e coordenador do grupo da União Europeia que identificou as áreas marinhas ecologicamente significativas. 

Para ele, tudo começou numas férias de verão, passadas em família, no Portinho da Arrábida. Mal sabia nadar nessa altura, mas colocava óculos de mergulho para explorar o fundo do mar. “Desde então, sempre soube o que queria ser.”  Formou-se em Biologia e dedicou a vida à conservação. O impacto desastroso da ação do Homem nos oceanos, conhece-o bem. Vê-o, por exemplo, aqui, onde nasceu esta paixão. “No Parque Marinho Luiz Saldanha desapareceu tudo do que antes era uma pradaria marinha excecional.” Por isso, há uma década que trabalha com um grupo de investigadores que tenta recuperar a zona. “A boa notícia é que a Natureza responde, mas há um limite. Há danos irreparáveis, é muito difícil inverter estes processos. Por isso é tão importante preservar o que resta”, explica.

Recentemente, numa conferência, lançou à plateia uma provocação sob a forma de pergunta: “Será a Humanidade demasiado imatura para cuidar do planeta?” Quisemos saber a resposta: “Tenho alguma dificuldade em perceber como são ou não tomadas certas decisões. Já não temos a justificação das gerações anteriores, que prejudicaram o planeta por pura ignorância. Agora sabemos bem o que se passa e temos a informação necessária para agir. A responsabilidade é de todos, mas é muito superior de quem tem capacidade para fazer a diferença.” E esses são os cientistas e os políticos.

Como cientista, Emanuel Gonçalves está particularmente orgulhoso do papel da Fundação Oceano Azul: “Não nos substituímos aos governos, mas conseguimos juntar um conjunto de conhecimentos muito importantes, que nos permite apontar o caminho da mudança. Estamos a agir na educação, na conservação e a começar na área da economia.”

Entre estes projetos destacam-se a proteção daquela que foi, em tempos, a maior população mundial de cavalos-marinhos do mundo, na ria Formosa, ou a criação da Blue Azores, uma nova área de proteção marinha com 150 mil quilómetros quadrados. Mas a conservação, tal como ele a entende, não se esgota na proteção: deve ser encarada como “uma ferramenta para alavancar todo um novo capital económico”.

Acredita, por isso, que Portugal está no limiar de uma nova era, porque se levarmos em conta toda a área atlântica sob a nossa jurisdição, ganhamos recursos ao nível das grandes potências mundiais. Se o País quiser ser ambicioso, o passo seguinte seria o de criar um cluster de inovação e empreendedorismo, “um Silicon Valley da bioeconomia marinha. Temos os recursos e os centros de ciência marítima. Só falta direcionar esse conhecimento para a inovação e para o negócio”.

“O planeta não pode esperar mais”, insiste. “A pergunta que devemos fazer é a seguinte: ‘Será que esta atividade económica é compatível com o meio ambiente?’ Será com base na resposta que devemos decidir. Isto se quisermos continuar a viver aqui por mais uns tempos. Porque aqueles cenários futuristas onde vivemos em bolhas isoladas… Não vão acontecer. Muito antes disso, destruímos a sociedade humana.”

Conheça os principais factos e números sobre os oceanos que mais preocupam Emanuel Gonçalves.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Relacionados

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

PRECISAMOS DE SI, CARO LEITOR A INFORMAÇÃO INDEPENDENTE É UM PILAR DA DEMOCRACIA. APOIAR O JORNALISMO INDEPENDENTE É UM DEVER DE CIDADANIA.

É PRECISO TER VISÃO

ASSINE

Mais na Visão

Exame Informática

Facebook incentiva dois mil milhões de utilizadores a controlar melhor a sua privacidade

A Facebook revela que nas próximas semanas vai enviar um alerta que irá aparecer no Feed de Notícias a dois mil milhões de utilizadores para os levar a rever as definições de privacidade

Em atualização

Sismo de 7.7 atinge Cuba e Jamaica, autoridades lançam alerta de tsunami

Não há ainda notícia dos estragos que o sismo terá causado nestas ilhas das Caraíbas

Como se constrói um hospital em meia dúzia de dias para lidar com um vírus assustador

Centenas de trabalhadores estão a construir os novos hospitais para lidar com o coronavírus em Wuhan, na China. As obras deverão estar concluídas a 2 de fevereiro e o Wuhan Huoshenshan deverá abrir portas três dias depois, com mil camas

A última comunicação do helicóptero de Kobe Bryant: vamos subir para evitar o nevoeiro

Foi divulgado o teor das comunicações do piloto do helicóptero que transportava o ex-basquetebolista – e confirma-se que tinha sido dada uma autorização especial para voar em más condições de visibilidade

Homem leva esqueleto falso no banco de passageiro para evitar trânsito

Um americano decidiu levar à letra a expressão “lugar do morto”, usando um esqueleto no lugar do passageiro, para poder usar uma via prioritária. Mas não escapou à multa

Setor em choque com mexidas nos Vistos Gold

As propostas do PS que sugerem o fim dos vistos Gold em Lisboa e Porto e alterações no regime dos Residentes Não Habituais caíram que nem uma bomba no setor

André Ventura: quem é o deputado antissistema que a TV criou

André Ventura em entrevista: "Não quero ver o Chega associado a movimentos nazis"

Saudação nazi num comício do Chega causou uma onda de indignação contra o partido

Se7e

O Cinema Ideal vai ter 7 dias seguidos de ante-estreias e filmes clássicos

Atravessar o século XX através da memória da guerra é a proposta da 2ª Mostra de Cinema promovida pela Casa da Imprensa, a partir desta quarta, 29, no Cinema Ideal

Visão Saúde

Coronavírus: Portugueses serão avaliados à chegada para determinar necessidade de isolamento

A diretora-geral da Saúde explica quais serão os procedimentos em relação aos portugueses a retirar de Wuhan

Se7e

O jogo do gato e do rato em 'Lincoln Rhyme', a nova série do AXN

A estreia da série "Lincoln Rhyme: Caça ao Colecionador de Ossos", um thriller policial, marca o arranque das novidades para 2020 na programação do canal AXN. Para ver a partir desta terça, 28, ao serão

Como Chicão está a retocar o passado - começando pelo seu vídeo de Natal

O facto de ter apagado um vídeo cuja mensagem parece bastante pueril, em face das novas responsabilidades que agora assume, está em linha com outros aspetos revisionistas no discurso de Francisco Rodrigues dos Santos

Em memória de Gigi Bryant, a filha de Kobe desaparecida no mesmo acidente de helicóptero

Tinha 13 anos e era uma esperança do basquetebol. Morreu ao lado do pai, este domingo