“O planeta não pode esperar mais”

Humildade. É isto que se sente quando se mergulha no meio de 12 gigantes cachalotes, o maior predador que alguma vez existiu no planeta. Este mergulho a norte da ilha de São Miguel, a seis milhas da costa, é a mais doce memória do biólogo Emanuel Gonçalves no meio que mais preza e onde se sente “num maravilhoso mundo à parte”: o oceano. Medo não sentiu nenhum, apesar de estes animais conseguirem destroçar um ser humano só com o impacto do seu sonar no nosso corpo. “É, em certo sentido, como estar com uma entidade alienígena: sei que têm capacidades cognitivas enormes, mas não conseguimos ainda conversar.”

Emanuel sabe bem do que fala. Faz uma média de 50 a 70 mergulhos anuais e é, na verdade, um dos grandes campeões do mar português: assume as funções de administrador da Fundação Oceano Azul, detentora do Oceanário, e vice-presidente do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente. Antes foi chefe-adjunto do grupo que elaborou a Estratégia Nacional para o Mar e coordenador do grupo da União Europeia que identificou as áreas marinhas ecologicamente significativas. 

Para ele, tudo começou numas férias de verão, passadas em família, no Portinho da Arrábida. Mal sabia nadar nessa altura, mas colocava óculos de mergulho para explorar o fundo do mar. “Desde então, sempre soube o que queria ser.”  Formou-se em Biologia e dedicou a vida à conservação. O impacto desastroso da ação do Homem nos oceanos, conhece-o bem. Vê-o, por exemplo, aqui, onde nasceu esta paixão. “No Parque Marinho Luiz Saldanha desapareceu tudo do que antes era uma pradaria marinha excecional.” Por isso, há uma década que trabalha com um grupo de investigadores que tenta recuperar a zona. “A boa notícia é que a Natureza responde, mas há um limite. Há danos irreparáveis, é muito difícil inverter estes processos. Por isso é tão importante preservar o que resta”, explica.

Recentemente, numa conferência, lançou à plateia uma provocação sob a forma de pergunta: “Será a Humanidade demasiado imatura para cuidar do planeta?” Quisemos saber a resposta: “Tenho alguma dificuldade em perceber como são ou não tomadas certas decisões. Já não temos a justificação das gerações anteriores, que prejudicaram o planeta por pura ignorância. Agora sabemos bem o que se passa e temos a informação necessária para agir. A responsabilidade é de todos, mas é muito superior de quem tem capacidade para fazer a diferença.” E esses são os cientistas e os políticos.

Como cientista, Emanuel Gonçalves está particularmente orgulhoso do papel da Fundação Oceano Azul: “Não nos substituímos aos governos, mas conseguimos juntar um conjunto de conhecimentos muito importantes, que nos permite apontar o caminho da mudança. Estamos a agir na educação, na conservação e a começar na área da economia.”

Entre estes projetos destacam-se a proteção daquela que foi, em tempos, a maior população mundial de cavalos-marinhos do mundo, na ria Formosa, ou a criação da Blue Azores, uma nova área de proteção marinha com 150 mil quilómetros quadrados. Mas a conservação, tal como ele a entende, não se esgota na proteção: deve ser encarada como “uma ferramenta para alavancar todo um novo capital económico”.

Acredita, por isso, que Portugal está no limiar de uma nova era, porque se levarmos em conta toda a área atlântica sob a nossa jurisdição, ganhamos recursos ao nível das grandes potências mundiais. Se o País quiser ser ambicioso, o passo seguinte seria o de criar um cluster de inovação e empreendedorismo, “um Silicon Valley da bioeconomia marinha. Temos os recursos e os centros de ciência marítima. Só falta direcionar esse conhecimento para a inovação e para o negócio”.

“O planeta não pode esperar mais”, insiste. “A pergunta que devemos fazer é a seguinte: ‘Será que esta atividade económica é compatível com o meio ambiente?’ Será com base na resposta que devemos decidir. Isto se quisermos continuar a viver aqui por mais uns tempos. Porque aqueles cenários futuristas onde vivemos em bolhas isoladas… Não vão acontecer. Muito antes disso, destruímos a sociedade humana.”

Conheça os principais factos e números sobre os oceanos que mais preocupam Emanuel Gonçalves.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Aproveite os descontos que preparámos para si, por tempo muito limitado. Só até 30 de novembro. Conheça todos os valores e opções para a assinatura da sua VISÃO aqui: https://bit.ly/tinbf2020

BLACK FRIDAY

Aproveite Já

Relacionados

Oceano de Esperança

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Mais na Visão

Política

Jerónimo de Sousa reeleito secretário-geral do PCP com um voto contra

Há quatro eleições consecutivas que o líder era eleito por unanimidade. Terceiro e último dia do XXI Congresso do partido, em Loures, revelou ainda a chegada do candidato presidencial João Ferreira à Comissão Política do Comité Central

Mundo

Irão exorta comunidade internacional a condenar o assassínio de cientista iraniano

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Mohamad Javad Zarif, exortou hoje a comunidade internacional a condenar o assassínio do cientista nuclear Mohsen Fakhrizadeh, considerando "vergonhoso" que se tenham limitado a fazer pedidos de calma

Cultura

Ator David Prowse que deu vida a Darth Vader da "Guerra das Estrelas" morre aos 85 anos

O ator inglês David Prowse, que ficou conhecido por dar vida a Darth Vader, o vilão da "Guerra das Estrelas" nos filmes da trilogia original, morreu no sábado aos 85 anos

Sociedade

Covid-19: O isolamento visto por dentro

Hugo Silva esteve 24 dias dentro do seu quarto e aproveitou o muito tempo livre para fazer uma das coisas que mais gosta: fotografar. Em Felgueiras, o tempo passa tão devagar como no resto do mundo

Mundo

Com polegares mais grossos, neandertais usavam as mãos de forma diferente

O novo estudo foi realizado através da análise e comparação entre cinco indivíduos neandertais e cerca de 40 adultos recentes

Se7e
TV

O regresso de Sophia Loren em "Uma Vida à Sua Frente", na Netflix

Aos 86 anos, Sophia Loren volta a encher o ecrã com uma interpretação sem artifícios. O filme "Uma Vida à Sua Frente" está disponível na Netflix

Mundo

Covid-19: Portugal terá "níveis muito baixos" de novos casos se mantiver restrições

Se mantiver "as medidas de resposta em vigor a 18 de novembro de 2020 e até ao final do período de previsão, que é 25 de dezembro de 2020", Portugal terá menos casos, diz o ECDC

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Cientistas não acreditam que vírus desapareça e avisam: "Vacina até pode impulsionar mais mutações"

Investigação sugere que essa evolução pode trocar as voltas às vacinas prestes a chegar ao mercado

Ideias

Bessel van der Kolk: "Estar muito tempo entre quatro paredes com a mesma pessoa amplia divergências e conflitos, atenuados através do abuso de álcool e drogas"

Somos mamíferos, precisamos de toque, do seu efeito protetor, que restaura o equilíbrio interno. Quem não lhe acede pode passar pior na atual crise pandémica

Economia

Os portugueses estão a poupar durante esta crise

O dinheiro colocado em depósitos bateu máximos este ano. Com menos opções de consumo, os portugueses foram forçados a poupar e estão mais cautelosos em relação ao futuro. Os orçamentos familiares saem reforçados. Mas a economia ressente-se

Mundo

Dinamarca quer eliminar de vez os “visons zombie”, que emergiram de valas onde tinham sido enterrados

Visons abatidos no início do mês, após ter sido detetada em alguns animais uma mutação do novo coronavírus, emergiram de valas comuns. Um fenómeno químico explica o episódio insólito. A Dinamarca quer agora incinerar as carcaças

Economia

"Nunca seremos primeiro violino de orquestra dirigida por sociais-democratas", diz líder parlamentar do PCP

João Oliveira afirmou que a opção pela abstenção ao Orçamento de 2021 foi tomada com "total liberdade" e que a estratégia definida há quatro anos pelos comunistas se revelou acertada