“O planeta não pode esperar mais”

Humildade. É isto que se sente quando se mergulha no meio de 12 gigantes cachalotes, o maior predador que alguma vez existiu no planeta. Este mergulho a norte da ilha de São Miguel, a seis milhas da costa, é a mais doce memória do biólogo Emanuel Gonçalves no meio que mais preza e onde se sente “num maravilhoso mundo à parte”: o oceano. Medo não sentiu nenhum, apesar de estes animais conseguirem destroçar um ser humano só com o impacto do seu sonar no nosso corpo. “É, em certo sentido, como estar com uma entidade alienígena: sei que têm capacidades cognitivas enormes, mas não conseguimos ainda conversar.”

Emanuel sabe bem do que fala. Faz uma média de 50 a 70 mergulhos anuais e é, na verdade, um dos grandes campeões do mar português: assume as funções de administrador da Fundação Oceano Azul, detentora do Oceanário, e vice-presidente do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente. Antes foi chefe-adjunto do grupo que elaborou a Estratégia Nacional para o Mar e coordenador do grupo da União Europeia que identificou as áreas marinhas ecologicamente significativas. 

Para ele, tudo começou numas férias de verão, passadas em família, no Portinho da Arrábida. Mal sabia nadar nessa altura, mas colocava óculos de mergulho para explorar o fundo do mar. “Desde então, sempre soube o que queria ser.”  Formou-se em Biologia e dedicou a vida à conservação. O impacto desastroso da ação do Homem nos oceanos, conhece-o bem. Vê-o, por exemplo, aqui, onde nasceu esta paixão. “No Parque Marinho Luiz Saldanha desapareceu tudo do que antes era uma pradaria marinha excecional.” Por isso, há uma década que trabalha com um grupo de investigadores que tenta recuperar a zona. “A boa notícia é que a Natureza responde, mas há um limite. Há danos irreparáveis, é muito difícil inverter estes processos. Por isso é tão importante preservar o que resta”, explica.

Recentemente, numa conferência, lançou à plateia uma provocação sob a forma de pergunta: “Será a Humanidade demasiado imatura para cuidar do planeta?” Quisemos saber a resposta: “Tenho alguma dificuldade em perceber como são ou não tomadas certas decisões. Já não temos a justificação das gerações anteriores, que prejudicaram o planeta por pura ignorância. Agora sabemos bem o que se passa e temos a informação necessária para agir. A responsabilidade é de todos, mas é muito superior de quem tem capacidade para fazer a diferença.” E esses são os cientistas e os políticos.

Como cientista, Emanuel Gonçalves está particularmente orgulhoso do papel da Fundação Oceano Azul: “Não nos substituímos aos governos, mas conseguimos juntar um conjunto de conhecimentos muito importantes, que nos permite apontar o caminho da mudança. Estamos a agir na educação, na conservação e a começar na área da economia.”

Entre estes projetos destacam-se a proteção daquela que foi, em tempos, a maior população mundial de cavalos-marinhos do mundo, na ria Formosa, ou a criação da Blue Azores, uma nova área de proteção marinha com 150 mil quilómetros quadrados. Mas a conservação, tal como ele a entende, não se esgota na proteção: deve ser encarada como “uma ferramenta para alavancar todo um novo capital económico”.

Acredita, por isso, que Portugal está no limiar de uma nova era, porque se levarmos em conta toda a área atlântica sob a nossa jurisdição, ganhamos recursos ao nível das grandes potências mundiais. Se o País quiser ser ambicioso, o passo seguinte seria o de criar um cluster de inovação e empreendedorismo, “um Silicon Valley da bioeconomia marinha. Temos os recursos e os centros de ciência marítima. Só falta direcionar esse conhecimento para a inovação e para o negócio”.

“O planeta não pode esperar mais”, insiste. “A pergunta que devemos fazer é a seguinte: ‘Será que esta atividade económica é compatível com o meio ambiente?’ Será com base na resposta que devemos decidir. Isto se quisermos continuar a viver aqui por mais uns tempos. Porque aqueles cenários futuristas onde vivemos em bolhas isoladas… Não vão acontecer. Muito antes disso, destruímos a sociedade humana.”

Conheça os principais factos e números sobre os oceanos que mais preocupam Emanuel Gonçalves.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

ASSINE JÁ

Relacionados

Oceano de Esperança

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Mais na Visão

Sociedade

O exercício físico rende mais de manhã ou ao fim do dia?

O que nos diz a Ciência sobre a melhor hora para pôr o corpo a mexer

Legislativas 2022

No mercado, Inês Sousa Real promete ser "oposição construtiva", com PS ou PSD, mas, para já, não conta com as bancadas dos enchidos e do peixe

No Mercado de Periscoxe (Loures), um apoiante do PSD "abriu a porta" a Inês Sousa Real: "Gostava de a ver num Governo do PSD", disse. A porta-voz do PAN desconversou, mas sempre foi adiantando que espera ser, após as Legislativas, "uma oposição construtiva", seja com Costa ou Rio como Primeiro-ministro. O apelo ao voto só falhou nas bancas dos enchidos e do peixe

Legislativas 2022

Legislativas: Costa fala aos indecisos e diz que questão é entre modelo PS ou PSD e não a da maioria

Costa esteve em campanha pelas ruas de Leiria, com mensagens dirigidas aos indecisos sobre as diferenças entre PS e PSD nos salários e impostos, secundarizando a questão da maioria absoluta

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Como é que os pandas ganham peso, comendo apenas bambu? Um novo estudo explica

De acordo com a equipa do Instituto de Zoologia da Academia Chinesa das Ciências, que analisou pandas selvagens nas montanhas Qinling, na China central, isto deve-se ao facto de os níveis de um tipo de bactérias intestinais destes animais alterarem na estação em que os brotos de bambu mais nutritivos ficam disponíveis

Cultura

Moncorvo tem ermida do século XVI com  40 painéis a fresco ao estilo da Capela Sistina

O eremitério da Senhora da Teixeira (século XVI) em Sequeiros, no concelho de Moncorvo, apresenta um conjunto de 40 painéis de pinturas a fresco, agora recuperados, um templo tido como a Capela Sistina do Douro Superior

Visão Saúde
VISÃO Saúde

ASAE apreende quase 10 toneladas de carne e fecha entreposto frigorífico sem licença

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu quase dez toneladas de géneros alimentares de origem animal, na sequência de ações de fiscalização, tendo encerrado um entreposto frigorífico, anunciou hoje a entidade

Economia

Preço do pão deverá subir este ano impulsionado pelos custos de produção

O preço do pão deverá subir este ano, refletindo a subida nos valores dos fatores de produção, adiantou a Associação do Comércio e da Indústria de Panificação (ACIP), ressalvando que a decisão depende de cada empresa

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Mais de 28 mil embalagens de antidepressivos vendidas em média por dia em 2021 em Portugal

O consumo de antidepressivos em Portugal tem vindo a aumentar desde 2019, segundo dados do Infarmed, que revelam que só em 2021 se venderam, em média, mais de 28 mil embalagens por dia

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Investigadores utilizam imagens raio-X para detetar infeções por Covid-19 "com precisão"

Os autores do estudo garantem que este método é 98% eficaz na identificação do novo coronavírus, sendo até mais rápido que os testes PCR

Telegrama

Telegrama: Os Jogos Olímpicos vão fazer a China grande de novo... outra vez?

Sociedade

Como os rituais de sono dos nossos antepassados podem ajudar-nos a dormir melhor

Só há algumas centenas de anos começou a ser comum dormir durante a noite inteira. Um historiador desmistifica algumas ideias associadas ao sono

Se7e
VISÃO sete

Rui Reininho ao som de taças e gongos, em Espinho

Rui Reininho regressa aos palcos para apresentar o seu disco a solo, “20 000 Éguas Submarinas”, neste sábado, 22, em Espinho