“O planeta não pode esperar mais”

Humildade. É isto que se sente quando se mergulha no meio de 12 gigantes cachalotes, o maior predador que alguma vez existiu no planeta. Este mergulho a norte da ilha de São Miguel, a seis milhas da costa, é a mais doce memória do biólogo Emanuel Gonçalves no meio que mais preza e onde se sente “num maravilhoso mundo à parte”: o oceano. Medo não sentiu nenhum, apesar de estes animais conseguirem destroçar um ser humano só com o impacto do seu sonar no nosso corpo. “É, em certo sentido, como estar com uma entidade alienígena: sei que têm capacidades cognitivas enormes, mas não conseguimos ainda conversar.”

Emanuel sabe bem do que fala. Faz uma média de 50 a 70 mergulhos anuais e é, na verdade, um dos grandes campeões do mar português: assume as funções de administrador da Fundação Oceano Azul, detentora do Oceanário, e vice-presidente do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente. Antes foi chefe-adjunto do grupo que elaborou a Estratégia Nacional para o Mar e coordenador do grupo da União Europeia que identificou as áreas marinhas ecologicamente significativas. 

Para ele, tudo começou numas férias de verão, passadas em família, no Portinho da Arrábida. Mal sabia nadar nessa altura, mas colocava óculos de mergulho para explorar o fundo do mar. “Desde então, sempre soube o que queria ser.”  Formou-se em Biologia e dedicou a vida à conservação. O impacto desastroso da ação do Homem nos oceanos, conhece-o bem. Vê-o, por exemplo, aqui, onde nasceu esta paixão. “No Parque Marinho Luiz Saldanha desapareceu tudo do que antes era uma pradaria marinha excecional.” Por isso, há uma década que trabalha com um grupo de investigadores que tenta recuperar a zona. “A boa notícia é que a Natureza responde, mas há um limite. Há danos irreparáveis, é muito difícil inverter estes processos. Por isso é tão importante preservar o que resta”, explica.

Recentemente, numa conferência, lançou à plateia uma provocação sob a forma de pergunta: “Será a Humanidade demasiado imatura para cuidar do planeta?” Quisemos saber a resposta: “Tenho alguma dificuldade em perceber como são ou não tomadas certas decisões. Já não temos a justificação das gerações anteriores, que prejudicaram o planeta por pura ignorância. Agora sabemos bem o que se passa e temos a informação necessária para agir. A responsabilidade é de todos, mas é muito superior de quem tem capacidade para fazer a diferença.” E esses são os cientistas e os políticos.

Como cientista, Emanuel Gonçalves está particularmente orgulhoso do papel da Fundação Oceano Azul: “Não nos substituímos aos governos, mas conseguimos juntar um conjunto de conhecimentos muito importantes, que nos permite apontar o caminho da mudança. Estamos a agir na educação, na conservação e a começar na área da economia.”

Entre estes projetos destacam-se a proteção daquela que foi, em tempos, a maior população mundial de cavalos-marinhos do mundo, na ria Formosa, ou a criação da Blue Azores, uma nova área de proteção marinha com 150 mil quilómetros quadrados. Mas a conservação, tal como ele a entende, não se esgota na proteção: deve ser encarada como “uma ferramenta para alavancar todo um novo capital económico”.

Acredita, por isso, que Portugal está no limiar de uma nova era, porque se levarmos em conta toda a área atlântica sob a nossa jurisdição, ganhamos recursos ao nível das grandes potências mundiais. Se o País quiser ser ambicioso, o passo seguinte seria o de criar um cluster de inovação e empreendedorismo, “um Silicon Valley da bioeconomia marinha. Temos os recursos e os centros de ciência marítima. Só falta direcionar esse conhecimento para a inovação e para o negócio”.

“O planeta não pode esperar mais”, insiste. “A pergunta que devemos fazer é a seguinte: ‘Será que esta atividade económica é compatível com o meio ambiente?’ Será com base na resposta que devemos decidir. Isto se quisermos continuar a viver aqui por mais uns tempos. Porque aqueles cenários futuristas onde vivemos em bolhas isoladas… Não vão acontecer. Muito antes disso, destruímos a sociedade humana.”

Conheça os principais factos e números sobre os oceanos que mais preocupam Emanuel Gonçalves.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Leia a VISÃO, VISÃO História, VISÃO Júnior, VISÃO Saúde, Jornal de Letras, Exame, Courrier Internacional,  Activa e Exame Informática por apenas €9,90 /mês

LEITURA PARA TODOS

ASSINE

Relacionados

Oceano de Esperança

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Oceano de Esperança

Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Os números e os factos que mais preocupam Emanuel Gonçalves, um dos maiores especialistas mundiais nos oceanos

Mais na Visão

Mundo

Nova tragédia na família Kennedy: sobrinha-neta do ex-Presidente americano encontrada morta. Filho continua desaparecido

Maeve Kennedy, 40 anos, e o seu filho, Gideon, de apenas 8, desapareceram na última semana depois da família se ter mudado para outra propriedade onde cumpriam isolamento devido à pandemia da Covid-19. O corpo da mulher já foi encontrado. As buscas prosseguem no local

Sociedade

Covid-19: Vogue Itália com capa de abril em branco em homenagem às vítimas da pandemia

Pela primeira vez, em mais de 100 anos de história, a Vogue Itália apresenta uma capa completamente branca em homenagem a todos aqueles que diariamente ajudam o Mundo a recomeçar e a escrever uma nova página

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

Farta Assembleia Pobre Eurogrupo

A púdica Holanda a achar que a indecorosa Itália não merece um tostão. Ela que se amanhe. Ela, Itália, e a pandilha do Sul.

Política

Football Leaks: Rui Pinto colocado em prisão domiciliária

Rui Pinto, criador do Football Leaks e autor das revelações do caso Luanda Leaks, que estava em prisão preventiva desde 22 de março de 2019, foi hoje colocado em prisão domiciliária

Edição Impressa

Assintomáticos: O perigo do contágio silencioso

Sucessivos estudos têm vindo a mostrar que a parte mais significativa da transmissão do novo coronavírus acontece através de pessoas que não manifestam qualquer sintoma. Mas estão doentes e podem contagiar quem com elas se cruze. Será o uso generalizado de máscaras o fator decisivo para travar este inimigo invisível?

Ganhar dinheiro a olhar para um ecrã (ou para vários)
Mundo

Covid-19: Aplicação europeia propõe-se avisar utilizador se alguém com quem esteve em contacto testar positivo

A aplicação gera um código e os dados a que esta tem acesso são armazenados temporariamente no telemóvel. Se os utilizadores testarem positivo para o vírus, a aplicação alerta as pessoas com quem esteve em contacto nos dias anteriores

Sociedade

O caso dos dois belgas "apanhados" pelo estado de emergência que os deixou presos no Tejo

Há um veleiro no rio, um único, que pode avistar-se da Praça do Comércio, se os olhos forem de lince. Lá dentro, há dois belgas, impedidos de pisar terra firme há quase um mês, por causa do estado de emergência

Startups portuguesas Covid-19 Exame Informática
Mercados

Organização Mundial de Saúde adota ferramenta portuguesa para combater Covid-19

A ADAPTT Surge Planning Support Tool foi desenvolvida pela Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares e pela Glintt

Mundo

Covid-19: A reabertura de Wuhan vista nas redes sociais

A cidade de Wuhan, na China, levantou as restrições às viagens, esta quarta-feira, depois de 76 dias fechada, como medida de contenção do novo coronavírus. Para celebrar a reabertura, os habitantes foram contemplados com um espetáculo de luzes, captado por alguns utilizadores das redes sociais

redes lora Exame Informática
Exame Informática

Câmara de Lisboa vai lançar uma rede grátis para a população

O município lisboeta conta concluir o processo de escolha da empresa que vai instalar e gerir a futura rede LoRa ainda no primeiro semestre de 2020

Exame
Exame

Covid-19: Hotelaria deverá ter 51 mil trabalhadores em lay-off em abril

Quebra nas receitas deverá superar os 1,4 mil milhões de euros. Um segundo inquérito aos hoteleiros nacionais revela que 80% das unidades prevêem manter estabelecimentos fechados até maio

Exame Informática
Jogos

Sony apresenta comando para PS5

O DualSense aposta em feedback háptico para uma maior sensação de imersão e tem um microfone embutido para conversas sem headset