Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Emanuel Gonçalves, biólogo e administrador da Fundação Oceano Azul, inaugurou a nova rubrica na VISÃO, Oceano de Esperança, dedicada a pessoas e organizações excepcionais que fazem a diferença para criar um planeta e um futuro mais sustentáveis. Pedimos-lhe para partilhar com os leitores os números e os factos que mais o preocupam.

1. Modelo de desenvolvimento económico. A maior ameaça que o oceano enfrenta é o nosso atual modelo de desenvolvimento económico que se baseia numa economia extrativa e no essencial baseada em sistemas lineares, onde os custos de degradação e os benefícios indiretos da natureza não são contabilizados. Isto leva a uma situação em que, para que haja desenvolvimento económico, exista degradação ambiental. Este modelo de desenvolvimento económico extrativo e que carboniza está a levar-nos a uma catástrofe ambiental, social e económica.

2. Aquecimento global. O oceano está a aquecer muito mais do que se pensava, absorvendo até 90% do excesso de calor produzido pelas emissões. Ao mesmo tempo está a acidificar com o excesso de CO2 absorvido e, soubemos agora com o recente relatório da IUCN, a ficar com bastante menos oxigénio. Estes fatores estão a aumentar as zonas mortas no oceano, a fazer desaparecer os recifes de coral, a alterar a distribuição das espécies, incluindo de muitos recursos pesqueiros, a diminuir o espaço vital que estas espécies normalmente utilizavam e a provocar um acelerar da extinção de espécies.

3. Sobre-pesca e falta de transparência na gestão pesqueira. Não conseguimos ainda controlar a sobre-exploração dos recursos pesqueiros nem as atividades de pesca ilegal. Esta sobre-pesca tem levado ao desaparecimento ou diminuição de muitos stocks pesqueiros a nível mundial, com alterações profundas nos sistemas oceânicos. Hoje tenta-se inclusivamente explorar recursos críticos para o funcionamento das teias tróficas do oceano como sejam o krill (pequenos camarões que são a base alimentar de muitos peixes, mamíferos marinhos, aves e invertebrados) e os peixes mesopelágicos (pequenos peixes que abundam na coluna de água no oceano aberto). É já menos de 12% a área do oceano global que pode ser classificada com estando intacta. Isto significa que temos menos área marinha intacta do que em terra, sendo que a maioria destes locais não têm qualquer estatuto de proteção.

4. Poluição. O nível de poluição no oceano continua a aumentar embora este assunto esteja longe da atenção da sociedade. Por um lado, temos a poluição orgânica das mega-cidades mundiais e dos sistemas agrícolas onde, mesmo nos países desenvolvidos, os sistemas de tratamento de efluentes não retiram muitos dos nutrientes que provocam fenómenos de eutroficação que estão na base do desenvolvimento de episódios de algas tóxicas, zonas mortas e impactos significativos nos sistemas biológicos ou mesmo nos sistemas de aquacultura costeira (ela também muitas vezes causadora destes fenómenos). Por outro lado, a poluição química derivada dos muitos produtos que utilizamos e que são despejados nos efluentes e no oceano, causam a morte ou stress fisiológico dos organismos marinhos. Na última década tomámos consciência que a poluição por plásticos está em todo o lado no oceano, nos organismos e em nós próprios. Por fim, a poluição sonora de que nos apercebemos também nas últimas décadas, e que hoje sabemos tem impactos no comportamento, fisiologia e distribuição de muitas espécies marinhas.

5. Destruição de habitat. Continuamos a perder habitats costeiros que são críticos para a mitigação das alterações climáticas e para a produtividade do oceano, como sejam os sapais, pradarias marinhas e mangais. Continuamos igualmente a destruir os fundos dos oceanos através de formas de pesca destrutiva, extração de inertes, obras costeiras e até agora a planear a mineração dos fundos marinhos para a qual não existe nenhuma evidência que possa ser desenvolvida de forma sustentável.

6. Exploração de petróleo e gás no offshore. A indústria de petróleo e gás continua a desenvolver atividade no offshore com consequências desastrosas para o clima, pois continuamos a aumentar as emissões de gases com efeito de estufa, mas também com consequências diretas significativas no oceano quer nos acidentes de poluição por hidrocarbonetos, na destruição dos fundos marinhos e na atividade de prospeção sísmica que tem impacto elevado nas espécies de baleias e golfinhos, por exemplo.

7. Apatia dos cidadãos. Para terminar, é preciso assinalar uma ameaça bastante menos discutida e que tem consequências críticas para o estado de saúde do oceano (e do planeta em geral): o facto de se assistir hoje a uma dicotomia entre, por um lado, a mobilização dos movimentos de cidadãos que se preocupam com o futuro e que têm começado a surgir para reclamar uma alteração profunda do modelo de desenvolvimento económico em que as nossa sociedades se baseiam e em encontrar soluções para os problemas identificados e, por outro lado, a apatia geral que se observa onde se continua a assistir à destruição do oceano sem que a sociedade se consiga ainda mobilizar de forma eficaz para combater as decisões erradas dos governos, financiadores e empresas. É preciso agir.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Assine a VISÃO digital e receba a VISÃO Saúde, Edição Especial “70 Perguntas e Respostas sobre Saúde”, também em formato digital.

EM TEMPOS DIFÍCEIS É PRECISO TER VISÃO

ASSINE JÁ!

Relacionados

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Mais na Visão

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

Orçamento sem Bloco

Governar ao sabor da vontade política de outros partidos é demasiado inseguro, arriscado, e de futuro incerto. E tanto pior será, quanto maior a crise pandémica e económica

Visão Fest

“Com esta crise, teremos maior domínio das energias renováveis, incluindo o hidrogénio”

António Costa Silva e José Sá Fernandes debatem no VISÃO FEST verde o impacto que a pandemia terá na produção e consumo de energia, assim como na organização das nossas cidades, reclamando uma perspetiva otimista

Visão Fest

A última tarde de VISÃO FEST Verde

A seleção dos fotógrafos da VISÃO de alguns dos melhores momentos do evento que ocupou todo o fim de semana na Estufa Fria, em Lisboa

Visão Fest

António Zambujo: Tournées ecológicas e disco gravado em casa

Em jeito de encerramento do VISÃO FEST Verde, Zambujo interpretou o tema 'Terra', de Caetano Veloso, e falou dos planos para o futuro

Visão Fest

Inventar um mundo mais sustentável com vinagre ou eucaliptos? Sim, eles também têm um papel

No centro da estratégia de redução de resíduos eletrónicos e de um consumo mais sustentável pode estar a celulose, defendeu a cientista e investigadora Elvira Fortunato no VISÃO FEST Verde

Visão Fest

"A visão do ambiente como uma realidade lateral, incómoda e que suscita obstáculos ao desenvolvimento passou. E já passou há muito"

No encerramento do VISÃO FEST Verde, o Presidente da República salientou que o País tem a obrigação de utilizar os fundos europeus para assegurar a transição energética e conseguir avanços estruturais em que o ambiente seja o tema central, sob pena de ter termos uma “oportunidade perdida”

Visão Fest

"Não tenho a intenção de procurar um planeta B que seja habitável por nós"

A astrofísica molecular Clara Sousa e Silva alertou, no VISÃO FEST Verde, para a importância de cuidar da Terra porque, apesar de ser possível encontrar outros planetas habitados ou habitáveis, eles não estarão preparados para acolher vida humana

Visão Fest

"A Natureza só nos dá lucro quando a destruímos"

O planeta está a queixar-se do que lhe fazemos, disso ninguém duvida. Mas os convidados de Capicua sentem a urgência da mudança de outra forma e mostraram-no neste painel do VISÃO FEST Verde

Visão Fest

"Estar vivo é uma improbabilidade estatística". As imagens comoventes e poderosas do fotógrafo Joel Santos

As imagens que saem da lente de Joel Santos têm o poder de comover quem as olha. Cada fotografia é como uma prova que Homem e Natureza são um, de que não possuímos o Mundo, somos, sim, parte dele

Mundo

Covid-19: Casa Branca admite que EUA não poderão controlar pandemia por ser tão contagiosa

A Casa Branca admitiu hoje que os EUA não poderão controlar a pandemia por ser tão contagiosa, numa mudança à postura de minimização da gravidade da crise

Visão Fest

"Já estão a existir alterações no Oceano que, se nada for feito, daqui a uma ou duas décadas terão custos enormes"

O biólogo marinho José Xavier estuda a vida na Antártida a fim de tentar perceber como será a vida na Terra dentro de algumas décadas. No VISÃO FEST Verde, alertou para o impacto da subida do nível do mar e a presença de microplásticos nas cadeias alimentares mais remotas do Planeta

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Portugal volta a atingir novo máximo de internamentos

Portugal registou hoje um novo recorde de internamentos desde o início da pandemia de covid-19, com 1.574 pessoas hospitalizadas e 230 em unidades de cuidados intensivos, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS)