Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Emanuel Gonçalves, biólogo e administrador da Fundação Oceano Azul, inaugurou a nova rubrica na VISÃO, Oceano de Esperança, dedicada a pessoas e organizações excepcionais que fazem a diferença para criar um planeta e um futuro mais sustentáveis. Pedimos-lhe para partilhar com os leitores os números e os factos que mais o preocupam.

1. Modelo de desenvolvimento económico. A maior ameaça que o oceano enfrenta é o nosso atual modelo de desenvolvimento económico que se baseia numa economia extrativa e no essencial baseada em sistemas lineares, onde os custos de degradação e os benefícios indiretos da natureza não são contabilizados. Isto leva a uma situação em que, para que haja desenvolvimento económico, exista degradação ambiental. Este modelo de desenvolvimento económico extrativo e que carboniza está a levar-nos a uma catástrofe ambiental, social e económica.

2. Aquecimento global. O oceano está a aquecer muito mais do que se pensava, absorvendo até 90% do excesso de calor produzido pelas emissões. Ao mesmo tempo está a acidificar com o excesso de CO2 absorvido e, soubemos agora com o recente relatório da IUCN, a ficar com bastante menos oxigénio. Estes fatores estão a aumentar as zonas mortas no oceano, a fazer desaparecer os recifes de coral, a alterar a distribuição das espécies, incluindo de muitos recursos pesqueiros, a diminuir o espaço vital que estas espécies normalmente utilizavam e a provocar um acelerar da extinção de espécies.

3. Sobre-pesca e falta de transparência na gestão pesqueira. Não conseguimos ainda controlar a sobre-exploração dos recursos pesqueiros nem as atividades de pesca ilegal. Esta sobre-pesca tem levado ao desaparecimento ou diminuição de muitos stocks pesqueiros a nível mundial, com alterações profundas nos sistemas oceânicos. Hoje tenta-se inclusivamente explorar recursos críticos para o funcionamento das teias tróficas do oceano como sejam o krill (pequenos camarões que são a base alimentar de muitos peixes, mamíferos marinhos, aves e invertebrados) e os peixes mesopelágicos (pequenos peixes que abundam na coluna de água no oceano aberto). É já menos de 12% a área do oceano global que pode ser classificada com estando intacta. Isto significa que temos menos área marinha intacta do que em terra, sendo que a maioria destes locais não têm qualquer estatuto de proteção.

4. Poluição. O nível de poluição no oceano continua a aumentar embora este assunto esteja longe da atenção da sociedade. Por um lado, temos a poluição orgânica das mega-cidades mundiais e dos sistemas agrícolas onde, mesmo nos países desenvolvidos, os sistemas de tratamento de efluentes não retiram muitos dos nutrientes que provocam fenómenos de eutroficação que estão na base do desenvolvimento de episódios de algas tóxicas, zonas mortas e impactos significativos nos sistemas biológicos ou mesmo nos sistemas de aquacultura costeira (ela também muitas vezes causadora destes fenómenos). Por outro lado, a poluição química derivada dos muitos produtos que utilizamos e que são despejados nos efluentes e no oceano, causam a morte ou stress fisiológico dos organismos marinhos. Na última década tomámos consciência que a poluição por plásticos está em todo o lado no oceano, nos organismos e em nós próprios. Por fim, a poluição sonora de que nos apercebemos também nas últimas décadas, e que hoje sabemos tem impactos no comportamento, fisiologia e distribuição de muitas espécies marinhas.

5. Destruição de habitat. Continuamos a perder habitats costeiros que são críticos para a mitigação das alterações climáticas e para a produtividade do oceano, como sejam os sapais, pradarias marinhas e mangais. Continuamos igualmente a destruir os fundos dos oceanos através de formas de pesca destrutiva, extração de inertes, obras costeiras e até agora a planear a mineração dos fundos marinhos para a qual não existe nenhuma evidência que possa ser desenvolvida de forma sustentável.

6. Exploração de petróleo e gás no offshore. A indústria de petróleo e gás continua a desenvolver atividade no offshore com consequências desastrosas para o clima, pois continuamos a aumentar as emissões de gases com efeito de estufa, mas também com consequências diretas significativas no oceano quer nos acidentes de poluição por hidrocarbonetos, na destruição dos fundos marinhos e na atividade de prospeção sísmica que tem impacto elevado nas espécies de baleias e golfinhos, por exemplo.

7. Apatia dos cidadãos. Para terminar, é preciso assinalar uma ameaça bastante menos discutida e que tem consequências críticas para o estado de saúde do oceano (e do planeta em geral): o facto de se assistir hoje a uma dicotomia entre, por um lado, a mobilização dos movimentos de cidadãos que se preocupam com o futuro e que têm começado a surgir para reclamar uma alteração profunda do modelo de desenvolvimento económico em que as nossa sociedades se baseiam e em encontrar soluções para os problemas identificados e, por outro lado, a apatia geral que se observa onde se continua a assistir à destruição do oceano sem que a sociedade se consiga ainda mobilizar de forma eficaz para combater as decisões erradas dos governos, financiadores e empresas. É preciso agir.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Relacionados

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

PRECISAMOS DE SI, CARO LEITOR A INFORMAÇÃO INDEPENDENTE É UM PILAR DA DEMOCRACIA. APOIAR O JORNALISMO INDEPENDENTE É UM DEVER DE CIDADANIA.

É PRECISO TER VISÃO

ASSINE

Mais na Visão

Deputada do PAN partilha vídeo de “raposa a amamentar coalas órfãos”… que afinal são crias de raposa

Cristina Rodrigues publicou um vídeo que supostamente mostra um momento de ternura interespécies, na sequência dos incêndios da Austrália. Mas o vídeo já circula há seis anos e as crias não são coalas. Na verdade, as raposas chegam a subir às árvores para comer coalas bebés

Antiga estrela da NBA Kobe Bryant morre num acidente de helicóptero nos EUA

O americano Kobe Bryant, 41 anos, considerado um dos maiores jogadores de sempre da Liga Norte-Americana de Basquetebol morreu hoje na sequência de um acidente de helicóptero em Calabasas, na Califórnia

Estudo encontra consequência surpreendente de perder peso na meia idade Visão Saúde

Estes são os acontecimentos marcantes da nossa vida que nos fazem engordar

As variações de peso ao longo da vida são perfeitamente comuns, mas há circunstâncias específicas que pesam mais que outras

O fim do congresso do CDS em imagens

Rodrigues dos Santos afasta fantasma da extinção: "Não nos vamos diluir em nenhuma força política"

Depois de anos de abandono, o palácio da Arrábida que serviu de refúgio a Jackie Kennedy foi vendido por 50 milhões

Pertenceu a Vasco da Gama e à Rainha D. Maria II e, ao longo do século XX, foi casa de veraneio do Conde D'Armand e dos seus amigos da alta sociedade e realeza europeia. Agora vai ser a residência privada de um casal de milionários

Como os próximos Jogos Olímpicos vão ser os mais tecnológicos e sustentáveis de sempre

Tóquio vai ser a sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2020. O maior acontecimento desportivo do mundo promete ser o mais tecnológico e sustentável de sempre. E a prova de mais um renascimento do Japão

Visão Saúde

Caso suspeito de coronavírus sob observação em Lisboa com resultado negativo

Homem tinha regressado da China há pouco tempo e apresentada sintomas gripais

A longa noite do CDS em imagens

Foi uma verdadeira maratona: o primeiro dia do 28.º Congresso do CDS-PP, em Aveiro, terminou pouco antes das 4 da manhã, com o anúncio da moção vencedora

Tops por cima de camisas? Sim, senhora!

É uma tendência controversa que, como diz o ditado, primeiro estranha-se e depois entranha-se… Conheça as instagrammers que usam e abusam desta sobreposição de peças.

Se7e

"Bombshell – O Escândalo": Uma história pura de #MeToo no cinema

Roger Ailes, histórico diretor da Fox, implicado na prática de assédio, é a figura central de "Bombshell – O Escândalo". O filme, com três nomeações para os Oscars, já se estreou no cinema

Não há geringonças. Francisco Rodrigues dos Santos sucede a Assunção Cristas

Líder da JP obteve 671 votos, contra os 562 de João Almeida e os 209 de Filipe Lobo d'Ávila. Caminho até à presidência do CDS-PP passa a ser uma mera formalidade