Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Emanuel Gonçalves, biólogo e administrador da Fundação Oceano Azul, inaugurou a nova rubrica na VISÃO, Oceano de Esperança, dedicada a pessoas e organizações excepcionais que fazem a diferença para criar um planeta e um futuro mais sustentáveis. Pedimos-lhe para partilhar com os leitores os números e os factos que mais o preocupam.

1. Modelo de desenvolvimento económico. A maior ameaça que o oceano enfrenta é o nosso atual modelo de desenvolvimento económico que se baseia numa economia extrativa e no essencial baseada em sistemas lineares, onde os custos de degradação e os benefícios indiretos da natureza não são contabilizados. Isto leva a uma situação em que, para que haja desenvolvimento económico, exista degradação ambiental. Este modelo de desenvolvimento económico extrativo e que carboniza está a levar-nos a uma catástrofe ambiental, social e económica.

2. Aquecimento global. O oceano está a aquecer muito mais do que se pensava, absorvendo até 90% do excesso de calor produzido pelas emissões. Ao mesmo tempo está a acidificar com o excesso de CO2 absorvido e, soubemos agora com o recente relatório da IUCN, a ficar com bastante menos oxigénio. Estes fatores estão a aumentar as zonas mortas no oceano, a fazer desaparecer os recifes de coral, a alterar a distribuição das espécies, incluindo de muitos recursos pesqueiros, a diminuir o espaço vital que estas espécies normalmente utilizavam e a provocar um acelerar da extinção de espécies.

3. Sobre-pesca e falta de transparência na gestão pesqueira. Não conseguimos ainda controlar a sobre-exploração dos recursos pesqueiros nem as atividades de pesca ilegal. Esta sobre-pesca tem levado ao desaparecimento ou diminuição de muitos stocks pesqueiros a nível mundial, com alterações profundas nos sistemas oceânicos. Hoje tenta-se inclusivamente explorar recursos críticos para o funcionamento das teias tróficas do oceano como sejam o krill (pequenos camarões que são a base alimentar de muitos peixes, mamíferos marinhos, aves e invertebrados) e os peixes mesopelágicos (pequenos peixes que abundam na coluna de água no oceano aberto). É já menos de 12% a área do oceano global que pode ser classificada com estando intacta. Isto significa que temos menos área marinha intacta do que em terra, sendo que a maioria destes locais não têm qualquer estatuto de proteção.

4. Poluição. O nível de poluição no oceano continua a aumentar embora este assunto esteja longe da atenção da sociedade. Por um lado, temos a poluição orgânica das mega-cidades mundiais e dos sistemas agrícolas onde, mesmo nos países desenvolvidos, os sistemas de tratamento de efluentes não retiram muitos dos nutrientes que provocam fenómenos de eutroficação que estão na base do desenvolvimento de episódios de algas tóxicas, zonas mortas e impactos significativos nos sistemas biológicos ou mesmo nos sistemas de aquacultura costeira (ela também muitas vezes causadora destes fenómenos). Por outro lado, a poluição química derivada dos muitos produtos que utilizamos e que são despejados nos efluentes e no oceano, causam a morte ou stress fisiológico dos organismos marinhos. Na última década tomámos consciência que a poluição por plásticos está em todo o lado no oceano, nos organismos e em nós próprios. Por fim, a poluição sonora de que nos apercebemos também nas últimas décadas, e que hoje sabemos tem impactos no comportamento, fisiologia e distribuição de muitas espécies marinhas.

5. Destruição de habitat. Continuamos a perder habitats costeiros que são críticos para a mitigação das alterações climáticas e para a produtividade do oceano, como sejam os sapais, pradarias marinhas e mangais. Continuamos igualmente a destruir os fundos dos oceanos através de formas de pesca destrutiva, extração de inertes, obras costeiras e até agora a planear a mineração dos fundos marinhos para a qual não existe nenhuma evidência que possa ser desenvolvida de forma sustentável.

6. Exploração de petróleo e gás no offshore. A indústria de petróleo e gás continua a desenvolver atividade no offshore com consequências desastrosas para o clima, pois continuamos a aumentar as emissões de gases com efeito de estufa, mas também com consequências diretas significativas no oceano quer nos acidentes de poluição por hidrocarbonetos, na destruição dos fundos marinhos e na atividade de prospeção sísmica que tem impacto elevado nas espécies de baleias e golfinhos, por exemplo.

7. Apatia dos cidadãos. Para terminar, é preciso assinalar uma ameaça bastante menos discutida e que tem consequências críticas para o estado de saúde do oceano (e do planeta em geral): o facto de se assistir hoje a uma dicotomia entre, por um lado, a mobilização dos movimentos de cidadãos que se preocupam com o futuro e que têm começado a surgir para reclamar uma alteração profunda do modelo de desenvolvimento económico em que as nossa sociedades se baseiam e em encontrar soluções para os problemas identificados e, por outro lado, a apatia geral que se observa onde se continua a assistir à destruição do oceano sem que a sociedade se consiga ainda mobilizar de forma eficaz para combater as decisões erradas dos governos, financiadores e empresas. É preciso agir.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

Uma VISÃO mais completa

Assinar agora

Relacionados

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Mais na Visão

Sociedade

Ordem aprova alteração que exige mais do que licenciatura para exercer advocacia

A Ordem dos Advogados (OA) vai passar a exigir mais do que a licenciatura em Direito para que seja possível exercer advocacia, após uma alteração hoje aprovada em assembleia-geral da classe profissional

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Mais 1.023 infeções, sete mortes e internamentos nos cuidados intensivos abaixo dos 100

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 1.023 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, sete mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos, ficando o número de doentes em cuidados intensivos abaixo dos 100

Mundo

ONU aprova prolongamento da sua missão no Afeganistão por mais seis meses

O Conselho de Segurança prolongou a missão da ONU no Afeganistão até 17 de março, numa resolução em que também apela para os talibãs apresentarem um "governo inclusivo e representativo"

Google Exame Informática
Exame Informática

Novo sistema da Google pode ajudar a analisar raios-X

O sistema de machine learning ajuda na análise, prioriza as radiografias de tórax e pode ainda servir como resposta em ambientes de emergência

Mundo

Mantas à prova de fogo podem salvar a maior árvore do mundo e outras sequóias dos fogos da Califórnia

À medida que os incêndios na Califórnia, EUA, se alastram e se aproximam do Parque Nacional de Sequóias, os bombeiros avançaram com medidas para salvar as árvores gigantes milenares, onde entre elas se encontra a sequóia General Sherman, a maior árvore do mundo

Politicamente Correto

Carlos Moedas: Pode alguém ser quem não é?

As próprias boas propostas que Moedas tem (e algumas são, pelo menos, muito defensáveis) acabam por perder relevância no meio daquelas tolices

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Ministra da Saúde alerta que a máscara não é para deitar fora

A ministra da Saúde, Marta Temido, alertou hoje que a máscara deve ser mantida em espaços fechados ou onde não seja possível manter o distanciamento aconselhável, seguindo a recomendação dos próprios peritos

Sociedade

Escola a Compostar: Projeto quer impulsionar o movimento da compostagem em Portugal

O projeto “Escola a Compostar” vai realizar sessões práticas totalmente gratuitas, com o objetivo de conectar gerações de todo o País e ensiná-las a criar compostagem

Mundo

#DoNotTouchMyClothes: Mulheres afegãs protestam contra o código de vestuário imposto às estudantes universitárias

O regime Talibã decretou regras muito rígidas no que toca à presença das mulheres nas universidades. Agora, as mulheres afegãs respondem com uma campanha nas redes sociais, em que partilham fotografias com os seus vestidos tradicionais, cheios de cor. E dizem bem alto aos Talibãs: não toquem na nossa roupa

Política
Exclusivo

Um retrato em 15 momentos de Jorge Sampaio, o Presidente que tinha a coragem de chorar

Coube-lhe ser o Chefe de Estado na transição do milénio, uma época de radicais mudanças em Portugal e no mundo. O líder estudantil duro e indomável advogado dos presos políticos da ditadura era, também, um político que não escondia a emoção, as lágrimas e a humanidade. Um retrato em 15 momentos

Exame Informática
Exame Informática

Primeiras imagens da órbita mostradas pela Inspiration4

A missão do Space X que levou quatro civis ao espaço, teve as suas primeiras imagens divulgadas

Sociedade

Estes 5 países decidiram incluir a Covid-19 no quotidiano e deixar para trás uma vida com restrições

Com as taxas de vacinação a aumentar e a dificuldade económica de aguentar mais confinamentos, alguns países decidiram avançar e permitir aos seus cidadãos e aos estrangeiros que vivam as suas vidas de mãos dadas com a Covid-19