Menos de 12% dos oceanos estão intactos

Emanuel Gonçalves, biólogo e administrador da Fundação Oceano Azul, inaugurou a nova rubrica na VISÃO, Oceano de Esperança, dedicada a pessoas e organizações excepcionais que fazem a diferença para criar um planeta e um futuro mais sustentáveis. Pedimos-lhe para partilhar com os leitores os números e os factos que mais o preocupam.

1. Modelo de desenvolvimento económico. A maior ameaça que o oceano enfrenta é o nosso atual modelo de desenvolvimento económico que se baseia numa economia extrativa e no essencial baseada em sistemas lineares, onde os custos de degradação e os benefícios indiretos da natureza não são contabilizados. Isto leva a uma situação em que, para que haja desenvolvimento económico, exista degradação ambiental. Este modelo de desenvolvimento económico extrativo e que carboniza está a levar-nos a uma catástrofe ambiental, social e económica.

2. Aquecimento global. O oceano está a aquecer muito mais do que se pensava, absorvendo até 90% do excesso de calor produzido pelas emissões. Ao mesmo tempo está a acidificar com o excesso de CO2 absorvido e, soubemos agora com o recente relatório da IUCN, a ficar com bastante menos oxigénio. Estes fatores estão a aumentar as zonas mortas no oceano, a fazer desaparecer os recifes de coral, a alterar a distribuição das espécies, incluindo de muitos recursos pesqueiros, a diminuir o espaço vital que estas espécies normalmente utilizavam e a provocar um acelerar da extinção de espécies.

3. Sobre-pesca e falta de transparência na gestão pesqueira. Não conseguimos ainda controlar a sobre-exploração dos recursos pesqueiros nem as atividades de pesca ilegal. Esta sobre-pesca tem levado ao desaparecimento ou diminuição de muitos stocks pesqueiros a nível mundial, com alterações profundas nos sistemas oceânicos. Hoje tenta-se inclusivamente explorar recursos críticos para o funcionamento das teias tróficas do oceano como sejam o krill (pequenos camarões que são a base alimentar de muitos peixes, mamíferos marinhos, aves e invertebrados) e os peixes mesopelágicos (pequenos peixes que abundam na coluna de água no oceano aberto). É já menos de 12% a área do oceano global que pode ser classificada com estando intacta. Isto significa que temos menos área marinha intacta do que em terra, sendo que a maioria destes locais não têm qualquer estatuto de proteção.

4. Poluição. O nível de poluição no oceano continua a aumentar embora este assunto esteja longe da atenção da sociedade. Por um lado, temos a poluição orgânica das mega-cidades mundiais e dos sistemas agrícolas onde, mesmo nos países desenvolvidos, os sistemas de tratamento de efluentes não retiram muitos dos nutrientes que provocam fenómenos de eutroficação que estão na base do desenvolvimento de episódios de algas tóxicas, zonas mortas e impactos significativos nos sistemas biológicos ou mesmo nos sistemas de aquacultura costeira (ela também muitas vezes causadora destes fenómenos). Por outro lado, a poluição química derivada dos muitos produtos que utilizamos e que são despejados nos efluentes e no oceano, causam a morte ou stress fisiológico dos organismos marinhos. Na última década tomámos consciência que a poluição por plásticos está em todo o lado no oceano, nos organismos e em nós próprios. Por fim, a poluição sonora de que nos apercebemos também nas últimas décadas, e que hoje sabemos tem impactos no comportamento, fisiologia e distribuição de muitas espécies marinhas.

5. Destruição de habitat. Continuamos a perder habitats costeiros que são críticos para a mitigação das alterações climáticas e para a produtividade do oceano, como sejam os sapais, pradarias marinhas e mangais. Continuamos igualmente a destruir os fundos dos oceanos através de formas de pesca destrutiva, extração de inertes, obras costeiras e até agora a planear a mineração dos fundos marinhos para a qual não existe nenhuma evidência que possa ser desenvolvida de forma sustentável.

6. Exploração de petróleo e gás no offshore. A indústria de petróleo e gás continua a desenvolver atividade no offshore com consequências desastrosas para o clima, pois continuamos a aumentar as emissões de gases com efeito de estufa, mas também com consequências diretas significativas no oceano quer nos acidentes de poluição por hidrocarbonetos, na destruição dos fundos marinhos e na atividade de prospeção sísmica que tem impacto elevado nas espécies de baleias e golfinhos, por exemplo.

7. Apatia dos cidadãos. Para terminar, é preciso assinalar uma ameaça bastante menos discutida e que tem consequências críticas para o estado de saúde do oceano (e do planeta em geral): o facto de se assistir hoje a uma dicotomia entre, por um lado, a mobilização dos movimentos de cidadãos que se preocupam com o futuro e que têm começado a surgir para reclamar uma alteração profunda do modelo de desenvolvimento económico em que as nossa sociedades se baseiam e em encontrar soluções para os problemas identificados e, por outro lado, a apatia geral que se observa onde se continua a assistir à destruição do oceano sem que a sociedade se consiga ainda mobilizar de forma eficaz para combater as decisões erradas dos governos, financiadores e empresas. É preciso agir.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

ESTE VERÃO ASSINE A VISÃO, EM PAPEL OU DIGITAL, E RECEBA ATÉ SEIS MESES DE LEITURA GRÁTIS

PRECISAMOS DE SI: ASSINE!

ASSINE

Relacionados

Oceano de Esperança

“O planeta não pode esperar mais”

A Natureza responde até certo ponto – há danos irreparáveis. E por isso é tão importante preservar o que resta, explica o administrador da Fundação Oceano Azul, Emanuel Gonçalves. Este é o primeiro artigo de um projeto em parceria com a Rolex sobre pessoas e organizações excepcionais que trabalham para construir um planeta mais sustentável

Oceano de Esperança

Uma missão comum

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis

Mais na Visão

Sociedade

Explosões em Beirute: Primeiro-ministro diz que o país vive "verdadeira catástrofe"

O primeiro-ministro libanês afirmou hoje que o país está a viver "uma verdadeira catástrofe" e voltou a pedir a ajuda de todos os países e amigos do Líbano após as explosões de terça-feira em Beirute

Crónicas

Alice

Todas as nossas melhores fotografias vão acabar numa mesinha de cabeceira, junto a um copo de água com uma dentadura a boiar lá dentro, antes de serem embrulhadas na mortalha de algum jornal velho

Economia

De milhões a "tostões": como o património do BES foi vendido ao desbarato

Os ativos do Grupo Espírito Santo foram vendidos pelo Novo Banco e pela Rioforte como se nada valessem. Fundos abutres pagaram ninharias por hotéis, seguradoras e imóveis. Lucraram milhões, em negócios da China que prejudicaram acionistas e lesados do BES, enquanto o Novo Banco continua a sorver dinheiro público

Opinião

A dialéctica do racismo

A extrema-esquerda diz que a sociedade é racista. A extrema-direita afirma a pés juntos que não há racismo em Portugal. Afinal, o racismo, além de apresentar um histórico de pecado social demasiado longo, agora serve de mote para a luta na arena política

Sociedade

Beirute/Explosões: Mais de uma centena de mortos e 4.000 feridos - Cruz Vermelha

Mais de uma centena de pessoas morreram e mais de 4.000 ficaram feridas nas duas violentas explosões no porto de Beirute, de acordo com um novo balanço da Cruz Vermelha

Economia

António Mexia investe 24.535 euros no aumento de capital da EDP

O presidente do Conselho de Administração Executivo da EDP, com funções suspensas, António Mexia, subscreveu 7.738 ações, num investimento de 24.535 euros, no aumento de capital de mais de mil milhões de euros do grupo

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

Três QI políticos

Deveria ser mandatório, numa nação nuclear, nunca ter um débil com acesso ao botão

Sociedade

Cascais, refúgio da realeza, mas não desta vez?

A costa do sol e a famosa casa em tempos ocupada pela família real espanhola ficou de novo debaixo dos holofotes, mas apenas por breves momentos: do paradeiro do rei emérito nem sinal

Sociedade

Beirute/Explosões: Autoridades admitem tratar-se material explosivo em armazém

As violentas explosões que abalaram hoje o porto de Beirute, no Líbano, podem ter tido origem em materiais explosivos confiscados e armazenados há vários anos, disse um oficial de segurança libanês

Mundo

Fotos e vídeos mostram a violência da explosão em Beirute

Mais de uma centena de pessoas morreram e mais de 4.000 ficaram feridas nas duas violentas explosões no porto de Beirute, de acordo com um novo balanço da Cruz Vermelha

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Alemanha já na segunda vaga? Médicos acreditam que sim

A Alemanha identificou 879 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas e, de acordo com o sindicato dos médicos Marburger Bund, o país está a atravessar a segunda vaga da pandemia

TV E PODCASTS

O Rei Mago do Ocidente

Isabel Stilwell leva-nos a conhecer, em video e podcast, os lugares que marcaram a vida do rei D. Manuel I. De norte a sul de Portugal, dez lugares de aventura e crueldade, de riqueza e desgraça, de amor e ódio. 10º episódio