Rui Tavares Guedes

Rui Tavares Guedes

Diretor Executivo
Opinião

Líderes sob ameaça

Apesar da imagem de força e de união que Macron, Scholz e Draghi deram na deslocação à Ucrânia, todos eles têm agora as suas lideranças ameaçadas ou, no mínimo, sob grande pressão e desgaste interno

Telegrama

Telegrama: Um Watergate ainda tem força, 50 anos depois, para agitar um país e fazer cair um Presidente?

Porque razão, 50 anos depois, a palavra Watergate continua a ser tão poderosa, capaz de nos fazer sonhar com o melhor do jornalismo, a acreditar na resistência das instituições democráticas e até na coragem dos heróis solitários frente aos poderes obscuros?

Editorial

Isto só em Portugal! Ou talvez não...

Os serviços públicos estão esgotados. E pior: o cansaço alastrou também às lideranças políticas, que se mostram incapazes de ler os sinais da realidade

Opinião
Exclusivo

Consciência da fragilidade

O que não deixa de ser curioso é que o número que pode ter efeitos mais nefastos no nosso futuro coletivo acaba por ser aquele que, no presente, menos nos inquieta

Telegrama

Telegrama: O Ocidente vai conseguir manter-se unido durante uma "guerra longa" com Putin?

A guerra na Ucrânia, que muitos diziam que iria ser de três dias, parece cada vez mais longe de terminar. Já completou 100 dias e o contador não dá mostras de ir parar nos próximos 100, 200 ou 300… A duração da guerra passou a ser uma poderosa arma de guerra

Editorial

Insanidade furiosa

Em Portugal, há quem veja a discussão sobre a redução dos limites de velocidade nas cidades como uma bizarria – prova eloquente da falta de mundo existente em muitas das nossas elites

Telegrama

Telegrama: Quem tem culpa da catástrofe alimentar que ameaça o mundo?

Será que a guerra na Ucrânia é a única culpada por esta crise que o The Guardian teme que se possa transformar numa "catástrofe global"? Será que a crise alimentar global pode ficar resolvida se Moscovo levantar o bloqueio que mantém no Mar Negro às dezenas de navios carregados com toneladas de cereais?

Opinião
Exclusivo

O labirinto de Joe Biden

É ao nível interno que reside o maior problema de Biden. Por mais que ele faça, que prometa aos amigos ou ameace os inimigos, ninguém sabe por quanto tempo os EUA podem manter os seus compromissos

Telegrama

Telegrama: Vinte anos depois da independência, Timor-Leste vai virar-se para a China?

A China tem motivos para ficar feliz com o regresso da “grande figura política” Ramos-Horta à Presidência do “pequeno país localizado numa encruzilhada estratégica entre o Sudeste Asiático, o Oceano Pacífico e a Oceânia”, já que permite a Pequim “fazer avançar um pouco mais os seus peões no vasto jogo de Go regional, em que se tornou um dos principais jogadores”

Editorial

Cerrar fileiras para uma guerra longa

Apesar das demonstrações de unidade europeia e do “renascimento” da NATO, não se pode afirmar que o mundo está todo unido contra a Rússia

Opinião
Exclusivo

A vergonha do mundo

Por mais que nos custe admitir, a verdade é que, hoje, todos os temas são mais importantes no espaço mediático e mesmo na consciência de milhões de pessoas do que o Afeganistão. Por uma única e exclusiva razão: o Afeganistão representa uma das nossas maiores vergonhas coletivas, como Humanidade, das últimas décadas

Editorial

Salários em busca da dignidade

Não pagar às pessoas aquilo de que elas precisam para ter uma vida decente é uma opção que não pode ser vista apenas sob o ponto de vista económico – reflete, isso sim, uma conceção de vida e de sociedade

Telegrama

Telegrama: As longínquas Ilhas Salomão vão ser, depois da Ucrânia, o novo foco de tensão mundial?

Um dos acontecimentos mais importantes para o nosso futuro coletivo pode ter ocorrido, nos últimos dias, a mais de 13 500 quilómetros de distância de Kiev: a assinatura de um acordo de segurança entre a China e as Ilhas Salomão, que pode dar a Pequim, em teoria, a possibilidade de dominar militarmente o Pacífico Sul.

Opinião

O dinheiro compra tudo?

Cada vez mais vozes – até de políticos moderados – pedem a introdução de novos impostos para os super-ricos. Até lá, os milhões astronómicos vão comprando tudo – até o sentimento de impunidade de que gozam os novos “senhores do mundo”

Opinião

Macron vai conseguir estar à altura da vitória?

Os votos de 58,8% dos franceses salvaram a França e a Europa do desastre imediato. Depende agora de Emmanuel Macron que esse desastre seja derrotado para sempre e não apenas adiado

Telegrama

Telegrama: O declínio da Netflix e do streaming será inevitável?

Editorial

A grande resignação

A História não se repete? A capa da VISÃO, a 2 de maio de 2002. Agora, 20 anos depois, já não há “choque”, apenas se sente resignação – ou porventura, até, submissão

Editorial

O que fica quando desaparece o centro?

Se, para ganhar, Marine Le Pen precisa de ir buscar votos à extrema-esquerda, no atual contexto tal deixou de ser uma missão impossível

Editorial

Enfrentar o impensável

Um Programa de Governo pensado para o pós-pandemia pode ser também o mais acertado para tempos de guerra?

Opinião

O momento mais perigoso

Estamos no momento em que tanto pode ser plausível alcançar-se um acordo de cessar-fogo, e com isso evitar mais sofrimento entre civis, como também se pode perder essa oportunidade e o conflito escalar para outro patamar, saltar fronteiras e assumir proporções que, até há pouco tempo, considerávamos impensáveis

Telegrama

Telegrama: A guerra na Ucrânia é o princípio do fim da globalização e o início de uma nova ordem mundial?