Paulo Mendes Pinto

Paulo Mendes Pinto

CIÊNCIA DAS RELIGIÕES
Coordenador da área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona. Embaixador do Parlamento Mundial das Religiões e fundador da European Academy of Religions. É especializado em História das Religiões Antigas (mitologia e literaturas comparadas), mas dedica parte dos seus trabalhos a questões relacionadas com a relação entre o Estado e as religiões. Na área da Ciência das Religiões, é o responsável por diversos projectos de investigação, especialmente na relação entre as Religiões e a escola, assim como no desenvolvimento de uma cultura sobre as religiões como componente de cidadania. É ainda investigador da Cátedra de Estudos Sefarditas «Alberto Benveniste» da Universidade de Lisboa. É Membro do Conselho Consultivo da Associação de Professores de História. É director da Revista Lusófona de Ciência das Religiões. Recebeu a Medalha de Ouro de Mérito Académico da Un. Lusófona em 2013.
2020, com vírus

A.M.O.R. vs Ódio

Numa conceção humana e humanista de Deus, recordo como um monumento do que de melhor conseguimos fazer, a música A.M.O.R. do Pedro Abrunhosa. Plena e prenhe de sentido de dádiva, de compaixão, de amor, Pedro Abrunhosa conseguiu criar um poema perfeito na definição do divino

Paulo Mendes Pinto
2020, com vírus

“Crescei e multiplicai-vos, enchei e dominai a terra” ou, o vírus

Saímos do equilíbrio dos ecossistemas, dominando-os, alterando-os, usando a Terra como simples fonte de matéria-prima e de energia, e hoje somos postos em causa com um dos mais pequenos instrumentos que os equilíbrios naturais criaram, um vírus

Paulo Mendes Pinto
2020, com vírus

O caminho para o frio Norte

Para quem está confinado, em casa, esta primavera é como que um longo outono. Não que o tempo seja cinzento, mas porque ficamos num tempo suspenso, alheados do tempo. Se não alheados, pelo menos impossibilitados de com ele nos pormos em comunhão

Paulo Mendes Pinto
2020, com vírus

Aberta a Era do atravessar para o outro lado da rua

Aquilo que antes era apontado como forma de ofender, atravessar a rua para não se cruzar com alguém, é hoje afirmação de consciência, face aos inconscientes que seguem em frente e quase roçam no casaco do outro

Paulo Mendes Pinto
Opinião

Para “Toda a Espécie”: A Pandemia como fenómeno mental

O conceito de pandemia é o mais democrático que podemos imaginar. “Todo o Povo” (παν + δήμος) é, literalmente, todo o universo de possibilidades em que nenhum grupo ou ninguém poderá afirmar estar de fora. Mais uma vez, uma epidemia tem também o horror ao vazio

Paulo Mendes Pinto
Opinião

Quando se quebra o verniz ou os perdidos do Processo Civilizacional

A Marega e aos Maregas que diariamente enfrentam uma sociedade que ainda se gere pela força

Paulo Mendes Pinto
A Espiritualidade Laica
Opinião

A Espiritualidade Laica

A propósito da conferencia de Luc Ferry em Serralves, no Ciclo Arte e Espiritualidade. Este texto é dedicado ao Pedro Abrunhosa, Irmão em ideias, pela Fraternidade de estarmos os dois neste projeto

Paulo Mendes Pinto
O pensamento e a palavra como pré-escrita
Opinião

O pensamento e a palavra como pré-escrita

Mais que uma cultura, somos uma civilização da escrita, seja ela para exprimir emoções, para desenvolver pensamento e especulação, ou seja mesmo na dimensão da factualidade, da descrição, ou até da prova. Do mais espiritual ao mais material, tudo no nosso mundo se espraia na escrita

Paulo Mendes Pinto
A Liberdade Religiosa e a liberdade do religioso - a dádiva
Bolsa de Especialistas

A Liberdade Religiosa e a liberdade do religioso - a dádiva

Obviamente, tal como o religioso, qualquer ele que seja, tem liberdade para me tentar converter, pondo-me à frente um quadro que para ele é a perfeição, também qualquer pessoa tem a liberdade para dizer “não” e essa recusa ser respeitada sem recurso a qualquer forma de pressão

Paulo Mendes Pinto
Opinião

«People I saw but never met», o desafio humano de Zadok Ben-David

Zadok apresenta uma magistral e desconcertante canção minimalista sobre a Humanidade. Ao longe, antes de entrar na sala onde se desenrola o centro da sua exposição, com umas 4000 figuras humanas, tudo parece igual, sem grande ou significativa individualidade. Mas após algum olhar mais atento, somos desarmados com uma avassaladora individuação de cada figura

Paulo Mendes Pinto
Bolsa de Especialistas

Homo Sapiens Indiferens

No telemóvel, mostrou-me um vídeo de poucos segundos. Não sei se trinta, ou menos. Mas a visualização foi horrorosamente longa. Dolorosamente nítida, ao ponto de se perceberem as estrias na superfície das larvas que comiam as costas de um jovem

Paulo Mendes Pinto
A doença e o espírito, ou o caminho de uma demonização social
Bolsa de Especialistas

A doença e o espírito, ou o caminho de uma demonização social

O horizonte dos exorcismos é, de facto, um mundo teológico levado ao limite: não é por acaso que é no final de um exorcismo por si efectuado que Jesus tem uma das suas afirmações mais duras nesta separação entre o bem e o mal

Paulo Mendes Pinto
Impressões obviamente imprecisas. São Paulo: a cegueira e o olhar
Bolsa de Especialistas

Impressões obviamente imprecisas. São Paulo: a cegueira e o olhar

Só consigo escrever agora ao fim de vários anos. Antes, não tinha palavras, só imagens brutais. Imagens de dezenas de crianças e jovens, não mais velhos que o meu filho que então era adolescente. Não eram pessoas, nem sequer eram bichos. Eram corpos famintos e, alguns, ensanguentados de uma qualquer luta por coisa nenhuma, com uns calções e um cobertor enrolado ao corpo

Paulo Mendes Pinto
Multi-culturas: o bacalhau na união da Turquia e do Brasil no Porto
Bolsa de Especialistas

Multi-culturas: o bacalhau na união da Turquia e do Brasil no Porto

No computo geral, os imigrantes já fazem com que a Segurança Social tenha um saldo positivo... Sem eles, eu nunca viria a ter reforma - tal como os radicais que os que os apontam como um mal.

Paulo Mendes Pinto
Impressões obviamente imprecisas.  S. Paulo: e Salomão desceu à terra... num templo cristão
Bolsa de Especialistas

Impressões obviamente imprecisas. S. Paulo: e Salomão desceu à terra... num templo cristão

Paulo Mendes Pinto
Impressões obviamente imprecisas.  Brasília: o sangue vermelho como alcatrão do branco pensado
Bolsa de Especialistas

Impressões obviamente imprecisas. Brasília: o sangue vermelho como alcatrão do branco pensado

Brasília é o Brasil a tentar fugir de si mesmo, lançando-se numa ilha que parece nada ter de si. Apenas a terra vermelha, qual imagem do homem que vai circulando pela cidade, qual estranho em casa

Paulo Mendes Pinto
A Liberdade Religiosa e a liberdade do religioso - a dádiva
Bolsa de Especialistas

As Religiões e o Estado, ou para um questionamento dos fundamentalismos

Que poder deve ter um religioso para dizer se um “outro” pode, ou não, fazer uma interrupção voluntária da gravidez? Levemos o exemplo pelo viés do quase absurdo: se, pela lei, uma cidadã puder fazer um aborto, isso implica que as religiosas são obrigadas a também abortar? Mais uma vez, confunde-se Direito Civil com a medieval noção de Cristandade: nada pode sair fora dela e tudo o resto deve ser extirpado. Uma reflexão no "Dia Mundial da Religião"

Paulo Mendes Pinto
O sentido da Espuma
Bolsa de Especialistas

O sentido da Espuma

Sobre o livro 'Desfazer da Espuma', de Pinto Sancho

Paulo Mendes Pinto
Regressar ao indígena que somos?
Bolsa de Especialistas

Regressar ao indígena que somos?

O que não queremos surge no nosso dia-a-dia e tem de ser, não afastado, não combatido ou aniquilado, tem de ser “harmonizado” como parte do mundo que é. Não há lutas, nem exteriores nem interiores. Há procura de harmonia, mesmo entre o que surge como mau.

Paulo Mendes Pinto
Diz a História que os cristãos odeiam os judeus. Será?
Bolsa de Especialistas

Judaísmo, identidades e pré-conceitos: Uma leitura através de Mikhail Petrovich Artzybashev

Com ou sem religiões, parece que cada vez temos menos laços, menos ligações significativas aos outros que nos façam, perante uma luta inevitável, afirmar que a paz vale mais

Paulo Mendes Pinto
Morrer e ressuscitar, ou o suicídio dos portugueses através de Unamuno
Bolsa de Especialistas

Morrer e ressuscitar, ou o suicídio dos portugueses através de Unamuno

Este texto de Unamuno é isso mesmo: uma excelente forma de cada um de nós se levar ao confronto consigo mesmo através de aspectos de identidade colectiva

Paulo Mendes Pinto