Miguel Araújo

Miguel Araújo

MÚSICO
Crónicas
Exclusivo

O Navio de Teseu

Opinar com veemência é atentar contra esta fluidez evidente. Uma crença profunda aprofunda uma profunda descrença na vida

Crónicas
Exclusivo

O Homem Mais Alto do Mundo

Aquela visão no Luna Park é mais um daqueles mistérios insondáveis que não ouso compreender em que, nalguns momentos, o passado e o futuro falam um com o outro de igual para igual

Crónicas
Exclusivo

O alçapão das ideias

As pessoas das ideias não sabem sequer como tirar o talão do estacionamento do edifício onde se pode registar uma patente, quanto mais criar uma empresa

Crónicas
Exclusivo

A questão das visualizações do YouTube

A visualização conta logo, mesmo antes de a “vítima” clicar naquela coisa ali em baixo que diz “saltar anúncio”

Crónicas
Exclusivo

Atílio e os números

O primeiro prémio não saiu. Saiu em Antuérpia, alguém que sonhou mais, sonhou melhor, com uma mais certeira e abençoada sequência numérica

Crónicas
Exclusivo

Aos Quarenta e Três

...e eu, aqui, a dias de fazer 43 anos e a adiar abrir capots e cartas, de calções e chinelos, e sem ler jornais, sem livros de lombada grossa, sem perfume, sem relógio, sem escritório, sem uísque, sem pasta nem fato, sem firma nem escritório

Crónicas
Exclusivo

Coca-Cola e Brigitte Bardot

A poesia, a arte, a sublimação das inquietações de cada um através destes preciosos e misteriosos nacos de melodia e palavras de três minutos e meio, não se procura. Talvez se encontre, mas não se procura

Crónicas
Exclusivo

As mulheres e os homens

Será que os nossos filhos vão seguir as pisadas dos pais? Ou vão ser uns meninos da mamã, a fumar à mesa enquanto auscultam nos telemóveis a cotação das bitcoins (...)?

Crónicas
Exclusivo

Sapato de fivela em Porches

Esta história foi-me contada na primeira pessoa pelo sapato, por esse sapato. Tinha sido transportado até ali na boca dum cão abandonado. Um cão de muitas raças e portanto de nenhuma

Crónicas

Velho eremitão

Nunca me deu para brincar, dava-me sim para ficar a olhar para as coisas e hoje em dia é igual, não entendo sequer o porquê de as pessoas se aborrecerem de estar sozinhas

Crónicas

4 anos

Eu não sou contra nada. Sou a favor, em determinados momentos. Mas não me comprometo com grandes opiniões, opiniões grandes. Concordo com todos os pontos de vista, que é como dizer que não me comprometo com nenhum

Crónicas

Emília

Emília vai entornando para dentro do seu caderno de folhas com cheiro aquilo que só se vê dali, só se pode ver dali, do alto de um terceiro andar; as ideias vão ficando por ali como que num longo processo de digest

Crónicas

O meu 2020

Lambuzei-me nas coisas que gosto de fazer, nas quais me sinto útil, fértil. Gravei, escrevi, regravei, apaguei, reescrevi. Passei todo o tempo com a minha família e para passar tempo com as coisas (...) de que se gosta é preciso tempo

Crónicas

A manhã de Sónia

A Sónia, de dez em dez segundos, a avivar o telemóvel com um golpe rápido e automático de polegar oponível, e nada, nenhuma mensagem, chamada, nada, que é do Gusto?

Crónicas

Achei terrível andar na escola

A minha vida começava no fim de cada ano letivo. A minha vida começou no fim de todos os anos letivos

Crónicas

O guarda-chuva do banco da Igreja Matriz de Ermesinde

Conheço bem essas casas, conheço bem essas jarras onde repousam os guarda-chuvas. Nasci numa dessas casas

Crónicas

Dixie Flyer

Vejo maior interesse nas conversas, nos noticiários, nos debates, nos murais, nas morais, nas eleições americanas do que noutras. Porque nós brincávamos aos índios e aos caubóis, não brincávamos aos descobrimentos

Crónicas

Retratos da paisagem

Passa a senhora de cabelo cor de orangotango, e ali está um cidadão bastante impenetrável, anda de uniforme antissonda, a minha antena não penetra

Crónicas

Os braços engessados do Sérgio Mendes

O Jobim padecia de nostalgia. Se a natureza chegou ao ponto de permitir que o macaco nu, na sua marcha inexorável de progresso, lhe meta as patas peludas nas moléculas mais ínfimas, ela lá saberá

Crónicas

Rosa Irene 2 (fim)

A camioneta despejou os indesejados viajantes em Champigny-sur--Marne, uma aldeia em lata. Compensava. No apeadeiro estava a tia Olga Irene, num automóvel que serviria como portal mágico de acesso à Paris dos livros do tio Ernesto

Crónicas

Rosa Irene 1

Aos 17 anos, anunciou que iria para Paris. Ai que desonra para a família, pensas que Paris é já aqui, Paris fica mais longe daqui do que este fim do mundo fica do mundo