Manuela Niza Ribeiro

Migrações
Igualmente desiguais

Ó patego, olha a bola

A questão dos Direitos Humanos no Qatar não surgiu com o Mundial, nem agora que começou nem quando foi esse o país escolhido para o evento. Ele tem décadas de silêncio internacional! Décadas de olhares para o lado, de fingimento e de esquecimento

Igualmente desiguais

As fortunas dos outros

Nos poucos meses que leva, o conflito alavancou a economia norte-americana, fez florescer a indústria do armamento, criou fortunas. Os únicos a quererem desesperadamente o fim das hostilidades são os que lhe sofrem as consequências sem terem qualquer papel na definição de políticas ou qualquer hipótese de decisão

Igualmente desiguais

Mais vale um SNS na mão que um Twitter a voar

Somos um país com poucos recursos, onde nem tudo corre pelo melhor, onde a burocracia impera e ainda está imbuída dum certo espirito da “antiga Senhora”, duma certa propensão para a esgrima dos pequenos poderes. Mas o que nos falta em todas essas áreas, e sobretudo o que nos falta em termos de receitas, sobra-nos, extravasa-nos, em humanismo e noção de solidariedade

O “excesso” de turismo
Igualmente desiguais

Chapeladas

Eu, como tantos outros, lembro-me de ter sido uma “piegas” tremenda quando fiquei sem subsídios, sem feriados e tive como empatia, da parte do então governo, duas frases lapidares : “aguentem-se!” e “emigrem”

Igualmente desiguais

Administração Pública e a história de um clip

Não há gente a mais na administração pública. O que há são muitos chefes e poucos índios

Igualmente desiguais

O fim da inocência

A forma de pensar dum russo é baseada na estrutura do jogo de xadrez e no desenho de cenários possíveis para cada problema, desde as questões mais comezinhas até às situações de guerra

Igualmente desiguais

48 horas para mudar a vida

Imagine que tem vinte e quatro horas para deixar para trás toda a sua vida e fazer-se à estrada sem destino perfeitamente definido. Este exercício de imaginação poderá converter-se numa realidade que nos bata à porta em poucos anos

Igualmente desiguais

O espelho do tempo

A Itália fechará as portas à imigração. Mas qual será o destino dos milhares de refugiados e requerentes de asilo, que ali permanecem a aguardar uma solução? Serão enviados de volta aos seus próprios países?

Igualmente desiguais

Putin e a máquina de terror

As ameaças ao recurso a armas nucleares, ou a uma escalada da guerra que envolva as centrais nucleares, existentes sobretudo na Ucrânia, acontece sempre que a Rússia perde terreno para o seu adversário

Igualmente desiguais

Patrimónios de segurança

Não querendo ser o arauto da desgraça, temo bem que estejamos no limiar duma grande ofensiva, já não apenas em relação à Ucrânia, mas a toda a Europa. Aliás, a crise energética e as suas consequências são exemplo disso mesmo

Igualmente desiguais

'Winter is coming'

Receio que seja agora que a opinião pública se revolte e inverta a sua posição face ao conflito e que os partidos, sobretudo de extrema direita, apoiados pelo regime do Kremlin (Lenine rebola-te na tumba!!), ganhem novo fôlego

Igualmente desiguais

LGBTQ+ : Os que nos são (in)diferentes

Numa perspetiva humanista e de inclusão, dever-se-ia dar uma atenção especial a este grupo que, no meio do horror das guerras, dos campos de refúgio, das recolocações, arrasta, para além de tudo o mais, o estigma e o opróbrio de serem “diferentes”

Igualmente desiguais

De olhos bem fechados

Numa época em que a comunicação social e as redes são poder, em que a opinião pública pode fazer a diferença, para o bem ou para o mal, esta é uma situação que tem que ser denunciada e partilhada pelo maior número de pessoas

Igualmente desiguais

Portugal é número 1 no Índice de Liberdade Moral

Perante um caso isolado, duma atitude individual que só vincula e deveria envergonhar quem a tomou, há logo um coro de vozes que se levanta dizendo que Portugal é um país xenófobo, racista, com resquícios de colonialismo

Quem são e o que trazem à sociedade os estrangeiros que têm adotado o nosso país?
Igualmente desiguais

Levanta e sai

As alterações feitas à Lei de Estrangeiros agora aprovada vêm dar um sinal claro de que Portugal olha para a imigração com uma mais valia e não como um eterno e pressuposto crime

galeria jcc wpp 7
Igualmente desiguais

Miseravelmente desumanos

Poderão alegar que ao acolhermos estes náufragos da vida estamos a fazer o jogo dos traficantes. Mas não é abandonando-os que combatemos o tráfico! Tudo o que conseguimos é, isso sim, vitimizar duplamente quem já tudo perdeu

Igualmente desiguais

O fogo de Ceilão

Perante as imagens de jovens deliciando-se na piscina do Palácio Presidencial, várias podem ser as leituras. Alguns dirão que são atos de vandalismo e verão no roubo de alguns objetos apenas a pilhagem pura e simplesmente condenável

Igualmente desiguais

A Europa está a congelar?

A minha geração lembra-se bem dos campos de trigo, no Alentejo a perder de vista, mas também na Beira Alta mais pequenos, mas dourados ao sol. Possivelmente não seriam o suficiente para uma total autonomia cerealífera, mas deixava-nos sem dúvida numa situação bem mais confortável

Igualmente desiguais

De Herodes para Pilatos

É urgente que os maus tratos e a negligência contra crianças e jovens, à semelhança do que acontece com a violência doméstica, se torne um crime público, perfeitamente individualizado

Igualmente desiguais

Mulher: uma condição perigosa

Morrer em consequência dum tiro, uma bomba… pode não ser imediato mas é “natural” dentro da anormalidade do que significa uma guerra. Uma violação, uma mutilação é algo que mata aos poucos, que fica com a vítima até ao final da sua vida

Igualmente desiguais

De médico e poeta...

Ouvi o sr. bastonário explicar muito bem que o problema não está na Ordem dos Médicos, mas nos requisitos das Faculdades de Medicina. Mas então deverão os mesmos ser iguais e aplicarem-se da mesma forma a todas as nacionalidades. Enquanto isso, clamamos pela falta de médicos