José Carlos de Vasconcelos

José Carlos de Vasconcelos

Jornalista
Diretor do Jornal de Artes Letras e Ideias e coordenador do Gabinete Editoral da VISÃO
Opinião

Rio e Rangel, País e PSD

A diferença entre ter a experiência de gestão/administração pública de presidir à segunda maior câmara do País 12 anos e a de ter sido secretário de Estado da Justiça durante uns meses

Opinião

Olhar e andar para a frente

Só após os resultados eleitorais, expressão da vontade dos cidadãos, se pode concluir qual a melhor fórmula de governo para o País, que corresponda a tal vontade e seja possível

Opinião

Ao menos, bom senso...

Parece que a única forma de o atual governo do PS se manter teria sido os partidos à sua direita apresentarem… uma “moção de censura”

Opinião

A imagem da Justiça

É fundamental que muitos magistrados, como muitos jornalistas, cultivem menos o seu poder e cuidem mais da sua responsabilidade

Jornal de Letras
Jornal de letras

O Germano Silva, o Porto, a Universidade

Em razão dos 90 anos de Germano Silva, republicamos o texto de José Carlos de Vasconcelos em homenagem ao jornalista, que recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade do Porto, em 2016

Opinião

Surpresas…? Ou talvez não

Os resultados das autárquicas, uma previsão confirmada e uma menor percentagem de abstenção real

"Desimaginar o Mundo", no Porto: Lembrar Manuel António Pina, porque os poetas não morrem Jornal de Letras
Jornal de letras

Uma vida de (e em) palavras

"Para quê tudo isto?", biografia de Manuel António Pina escrita por Álvaro Magalhães, lida por José Carlos de Vasconcelos

Opinião

O último ‘adeus’ e serviço a Portugal

O que estava na base das lágrimas era uma das suas muitas qualidades: ter uma grande atenção aos outros e uma sensibilidade que o fazia sinceramente emocionar-se

Opinião

Moção e autocelebração

O PS precisa de um suplemento de alma, de uma específica grande causa concreta e mobilizadora, sendo a mais adequada a do combate à chamada “pobreza infantil”

Política

Otelo Saraiva de Carvalho: Auto-retrato em entrevista com o 25 de Abril em fundo

A entrevista a Otelo Saraiva de Carvalho por ocasião dos 30 anos do 25 de Abril

Opinião

CPLP: mais língua, menos ‘paleio’

Da Declaração Final da Cimeira destaca-se, pela positiva, o Acordo de Mobilidade, e, pela negativa, a completa omissão quanto à política da língua e à cultura

Opinião

As teias do(s) crime(s)

Continuam a existir intrincados, mesmo inextricáveis, procedimentos propiciadores ou facilitadores de crimes, sem que o poder democrático pareça empenhar-se a fundo em combatê-los e aniquilá-los

Opinião

António Guterres, um "exemplo"

Nada serve mais as forças populistas, extremistas, antidemocráticas do que certos comportamentos na área da política e do que sobre ela se escreve

Jornal de Letras
Jornal de letras

Uma biografia digna do biografado

A biografia de José Cardoso Pires lida por José Carlos de Vasconcelos

Opinião

Originalidades - e contra os “blocos”

É mau para o País a cristalização de dois blocos políticos, de esquerda e direita – e é “original” o segundo ser capitaneado por um partido social-democrata

Opinião

Justiça para dois

Nos 45 anos da Constituição, o País deve lembrar e agradecer aos presidentes Henrique de Barros e Costa Gomes

Opinião

E a Justiça "funcionou"...

Se o crime era flagrante e as suas terríveis circunstâncias fáceis de investigar, a instrução e a acusação correram como devido, e a sentença foi proferida em prazo razoável

Opinião

Marcelo, um artista e o 25 de Abril

Além do notável discurso do Presidente, zero mortes por Covid, no dia 25 de Abril, foi também uma sua comemoração

Opinião
Exclusivo

Uma corajosa decisão instrutória

A decisão de Ivo Rosa foi corajosa e mostra um extraordinário trabalho de estudo da doutrina e da jurisprudência sobre as questões jurídicas em pauta

Opinião

Marcelo, para lá da simples promulgação

A fundamentação é lapidar na clareza de análise, no sentido de equilíbrio, na reveladora expressão de como o PR vê a situação política e vai atuar

Opinião

Três “temas”

Se em Lisboa, quando de costas voltadas, PS e PCP se entenderam para conquistar a câmara, será um enorme erro político agora não fazerem nada nesse sentido