Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Carmo Machado

Carmo Machado

ENSINO

Carmo Miranda Machado é formadora profissional na área comportamental e professora de Português no ensino público há vinte e sete anos, tendo trabalhado com alunos do 7º ao 12º anos de escolaridade. Possui um Mestrado em Ciências da Educação (Orientação das Aprendizagens) pela Universidade Católica Portuguesa e tem como formação base uma Licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas pela Universidade Nova de Lisboa. Tem dedicado a sua vida às suas três grandes paixões: o ensino, a escrita e as viagens pelo mundo. Colabora na Revista Mais Alentejo desde Fevereiro de 2010 como autora da crónica Ruas do Mundo, tendo ganho o Prémio Mais Literatura atribuído por esta revista nesse mesmo ano. Publicou até ao momento, os seguintes títulos pela editora Colibri: Entre Dois Mundos, Entre Duas Línguas (2007); Eu Mulher de Mim (2009); O Homem das Violetas Roxas (2011) e Rios de Paixão (2015).

  • Para que serve concretamente o que ensinamos?

    Como dar a volta aos conteúdos obrigatórios da disciplina de Português quando nem eu própria consigo explicar de forma convincente a utilidade prática da capacidade de identificar a função sintática do complemento oblíquo e do predicativo do sujeito numa frase?

  • Bom aluno e/ou boa pessoa?

    Aproveito as muitas obras literárias que somos obrigados a ministrar ao longo dos três anos do secundário para apostar tudo o que posso nas competências sociais e emocionais dos meus alunos. Quando quase tudo está perdido, que se salvem as almas...

  • O entulho das escolas

    Sim, os resíduos resultantes da construção e demolição de mais um ano letivo serão enfiados - durante horas - em envelopes que mais ninguém abrirá e cujo destino será um qualquer arquivo morto com o qual os muitos ratos que habitam algumas escolas se irão certamente deliciar

  • Era uma vez...

    O problema não são os professores. O problema reside nas políticas educativas que mudam consoante as cores do parlamento e, sobretudo, na ausência total de respeito pela profissão docente que este e outros governos anteriormente têm demonstrado

  • E depois dos exames?

    Esta “linguagem da nota” é ainda o pouco que resta dos últimos resquícios de poder ao professor, sem o qual muitos de nós ficaríamos totalmente perdidos. Mas que informação veicula sobre um indivíduo um momento de exame? E pode um simples algarismo definir as competências e capacidades de um aluno?

  • Professores, os treinadores de Portugal

    Se nós, professores, continuarmos agarrados aos ambientes em que nos habituámos a trabalhar, à sala de aula clássica, aos manuais escolares já cansados, aos métodos de ensino tradicionais, aos dois testes por período, aos conteúdos obsoletos e sem qualquer aplicabilidade ou interesse prático, a escola e a aula estarão destinadas ao fracasso

  • STOP

    Parem com esta vergonha, senhores políticos! Porque nós estamos fartos de ver a educação ser tratada como uma mulher de alterne, por quem se vive uma paixão que logo desaparece na legislatura seguinte