Na primeira pessoa: “O primeiro diagnóstico foi aterrador: ‘Ele não anda, não fala, e vamos ver se consegue pensar…'”

Na primeira pessoa: “O primeiro diagnóstico foi aterrador: ‘Ele não anda, não fala, e vamos ver se consegue pensar…'”

Não tive um nascimento fácil nem uma vida facilitada. Mas todas essas dificuldades contribuíram inquestionavelmente para quem hoje sou – qualidades e defeitos.

Não se sabe, exatamente, qual terá sido a causa da minha paralisia cerebral. Tudo indica que, por algum problema aquando do parto, o meu cérebro não recebeu oxigénio durante certo tempo. Isso provocou a morte de células. Quando nasci, há 52 anos, em Vouzela – que distava horas e quilómetros dos grandes centros urbanos –, pouco se sabia sobre esta condição. Os meus pais só foram confrontados com a minha realidade quando eu tinha 2 anos. O primeiro diagnóstico que ouviram, em Aveiro, foi aterrador: “Ele não anda, não fala, e vamos ver se consegue pensar…”. Não desistiram e, mais tarde, em Coimbra, o dr. Luís Borges [referência nacional na paralisia cerebral] desmontou completamente o tal diagnóstico. Daí em diante, não procuraram curas milagrosas, mas soluções para minorar as minhas limitações.

Cresci normal, mas diferente. Tenho dificuldades notórias em caminhar e algumas limitações a falar – cartões de visita para quem me fica a conhecer. Atualmente, a sociedade já está muito mais preparada para lidar com a diferença. No entanto, quando cresci e fui para a escola, alguém com paralisia cerebral era considerado fora do tal “normal”.

Em casa, sempre fui tratado de igual para igual. Os meus pais não me protegeram nem me quiseram fechar numa concha. Lidaram comigo da mesma forma que lidaram com o meu irmão: ajudaram e educaram sem proteger; partilharam e criticaram sem distinguir. Assim, nem fui tendo consciência da minha condição. Participei em tudo e fiz tudo. Com maior ou menor dificuldade, mas fiz. A paralisia cerebral não foi determinante para a minha luta pela igualdade.

O percurso académico foi praticamente igual ao dos meus amigos. Tive dificuldades, sim, mas quem não teve? Tive boas e más notas. Sucessos e insucessos. E descobri o melhor caminho para mim, onde me enquadrava. Podia ter seguido Economia, Gestão ou Contabilidade, mas a minha paixão já era a Informática.

Em casa, sempre fui tratado de igual para igual. Os meus pais não me protegeram nem me quiseram fechar numa concha. Lidaram comigo da mesma forma que lidaram com o meu irmão: ajudaram e educaram sem proteger; partilharam e criticaram sem distinguir. Assim, nem fui tendo consciência da minha condição. Participei em tudo e fiz tudo

Sempre reconheceram as minhas capacidades, mas a dificuldade, muitas vezes, foi conseguir usar tais competências. Admito que alguns problemas surgiram porque, como outros, eu era brincalhão, preguiçoso e distraído. Com a mudança de Vouzela para Viseu e, mais tarde, para a capital, para estudar na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, comecei a ganhar outro tipo de responsabilidade. Em todas as turmas, felizmente, fui “só” mais um – e nunca um “aluno especial”.

A sociedade deve entender que, apesar das diferenças, somos todos mais ou menos iguais. Não quero paternalismos nem “palmadas” nas costas, mas também não quero que olhem para mim como um exemplo de superação ou como um super-homem. Quero que me tratem como aos restantes, com respeito, em diálogo direto.

No mercado de trabalho, houve e há alguma estranheza nos primeiros contactos, mas quando as pessoas me conhecem, as portas abrem-se e as barreiras desaparecem. Ainda não tinha acabado o curso e já recebia convites profissionais. A adaptação nunca foi fácil, mas aconteceu. E a atitude de reciprocidade foi o principal: da minha parte, assumir não ser um “coitadinho”; dos outros, ser tratado como “igual”.

“Não quero que decidam por mim”

Comecei por trabalhar no setor público, no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), e depois no Instituto Nacional de Estatística (INE). Mais tarde, passei para o setor privado, primeiro na Vodafone e depois na IBM Portugal, onde desempenhei funções de consultor em empresas nas áreas das telecomunicações, banca e serviços financeiros, e, desde 2019, na Softinsa (grupo IBM), como arquiteto de soluções IT. O meu percurso de eventual sucesso resulta da integração que recebi, das conquistas que alcancei e dos erros que cometi. Mas é como diz o Sérgio Godinho: “Dá-se a volta ao medo, dá-se a volta ao mundo.”

As barreiras físicas são as mais simples de serem resolvidas, haja vontade de as derrubar e de construir uma rampa acessível ou um passeio adequado a cadeiras de rodas. Barreiras piores são as das atitudes, da falta de conhecimento e as de julgamento. E o combate a estas barreiras atitudinais tem de começar do nosso lado, acontecer de forma constante e ser encarado como um processo a partilhar por todos.

Quanto às minhas principais conquistas, podia elencar a família, enumerar os bens materiais… Mas a principal conquista foi a plena integração no mercado de trabalho e saber que, enquanto trabalhador, estou a contribuir para gerar conhecimento e riqueza para o meu País.

Agradeço aos meus pais a forma extraordinária como lidaram com a paralisia cerebral. À minha mãe, que me mandou muitas vezes para a “piscina”, mesmo que para uma “piscina” sem água, onde não tinha “pé” e não sabia nadar. O meu irmão – que já não se encontra entre nós e partiu sem avisar – também foi uma peça fundamental no meu desenvolvimento pessoal, social, político e cultural. Mais tarde, a este núcleo inicial juntaram-se a minha mulher – e a sua família, que me recebeu de braços abertos – e o meu filho.

O dia chegará em que a minha deficiência motora ou a paralisia cerebral venham a tolher o meu ser, quem sou e o que faço. Defendo plena dignidade e, por isso, se um dia chegar em que não possa ser “eu”, quero poder decidir se cheguei ao fim. Se tal acontecer, não quero ficar à espera de que o coração pare. Não quero que decidam por mim. Quero, nesse dia, continuar a ser autónomo e ter capacidade de decidir. Quero poder dizer “Stop!”. Vivi com dignidade. Quero, se se justificar, morrer de forma igual.

Mais na Visão

Mais Notícias

A coleção vibrante primavera-verão 2023 de Alexis Mabille desfila em Paris

A coleção vibrante primavera-verão 2023 de Alexis Mabille desfila em Paris

Downloads cósmicos

Downloads cósmicos

Número de casas à venda em Portugal cai para mínimos de 15 anos

Número de casas à venda em Portugal cai para mínimos de 15 anos

Porque as crianças estão sempre cheias de piolhos?

Porque as crianças estão sempre cheias de piolhos?

Sónia Tavares vai buscar filho à escola de pijama

Sónia Tavares vai buscar filho à escola de pijama

Parecer final dá luz verde à mina de lítio em Montalegre

Parecer final dá luz verde à mina de lítio em Montalegre

Massandra 1949: uma viagem pela História das Guerras

Massandra 1949: uma viagem pela História das Guerras

Quem trabalha na televisão?

Quem trabalha na televisão?

O vestido de edição limitada que vai dar que falar (e que nos traz uma cor tendência da primavera)

O vestido de edição limitada que vai dar que falar (e que nos traz uma cor tendência da primavera)

Paixão pela tauromaquia leva Victoria Federica de Marichalar a receber prémio:

Paixão pela tauromaquia leva Victoria Federica de Marichalar a receber prémio: "É uma bonita herança que recebi da minha família"

Um passeio na floresta de W. B. Yeats

Um passeio na floresta de W. B. Yeats

Sabrinas: o calçado fetiche da próxima estação

Sabrinas: o calçado fetiche da próxima estação

Uma vénia ao ovo

Uma vénia ao ovo

Fevereiro na CARAS Decoração

Fevereiro na CARAS Decoração

Sarah Jessica Parker e a sua mensagem sobre o envelhecimento

Sarah Jessica Parker e a sua mensagem sobre o envelhecimento

Maior avião elétrico e a hidrogénio voa durante dez minutos no Reino Unido

Maior avião elétrico e a hidrogénio voa durante dez minutos no Reino Unido

7 ideias para o primeiro fim de semana de fevereiro, no Porto

7 ideias para o primeiro fim de semana de fevereiro, no Porto

Após perder título de príncipe, Nikolai da Dinamarca cria conta pessoal no Instagram

Após perder título de príncipe, Nikolai da Dinamarca cria conta pessoal no Instagram

Cabaz de bens alimentares essenciais custa 30% do salário mínimo

Cabaz de bens alimentares essenciais custa 30% do salário mínimo

Teams Premium: Microsoft já integra ChatGPT

Teams Premium: Microsoft já integra ChatGPT

VOLT Live: como serão os custos dos carregamentos em 2023

VOLT Live: como serão os custos dos carregamentos em 2023

Homem do Leme: Anna

Homem do Leme: Anna

AR: Chumbada antecipação da reforma dos enfermeiros e subsídio de risco no SNS

AR: Chumbada antecipação da reforma dos enfermeiros e subsídio de risco no SNS

Terreno da antiga refinaria que Galp quer ceder à câmara está contaminado

Terreno da antiga refinaria que Galp quer ceder à câmara está contaminado

Comissão de Avaliação dá parecer favorável à mina de lítio em Montalegre

Comissão de Avaliação dá parecer favorável à mina de lítio em Montalegre

Nissan mostra protótipo do conceito elétrico Max-Out

Nissan mostra protótipo do conceito elétrico Max-Out

Únicos os cocktails, única a sua criadora. Bem-vindos ao Uni, o novo bar de Constança Cordeiro

Únicos os cocktails, única a sua criadora. Bem-vindos ao Uni, o novo bar de Constança Cordeiro

Agenda para pais e filhos: o que fazer em fevereiro com os seus filhos

Agenda para pais e filhos: o que fazer em fevereiro com os seus filhos

Investigadores imprimem enxertos de pele em 3D

Investigadores imprimem enxertos de pele em 3D

Os planos da princesa Ana e de Sir Timothy Laurence para o Dia dos Namorados

Os planos da princesa Ana e de Sir Timothy Laurence para o Dia dos Namorados

Arcaico: Estas conservas portuguesas são 100% artesanais

Arcaico: Estas conservas portuguesas são 100% artesanais

Catarina Furtado despediu-se dos cabelos compridos

Catarina Furtado despediu-se dos cabelos compridos

Escritórios: Quando trabalhar em casa é um prazer

Escritórios: Quando trabalhar em casa é um prazer

VOLT Live: o efeito da descida dos preços dos Tesla

VOLT Live: o efeito da descida dos preços dos Tesla

Intergift, em Espanha, abriu portas com Portugal bem representado

Intergift, em Espanha, abriu portas com Portugal bem representado

Moda: Esquiar com estilo

Moda: Esquiar com estilo

Vencedores dos passatempos da edição n.º 223

Vencedores dos passatempos da edição n.º 223

Vasco Palmeirim afasta-se da televisão

Vasco Palmeirim afasta-se da televisão

Fairly Normal: um pé no surf e outro na sala de reuniões

Fairly Normal: um pé no surf e outro na sala de reuniões

IPO de Lisboa recebe donativo e vai comprar equipamentos no valor de 350 mil euros

IPO de Lisboa recebe donativo e vai comprar equipamentos no valor de 350 mil euros

A primeira foto de Carolina Carvalho após dar à luz

A primeira foto de Carolina Carvalho após dar à luz

Sete ideias para fazer este fim de semana, em Lisboa

Sete ideias para fazer este fim de semana, em Lisboa