Na primeira pessoa: “Deram-me quatro meses de vida com dois cancros, um deles no pâncreas. Nunca equacionei morrer, mas o cenário era esse”

Na primeira pessoa: “Deram-me quatro meses de vida com dois cancros, um deles no pâncreas. Nunca equacionei morrer, mas o cenário era esse”

No dia 27 de abril de 2017, estava a jantar com a família e tive dor súbita abdominal muito intensa. Senti que algo de estranho se passava, era uma dor fora do comum. Fui ao hospital a pensar que ia só passar por lá. Acreditamos que dominamos tudo, estava no meio de assuntos de trabalho por resolver, como profissional na indústria farmacêutica.

Havia alguma coisa na zona biliar, onde está o fígado, a vesícula e o pâncreas. As segundas análises deram uma melhoria nos valores e fui para casa. Voltei a ser internado uns dias depois e, aí sim, tudo mudou. Diagnosticaram-me um colangiocarcinoma, cancro nas vias biliares em estado avançado. Durante a cirurgia para a remoção desse intruso, descobriram que o meu pâncreas não estava bom. Foi detetado outro cancro em estado avançado.

O médico disse-me: “João, estamos num colete de sete varas.” A probabilidade de sobrevida era pequena. Quis saber sempre tudo dos médicos. Quando recebi a notícia, estive dois dias a pensar em como iria arrumar aquela nova situação na minha cabeça. Nunca equacionei morrer. O cenário era esse, mas nunca pus essa hipótese.

Deram-me quatro meses de vida. Foi estranho ouvir as pessoas a falar nas férias do verão e do Natal. O meu tempo não chegava até lá.

Como diz um oncologista do Hospital de Santa Maria, quando se recebe a notícia de que se tem uma doença oncológica é assustador, quando nos dizem que é no pâncreas é o pânico. Sabia que a probabilidade de sobreviver era quase nula, porque é um cancro muito mortal. É um intruso silencioso, quando se manifesta já está muito avançado.

Mas temos de lutar e acreditar que é possível vencer a doença. Eu e a minha mulher marcámos mesmo férias de verão nessa altura. Foi uma forma de consciencializar-me de que era possível superar. Nessa altura, tinha acabado de comprar a minha casa no Estoril e, como sou licenciado em Arquitetura, estava a fazer o projeto de remodelação total. Continuei a fazê-lo, foi uma motivação para lidar com a doença.

“O meu corpo estava saturado”

Tive de esperar algum tempo para ser operado ao pâncreas. Durante esse tempo, estive na UCI, onde passei momentos terríveis por causa de uma pancreatite aguda e um problema pulmonar que necessitou, também, de cirurgia. Na altura em que já estava pronto para ser operado ao pâncreas, as coisas tinham piorado: ou recuperava em ciclos de quimioterapia ou não havia muito mais a fazer. Foi muito doloroso e agressivo, mas superei todos os tratamentos e pude ser operado para removerem a cabeça do pâncreas.

Correu muito bem, e estive em lua de mel até outubro de 2020. Nesse período, estive sem doença, só que comecei a ter novamente dores abdominais muito intensas. Tive uma recidiva. O intruso tinha regressado ao tronco celíaco, um órgão que ramifica para todo o aparelho digestivo.

Estava a ser acompanhado em Santa Maria, mas levei todo o meu processo clínico para a Fundação Champalimaud. Seguiu-se uma quimioterapia para preparação da cirurgia. Os tratamentos foram agoniantes; o meu corpo estava saturado desses químicos.

Nesse tempo todo, tive de preocupar-me com uma coisa a que, às vezes, as pessoas não dão tanta importância: a alimentação. Foi fundamental na ajuda aos tratamentos. Deixei de comer carne vermelha, pão de trigo ou leite, por exemplo. O meu corpo ficou mais disponível e os enjoos provocados pela químio melhoraram.

Não consigo quantificar se o meu sucesso se deveu a 20% da alimentação, 40% da químio e o restante à convicção de que não iria morrer, porque a vida é bela e temos de acreditar nela. Querer e acreditar faz muita diferença. Não é fácil alguém chegar a esta conclusão. Eu cheguei. Encontrei na minha família o grande apoio e a força para superar momentos de grande sofrimento. A minha mulher foi insuperável, e os meus filhos também. Foram os três o meu centro.

Esta doença é muito debilitante, mas encontrar o motivo pelo qual cá andamos é fantástico. As nossas prioridades ficam muito mais claras, até na relação com as pessoas. Temos os conhecidos, temos os amigos, mas existe, ainda, outro patamar: aqueles que ficam.

Quando se recebe a notícia de que se tem uma doença oncológica é assustador, quando nos dizem que é no pâncreas é o pânico. Sabia que a probabilidade de sobreviver era quase nula, porque é um cancro muito mortal. É um intruso silencioso, quando se manifesta já está muito avançado

Esta minha viagem teve duas partes. A primeira foi aquela em que tive de lutar e acreditar que ia superar tudo, tanto a dor como as falências na qualidade de vida. A segunda é que deixei de ter a doença mas, a troco de perder o pâncreas na totalidade, sou insulinodependente, embora não seja diabético. Tirei o baço, o estômago e parte do intestino para salvaguardar a metastização ou novas recidivas. Já tive de me picar tantas vezes – parei de contar às 150 seringas de enoxaparina – que tenho dificuldade em encarar agulhas.

Uma das partes com mais impacto foi na minha fisionomia. Perdi 40 quilos.

E se me perguntarem se vale a pena? Claro que vale a pena. A aproximação da altura em que posso voltar a fazer coisas faz-me sorrir. Dar um passeio a pé é um sinal; ir ao restaurante, estar com os amigos ou fazer tiro ao prato, também. Isto começou a acontecer no último mês. Já combinei ir à pesca em setembro. Estou melhor e, por isso, de vez em quando já posso fazer estas coisas, o que é um alento. Em cada dia que passa, vou ficando mais treinado nesta nova vida que tenho.

Não posso arriscar dizer que estou bem, porque não posso fazer o que fazia, como trabalhar, praticar mergulho subaquático ou correr, mas vivo a vida de uma forma mais intensa e pormenorizada. Dentro daquilo que me é oferecido, consigo tirar prazer de situações que antes não tirava.

Depoimento recolhido por Sara Rodrigues 

Palavras-chave:

Mais na Visão

Mais Notícias

Ainda podes votar nas fotos de animais mais cómicas de 2022

Ainda podes votar nas fotos de animais mais cómicas de 2022

Filha de Kate e William poderá ser a próxima duquesa de Edimburgo

Filha de Kate e William poderá ser a próxima duquesa de Edimburgo

O Gosto dos Outros: Teresa Salgueiro

O Gosto dos Outros: Teresa Salgueiro

5 dicas para proteger a casa no Inverno

5 dicas para proteger a casa no Inverno

Kate usa pregadeira com significado especial na receção ao presidente da África do Sul

Kate usa pregadeira com significado especial na receção ao presidente da África do Sul

Inspiração para usar, com estilo, as peças de roupa que já tem no seu armário

Inspiração para usar, com estilo, as peças de roupa que já tem no seu armário

Rainha Margarida da Dinamarca vai passar o Natal sem os filhos

Rainha Margarida da Dinamarca vai passar o Natal sem os filhos

A playlist de Ana Bacalhau

A playlist de Ana Bacalhau

Quase 200 centros de saúde com horário alargado e informação disponivel 'online'

Quase 200 centros de saúde com horário alargado e informação disponivel 'online'

O novo romance de Lídia Jorge

O novo romance de Lídia Jorge

Prémio Inovação em Prevenção: Reunião de Júri marca nova edição  -Vídeo

Prémio Inovação em Prevenção: Reunião de Júri marca nova edição -Vídeo

Campeonato Portugal de Novas Energias – PRIO decide-se no Alentejo Central

Campeonato Portugal de Novas Energias – PRIO decide-se no Alentejo Central

Letizia recupera o seu fato de plumas

Letizia recupera o seu fato de plumas

Aldeia do Pego entre o sentimento de perda e o otimismo um ano após fecho da central a carvão

Aldeia do Pego entre o sentimento de perda e o otimismo um ano após fecho da central a carvão

VOLT Live: carros elétricos são a melhor solução para frotas de empresas?

VOLT Live: carros elétricos são a melhor solução para frotas de empresas?

Black Friday: o que vale mesmo a pena comprar nos descontos da Zara

Black Friday: o que vale mesmo a pena comprar nos descontos da Zara

Candeeiros, 10 esculturas de luz

Candeeiros, 10 esculturas de luz

LeasePlan conclui que elétricos são mais económicos para 87% dos perfis de utilização

LeasePlan conclui que elétricos são mais económicos para 87% dos perfis de utilização

Aptoide recebe investimento de 12 milhões de dólares

Aptoide recebe investimento de 12 milhões de dólares

Regra dos oito copos de água por dia desconstruída mais uma vez em novo estudo.

Regra dos oito copos de água por dia desconstruída mais uma vez em novo estudo. "É excessivo", dizem investigadores

Cristiano Ronaldo assina contrato

Cristiano Ronaldo assina contrato

Bernardo leva Bruna a conhecer local turístico. Veja qual!

Bernardo leva Bruna a conhecer local turístico. Veja qual!

EuRoC: um concurso europeu de lançamento de foguetes

EuRoC: um concurso europeu de lançamento de foguetes

Adivinhe quanto custa este casaco de inspiração Chanel? (Damos uma pista: é acessível)

Adivinhe quanto custa este casaco de inspiração Chanel? (Damos uma pista: é acessível)

Estudo da Universidade de Coimbra ajudará a escolher antibiótico contra bactéria

Estudo da Universidade de Coimbra ajudará a escolher antibiótico contra bactéria

Receita de Pão de sementes (sem glúten), por Francisco Silva, Paula Ruivo e Ana Henriques

Receita de Pão de sementes (sem glúten), por Francisco Silva, Paula Ruivo e Ana Henriques

Portugal pode voltar a ser

Portugal pode voltar a ser "relevante" através do mar - Bolieiro

Recrie o look chique de Catarina Gouveia

Recrie o look chique de Catarina Gouveia

JL 1357

JL 1357

5 restaurantes para viajar à mesa

5 restaurantes para viajar à mesa

LG C2: tecnologia como os grandes, num formato compacto

LG C2: tecnologia como os grandes, num formato compacto

OE2023: Ministro Pedro Nuno Santos traça linha de demarcação entre socialistas e direita

OE2023: Ministro Pedro Nuno Santos traça linha de demarcação entre socialistas e direita

Tatiana Gigante: “Uma cara com as dimensões perfeitas não é bonita nem aprazível”

Tatiana Gigante: “Uma cara com as dimensões perfeitas não é bonita nem aprazível”

Venha discutir a importância dos oceanos e as oportunidades da economia azul nas ESG Talks

Venha discutir a importância dos oceanos e as oportunidades da economia azul nas ESG Talks

Portugal faz bem: Santa Paciência

Portugal faz bem: Santa Paciência

Eco-Rally de Lisboa: os elétricos passaram pela capital

Eco-Rally de Lisboa: os elétricos passaram pela capital

Design, música e tecnologia no novo livro da Phaidon

Design, música e tecnologia no novo livro da Phaidon

Greve na escola

Greve na escola

O centenário de Saramago

O centenário de Saramago

Três vinhos frescos e equilibrados

Três vinhos frescos e equilibrados

Fanny Rodrigues tem motivos para sorrir

Fanny Rodrigues tem motivos para sorrir

Ganha convites duplos para 'O Gato das Botas:O Último Desejo'

Ganha convites duplos para 'O Gato das Botas:O Último Desejo'