Na primeira pessoa: “Deram-me quatro meses de vida com dois cancros, um deles no pâncreas. Nunca equacionei morrer, mas o cenário era esse”

Na primeira pessoa: “Deram-me quatro meses de vida com dois cancros, um deles no pâncreas. Nunca equacionei morrer, mas o cenário era esse”

No dia 27 de abril de 2017, estava a jantar com a família e tive dor súbita abdominal muito intensa. Senti que algo de estranho se passava, era uma dor fora do comum. Fui ao hospital a pensar que ia só passar por lá. Acreditamos que dominamos tudo, estava no meio de assuntos de trabalho por resolver, como profissional na indústria farmacêutica.

Havia alguma coisa na zona biliar, onde está o fígado, a vesícula e o pâncreas. As segundas análises deram uma melhoria nos valores e fui para casa. Voltei a ser internado uns dias depois e, aí sim, tudo mudou. Diagnosticaram-me um colangiocarcinoma, cancro nas vias biliares em estado avançado. Durante a cirurgia para a remoção desse intruso, descobriram que o meu pâncreas não estava bom. Foi detetado outro cancro em estado avançado.

O médico disse-me: “João, estamos num colete de sete varas.” A probabilidade de sobrevida era pequena. Quis saber sempre tudo dos médicos. Quando recebi a notícia, estive dois dias a pensar em como iria arrumar aquela nova situação na minha cabeça. Nunca equacionei morrer. O cenário era esse, mas nunca pus essa hipótese.

Deram-me quatro meses de vida. Foi estranho ouvir as pessoas a falar nas férias do verão e do Natal. O meu tempo não chegava até lá.

Como diz um oncologista do Hospital de Santa Maria, quando se recebe a notícia de que se tem uma doença oncológica é assustador, quando nos dizem que é no pâncreas é o pânico. Sabia que a probabilidade de sobreviver era quase nula, porque é um cancro muito mortal. É um intruso silencioso, quando se manifesta já está muito avançado.

Mas temos de lutar e acreditar que é possível vencer a doença. Eu e a minha mulher marcámos mesmo férias de verão nessa altura. Foi uma forma de consciencializar-me de que era possível superar. Nessa altura, tinha acabado de comprar a minha casa no Estoril e, como sou licenciado em Arquitetura, estava a fazer o projeto de remodelação total. Continuei a fazê-lo, foi uma motivação para lidar com a doença.

“O meu corpo estava saturado”

Tive de esperar algum tempo para ser operado ao pâncreas. Durante esse tempo, estive na UCI, onde passei momentos terríveis por causa de uma pancreatite aguda e um problema pulmonar que necessitou, também, de cirurgia. Na altura em que já estava pronto para ser operado ao pâncreas, as coisas tinham piorado: ou recuperava em ciclos de quimioterapia ou não havia muito mais a fazer. Foi muito doloroso e agressivo, mas superei todos os tratamentos e pude ser operado para removerem a cabeça do pâncreas.

Correu muito bem, e estive em lua de mel até outubro de 2020. Nesse período, estive sem doença, só que comecei a ter novamente dores abdominais muito intensas. Tive uma recidiva. O intruso tinha regressado ao tronco celíaco, um órgão que ramifica para todo o aparelho digestivo.

Estava a ser acompanhado em Santa Maria, mas levei todo o meu processo clínico para a Fundação Champalimaud. Seguiu-se uma quimioterapia para preparação da cirurgia. Os tratamentos foram agoniantes; o meu corpo estava saturado desses químicos.

Nesse tempo todo, tive de preocupar-me com uma coisa a que, às vezes, as pessoas não dão tanta importância: a alimentação. Foi fundamental na ajuda aos tratamentos. Deixei de comer carne vermelha, pão de trigo ou leite, por exemplo. O meu corpo ficou mais disponível e os enjoos provocados pela químio melhoraram.

Não consigo quantificar se o meu sucesso se deveu a 20% da alimentação, 40% da químio e o restante à convicção de que não iria morrer, porque a vida é bela e temos de acreditar nela. Querer e acreditar faz muita diferença. Não é fácil alguém chegar a esta conclusão. Eu cheguei. Encontrei na minha família o grande apoio e a força para superar momentos de grande sofrimento. A minha mulher foi insuperável, e os meus filhos também. Foram os três o meu centro.

Esta doença é muito debilitante, mas encontrar o motivo pelo qual cá andamos é fantástico. As nossas prioridades ficam muito mais claras, até na relação com as pessoas. Temos os conhecidos, temos os amigos, mas existe, ainda, outro patamar: aqueles que ficam.

Quando se recebe a notícia de que se tem uma doença oncológica é assustador, quando nos dizem que é no pâncreas é o pânico. Sabia que a probabilidade de sobreviver era quase nula, porque é um cancro muito mortal. É um intruso silencioso, quando se manifesta já está muito avançado

Esta minha viagem teve duas partes. A primeira foi aquela em que tive de lutar e acreditar que ia superar tudo, tanto a dor como as falências na qualidade de vida. A segunda é que deixei de ter a doença mas, a troco de perder o pâncreas na totalidade, sou insulinodependente, embora não seja diabético. Tirei o baço, o estômago e parte do intestino para salvaguardar a metastização ou novas recidivas. Já tive de me picar tantas vezes – parei de contar às 150 seringas de enoxaparina – que tenho dificuldade em encarar agulhas.

Uma das partes com mais impacto foi na minha fisionomia. Perdi 40 quilos.

E se me perguntarem se vale a pena? Claro que vale a pena. A aproximação da altura em que posso voltar a fazer coisas faz-me sorrir. Dar um passeio a pé é um sinal; ir ao restaurante, estar com os amigos ou fazer tiro ao prato, também. Isto começou a acontecer no último mês. Já combinei ir à pesca em setembro. Estou melhor e, por isso, de vez em quando já posso fazer estas coisas, o que é um alento. Em cada dia que passa, vou ficando mais treinado nesta nova vida que tenho.

Não posso arriscar dizer que estou bem, porque não posso fazer o que fazia, como trabalhar, praticar mergulho subaquático ou correr, mas vivo a vida de uma forma mais intensa e pormenorizada. Dentro daquilo que me é oferecido, consigo tirar prazer de situações que antes não tirava.

Depoimento recolhido por Sara Rodrigues 

Palavras-chave:

Mais na Visão

Mais Notícias

O que vai mudar com o Simplex do Ambiente

O que vai mudar com o Simplex do Ambiente

O centenário de José-Augusto França

O centenário de José-Augusto França

Ajitama Ramen Bistro: O templo dos caldos japoneses tem uma segunda morada em Lisboa

Ajitama Ramen Bistro: O templo dos caldos japoneses tem uma segunda morada em Lisboa

Eutanásia: PSD acusa Santos Silva e Ventura de

Eutanásia: PSD acusa Santos Silva e Ventura de "cumplicidade e conluio"

O Natal da EXAME: as escolhas sem sentido de Margarida Vaqueiro Lopes

O Natal da EXAME: as escolhas sem sentido de Margarida Vaqueiro Lopes

Apple processada: Air Tags podem ser usadas para perseguir vítimas

Apple processada: Air Tags podem ser usadas para perseguir vítimas

Uma poltrona portuguesa com a cor Pantone 2023

Uma poltrona portuguesa com a cor Pantone 2023

Abra as portas ao Natal e vista a casa a rigor

Abra as portas ao Natal e vista a casa a rigor

Ana Milhazes: A arte de viver com o essencial

Ana Milhazes: A arte de viver com o essencial

A transformação das profissões de RH e a inteligência artificial

A transformação das profissões de RH e a inteligência artificial

Lancia ‘renasce’ como marca 100% elétrica

Lancia ‘renasce’ como marca 100% elétrica

Oymyakon: a vila mais fria do mundo

Oymyakon: a vila mais fria do mundo

Alfândega da Fé recorre a barragem de regadio para abastecer população

Alfândega da Fé recorre a barragem de regadio para abastecer população

Os poderes de uma chávena de camomila após cada refeição

Os poderes de uma chávena de camomila após cada refeição

Vencedores do passatempo 'O Gato das Botas: O Último Desejo'

Vencedores do passatempo 'O Gato das Botas: O Último Desejo'

Conforto térmico

Conforto térmico

O centenário de Saramago

O centenário de Saramago

EXCLUSIVO: Concorrente de Hell’s Kitchen chega a Portugal para enfrentar Ljubomir em tribunal

EXCLUSIVO: Concorrente de Hell’s Kitchen chega a Portugal para enfrentar Ljubomir em tribunal

Ofereça beleza este Natal

Ofereça beleza este Natal

Três novas livrarias em Lisboa, onde apetece ler e ficar

Três novas livrarias em Lisboa, onde apetece ler e ficar

VOLT Live: a nova Smart e as notícias da semana

VOLT Live: a nova Smart e as notícias da semana

Renault Kangoo Van E-Tech em teste: Assim é mais fácil

Renault Kangoo Van E-Tech em teste: Assim é mais fácil

Marcelo quer ver de perto

Marcelo quer ver de perto "evolução dos acontecimentos" nas urgências dos hospitais

JL 1359

JL 1359

38 grandes vinhos para alegrar as refeições festivas que aí vêm

38 grandes vinhos para alegrar as refeições festivas que aí vêm

Porque é que numa maratona se correm exatamente 42,195 quilómetros?

Porque é que numa maratona se correm exatamente 42,195 quilómetros?

Como a SAP prepara os engenheiros do futuro

Como a SAP prepara os engenheiros do futuro

Georgina Rodríguez: a vida de luxo no Catar e a amizade com a família real daquele país

Georgina Rodríguez: a vida de luxo no Catar e a amizade com a família real daquele país

Meghan impressiona em noite de gala: de vestido branco e anel da princesa Diana

Meghan impressiona em noite de gala: de vestido branco e anel da princesa Diana

Fashion Clinic Home abre pop-up store em Lisboa

Fashion Clinic Home abre pop-up store em Lisboa

Recorde os visuais de Kate durante a viagem aos Estados Unidos

Recorde os visuais de Kate durante a viagem aos Estados Unidos

DGAV pede reforço de medidas contra peste suína após foco na Chéquia

DGAV pede reforço de medidas contra peste suína após foco na Chéquia

Caras conhecidas atentas a tendências de moda

Caras conhecidas atentas a tendências de moda

Recorde os visuais de Kate durante a viagem aos Estados Unidos

Recorde os visuais de Kate durante a viagem aos Estados Unidos

Georgina Grávida?

Georgina Grávida?

A reorganização do enoturismo

A reorganização do enoturismo

Em época de Natal, rainha Camilla abre as portas da Clarence House aos mais novos

Em época de Natal, rainha Camilla abre as portas da Clarence House aos mais novos

Carreiras não perdoam Ivo Lucas

Carreiras não perdoam Ivo Lucas

Universidade de Évora e Cruz Vermelha testa com sucesso baterias de segunda vida em cenário de catástrofe

Universidade de Évora e Cruz Vermelha testa com sucesso baterias de segunda vida em cenário de catástrofe

Duarte Cordeiro, ministro do Ambiente, sobre o Simplex ambiental:

Duarte Cordeiro, ministro do Ambiente, sobre o Simplex ambiental: "Queremos eliminar duplicações e tornar mais eficiente a relação entre Estado, pessoas e promotores"

Esta Iguana move-se no universo das novelas gráficas

Esta Iguana move-se no universo das novelas gráficas

Os animais mais cómicos do ano!

Os animais mais cómicos do ano!