A droga do riso que está a preocupar as autoridades

A droga do riso que está a preocupar as autoridades

Na cadeira do dentista, é bem provável que o nosso caro leitor já tenha inalado óxido nitroso ou protóxido de azoto, um gás com efeito anestésico pouco acentuado, mas com forte poder analgésico. É igualmente usado em meio hospitalar, em intervenções cirúrgicas de curta duração, em obstetrícia ou em otorrinolaringologia. Também na indústria automóvel, o composto químico, constituído por dois átomos de nitrogénio e um de oxigénio (N2O), ajuda a aumentar a potência do motor de combustão e, nas cozinhas industriais, este gás incolor e sem cheiro é o que permite fazer chantilly, mousses e espumas firmes com o sifão culinário.

Medicamento sujeito a receita médica, por não ser considerado pela Lei de Combate à Droga nacional um produto estupefaciente, são legais a sua comercialização e utilização. No entanto, há uma exceção. Não pode ser usado em meio recreativo, ou seja, vendido e consumido em festas públicas ou particulares, raves, bares, discotecas e festivais de música.

  Festa e despojos Um grupo de raparigas inala “gás do riso” no festival britânico de Glastonbury

Palavras-chave:

Mais na Visão