Vem aí um MeToo à portuguesa? Os casos, as denúncias e as consequências – ou falta delas

Vem aí um MeToo à portuguesa? Os casos, as denúncias e as consequências – ou falta delas

O efeito pode ser o das peças de dominó a cair, uma empurrada pela outra. As declarações da atriz Sofia Arruda, 32 anos, no programa Alta Definição, da SIC, contando que esteve vários anos afastada da televisão por ter recusado os avanços sexuais de “uma pessoa com muito poder”, caíram que nem uma bomba. E têm levado outras mulheres do meio artístico a assumir terem sido vítimas de assédio sexual. “Custa-me pensar se essa pessoa conseguiu efetivamente tirar proveito de outras miúdas, persuadi-las…”, disse a atriz, que fez parte dos elencos das novelas Deixa-me Amar, Feitiço de Amor e Sentimentos.

Me Too Um protesto em Paris usando a hashtag que ficaria para sempre como símbolo da luta contra o assédio sexual

“Há uma linha muito bem definida. Uma coisa é entrar no estúdio maquilhada e alguém dizer ‘estás com bom ar’, e depende do tom com que dizem. Outra é dizerem ‘se não fizeres, se não fores jantar, não vais fazer a novela até ao fim’. É uma situação muito sensível e cada pessoa sabe o seu limite. Uma chantagem como a que me fizeram não tolero, é o meu limite.” Inês Simões, 37 anos, está há meia dúzia de anos afastada das produções televisivas. Ultimamente, o público só viu a atriz – psicóloga de formação – numa participação pontual, que durou um mês, na telenovela Amor Maior.

Palavras-chave:

Mais na Visão