Catarina de Albuquerque: “A água contribui para o empoderamento das mulheres”

Foto: Gonçalo Rosa da Silva

Catarina de Albuquerque é uma das pessoas que mais têm contribuído para levar a água onde ela é mais escassa. Após ter sido, durante seis anos, relatora especial das Nações Unidas para o direito a água potável e saneamento, em 2014, passou a liderar a Sanitation and Water for All, uma iniciativa global que junta governos e organizações da sociedade civil de todo o mundo.

Morrem milhares de pessoas todos os dias devido à falta de acesso a água de qualidade. Porque é tão difícil resolver isto?

As razões mais imediatas são a falta de vontade política e de financiamento. O tema não é prioritário, e isso vê-se na composição do governo e nas dotações orçamentais que recebem os ministérios responsáveis pela água e saneamento.

O facto de os países mais desenvolvidos darem a água como um bem adquirido faz com que não compreendam o alcance do problema noutras regiões do globo?

Vou mais longe: como é possível termos tido de esperar até 2010 para a água e o saneamento serem reconhecidos como direitos humanos? Em 1948, quando se anunciou a declaração universal, não estava lá o direito à água. Os países onde há maiores problemas de água, na altura, eram colónias e nem sequer se sentaram à volta da mesa. Os que tinham lugar, diplomatas dos países ricos, faziam parte de uma classe social que nem sabia que esses problemas existiam. Hoje, os países do Norte têm de ajudar os do Sul, mas a ajuda pública ao desenvolvimento tem vindo a diminuir e é uma gotinha no oceano.

Muitas vezes, é um problema invisível…

Sim. Conheci pessoas no Bangladesh a beberem água transparente que estava a matá-las a longo prazo: água poluída com arsénico. Não davam por nada. Tive, com um senhor de uma aldeia, uma das conversas que mais me chocaram na vida. “Então mas e o arsénico?” E ele: “Nós estamos preocupados é com a sobrevivência hoje, sei lá eu onde vou estar daqui a 20 anos.” Vi também miúdos em Angola de cócoras a pôr um pano nas poças de água cheias de terra e a torcê-lo para a boca. Têm água para beber, sim. Depois vão estar cheios de diarreia, e alguns morrem, mas se calhar nem associam à água

Qual é o papel da Sanitation and Water for All no combate a esta situação?

A nossa missão é trabalhar com o poder político, chefes de Estado, chefes de Governo, agências da ONU, para aumentar a visibilidade do setor. Tentamos criar uma faísca, de forma a mobilizar a vontade política para o tema de água e saneamento, para aumentar os investimentos e melhorar a governança da água. Isto porque construir uma bomba de água ou uma latrina não é suficiente. Se não houver uma política pública para o setor, daí a um ano já lá não estão. Contamos as bombas de água instaladas, mas não as que se estragam.

Tem de ser uma aposta sustentada?

Tal como na Educação ou na Saúde, não basta construir o edifício da escola ou do hospital, também aqui precisamos de planos nacionais que consigam ver tudo de uma maneira integrada. E há também que perceber os impactos positivos do acesso à água potável noutras áreas. Por exemplo, na Educação: conheci umas miúdas fantásticas no Quénia, na aldeia onde nasceu o pai do Obama, que depois de um dia de escola ainda tinham de estar horas a carregar água, porque é um trabalho de mulheres e de raparigas, e quando chegavam a casa já não havia luz e não podiam fazer os trabalhos de casa. Portanto, a água contribui para o empoderamento das mulheres, para o direito à Educação. E para a Saúde – metade das camas de hospitais em África está ocupada com pessoas que sofrem de doenças transmitidas pela água.

É possível conciliar a iniciativa privada com a necessidade de providenciar água e saneamento a todos?

Não é fácil, mas é possível. Não é obrigatório os serviços serem públicos. Importante é haver um regulador forte e independente, e ter tarifas sociais para quem não pode pagar as contas da água. Se eu não pagar a conta da Netflix, é legítimo que a Netflix me corte a conta. Mas o acesso à água e ao saneamento é um direito humano, por isso, quando eu não puder pagar a conta, o Governo tem de entrar em ação e arranjar forma de eu não ficar privada do acesso a este direito fundamental só porque perdi o emprego.

LEIA TAMBÉM: Vamos ficar sem água?

Mais na Visão

Deus já não cabe no espaço público?
Sociologia do Quotidiano

De que falamos quando falamos de religião?

Talvez pelo facto de ser um fenómeno extremamente complexo e multidimensional, não há na literatura especializada um consenso sobre a definição de religião, alerta Donizete Rodrigues, que desafia os leitores que tiverem chegado ao final do artigo a contribuir para a sua construção

Mundo

UE/Presidência: Comissão com 'plano B' caso presidência termine sem avanços nos salários mínimos

A Comissão Europeia está a considerar como 'plano B' avanços nas presidências europeias seguintes à portuguesa sobre a definição de salários mínimos, caso Portugal não consiga consenso no Conselho, segundo o comissário europeu do Emprego, Nicolas Schmit

Mundo

Presidentes de 21 países da União querem UE "líder mundial" com "novas soluções"

Presidentes de 21 países europeus, entre eles Marcelo Rebelo de Sousa, apelaram hoje a uma UE com "novos métodos e novas soluções", "líder mundial" e pediram também ajuda aos cidadãos

Mundo

Tóquio2020: Responsável do Comité Olímpico Internacional afirma que nada pode impedir realização

O vice-presidente do Comité Olímpico Internacional (COI) afirmou hoje que nada poderá impedir os Jogos Olímpicos de Tóquio de se realizarem como planeado, apesar do atual surto de covid-19

Sociedade

Esta é a piscina infinita mais alta do mundo e não é difícil imaginar onde abriu

Inaugurada esta semana, tem quase o dobro do comprimento de uma piscina olímpica e fica situada no topo de um arranha-céus com 77 andares, a quase 300 metros de altura

Cultura

Vestígios arqueológicos não vão alterar projeto imobiliário previsto para os antigos terrenos da Feira Popular

As descobertas vão da pré-história aos séculos mais recentes, passando pelo Império Romano, mas não têm relevância patrimonial a ponto de justificarem mudanças no plano urbanístico, garante à VISÃO a Direção-Geral do Património Cultural. Novas imagens mostram a evolução das escavações nos últimos cinco meses

Crónicas
Exclusivo

As mulheres e os homens

Será que os nossos filhos vão seguir as pisadas dos pais? Ou vão ser uns meninos da mamã, a fumar à mesa enquanto auscultam nos telemóveis a cotação das bitcoins (...)?

Visão Saúde
VISÃO Saúde

A comida com picante provoca úlceras?

A Diretora do Serviço de Gastrenterologia do Centro Hospitalar Universitário do Porto esclarece as dúvidas mais frequentes sobre a questão dos picantes

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: O que deve saber sobre viajar durante este período em 10 perguntas e respostas

O verão aproxima-se a vontade de partir aperta. Saiba quais as restrições e que países não poderá mesmo visitar quando decidir ir de férias

Economia

Covid-19: Entradas e saídas para trabalhar nas freguesias de Odemira sob cerca sujeitas a teste negativo

As entradas e saídas para trabalhar ou apoiar idosos nas freguesias de Odemira sob cerca sanitária ficam dependentes de teste negativo à covid-19, a partir das 08:00

Mundo

Covid-19: Guterres defende mais autoridade para OMS em sessão de perguntas para candidato a secretário-geral

António Guterres defendeu hoje, em diálogo com Estados-membros da ONU o reforço da autoridade da Organização Mundial de Saúde e uma visão abrangente sobre os problemas relativas ao clima, biodiversidade e poluição

Mundo

Cimeira Social: Compromisso do Porto é "ambicioso mas alcançável", diz Von der Leyen

A presidente da Comissão Europeia considerou que o Compromisso Social do Porto, firmado nesta sexta-feira, é "ambicioso mas alcançável", sublinhando que a suspensão das patentes das vacinas contra a covid-19 "não resolverá o problema a curto/médio prazo"