Catarina de Albuquerque: “A água contribui para o empoderamento das mulheres”

Foto: Gonçalo Rosa da Silva

Catarina de Albuquerque é uma das pessoas que mais têm contribuído para levar a água onde ela é mais escassa. Após ter sido, durante seis anos, relatora especial das Nações Unidas para o direito a água potável e saneamento, em 2014, passou a liderar a Sanitation and Water for All, uma iniciativa global que junta governos e organizações da sociedade civil de todo o mundo.

Morrem milhares de pessoas todos os dias devido à falta de acesso a água de qualidade. Porque é tão difícil resolver isto?

As razões mais imediatas são a falta de vontade política e de financiamento. O tema não é prioritário, e isso vê-se na composição do governo e nas dotações orçamentais que recebem os ministérios responsáveis pela água e saneamento.

O facto de os países mais desenvolvidos darem a água como um bem adquirido faz com que não compreendam o alcance do problema noutras regiões do globo?

Vou mais longe: como é possível termos tido de esperar até 2010 para a água e o saneamento serem reconhecidos como direitos humanos? Em 1948, quando se anunciou a declaração universal, não estava lá o direito à água. Os países onde há maiores problemas de água, na altura, eram colónias e nem sequer se sentaram à volta da mesa. Os que tinham lugar, diplomatas dos países ricos, faziam parte de uma classe social que nem sabia que esses problemas existiam. Hoje, os países do Norte têm de ajudar os do Sul, mas a ajuda pública ao desenvolvimento tem vindo a diminuir e é uma gotinha no oceano.

Muitas vezes, é um problema invisível…

Sim. Conheci pessoas no Bangladesh a beberem água transparente que estava a matá-las a longo prazo: água poluída com arsénico. Não davam por nada. Tive, com um senhor de uma aldeia, uma das conversas que mais me chocaram na vida. “Então mas e o arsénico?” E ele: “Nós estamos preocupados é com a sobrevivência hoje, sei lá eu onde vou estar daqui a 20 anos.” Vi também miúdos em Angola de cócoras a pôr um pano nas poças de água cheias de terra e a torcê-lo para a boca. Têm água para beber, sim. Depois vão estar cheios de diarreia, e alguns morrem, mas se calhar nem associam à água

Qual é o papel da Sanitation and Water for All no combate a esta situação?

A nossa missão é trabalhar com o poder político, chefes de Estado, chefes de Governo, agências da ONU, para aumentar a visibilidade do setor. Tentamos criar uma faísca, de forma a mobilizar a vontade política para o tema de água e saneamento, para aumentar os investimentos e melhorar a governança da água. Isto porque construir uma bomba de água ou uma latrina não é suficiente. Se não houver uma política pública para o setor, daí a um ano já lá não estão. Contamos as bombas de água instaladas, mas não as que se estragam.

Tem de ser uma aposta sustentada?

Tal como na Educação ou na Saúde, não basta construir o edifício da escola ou do hospital, também aqui precisamos de planos nacionais que consigam ver tudo de uma maneira integrada. E há também que perceber os impactos positivos do acesso à água potável noutras áreas. Por exemplo, na Educação: conheci umas miúdas fantásticas no Quénia, na aldeia onde nasceu o pai do Obama, que depois de um dia de escola ainda tinham de estar horas a carregar água, porque é um trabalho de mulheres e de raparigas, e quando chegavam a casa já não havia luz e não podiam fazer os trabalhos de casa. Portanto, a água contribui para o empoderamento das mulheres, para o direito à Educação. E para a Saúde – metade das camas de hospitais em África está ocupada com pessoas que sofrem de doenças transmitidas pela água.

É possível conciliar a iniciativa privada com a necessidade de providenciar água e saneamento a todos?

Não é fácil, mas é possível. Não é obrigatório os serviços serem públicos. Importante é haver um regulador forte e independente, e ter tarifas sociais para quem não pode pagar as contas da água. Se eu não pagar a conta da Netflix, é legítimo que a Netflix me corte a conta. Mas o acesso à água e ao saneamento é um direito humano, por isso, quando eu não puder pagar a conta, o Governo tem de entrar em ação e arranjar forma de eu não ficar privada do acesso a este direito fundamental só porque perdi o emprego.

LEIA TAMBÉM: Vamos ficar sem água?

Mais na Visão

Sociedade

O segredo para correr melhor pode estar na distração (para não "ouvir" o nosso corpo)

Focarmo-nos em distrações, como sons e imagens externas, e abstrairmo-nos do nosso próprio corpo, pode estar ligado a uma melhor performance durante a corrida

Diário de uma Avó e de um Neto

Solidão povoada

Mundo

Covid-19: Putin dá uma semana de férias aos russos para travar pandemia

O Presidente russo, Vladimir Putin, deu hoje uma semana de férias pagas à população, de 30 de outubro a 07 de novembro, para travar o avanço da pandemia de covid-19, que continua a agravar-se

Mundo

Opositor russo Navalny vence Prémio Sakharov 2021 do Parlamento Europeu

O ativista russo Alexei Navalny, opositor político do Presidente e que cumpre uma pena de prisão desde fevereiro, é o vencedor do Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento 2021

Política

PSD: Rio considerou ter "obrigação" de avançar e convicto de que maioria dos militantes são livres

O presidente do PSD justificou hoje a sua recandidatura pela "obrigação" de colocar o interesse do país e do partido à frente da sua vida pessoal, manifestando-se convicto de que a maioria dos militantes "são homens e mulheres livres"

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Não vacinados podem ser reinfetados, em média, a cada 16 meses

Os investigadores conseguiram realizar um modelo de risco de reinfeção por Covid-19 ao longo do tempo, juntando dados já conhecidos sobre as reinfeções e dados imunológicos de outros tipos de coronavírus, como o MERS-CoV

História

Quando a camioneta-fantasma assombrou Lisboa: A Noite Sangrenta foi há 100 anos

O mais sangrento e absurdo episódio da Primeira República aconteceu na noite de 19 para 20 de outubro de 1921, quando uma carrinha de caixa aberta, repleta de radicais, deambulou pelas ruas de Lisboa em busca de algumas das principais figuras do Estado. Seis pessoas foram cruelmente assassinadas – entre elas, heróis republicanos da revolução de 5 de Outubro

Opinião

Merkel: Quando a fé faz a diferença na política

Embora seja matéria pouco falada, a fé tem sido sempre fundamental na vida e acção política de Angela Merkel. A isso não terá sido alheio o facto de ser filha dum pastor luterano na antiga Alemanha de Leste

VISÃO DO DIA
Exclusivo

VISÃO DO DIA: Tocou para o recreio. E agora?

Economia

Guia prático para poupar combustível

A escalada do preço dos combustíveis, com mais de três dezenas de subidas ao longo deste ano, está a provocar um forte impacto no orçamento das famílias na hora de abastecer o veículo. Mas há formas de atenuar esse efeito. Saiba como poupar gasolina sem ter de deixar o carro à porta

Sociedade

Bullying entre irmãos vai afetar a saúde mental de ambos no fim da adolescência

Neste Dia Mundial de Combate ao Bullying, um novo estudo feito no Reino Unido alerta para os perigos de agressores e vítimas da mesma família e na mesma casa virem a sofrer de problemas mentais

Economia

OE2022: Governo e sindicatos da função pública fazem hoje negociação suplementar

O Governo volta a reunir-se hoje com as estruturas sindicais da função pública para uma ronda de negociação suplementar pedida pelos representantes dos trabalhadores, que esperam avanços em matérias salariais e nas carreiras