Trabalho: A revolução que acelerou com a pandemia

As previsões do Fórum Económico Mundial continuam a apontar 2025 como o ano em que humanos e máquinas atingirão o equilíbrio em termos de tempo despendido em tarefas, mas as necessidades nascidas da pandemia (menos densidade de pessoas no local de trabalho, redução de contacto, melhoria da eficiência e da velocidade) deverão acelerar a automação nos próximos anos. Mantém-se a premissa de que este fenómeno continuará a criar mais trabalhos (97 milhões) do que aqueles que destrói (85 milhões), mas o ritmo de destruição deverá acelerar-se, enquanto o de criação abrandará.

“Se se automatiza, perde-se emprego e ganham-se novos trabalhos, além de se ganhar competitividade. Mas se não se automatiza, acaba-se não só a perder emprego como também competitividade”, avisa Duarte Braga, sócio sénior da McKinsey, consultora que coloca 1,1 milhões de pessoas em Portugal em risco de perder o lugar numa década, devido à substituição por máquinas de funções manuais, repetitivas e com pouca inteligência associada.

No entanto, um estudo realizado no último verão por Daron Acemoglu, professor do MIT, e Pascual Restrepo, professor da Universidade de Boston, mostra que existe um claro impacto negativo no mercado laboral. Eles descobriram que cada robô inserido na indústria por cada mil trabalhadores dos EUA (por exemplo, numa fábrica com cinco mil trabalhadores, analisariam o impacto de cinco robôs) representava um decréscimo salarial de 0,42%, enquanto o rácio da população empregada diminuía 0,2 pontos percentuais.

Os trabalhadores mais jovens e os menos qualificados estarão, segundo a OCDE, expostos a um maior risco com esta revolução, que já começa também a ameaçar os empregos dos mais qualificados. O especialista defende, contudo, que Portugal está perante uma “armadilha”, que impede a transformação da indústria: “Um trabalho repetitivo que seja relativamente mais mal remunerado faz com que o investimento que tem de se fazer na automação seja menos rentável. A indústria alemã, por exemplo, tem muito mais incentivo em investir em automação do que a portuguesa”, descreve.

Num estudo recente do Banco Europeu de Investimento, o Centro e o Norte de Portugal foram incluídos entre as regiões da União Europeia com riscos mais elevados de transição. Será um impacto duplo: a destruição de emprego virá não só do impacto da automação, que será superior à mediana europeia nestas geografias, como da conversão numa economia mais verde (já que é nestas regiões que estão localizadas as indústrias mais carbonizadas). As duas regiões portuguesas não estão sozinhas e partilham estes desafios com zonas de Espanha, Alemanha e Itália e grandes áreas da Europa Central e de Leste.

“Será mais difícil encontrar empregos alternativos onde a destruição causada pela automação coincide com a da transição verde. E traz mais desafios às autoridades locais. Os impostos podem baixar, ao mesmo tempo que será necessário gastar mais na reconversão dos trabalhadores”, lê-se no documento. Em Portugal, só a região de Lisboa e Vale do Tejo apresenta uma reduzida exposição a ambos os riscos de transição, enquanto Algarve e Alentejo têm elevada exposição a pelo menos um desses riscos.

Palavras-chave:

Mais na Visão

Exame Informática
Exame Informática

Luigi aparece em protótipo de jogo… para a Sega Dreamcast

O irmão mais alto do canalizador mais popular dos videojogos chegou a ser equacionado para figurar num jogo de corridas chamado Sega GT para a consola Dreamcast

World Press Photo

Grandes fotografia, boas histórias e muita curiosidade. As imagens do primeiro fim-de-semana de World Press Photo com a VISÃO

Milhares de visitantes estiveram este sábado e domingo no Parque dos Poetas, em Oeiras, para assistir à exposição e participar dos workshops

Exame Informática
Exame Informática

Spirit of Innovation: Avião 100% elétrico da Rolls Royce já voa

O avião da icónica marca britânica descolou para um primeiro voo, de 15 minutos, na semana passada, a partir de uma pista que pertence ao Ministério da Defesa do Reino Unido

Bolsa de Especialistas

Sem surpresas…

Parece que a única estratégia comum de combate à corrupção em que estão verdadeiramente empenhados é a de controlo do Conselho Superior do Ministério Público para condicionarem as investigações criminais e desta forma sacudirem para debaixo do tapete o problema

Mundo

As imagens arrepiantes da erupção do vulcão de La Palma

O Cumbre Vieja entrou em erupção do domingo, depois de mais de uma semana em que foram registados milhares de sismos na região, obrigando à evacuação de milhares de pessoas da ilha de La Palma, Canárias

Mundo

Pelo menos oito mortos e seis feridos num tiroteio em universidade na Rússia

Pelo menos oito pessoas morreram e seis outras ficaram feridas após um atirador abrir fogo hoje numa universidade na cidade russa de Perm, segundo o Comité de Investigação da Rússia

Imobiliário

“O setor do imobiliário foi o mais resiliente durante a pandemia”

O setor do imobiliário tem sido um dos mais resistentes perante a pandemia mas faltam incentivos, alerta Hugo Santos Ferreira, o novo presidente da APPII – Associação Portuguesa de Promotores e Investidores Imobiliários

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Biólogos do MIT descobrem novos alvos para vacinas contra o cancro

Grupo de cientistas do Massassuchets Institute of Technology descobriu que a vacinação contra certos tipos de proteínas encontradas nas células cancerígenas pode impulsionar a resposta das células T no combate ao cancro

Bolsa de Especialistas

As redes sociais invadiram a vida dos meus filhos. E agora?

A gratificação é imediata. A beleza, o “estar sempre tudo bem”, o ser uma montra fácil para o ego, a fama e a validação imediata através dos comentários ou likes são os principais fatores. A popularidade é medida desta forma, e o estatuto é alcançado através dela. A psicóloga Catarina Lucas sobre este problema que tira o sono a tantos pais

Opinião

Os perigos do negacionismo

O negacionista tende a desvalorizar o que é norma ou ciência comprovada, para passar a acreditar em factos alternativos ou pós-verdades. Movimenta-se bem nas redes sociais, dispõe de muita informação e apresenta-se como pessoa mais esclarecida face ao comum dos mortais. Felizmente, a história mostrou-nos, ao longo dos séculos, que o conhecimento e a ciência se foram sobrepondo à especulação, a teorias da conspiração ou à pura negação dos factos

VISÃO DO DIA
Exclusivo

VISÃO DO DIA: Canárias, vulcão, megatsunami e lua cheia

LD Linhas Direitas
Linhas Direitas

O bailarico de Costa

O primeiro-ministro, que também é secretário-geral do PS, e vice-versa, tem uma sorte danada: não fosse esta arma, e a campanha seria um enfado, um aborrecimento, um lapso entediante