As imagens da manifestação que juntou centenas de empresários e trabalhadores da restauração e não só em Lisboa

Centenas de empresários e trabalhadores da restauração, eventos culturais e animação noturna estão hoje reunidos no Rossio, em Lisboa, exigindo apoios do Governo para lutarem contra o desemprego e continuarem “a pôr pão na mesa”.

Em frente ao Teatro Nacional Dona Maria II, e rodeados por um visível aparato policial, os organizadores do protesto fazem-se ouvir em cima de uma carrinha de caixa aberta, a partir da qual desfiam um rol de queixas que concluem sempre o mesmo: “a restauração e a cultura estão a morrer!”.

Os presentes, munidos de máscara e com algum distanciamento social, estão a empunhar cartazes onde se leem as principais reivindicações destes setores .

Queixam-se de ser o bode expiatório desta pandemia e assumem-se como os maiores cumpridores da segurança, ma dizem que, apesar disso, têm sido os mais prejudicados.

“Estão a matar 100% dos restaurantes por 3% do contágio”, “Queremos trabalhar, deixem-nos viver” ou “Não há saúde sem economia” são algumas das frases que se podem ler nos cartazes de alguns dos manifestantes.

Os vários intervenientes queixam-se de terem sido obrigados a despedir trabalhadores, nomeadamente no setor da animação cultural, mas também na restauração, na hotelaria, nas discotecas e bares noturnos e nos transportes de turistas.

Os presentes aplaudem e fazem-se ouvir com apitos.

Em cima do improvisado palanque, os discursos têm sido inflamados, muitas vezes com recurso ao uso de palavrões, e muita indignação.

O comércio e a restauração iniciam hoje o primeiro de dois fins de semana em que apenas podem abrir entre as 08:00 e as 13:00, no âmbito do estado de emergência, uma medida contestada por várias associações empresariais.

Em conferência de imprensa, ao mesmo tempo que decorre este protesto no Rossio, em Lisboa, o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital anunciou que os apoios já disponibilizados ou anunciados para o setor da restauração na sequência da crise causada pela pandemia totalizam 1.103 milhões de euros, correspondendo a cerca de 60% do da quebra de faturação registada pelo setor.

Aquele valor global engloba 286 milhões de euros de apoios que já chegaram às empresas deste setor por via do ‘lay-off’ simplificado e do apoio à retoma progressiva ou ainda os 200 milhões de euros para o novo programa apoiar.pt que consiste na atribuição de um apoio a fundo perdido às micro, pequenas e médias empresas para as compensar pela quebra de faturação.

Tenha acesso ilimitado a toda a biblioteca digital enquanto espera pela próxima edição

Comece a ler já hoje!

Leia já!

Mais na Visão

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Tomou a vacina da AstraZeneca? Estes são os sintomas que implicam assistência médica imediata

Apesar de considerar o benefício em tomar a vacina superior ao risco de contrair Covid-19, a Agência Europeia do Medicamento definiu sinais de alarme muito precisos

Se7e
Comer e beber

Hora do lanche: Quatro receitas de bolos

Quatro receitas de bolos, simples e fáceis de se fazer, para saborear em fatias generosas

Mundo

Como Sarkozy e Berlusconi têm escapado à prisão, apesar de condenados

Absolvições, amnistias, prescrições e a idade livraram o antigo primeiro-ministro italiano da cadeia, enquanto o ex-presidente francês foi ilibado num caso e está a ser julgado por outro relacionados com financiamentos ilícitos das suas campanhas eleitorais, além de ter recorrido de uma condenação por corrupção ativa

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Doentes com cancro estão a chegar muito tarde ao hospital

Doentes com cancro chegam ao hospital em fases tão tardias da doença, que "praticamente já não é possível" tratar, alerta o pneumologista Fernando Rodrigues

Newsletters

Telegrama: O Butão pode ser o país mais feliz e o mais vacinado do mundo?

Sociedade

Ivo Rosa: Quem é o lobo solitário que decidiu não levar Sócrates a julgamento por corrupção

De estudante “certinho”, que “quase transcrevia os espirros dos professores”, a juiz formalista, que só condena o irrefutável. Ivo Rosa é conhecido pela sua exigência e criticado por ser benevolente para com os arguidos. Esta sexta-feira, fez, mais uma vez, jus à sua fama e decidiu arquivar todas as três acusações de corrupção a José Sócrates, que só vai a julgamento por três crimes de branqueamento de capitais e outros três de falsificação de documentos. Quem é o discreto juiz madeirense que, no entanto, não consegue passar despercebido?

Mundo

China multa 'gigante' do comércio 'online' Alibaba em 2,33 mil milhões de euros

As autoridades chinesas multaram o 'gigante' de comércio 'online' Alibaba em 2,33 mil milhões de euros por abuso de posição dominante

Mundo

Alertas de desflorestação na Amazónia brasileira batem recorde em março

Os alertas de desflorestação na Amazónia brasileira em março, equivalentes a 367,6 quilómetros quadrados, foram os maiores já registados para o mês desde o início da monitorização, em 2015, segundo dados oficiais

Opinião

Mais contente do que José Sócrates, só André Ventura

Fosse qual fosse a decisão, o Regime sairia muito mal de todo este processo. A Operação Marquês não deixa ninguém ileso: nem a Justiça, nem a investigação, nem o Ministério Público, nem os políticos, nem os legisladores, nem Sócrates, nem Ivo Rosa

Política

Ivo Rosa pede à PGR que aja: há suspeita de crime na entrega a Carlos Alexandre do Caso Sócrates

Ivo Rosa pediu à Procuradoria-Geral da República que abra um inquérito à forma como o processo de José Sócrates foi parar às mãos de Carlos Alexandre. Segundo o juiz, a distribuição do caso, em 2014, não terá sida feita de acordo com as regras

Em sincronização

O dia em que os portugueses se sentiram gozados pela Justiça

Foi o Estado de Direito a funcionar, mas foram também 231 minutos de sova pública na Justiça. E agora, os cidadãos não sabem no que acreditar: será que o sistema falhou muito e perseguiu injustamente cidadãos impolutos durante anos, ou está a falhar agora, deixando impunes poderosos que corromperam e foram corrompidos?

Exame Informática
Mercados

Dados de mais 500 milhões de utilizadores publicados online (agora associados ao LinkedIn)

Depois de ter sido tornado público que dados de mais de 533 milhões de utilizadores do Facebook estavam disponíveis online, surgem relatos de outro grande conjunto de informação também ter vazado, desta feita proveniente maioritariamente do LinkedIn