Páscoa 2.0: missa celebrada com rigor na paróquia da Penha de França

Páscoa 2.0: missa celebrada com rigor na paróquia da Penha de França

A primeira coisa que salta à vista, assim que saio do meu carro, estacionado junto à igreja de Nossa Senhora da Penha de França, em Lisboa, é um cadeado amarelo, aparentemente a unir os imponentes portões de ferro verde. Ligo para o José Carlos, que imagino lá dentro, de máquina fotográfica na mão. “Podes entrar”, diz-me meio a sussurrar, porque dentro das igrejas se sussurra, ninguém sabe bem por quê, “o cadeado não está a prender o portão”.

Olha, pois não, admiro-me enquanto subo a escadaria de mármore até à porta de entrada. Presos, mas nem tanto. Religião adiada, mas nem por isso. Deve ser essa a metáfora contraditória destes cadeados (há mais, à medida que passo mais portões, todos amarelos e igualmente grossos): nada prendem, mas tudo proíbem. As ordens de Roma são clara, desde meados de março – não se celebram missas. Não se celebrarem missas, vírgula, porque a maioria dos padres tem-nas celebrado, sem assistência.

E a Páscoa, o ponto alto das celebrações dos católicos em todo o mundo, como se vive em confinamento, sem as habituais idas à igreja? Por estes dias, haveria procissões, compassos, cânticos, missas mais demoradas, compaixão.

É isso que vamos descobrir, depois de esfregarmos os dedos com o gel à disposição de quem entra na igreja, para se poder acudir ao pedido, de acordo com as normas da DGS, escrito num papel e colado à frente dos nossos olhos. “Desinfete as mãos”, é mais ou menos isso.

NUMA IGREJA VAZIA, FAZ FRIO

A igreja é grande e o vazio ecoa pelas paredes de mármore, as talhas douradas e as figuras religiosas que ornamentam a sala. Há um computador portátil em cima de uma coluna, mesmo em frente ao altar, junto à primeira fila, onde já tantas vezes ficaram os convidados de honra dos casamentos e batizados, no tempo em que eles eram celebrados em comunhão.

O padre Edgar Clara, 44 anos, encontra-se de volta do aparelho eletrónico que domina a igreja, algo tenso. “Com todas as limitações, houve uma invasão da Igreja a um espaço que estava praticamente livre. É que liturgia e Internet têm linguagens muito diferentes. E ainda estamos todos a adaptar-nos….” Adaptar, neste caso, era conseguir que o som chegasse mais alto a casa dos paroquianos, pois eles têm reclamado durante as transmissões via Facebook.

Só que, mesmo depois de quase uma hora de testes – liga cabo, desliga cabo, testa o micro, mexe nas definições do sistema -, volta tudo à versão anterior. O computador sai do seu lugar de destaque, é atirado para cima do banco corrido de madeira, e encaixa-se um telemóvel no pequeno tripé encarnado, de pernas escanchadas para se equilibrar. E liga-se o carregador a uma ficha múltipla pendurada na coluna, não vá a bateria finar-se.

O aparelho pertence a Cátia Valente, 37 anos, responsável pela catequese. Será dela a responsabilidade deste direto, coisa que tem vindo a fazer desde que o público ficou em casa. Também gere, com outras pessoas, a página do Facebook da paróquia, que já existia antes do vírus, embora com muito menos atividade.

Num canto, do lado direito da igreja, se estivermos virados para o altar, reparamos em Marta Domingos, 37 anos, esperando pacientemente que a cerimónia comece, junto a um microfone. De vez em quando, levanta-se, com os seus cadernos pautados na mão, e ensaia com a organista Cristina Brissos, 51 anos, as músicas desta missa vespertina da ceia do Senhor.. A sua voz ressoa de forma especial, sem gente para absorver a melodia. E arrepia.

Antes, Marta dirigia o coro, mas já se habituou a isto de cantar sozinha e sem público. Desde o primeiro momento que se disponibilizou para participar nestas celebrações virtuais, por viver perto e não ser grupo de risco. “Quando estou de frente para o padre nem sinto grande diferença, mas quando subo ao altar para ler e me viro para os bancos vazios é muito estranho, especialmente quando canto o salmo. Tento dirigir o meu olhar para o telemóvel, mas é difícil.”

Sabemos de antemão que nesta quinta-feira santa pouco será como dantes, pois cancelou-se a cerimónia de Lava-Pés e a Trasladação, que é quando se leva o sacrário, em procissão, para uma capela ao lado da igreja onde agora estamos. E, claro, a comunhão dá-se, exclusivamente, às duas músicas e aos três paroquianos que estão na sala, a assistir, várias vezes ajoelhados – mas só depois do direto acabar.

EM NOME DO PAI, DO FILHO…

São sete em ponto. Quatro homens, de paramentos brancos, aguardam a sua entrada em cena, mantendo as devidas distâncias no corredor do lado esquerdo. Assim que o direto começa, dirigem-se ao altar. “Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.” E afinal Marta não canta sozinha, há oito vozes que se juntam a ela, entoando os cânticos religiosos. Poderiam ser cerca de 300, estivesse a igreja cheia de fiéis. Em vez disso, os casacos estão vestidos para combater o vazio.

Em direto no Facebook, estão mais de 80 ligações, mas isso significa mais pessoas, pois normalmente há mais do que uma a seguir a missa virtual. Contas feitas, no final registaram-se 816 visualizações. Cada um a rezar em suas casas, respondendo com virtual “ouvimos Senhor”, sempre que Marta pede que “oremos ao Senhor”. “Amén” é o que mais se lê nos comentários escritos durante a transmissão, mesmo que alguns sejam para se queixar do som.

Esta paróquia, como a maioria das outras, está unida neste regresso forçado aos primórdios do cristianismo. “Voltámos à liturgia doméstica, que era o que faziam os primeiros cristãos, partilhando o pão. Só existe este encontro em igrejas desde que começámos a construí-las, no século II”, lembra Edgar.

Nem o padre Edgar Clara, nem o seminarista Manuel Almeida, 23 anos, que o acompanha, pertencem a esta paróquia. É Bartolomeu dos Mártires, 37 anos, quem costuma celebrar missa nesta igreja, junto do diácono Gonzalo Girona, 38 anos. Mas uniram-se nesta Semana Santa tão fora da normalidade. “Nas minhas paróquias da Mouraria e do Castelo, a maioria das pessoas não tem internet, por isso achei melhor vir para aqui, partilhar o altar. E também partilho a cerimónia nas minhas páginas”, esclarece.

No domingo de manhã, dia 12, o padre Edgar irá levar a comunhão a duas ou três pessoas das suas paróquias, as mais velhas e as demasiado acostumadas a ir à igreja diariamente para ficarem sem o sacramento no dia da ressurreição. “Levo um relicário, chego-me à porta deles, faço uma oração e dou a comunhão, com todos os cuidados, até porque são os mais velhinhos.”

Os ritos pascais vão manter-se, com as devidas diferenças, já se sabe, a assembleia é que passou a ser virtual. Aqui, nem as flores falham. Há gerberas grená, a condizer com os tons do tapete persa estendido em frente ao altar, num arranjo delicado que daqui sairá no sábado, quando se substituir toda a decoração, de acordo com o que manda a tradição.

“Pai Nosso que Estais no Céu”, ouve-se em uníssono. Mas, sem paz de Cristo, nem beijinhos, por favor, embora a música acompanhe o momento que normalmente faz com que os fiéis se cumprimentem. Esta Páscoa, a afastamento social dita que este ritual seja suspenso, até novas diretrizes. “Ide em paz e que o Senhor vos acompanhe.”

Desliga-se o telemóvel, solta-se o carregador da ficha, apanham-se os cabos e guarda-se o computador. Saímos da igreja, já de luzes apagadas. E o cadeado amarelo continua pendurado, com a mesma função -de prender, com alguma liberdade. De proibir a permanência numa igreja, sem permitir que a devoção religiosa se afrouxe.

LEIA A VISÃO, ASSINE A PARTIR DE 6€/MÊS

ASSINE AQUI

Mais na Visão

Mais Notícias

CARAS Decoração de junho: retiros naturais

CARAS Decoração de junho: retiros naturais

Leonor de Espanha encanta com visual de Cinderela na entrega dos Prémios Princesa de Girona

Leonor de Espanha encanta com visual de Cinderela na entrega dos Prémios Princesa de Girona

Ecossintonia: quatro atrizes juntas na atitude sustentável

Ecossintonia: quatro atrizes juntas na atitude sustentável

Kate recupera vestido de 'polka dot' que usou há um mês para assistir a partida do torneio de Wimbledon

Kate recupera vestido de 'polka dot' que usou há um mês para assistir a partida do torneio de Wimbledon

Investigadores descobrem novo buraco na camada do ozono (e também é gigante)

Investigadores descobrem novo buraco na camada do ozono (e também é gigante)

Perto de 300 garranos ajudam a prevenir incêndios na serra da Cabreira  em Vieira do Minho

Perto de 300 garranos ajudam a prevenir incêndios na serra da Cabreira em Vieira do Minho

Glamour e elegância na gala dos International Emmy Awards

Glamour e elegância na gala dos International Emmy Awards

É melhor para a nossa saúde tomar banho de manhã ou à noite?

É melhor para a nossa saúde tomar banho de manhã ou à noite?

Guia prático para preparar o seu jardim (ou varanda!) para o verão

Guia prático para preparar o seu jardim (ou varanda!) para o verão

Os visuais coordenados de Leonor e Sofía com um

Os visuais coordenados de Leonor e Sofía com um "toque" ao gosto de cada uma

Fotogaleria: Exame Informática powered by Peugeot no Oeiras EcoRally

Fotogaleria: Exame Informática powered by Peugeot no Oeiras EcoRally

Cabelos: 5 ideias para o verão da hair artist das celebridades espanholas

Cabelos: 5 ideias para o verão da hair artist das celebridades espanholas

Carregamentos na Mobi.E ficam mais baratos

Carregamentos na Mobi.E ficam mais baratos

Mais de 200 operacionais e 11 meios aéreos combatem fogo em Figueiró dos Vinhos

Mais de 200 operacionais e 11 meios aéreos combatem fogo em Figueiró dos Vinhos

PR diz que tem uma

PR diz que tem uma "excelente relação" com diretor da PSP

Brain Snack: O que é a Síndrome de Ramsay Hunt, que paralisou Justin Bieber

Brain Snack: O que é a Síndrome de Ramsay Hunt, que paralisou Justin Bieber

A escassa vitória de Putin

A escassa vitória de Putin

Romeo Beckham desafia esterótipos de género em produção

Romeo Beckham desafia esterótipos de género em produção

Leonor e Sofía de Espanha: duas irmãs que, no futuro, deverão atuar como dupla

Leonor e Sofía de Espanha: duas irmãs que, no futuro, deverão atuar como dupla

A PRIMA gosta das cores de verão da Parfois, dos sabores frescos da Brigadeirando e da nova coleção da Joana Mota Capitão

A PRIMA gosta das cores de verão da Parfois, dos sabores frescos da Brigadeirando e da nova coleção da Joana Mota Capitão

Europa aprova mais leis para controlar tecnológicas

Europa aprova mais leis para controlar tecnológicas

"Não há ninguém como ela" - Público vibra com estreia de novo programa de Cláudia Vieira

“Quando falo ao telefone com o meu sogro, que está na Ucrânia, ele diz sempre: ‘Quando a NATO vier…’. Os ucranianos estão à espera disso”

“Quando falo ao telefone com o meu sogro, que está na Ucrânia, ele diz sempre: ‘Quando a NATO vier…’. Os ucranianos estão à espera disso”

Matilde Breyner faz relato sobre morte da filha:

Matilde Breyner faz relato sobre morte da filha: "Teria de estar acordada e consciente"

O que é o halo, o dispositivo que salvou a vida de Zhou Guanyu no Grande Prémio da Grã-Bretanha de Fórmula 1

O que é o halo, o dispositivo que salvou a vida de Zhou Guanyu no Grande Prémio da Grã-Bretanha de Fórmula 1

JL 1349

JL 1349

Xiaomi Mi Smart Band 7 vs Huawei Band 7: qual a melhor pulseira desportiva?

Xiaomi Mi Smart Band 7 vs Huawei Band 7: qual a melhor pulseira desportiva?

Victoria Federica de Marichalar usa estilo clássico e feminino no desfile da Dior em Paris

Victoria Federica de Marichalar usa estilo clássico e feminino no desfile da Dior em Paris

Raquel André: Uma Língua Portuguesa afiada

Raquel André: Uma Língua Portuguesa afiada

Ford E-Transit em testes: Elétrico para toda a obra

Ford E-Transit em testes: Elétrico para toda a obra

12 malas Parfois que condizem com esta estação

12 malas Parfois que condizem com esta estação

A história do Ballett Gulbenkian

A história do Ballett Gulbenkian

H.amo: uma nova forma de decoração da sua mesa inspirada nos padrões portugueses

H.amo: uma nova forma de decoração da sua mesa inspirada nos padrões portugueses