Marcelo ganha, mas, no Alentejo, há outros “amanhãs que cantam”

No seu discurso de vitória, Marcelo Rebelo de Sousa anunciou que vai diligenciar para que o Parlamento efetue uma revisão constitucional, no sentido de adaptar a lei eleitoral a situações como as que vivemos [de pandemia e de estado de emergência] e influenciar no sentido de prever o futuro voto por correspondência.

O Presidente reeleito iniciou a sua intervenção com uma referência aos atuais números da pandemia, o que reflete a sua prioridade imediata. Sobre a sua vitória, concluiu que os portugueses votaram num Presidente que representa “todo o Portugal” e não “dos bons contra os maus, que não seja de fação e que não desista da justiça social”. Daqui a três anos, lembrou Marcelo, comemoram-se os 50 anos do 25 de abril de 1974 e, nessa altura, “seria inconcebivel que não estivessemos mais livres, mas também mais desenvolvidos” a valorizar “as partilhas, as inclusões, os afetos”.

Marcelo Rebelo de Sousa quer que passe a haver a possibilidade de voto por correspondência

Destas eleições, passado o ritual dos discursos, podem tirar-se quatro ilações importantes.

1 – Seja qual for o ponto de vista, a vitória de Marcelo Rebelo de Sousa, num país destroçado pela pandemia, é um triunfo absoluto e esmagador. É verdade que não se aproxima do recorde de Mário Soares em 1991 (mais de 70%), mas consegue, a larga distância, o segundo melhor resultado de sempre numa reeleição. Pode argumentar-se que o alcança no quadro de uma grande abstenção, mas mesmo essa é menor do que a pandemia fazia prever: com mais de 10 mil infetados diários e o confinamento obrigatório extensivo a todos com quem contactaram, com a novidade da entrada nos cadernos eleitorais de mais de um milhão de novos eleitores – da emigração – que tendencialmente não votariam, por falta de condições (consulados a grandes distâncias), a abstenção registada não impede que tivesse havido mais eleitores, em números absolutos, do que em várias das presidenciais precedentes. Mais, uma abstenção elevada favorece os extremos, mais mobilizados, e penalizam os candidatos moderados, sobretudo quando têm reeleição tida como assegurada. Por todos estes motivos, Marcelo consegue um grande “plebiscito” ao seu mandato dos afetos, o que faz com que o seu estilo tenha resultado numa aposta ganha.

2 – A derrota na luta pelo segundo lugar, uma disputa bastante renhida – e claramente mais renhida do que as primeiras projeções anunciavam – terá retirado a André Ventura parte do triunfalismo expectável (que, mesmo assim, foi grande e exagerado…) e aos seus apoiantes a arrogância previsível, mas isso não impede que o seu resultado fosse, como se diz agora, “brutal”. André Ventura, ou o Chega, afirma-se como uma força com implantação nacional, transversal a todas as regiões e a todos os eleitorados, do jovem ao idoso, do rural ao urbano e ao suburbano. Caso André Ventura não tivesse tido de se defrontar com um fenómeno chamado Marcelo, era bem possível que a polarização registada em 1986, entre Mário Soares e Freitas do Amaral, se tivesse repetido agora. Se a tendência se confirmar, daqui a cinco anos teremos uma segunda volta entre André Ventura e um candidato da esquerda – ou da direita moderada, apoiado pela esquerda. Ainda assim, há 88% dos eleitores que recusam o projeto de Ventura, o que fez com que o seu discurso hiperbólico soasse um tanto ou quanto ridículo.

3 – Como disse Rui Rio, o centro ganhou. Mas o PSD perde. Perde, porque André Ventura consegue um suplemento de alma que vai levá-lo a querer liderar a oposição. O ar desdenhoso com que o deputado do Chega é tratado, no Parlamento, por todas as bancadas e, sobretudo, pela bancada do Governo, deixa de corresponder ao que se sabe, agora, da relação de forças em presença. O PS e, em parte, o PSD e o CDS, tiveram falta de comparência nestas eleições – mas André Ventura (e, já agora, a Iniciativa Liberal) foram a jogo e ganharam espaço. O CDS torna-se irrelevante e o PSD fica em maus lençóis. Já a IL – cujo resultado terá retirado o 2.º lugar a Ventura… – marca pontos e parece tender a tomar o lugar do eleitorado urbano ex-centrista.

Ana Gomes talvez deva a Ventura o 2. lugar. Quando o candidato do Chega fez desta disputa particular um cavalo de batalha, terá levado muitos eleitores às urnas, só para votar contra ele…

4 – É verdade que a esquerda levou “um bigode”, mas a sua morte é uma notícia manifestamente exagerada. Há uma esquerda moderada que esteve toda com Marcelo. E, portanto, este resultado é para o lado onde o PS dorme melhor. Ainda por cima, Ana Gomes aguentou-se o suficiente para relegar Ventura para terceiro. Talvez o deva ao próprio Ventura, quando este fez desta disputa particular um cavalo de batalha – o que terá levado muitos eleitores às urnas só para votar conra ele… Mas tanto o Bloco como o PCP têm um grave problema em mãos. O Bloco tem uma derrota clamorosa: a decisão de apresentar uma candidata repetente foi um equívoco. A partir do momento em que se percebeu que Ana Gomes representava o voto anti-Ventura, Marisa Matias devia ter-se retirado. E estes números vêm numa altura em que o Bloco se tinha retirado da geringonça… Já no PCP, embora com o prémio de consolação de ficar à frente do Bloco, a ferida é mais profunda e talvez letal. Tal como acontece em toda a Europa, o eleitorado “descamisado” faz a transferência direta para a extrema-direita. Os “amanhãs que cantam” têm agora outro tenor. Os extremos tocam-se?

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

Uma VISÃO mais completa

Assinar agora

Mais na Visão

Mundo

Colapsou parte do cone do vulcão de La Palma e há uma nova e enorme torrente de lava a dirigir-se ao mar

O cone do vulcão Cumbre Vieja, na ilha de La Palma, que entrou em erupção no passado domingo, colapsou parcialmente. Uma nova torrente de lava está a descer a encosta em direção ao mar

Desporto

Piloto Dean Berta Viñales, de 15 anos, morre após acidente em Jerez de La Frontera

O piloto espanhol Dean Berta Viñales, de 15 anos, morreu hoje na sequência de um acidente na corrida de Supersport 300, no circuito de Jerez de La Frontera, anunciou a organização do Mundial de Superbike

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Portugal com 713 novos casos, cinco mortes e subida em cuidados intensivos

Portugal regista hoje cinco mortes atribuídas à covid-19, 713 novos casos de infeção pelo novo coronavírus e uma subida nos internamentos em unidades de cuidados intensivos - DGS

Sociedade

Petricor. Porque é que o cheiro da terra molhada depois de chover é tão bom?

Quando as primeiras gotas de chuva começam a cair, um cheiro distintivo eleva-se do solo. A maioria das pessoas tem uma afeição por este "cheiro a chuva", e muitas dizem conseguir sentir o cheiro característico no ar antes de chover. O fenómeno tem uma explicação científica, e inclusive um nome: petricor

Mundo

Afeganistão: Talibãs penduraram corpo numa grua na principal praça de Herat

Os talibãs penduraram um corpo numa grua na principal praça da cidade de Herat, no oeste do Afeganistão, noticiou hoje a AP, com base numa testemunha no local

Telegrama

Telegrama: Vamos ter saudade de Angela Merkel?

No momento da despedida, têm-se multiplicado os balanços, perfis e análises na imprensa internacional sobre os 16 anos de Angela Merkel à frente do país mais poderoso da Europa. E se é verdade que são muitos os elogios, também foram muitos os que aproveitaram para ajustar contas

Sociedade

Linda Evangelista revela estar "brutalmente desfigurada" após procedimento cosmético

Em causa está um procedimento chamado CoolSculpting, ao qual a modelo se submeteu há cinco anos, tendo sofrido uma reação adversa. "Fiquei, como os media me descreveram, 'irreconhecível'", revelou num post emotivo na sua página do Instagram

Crónicas
Exclusivo

Palavras que existem mas que ninguém diz

Existe, toda a gente sabe que dromedário é um bicho e camelo é outro, mas na vida real vai tudo corrido a camelo

Economia
Exclusivo

Preços da eletricidade sobem a todo o gás. Mas há almofadas para proteger a fatura

Subida das cotações do gás e licenças de CO2 mais caras têm causado sucessivos recordes dos preços da eletricidade nos mercados grossistas. O Governo garante que há formas de amortecer o impacto e promete que a conta da luz não subirá em 2022

Mundo

Princesa Mako do Japão renuncia ao subsídio de casamento

A Princesa Mako do Japão planeia renunciar ao tradicional apoio financeiro dado pelo Estado às mulheres da Família Imperial Japonesa, noticiaram hoje os meios de comunicação japoneses

Sociedade

Estudo alerta para risco de extinção de mamíferos por atropelamento

Várias populações locais de mamíferos como o lince ibérico, o tigre ou o jaguar correm o risco de extinção devido à elevada exposição a atropelamentos, segundo as conclusões de uma investigação liderada por uma cientista da Universidade de Lisboa

Irrevogável

Secretário de Estado Adjunto e da Educação: “A questão da falta de professores é complexa. Para já, há muitos que estiveram nestas duas semanas em campanha”

Em entrevista ao Irrevogável, João Costa fala numa ausência crónica de docentes - que se acentuou no mês de setembro, também por causa das eleições autárquicas