Marcelo ganha, mas, no Alentejo, há outros “amanhãs que cantam”

No seu discurso de vitória, Marcelo Rebelo de Sousa anunciou que vai diligenciar para que o Parlamento efetue uma revisão constitucional, no sentido de adaptar a lei eleitoral a situações como as que vivemos [de pandemia e de estado de emergência] e influenciar no sentido de prever o futuro voto por correspondência.

O Presidente reeleito iniciou a sua intervenção com uma referência aos atuais números da pandemia, o que reflete a sua prioridade imediata. Sobre a sua vitória, concluiu que os portugueses votaram num Presidente que representa “todo o Portugal” e não “dos bons contra os maus, que não seja de fação e que não desista da justiça social”. Daqui a três anos, lembrou Marcelo, comemoram-se os 50 anos do 25 de abril de 1974 e, nessa altura, “seria inconcebivel que não estivessemos mais livres, mas também mais desenvolvidos” a valorizar “as partilhas, as inclusões, os afetos”.

Marcelo Rebelo de Sousa quer que passe a haver a possibilidade de voto por correspondência

Destas eleições, passado o ritual dos discursos, podem tirar-se quatro ilações importantes.

1 – Seja qual for o ponto de vista, a vitória de Marcelo Rebelo de Sousa, num país destroçado pela pandemia, é um triunfo absoluto e esmagador. É verdade que não se aproxima do recorde de Mário Soares em 1991 (mais de 70%), mas consegue, a larga distância, o segundo melhor resultado de sempre numa reeleição. Pode argumentar-se que o alcança no quadro de uma grande abstenção, mas mesmo essa é menor do que a pandemia fazia prever: com mais de 10 mil infetados diários e o confinamento obrigatório extensivo a todos com quem contactaram, com a novidade da entrada nos cadernos eleitorais de mais de um milhão de novos eleitores – da emigração – que tendencialmente não votariam, por falta de condições (consulados a grandes distâncias), a abstenção registada não impede que tivesse havido mais eleitores, em números absolutos, do que em várias das presidenciais precedentes. Mais, uma abstenção elevada favorece os extremos, mais mobilizados, e penalizam os candidatos moderados, sobretudo quando têm reeleição tida como assegurada. Por todos estes motivos, Marcelo consegue um grande “plebiscito” ao seu mandato dos afetos, o que faz com que o seu estilo tenha resultado numa aposta ganha.

2 – A derrota na luta pelo segundo lugar, uma disputa bastante renhida – e claramente mais renhida do que as primeiras projeções anunciavam – terá retirado a André Ventura parte do triunfalismo expectável (que, mesmo assim, foi grande e exagerado…) e aos seus apoiantes a arrogância previsível, mas isso não impede que o seu resultado fosse, como se diz agora, “brutal”. André Ventura, ou o Chega, afirma-se como uma força com implantação nacional, transversal a todas as regiões e a todos os eleitorados, do jovem ao idoso, do rural ao urbano e ao suburbano. Caso André Ventura não tivesse tido de se defrontar com um fenómeno chamado Marcelo, era bem possível que a polarização registada em 1986, entre Mário Soares e Freitas do Amaral, se tivesse repetido agora. Se a tendência se confirmar, daqui a cinco anos teremos uma segunda volta entre André Ventura e um candidato da esquerda – ou da direita moderada, apoiado pela esquerda. Ainda assim, há 88% dos eleitores que recusam o projeto de Ventura, o que fez com que o seu discurso hiperbólico soasse um tanto ou quanto ridículo.

3 – Como disse Rui Rio, o centro ganhou. Mas o PSD perde. Perde, porque André Ventura consegue um suplemento de alma que vai levá-lo a querer liderar a oposição. O ar desdenhoso com que o deputado do Chega é tratado, no Parlamento, por todas as bancadas e, sobretudo, pela bancada do Governo, deixa de corresponder ao que se sabe, agora, da relação de forças em presença. O PS e, em parte, o PSD e o CDS, tiveram falta de comparência nestas eleições – mas André Ventura (e, já agora, a Iniciativa Liberal) foram a jogo e ganharam espaço. O CDS torna-se irrelevante e o PSD fica em maus lençóis. Já a IL – cujo resultado terá retirado o 2.º lugar a Ventura… – marca pontos e parece tender a tomar o lugar do eleitorado urbano ex-centrista.

Ana Gomes talvez deva a Ventura o 2. lugar. Quando o candidato do Chega fez desta disputa particular um cavalo de batalha, terá levado muitos eleitores às urnas, só para votar contra ele…

4 – É verdade que a esquerda levou “um bigode”, mas a sua morte é uma notícia manifestamente exagerada. Há uma esquerda moderada que esteve toda com Marcelo. E, portanto, este resultado é para o lado onde o PS dorme melhor. Ainda por cima, Ana Gomes aguentou-se o suficiente para relegar Ventura para terceiro. Talvez o deva ao próprio Ventura, quando este fez desta disputa particular um cavalo de batalha – o que terá levado muitos eleitores às urnas só para votar conra ele… Mas tanto o Bloco como o PCP têm um grave problema em mãos. O Bloco tem uma derrota clamorosa: a decisão de apresentar uma candidata repetente foi um equívoco. A partir do momento em que se percebeu que Ana Gomes representava o voto anti-Ventura, Marisa Matias devia ter-se retirado. E estes números vêm numa altura em que o Bloco se tinha retirado da geringonça… Já no PCP, embora com o prémio de consolação de ficar à frente do Bloco, a ferida é mais profunda e talvez letal. Tal como acontece em toda a Europa, o eleitorado “descamisado” faz a transferência direta para a extrema-direita. Os “amanhãs que cantam” têm agora outro tenor. Os extremos tocam-se?

Assine a Revista VISÃO, em digital, por €1 e apoie o jornalismo de qualidade.

ASSINE JÁ

ASSINE JÁ!

Mais na Visão

LD Linhas Direitas
LInhas Direitas

O Presidente mais do que certo!

O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa é como nenhum outro: o mais comum de todos os cidadãos, mas também o mais extraordinário, e isso permitiu-lhe aproximar-se de todos os portugueses, indistintamente. Não está em Belém pela pompa, nem pela liturgia, e muito menos pelo distanciamento. E é por isso que Marcelo está no lugar certo, e na hora em que o País mais precisa

Sociedade

Caso Constança Braddell: Hospital de Santa Maria faz pedido para utilização de medicamento inovador em cinco doentes com fibrose quística

Confirmam-se as boas notícias que a família da jovem de 24 anos aguardava. Outros quatro doentes serão também abrangidos neste processo

Exame Informática
Internet

SpaceX quer rede da Starlink a ligar carros, barcos e aviões

Empresa espacial de Elon Musk já apresentou o pedido de aprovação às autoridades nos EUA para poder colocar tornar a rede Starlink móvel, ligando carros, barcos e aviões

Exame Informática
EI TV

Teste em vídeo ao Hyundai Kauai elétrico

Colocamos à prova o Kauai EV, o elétrico da Hyundai para as famílias. O destaque vai para a prolongada autonomia, que facilmente ultrapassa os 400 quilómetros com apenas uma carga. O nível de tecnologia a bordo também é bastante apreciável.

Fotografia

O novo "comboio de saúde" italiano em 20 imagens

Um comboio para transporte de pacientes durante emergências ou desastres foi apresentado esta segunda feira, 8, na Estação de Termini, em Roma, Itália. No mesmo local, haverá também um centro de vacinação contra a Covid-19

Fotografia

5 estátuas, 10 imagens, uma homenagem fotográfica à Mulher

No Dia da Mulher, a homenagem original da repórter fotográfica da VISÃO Lucília Monteiro

Vai comprar casa? Saiba o que fazer antes de avançar
Bolsa de Especialistas

O difícil salto de arrendar para comprar

A Divvy Homes compra a tão desejada casa em nome do cliente para depois a arrendar, por forma a que o seu cliente consiga ganhar alavancagem financeira para realizar a sua compra mais à frente

Sociedade

Declarações de Meghan Markle a Oprah correm mundo, mas, e o que disse Harry?

A relação fragilizada com a família, a similaridade com a situação da mãe e as questões raciais. O foco tem estado nas declarações de Meghan Markle, mas o príncipe Harry também fez a sua quota de declarações polémicas

Exame
Exame

Disparidade salarial reduz-se com mulheres no topo

Goldman Sachs prevê que sejam precisos mais 25 anos para que haja paridade na gestão das empresas do STOXX 600. França destaca-se pela positiva entre os congéneres europeus

Sociedade

Jovem com fibrose quística angariou com 'crowdfunding' verba para comprar medicamento, mas processo é mais complexo

Numa onda solidária durante o fim de semana, mais de 13 500 pessoas doaram o suficiente para o medicamento que Constança Braddell precisa para sobreviver, mas isso não chega para resolver a questão

Sociedade

Teletrabalho, restauração, convívio. As propostas dos peritos para desconfinar

Os especialistas propuseram várias medidas de desconfinamento que podem ajudar o Governo a delinear o alívio das medidas restritivas atualmente em vigor

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Marta Temido alerta para continuidade de "três ameaças" da pandemia

A pandemia de covid-19 em Portugal continua a apresentar "três ameaças" apesar das medidas de restrição em vigor, adiantou hoje a ministra da Saúde