Grande entrevista a Marta Temido: “Tenho, como todos nós, o receio de que isto não acabe”

Grande entrevista a Marta Temido: “Tenho, como todos nós, o receio de que isto não acabe”

Ainda não perdeu o sorriso nem a energia que a caracterizam. Mas Marta Temido admite que, se soubesse tudo o que sabe hoje, teria feito várias coisas de maneira diferente. Recebeu a VISÃO no quartel-general da luta contra a pandemia, onde a calma, na segunda-feira de manhã, era apenas aparente. A azáfama passou para o digital.

Preparam-se ali as semanas mais complexas – a segunda e terceira de fevereiro – de pressão para o SNS nesta vaga da pandemia, numa luta contra o tempo para tentar acomodar mais doentes Covid.

“Procurámos o melhor equilíbrio possível entre a necessidade sanitária de conter a transmissão da doença e a necessidade social de preservar postos de trabalho, a aprendizagem das pessoas, e o equilíbrio psicológico, afetivo, social.” Estas são palavras suas de final de novembro. Falhámos nesta missão?

Não. Temos continuado todos os dias a fazer esse esforço de equilíbrio. Houve momentos em que o equilíbrio foi possível, com maior favorecimento daquilo que eram as expectativas sociais e das pessoas, embora num contexto de pandemia, e houve outros momentos, como o que estamos a atravessar, em que, claramente, os temas sanitários e da proteção das pessoas e do sistema de saúde ganharam maior peso e penderam a favor de um confinamento mais agressivo. E, apesar de estarmos a atravessar os piores dias desta vaga da pandemia, sem ter certezas absolutas do que será o futuro mais distante, novas vagas, etc., não perdemos de vista a necessidade de preparar a saída. A procura de equilíbrio existe sempre.

Este artigo não está disponível na íntegra no site. ASSINE AQUI e leia a edição digital da VISÃO em primeira mão.
Se JÁ É ASSINANTE da VISÃO digital, leia na aplicação a nova edição ou clique AQUI.

Assine a VISÃO, apoie o jornalismo, por apenas €6/mês.

ASSINE AQUI

Mais na Visão