Autárquicas: PSD procura reconciliação com Rui Moreira

Estávamos a 22 de outubro de 2013: Rui Moreira tomava posse como presidente da Câmara Municipal do Porto. Do púlpito, nos Paços do Concelho, o independente virou-se para o homem sentado à sua direita, numa poltrona em tons de dourado, e destacou, por “imperativo de gratidão, o legado cívico e político” que a cidade e ele próprio recebiam de Rui Rio, que chefiara durante 12 anos a autarquia. “Mais do que as obras, mais do que a exigência, o rigor e a transparência exemplares com que geriu os dinheiros públicos que lhe foram confiados”, o recém-eleito edil gabou ao antecessor o “modelo de pedagogia democrática”, a interpretação do “sentido mais fundo do interesse público” e o combate aos “interesses instalados” que procuravam “capturar, em benefício próprio”, aquilo que pertencia a todos os portuenses. O antecessor segurou as lágrimas, mas o abraço apertado, no final do discurso, era sintoma da cumplicidade entre ambos.

Sete anos volvidos, as palavras do atual líder do executivo camarário e a reação do agora presidente do PSD parecem tão remotas quanto improváveis. De lá para cá, houve diversos arrufos pessoais e desaguisados políticos. Um dos exemplos de que quem os conhece fala com insistência é o do pedido de Moreira para que o fundo imobiliário do Bairro do Aleixo, criado pelo anterior presidente, fosse auditado. Rio viu no ato um ataque à sua reputação de gestor rigoroso e de autarca de contas certas.

De costas voltadas desde então, Rio fez um statement em 2017, quando participou numa arruada de campanha ao lado de Álvaro Almeida, o independente que Pedro Passos Coelho escolheu para concorrer ao Porto e que viria a entrar para o partido pela mão do agora líder do partido. Pormenor: nessas eleições, o PSD sofreu uma derrota de proporções bíblicas. Não foi além dos 10,39% dos votos, muito aquém dos 44,46% registados pelo movimento encabeçado por Moreira.

Este artigo não está disponível na íntegra no site. ASSINE AQUI e leia a edição digital da VISÃO em primeira mão.
Se JÁ É ASSINANTE da VISÃO digital, leia na aplicação a nova edição ou clique AQUI.

Palavras-chave:

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

Uma VISÃO mais completa

Assinar agora

Mais na Visão

LD Linhas Direitas
Linhas Direitas

PSD tem novo líder

Rui Rio não morreu na noite eleitoral, os opositores internos perderam força, mas tudo é sugado com a vitória de Lisboa.

Em sincronização

2299 votos a mais e “feelings” certeiros. Aqui está ele, Manuel Acácio. Mas, e agora?

Nenhuma sondagem previu a vitória de Carlos Moedas, mas ela aí está, "contra tudo e contra todos". Mas se os lisboetas querem mudança, com uma maioria de esquerda ela pode não ser fácil de conseguir

VISÃO DO DIA
Exclusivo

VISÃO DO DIA: Lá vai Lisboa, com o seu arquinho e balão

Autárquicas 2021

A derrota de Medina na capital em 15 imagens

Seis anos e meio depois de ter recebido a Câmara de Lisboa das mãos de António Costa, Fernando Medina perdeu nas urnas a possibilidade de avançar para mais um mandato. Na hora da despedida, o autarca socialista assumiu tratar-se de uma derrota "pessoal". Estas são as imagens do revés imposto pela direita

Autárquicas 2021

Ventura já Chega a todo o País, mas falha objetivo do 3º lugar

Os votos não são os que Ventura queria, mas os eleitos são mais do que aqueles que imaginava. Como o Chega perdeu e ganhou as suas primeiras eleições autárquicas?

Autárquicas 2021

“Este novo ciclo começa em Lisboa, mas não vai acabar em Lisboa”. Carlos Moedas conquista Lisboa e anuncia novo ciclo político na capital e no País

Carlos Moedas protagonizou a grande surpresa das autárquicas – é o novo presidente da câmara de Lisboa. Com Rui Rio e Francisco Rodrigues dos Santos na primeira fila, o grande vencedor da noite eleitoral anunciou uma “mudança histórica” que “não vai acabar em Lisboa”

Autárquicas 2021

Medina dá peito às balas na hora do adeus: "derrota em Lisboa é pessoal e intransmissível". Mas esquerda está em maioria, avisa

O PS perdeu em várias frentes na capital nestas autárquicas, mas Fernando Medina decidiu, esta madrugada, puxar para si os prejuízos e assumir que se tratou de uma derrota "pessoal". Segundo o presidente da Câmara de Lisboa, que não disse se fica como vereador, o partido deu-lhe "todos os recursos" para levar a melhor. "Infelizmente não fui capaz de prosseguir esse desígnio", disse, avisando que a esquerda está em maioria

Autárquicas 2021

A noite eleitoral de Rio: um abraço para Moedas e um riso de escárnio para as sondagens

Na sede do PSD cantou-se vitória. Lisboa, Coimbra, Portalegre, Funchal deram ao líder dos sociais democratas os argumentos de que precisava para festejar

Autárquicas 2021

O Porto mordeu pela calada e Rui Moreira perdeu a maioria

A influência do "caso Selminho" pode ter pesado. Autarca independente deixa de ser “absoluto” e vai precisar de negociar. Muito

Autárquicas 2021

Autárquicas: Ventura admite que "vitória não foi total" ao falhar objetivo de ficar em terceiro

O líder do Chega admitiu hoje que a "vitória não foi total" nas autárquicas de domingo, ao falhar o objetivo de ser a terceira força política, mas defendeu que se "fez história" em Portugal

Autárquicas 2021

Autárquicas: Isaltino Morais ganha em Oeiras e dedica vitória à juventude

O candidato independente Isaltino Morais foi reeleito presidente da Câmara Municipal de Oeiras nas eleições autárquicas de domingo, dedicou a vitória à juventude e sublinhou o reforço da maioria absoluta, após conquistar todas as freguesias do concelho

Autárquicas 2021

Autárquicas/Resultados: Movimento de Pedro Santana Lopes ganha a câmara de Figueira da Foz

O movimento "Figueira a Primeira" (FAP), de Pedro Santana Lopes, venceu as eleições autárquicas de domingo na Figueira da Foz, com 40,39% dos votos, segundo os dados do Ministério da Administração Interna