Moria: O inferno é mesmo aqui ao lado

A visão do campo que nos foi revelada ao longo dos anos foi sempre devastadora. Em resumo, via-se um amontoado de barracas à volta de uma estrutura em betão com arame farpado. Construído para cerca de 3 mil pessoas, chegou a albergar perto de 20 mil. Agora, a lotação rondava os 13 mil. Sem água canalizada, luz ou recolha de lixo. Apenas uma sanita e um chuveiro para cada 500 pessoas. E uma zona com água potável disponível duas horas por dia.  

Criado para ser um ponto de passagem, foi erguido em cima de uma antiga base militar. A maioria dos primeiros recém-chegados era de origem síria. Uma população depois ultrapassada pelos refugiados do Afeganistão, país que é o pior classificado no ranking do Índice Global da Paz. No início do ano, as ONG’s que ali prestavam apoio voluntário denunciavam esfaqueamentos e violações diárias. Num local sobrelotado, devido à aplicação pelo governo grego do acordo entre a União Europeia e a Turquia, que visa a devolução de milhares de refugiados àquele país, ali vivia e morria o sonho da Europa. Ou “A vergonha da Europa”, como lhe chamavam os ativistas, que há muito pediam a retirada dos mais vulneráveis.  

Estou em Moria há 5 dias e já tivemos 6 menores esfaqueados – o que queres que te diga?Que já não me lembro quantas…Publicado por Raul Manarte – Humanitário Músico Fotógrafo em Sábado, 1 de fevereiro de 2020

Só menores desacompanhados contabilizavam-se mais de 1200. A maioria rapazes de 13, 14, 15, 16 e 17 anos. Mas também crianças com menos de 10 anos, como assinalaram os Médicos Sem Fronteiras, depois de se terem deparado com tentativas de suicídio dos mais novos.  

Um monte de cinzas 

Agora, é menos ainda do que isto. Moria, o maior campo de refugiados da Europa, tornou-se um monte de cinzas. O fogo engoliu tudo, depois de vários focos de incêndio terem começado às primeiras horas da manhã desta quarta-feira. Uma catástrofe que não causou mortes, mas abre nova crise humanitária na ilha grega de Lesbos. Porque deixa milhares de migrantes sem abrigo no meio de uma pandemia. O campo que nasceu há cinco anos com o início da crise dos refugiados tornou-se uma metáfora viva da forma incendiária como a UE lidou com a política migratória. A comparação é dos ativistas que há muito exigem o desmantelamento daquele espaço.  

“Estou convencido de que é o seu fim”, declarou já o governador regional Costas Mutzuris ao La Vanguardia. “O campo está destruído, é impossível reconstruir o que aqui estava em tempo útil”, rematou. A fugir ao fogo, os milhares de migrantes foram acampando ao longo da estrada que conduz à localidade vizinha de Mytilene – um acesso entretanto bloqueado pela polícia. A justificação? Era preciso evitar uma emergência sanitária, já que o campo de refugiados estava em quarentena devido a um surto de Covid-19.  

Esta sexta-feira, dez país da UE anunciaram a sua disponibilidade para receber cerca de 400 menores. “Os nossos contactos com Estados-membros da União Europeia levaram 10 países a participarem nesse acolhimento”. disse Horst Seehofer, ministro alemão do interior. Alemanha e a França já anunciaram que vão receber entre 100 a 150 crianças, cada. Portugal, segundo comunicado enviado às redações, também já transmitiu a sua disponibilidade para acolher um total de 500 menores não acompanhados. Os outros continuam por lá.

Assine a VISÃO digital e receba a VISÃO Saúde, Edição Especial “70 Perguntas e Respostas sobre Saúde”, também em formato digital.

EM TEMPOS DIFÍCEIS É PRECISO TER VISÃO

ASSINE JÁ!

CAPA DA EDIÇÃO

You need to configure google service credentials! Quota exceeded for quota group 'AnalyticsDefaultGroup' and limit 'Requests per user per 100 seconds' of service 'analyticsreporting.googleapis.com' for consumer 'project_number:1009437737423'.

Mais na Visão

Sociedade

Covid-19: estamos preparados para responder ao inverno?

O número de testes realizado por cada novo caso confirmado de Covid-19 é um importante indicador da capacidade de resposta de um país à pandemia. Em Portugal, o valor está a diminuir desde o final do mês de agosto.

Sociedade

Mais de 100 migrantes socorridos no Mediterrâneo

A organização não-governamental Sea-Eye socorreu hoje 114 migrantes que seguiam em duas embarcações no Mediterrâneo, ao largo da costa da Líbia, anunciou a própria organização alemã

Sociedade

Matemáticos fazem nova descoberta sobre o dodecaedro

Apesar da sua antiguidade, ainda há muito a descobrir sobre os “sólidos platónicos”: cinco sólidos diferentes caracterizados por terem todos os lados iguais

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Portugal com 849 novos casos de infeção e mais cinco mortes

Portugal contabiliza hoje mais 849 novos casos de infeção e mais cinco mortes pelo novo coronavirus, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS)

Política

Navalny: Opositor russo revela progressos na recuperação de envenenamento

O líder da oposição russa, Alexei Navalny, garantiu hoje estar a fazer progressos na sua recuperação, ao publicar uma fotografia na rede social Instagram que o mostra a descer uma escada no hospital universitário La Charité, em Berlim

Sociedade

Oregon: Após 14 horas a lutar contra os incêndios, este grupo de bombeiros juntou-se para cantar "Take Me Out To The Fire" e o vídeo tornou-se viral

A corporação de bombeiros Grizzly, do Oregon, tirou uns minutos para descansar... e mostrar os seus dotes musicais

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Covid-19: Sobe para 38 número de infetados associados a surto em lar de Ourique

O número de infetados associados ao surto de covid-19 identificado no lar da aldeia de Santa Luzia, no concelho alentejano de Ourique, subiu para 38

Política

Chega/Convenção: Ventura quer segundo lugar nas presidenciais e terceiro nas legislativas

O líder do Chega abriu hoje a II Convenção Nacional do partido populista, em Évora, para estabelecer como objetivos eleitorais ficar em segundo lugar das presidenciais de janeiro e em terceiro nas legislativas, previsivelmente em 2023

Economia

Covid-19: Finlândia suaviza restrições de entrada de turistas de 20 países

A Finlândia permite a partir de hoje a entrada de turistas de cerca de vinte países sem terem de fazer quarentena e vê o turismo estrangeiro em perigo na Lapónia

Mundo

Governo chinês revela número de enviados para “centros de treino vocacional”

Relatório chinês confirma a existência de “centros de treino vocacional” na região independente de Xinjiang, mas nega abusos contra uigures e outras minorias étnicas

Economia

Portugueses e shoppings: A paixão ainda resiste?

O modelo pegou de estaca a partir dos anos 70 e hoje os portugueses já não vivem sem centros comerciais. Mas o ciclo de novos e grandes espaços terminou e, daqui em diante, só se esperam renovações e expansões. Até lá, o setor tenta sobreviver à pandemia e adaptar-se ao comércio digital e às novas tendências de consumo, que privilegiam a proximidade. Será a transição para outra era? E os consumidores acompanharão?

Sociedade

Juíza do Supremo Tribunal dos EUA Ruth Bader Ginsburg morre aos 87 anos

A juíza do Supremo Tribunal dos Estados Unidos Ruth Bader Ginsburg morreu aos 87 anos de "complicações causadas por um cancro do pâncreas", anunciou o tribunal