Metaverso, NFT e criptomoedas: Como vai mudar a nossa vida digital

Metaverso, NFT e criptomoedas: Como vai mudar a nossa vida digital

“Não há real, não há imaginário senão a uma certa distância. O que acontece quando esta distância, inclusive a distância entre o real e o imaginário, tende a abolir-se, a reabsorver-se em benefício exclusivo do modelo?” Poderemos estar bem mais perto de conhecer a resposta a esta questão colocada por Jean Baudrillard em Simulacros e Simulação. Quatro décadas depois da publicação deste tratado do sociólogo francês, as grandes tecnológicas mundiais começam a fazer esforços e investimentos gigantescos para desenvolverem as ferramentas que nos irão permitir socializar, conviver e trabalhar em simultâneo no mundo real e em universos virtuais. Essa aspiração de construir um metaverso – um universo virtual além do nosso universo real – não é nova. Mas este pode muito bem ser o momento big bang da próxima revolução no espaço cibernético com potencial para revolucionar as nossas vidas, até porque metade das 12 empresas mais valiosas do mundo tem planos e vai canalizar investimento para se tornar essencial na construção de metaversos.

O conceito apresentado no livro de ficção científica Snow Crash tem muitas semelhanças com o significado que atualmente se associa ao termo metaverso

Luís Gonzaga Magalhães Professor no Departamento de Sistemas de Informação da Universidade do Minho
Foto: GettyImages

Talvez, até agora, poucos o tenham feito de forma tão explícita como Mark Zuckerberg. O líder do Facebook mostrou, no passado mês de outubro, num vídeo de mais uma hora, qual era a sua visão para o futuro: “A próxima plataforma será ainda mais imersiva, uma internet incorporada em que tu és a experiência, não olhando apenas para ela, e chamámos a isso o metaverso. Irás conseguir fazer quase tudo o que puderes imaginar, estar com amigos e família, trabalhar, aprender, jogar, comprar e criar.” Para mostrar que esta é mesmo uma aposta séria, o criador da maior rede social do mundo anunciou também a mudança do nome da empresa que fundou, passando de Facebook para Meta. O termo escolhido por Zuckerberg para este novo mundo foi usado pela primeira vez há 30 anos no livro de ficção científica Snow Crash, de Neal Stephenson. Nessa narrativa – passada numa América distópica, destruída por uma crise económica causada pela hiperinflação e em que a sociedade e a economia eram controladas por gigantes empresariais em vez do Estado –, as pessoas refugiavam-se no metaverso, bastando para isso colocar óculos de realidade virtual para entrarem num universo paralelo e digital em que tinham os seus avatares em forma 3D. “O conceito que aí é apresentado tem muitas semelhanças com o significado que atualmente se associa a este termo”, observa Luís Gonzaga Magalhães, professor no Departamento de Sistemas de Informação da Universidade do Minho, à VISÃO.

Um universo de possibilidades

Praticamente todas as grandes áreas da nossa vida poderão ser vividas, pelo menos parcialmente, neste novo mundo digital

Videojogos

A indústria de videojogos tem sido precursora no desenvolvimento de metaversos e está no pelotão da frente na construção de mundos virtuais e/ou de realidade aumentada que permitam uma experiência mais imersiva e real aos jogadores.

Trabalho

A pandemia forçou uma parte significativa da população a ficar em teletrabalho. As limitações sentidas com o trabalho remoto poderão ser compensadas com a evolução do metaverso, permitindo criar escritórios virtuais onde se pode interagir com os colegas, ter reuniões e desempenhar as funções profissionais dentro desse novo mundo.

Social

O metaverso pode levar as experiências sociais a um novo patamar, permitindo reunir com amigos e conhecidos num universo virtual. Além de reduzir os constrangimentos de tempo e espaço com pessoas que já se conhecem, o metaverso poderá permitir a criação de círculos sociais paralelos. A perspetiva é que poderemos estar no metaverso com quem quisermos e quando quisermos, independentemente da distância e com novas formas de interação.

Economia

Na sua visão para o metaverso, Mark Zuckerberg espera que se transacionem centenas de milhares de milhões de euros nesse espaço. O comércio de bens e serviços digitais deverá ter um crescimento significativo nos próximos tempos, sejam roupas para os avatares, mobiliário digital para as casas do metaverso, espaços virtuais para deter nesse universo ou obras de arte digitais. Algumas empresas já estão a fazer alguns projetos-piloto para conseguirem ter presença e faturação no metaverso. Esta economia virtual poderá levar a uma maior massificação da utilização de criptomoedas nesses espaços e também de NFT (tokens não fungíveis) que atestam a originalidade e a propriedade dos bens digitais.

Saúde

A combinação entre a realidade virtual, realidade aumentada e internet das coisas pode trazer uma revolução aos cuidados de saúde, desde a formação médica até ao tratamento de pacientes e mesmo a cirurgias feitas de forma remota. A evolução tecnológica pode ajudar a mitigar algumas das limitações que a telemedicina atual enfrenta, como a falta de interação física entre profissionais e pacientes.

Cultura

Já foram feitas várias experiências de concertos ou outros espetáculos em universos virtuais. Com o metaverso essa tendência poderá intensificar-se, com concertos ou festivais virtuais. Também a nível da indústria cinematográfica, abrem-se novas portas para experiências mais imersivas e novas formas de contar histórias. Estas tecnologias podem ainda ser usadas na arte, com museus a terem exposições digitais ou a criarem os seus próprios metaversos para permitir um contacto mais próximo e interativo com obras de arte. Este novo mundo cria também a oportunidade para aparecerem artistas puramente digitais.

Educação

O metaverso e a realidade virtual prometem revolucionar as aprendizagens, permitindo fazer experiências imersivas que seriam difíceis de fazer fisicamente, seja a exploração virtual do Sistema Solar ou o “teletransporte” dos alunos para ver in loco a construção das pirâmides do Egito. Poderão também permitir aulas em espaços virtuais com professores e colegas de outras partes do mundo.

Mais na Visão

Desporto
Exclusivo

Quem é António, o leão indomável que é o novo herói dos Camarões

Como jogador, era conhecido por Toni Conceição. Agora, promovido a António, chega ao ponto mais alto da carreira de treinador. À frente dos Leões Indomáveis, está na luta pela vitória na Taça das Nações Africanas

Sociedade

Faz hoje 16 anos que nevou pela última vez em Lisboa. Já não nevava na capital portuguesa há mais de cinquenta anos

No domingo, 29 de janeiro de 2006, os lisboetas saíram à rua aos gritos de “Está a nevar!”. Só os mais velhos se lembravam dos grandes nevões de 1954 e de 1945

Exame Informática
Exame Informática

Análise ao portátil Asus Vivobook com ecrã OLED de 16 polegadas

Este computador portátil da Asus é ideal para ver conteúdos online, como séries ou filmes, e também videojogos. O destaque é mesmo o ecrã OLED de 16 polegadas que o torna adequado para trabalhar, sobretudo para quem faz edição de imagem, como o indicam as várias certificações de cor e o controlo com o DialPad, um botão digital

Economia

Covid-19: Cinco agências de viagens incumprem reembolso a finalistas e motivam 226 pedidos à comissão arbitral

Cinco agências de viagens, entre as quais a XTravel, incumpriram a obrigação de reembolso de clientes de viagens de finalistas canceladas em 2020, devido à pandemia, motivando 226 pedidos de reembolso à comissão arbitral, informou o Turismo de Portugal

Mundo

Rússia anuncia conclusão de exercícios das suas tropas no distrito militar oeste

A Rússia anunciou hoje a conclusão de exercícios no distrito militar oeste (DMO), que inclui áreas de fronteira com a Ucrânia, Bielorrússia, países Bálticos e Finlândia, e o retorno das unidades aos seus quartéis

Cultura

A Minnie vai deixar de usar vestido. Agora, vai poder vê-la num fato azul e preto, "um símbolo de progresso", afirma a criadora

O novo fato marca os 30 anos da Disneyland Paris e surge como homenagem ao Mês da História da Mulher

Mundo

Moçambique: 1000 dias de Boa Alimentação para salvar as crianças

Se a alimentação de uma criança for equilibrada e completa durante os primeiros mil dias de vida, a probabilidade de sofrer de desnutrição crónica reduz-se significativamente. A Helpo e a Vida querem mudar a vida das crianças em Moçambique

Cultura
Exclusivo

Memória: A verdadeira e trágica história de Maria Callas

Uma nova biografia traz revelações inéditas sobre a mulher por detrás da diva. Do abuso por parte dos pais à submissão a Onassis, passando pela negligência médica, fica claro que a maior estrela de ópera do século XX teve uma vida dramática

Telegrama

Telegrama: Vamos ter que nos voltar a preocupar com a inflação?

Esta subida da inflação não é um exclusivo americano. Na Europa, começaram também já a soar os alarmes. "Os preços aumentaram 5% em dezembro de 2021 na zona euro. Os mais afetados são as famílias pobres e as pequenas empresas", assinala o Le Monde, a abrir um extenso e bem documentado dossier sobre o "choque da inflação".

Mundo

Sopa portuguesa distinguida como uma das 20 melhores do mundo

A CNN nomeou as 20 melhores sopas do mundo e uma delas é portuguesa. Não é a canja, nem a sopa da pedra. Mas tem de ser acompanhada com "um copo do famoso vinho verde do Minho"

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Dois terços dos infetados com a Ómicron podem ter tido Covid-19 antes

A equipa de investigadores concluiu inicialmente que, de todos os infetados com Ómicron, cerca de 65% relatou já ter tido Covid-19 anteriormente, mas a investigação terá de continuar para se perceber quantas reinfeções houve, de facto

Mundo

Covid-19: Centro Europeu sugere isolamento de seis dias para vacinados e de 10 para não vacinados

O ECDC recomenda um isolamento de seis dias para pessoas vacinadas anticovid-19 e de 10 para não totalmente vacinados, isto em doenças ligeiras, falando em 20 dias para doentes graves