Combustíveis: Como a discórdia na OPEP está a levar a máximos na bomba

Subida vertiginosa O preço do petróleo disparou mais de 50% desde o início do ano e aproxima–se da marca dos 80 dólares

A discórdia entre os grandes produtores de petróleo sobre aumentos de produção está a refletir-se, e de que maneira, no bolso de quem precisa de ir à bomba de gasolina abastecer. O preço dos combustíveis disparou para os valores mais altos dos últimos nove anos e os consumidores portugueses são dos que mais sofrem com essa fatura, devido à elevada carga fiscal.

Desde o arranque do ano até ao início desta semana, o preço de venda ao público da gasolina 95 aumentou 17% para mais de 1,71 euros por litro e o do gasóleo 15% para mais de 1,51 euros, segundo dados da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG). Essas subidas foram motivadas pela valorização em flecha da cotação do petróleo. O barril de Brent, que serve de referência para o mercado nacional, acumula já subidas de 50% em 2021. Negociava esta terça-feira em 77 dólares, o valor mais alto desde outubro de 2018. Isto depois de ter atingido um mínimo de pouco mais de 20 dólares em março do ano passado. 

Um dos principais motivos para esta escalada tem sido a falta de acordo no seio da OPEP+ – que agrupa os 13 países membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e outros dez aliados como a Rússia – para aumentarem a produção de forma coordenada. No ano passado, com o mundo paralisado devido aos confinamentos, o preço do petróleo tinha caído a pique. Nessa altura, para defenderem a cotação do ouro negro, os grandes produtores decidiram fazer cortes extraordinários e agressivos de produção. Este ano os países produtores já aumentaram gradualmente a produção, mas agora não se entendem sobre um novo aumento da oferta, o que pode levar a uma escassez da matéria-prima numa fase em que a economia mundial tenta ligar os motores para voltar a acelerar. Havendo mais procura e não havendo mais oferta, os preços sobem.

Após várias tentativas, a reunião da OPEP+ foi cancelada no início da semana, devido à ausência de acordo. Em cima da mesa estava a produção de mais dois milhões de barris por dia a partir de agosto, mas os Emirados Árabes Unidos impediram um acordo. As conversações continuarão a decorrer, mas não há data para nova reunião e isso lança incerteza no mercado sobre a evolução dos preços. “Se, por um lado, é expectável um aumento da procura, face às expectativas de crescimento económico, pouco sabemos como se vai comportar a oferta, já que decorrem negociações da OPEP sem que tenha havido acordo até ao momento relativamente ao eventual aumento de produção”, realçou João Reis, porta-voz da Apetro, a associação portuguesa de empresas petrolíferas, à VISÃO.

Os analistas avisam que as subidas podem ainda não ter terminado. Jean-Pierre Durante, da gestora Pictet, refere que “sem um forte compromisso [por parte dos produtores] para corresponder ao aumento esperado da procura de três milhões de barris por dia no segundo semestre, os preços do petróleo irão provavelmente testar os 85 dólares”. Mas, numa nota de investimento a que a VISÃO teve acesso, o especialista realça que o preço alto do ouro negro poderá estimular os produtores fora da OPEP a acelerar a produção. Além disso, o cartel tem um histórico de pouca disciplina quando há dificuldades para acordar metas. No passado, sucederam-se os casos de países da OPEP que aumentaram a produção por sua própria iniciativa de forma a defenderem as suas quotas de mercado. Assim, a estimativa de Jean-Pierre Durante é que após este pico no verão o preço do ouro negro abrande para 72 dólares até ao final do ano e para 65 dólares em 2022.

Carga fiscal
A subida dos preços dos combustíveis pode ser uma dor de cabeça numa fase em que a economia global tenta recuperar o terreno perdido durante os confinamentos. Em Portugal, as empresas e famílias têm de suportar dos preços mais altos na União Europeia. O preço da gasolina é o terceiro mais alto da UE e o do gasóleo fica na sexta posição. Isso deve-se sobretudo à componente fiscal.

Os dados mais recentes da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos mostram que, no final de maio, quando o preço da gasolina simples 95 era de 1,639 euros por litro, 59,4% do custo era referente a impostos e 2,5% devia-se à incorporação de biocombustíveis. Já a cotação e frete representava 25,2% do preço na bomba, a margem de comercialização era de 12,5% e o custo de logística e reservas pesava 0,4%. No gasóleo, os impostos eram responsáveis por 54,3% do preço final, a cotação e frete por 27,3% e a margem de comercialização era de 15,8%.

João Reis considera que os valores das margens se têm mantido sem grandes oscilações e que “a única possibilidade de mitigar o efeito desta subida dos combustíveis seria através da redução da carga fiscal”. O líder do PSD, Rui Rio, criticou esta semana o Governo por ter feito um aumento da carga fiscal via combustíveis, que resultou em preços elevados. E considerou que isso aconteceu por razões orçamentais e não por preocupações com o clima. O CDS-PP também apelou ao executivo para que alivie a carga fiscal sobre os combustíveis e o PCP propôs a fixação de preços máximos. Questionado pela VISÃO sobre se estaria a estudar alguma forma de mitigar o impacto da subida do preço dos combustíveis, o Ministério das Finanças não respondeu até ao fecho desta edição.

Mais na Visão

Tóquio2020

Patrícia Mamona voou como nunca e agarrou a medalha olímpica desejada desde sempre

Os dois melhores salto da carreira no palco de todos os sonhos: Patrícia Mamona ganhou a medalha de prata do triplo salto em Tóquio 2020

Sociedade

Pais separados: Como evitar conflitos nas férias e criar memórias felizes nas crianças

O fim de um casamento ou união de facto representa um acréscimo de desafios para os ex e familiares. Recarregar baterias durante o período de pausa estival não só é desejável como possível, com medidas simples e que os filhos agradecem

Mundo

Trump é o político republicano que mais arrecadou dinheiro em 2021

O ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump é o político do Partido Republicano que mais arrecadou dinheiro este ano, apesar de ter deixado o cargo a 20 de janeiro, segundo a imprensa local

Arquivo VISÃO
Exclusivo

Arquivo VISÃO: Como Francis Obikwelu se fez campeão – e, num domingo glorioso, Portugal venceu uma medalha de prata nos 100 metros

Mundo

Nova Zelândia pede desculpas aos habitantes das ilhas do Pacífico

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, apresentou hoje um pedido formal de desculpas aos habitantes das ilhas do Pacífico que foram "injustamente alvo" das operações policiais na década de 1970

Tóquio2020

Tóquio2020: Diogo Costa e Pedro Costa caem para 13.º lugar na classe 470 de vela

Os irmãos Diogo Costa e Pedro Costa caíram hoje para o 13.º posto na classe 470 de vela dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, ficando mais longe da regata das medalhas

Tóquio2020

Tóquio2020: Pugilista francês senta-se no ringue em protesto contra desqualificação

O pugilista francês Mourad Aliev esteve hoje cerca de uma hora sentado e imóvel na parte de fora do ringue para protestar contra uma decisão do árbitro que o desqualificou do torneio olímpico de pesos pesados dos Jogos Tóquio2020

Política

Quantas pessoas podem estar à mesa no restaurante? E o teletrabalho acabou de vez? 15 perguntas e respostas sobre o que muda a partir de hoje

Com as medidas de contenção agora aplicadas a nível nacional, em vez de variarem consoantes os concelhos, é mais fácil perceber como vai ser a nossa vida de hoje em diante. Ainda assim, aqui ficam 15 questões sobre as quais ainda pode haver dúvidas

Sociedade
Exclusivo

No rasto do líder do tráfico: Chefe do maior cartel de droga português vive livre e com vista para o mar

José António Palinhos, líder do maior cartel de droga português, vive livre, com vista para o mar, ligado a várias empresas suspeitas, após fugir de uma pena de 28 anos de prisão no Brasil

Exame Informática
Exame Informática

Twitter lança concurso para detetar discriminação no seu algoritmo

Investigadores e hackers podem habilitar-se a ganhar prémios monetários se identificarem falhas no algoritmo de recorte de imagem do Twitter que o leva a discriminar homens e pessoas de cor

Exame Informática
Exame Informática

Epic vs. Apple: Elon Musk apoia criadora de Fortnite

A batalha legal entre Epic e Apple continua a desenrolar-se nos tribunais. O fundador da Tesla acaba de demonstrar de que lado está, ao escrever no Twitter que a Epic tem razão

Tóquio2020

Tóquio2020: Seleção de andebol de Portugal afastada ao perder com o Japão

A seleção de andebol de Portugal foi afastada dos Jogos Olímpicos, ao perder por 31-30 com o anfitrião Japão, na última jornada do Grupo B