Uma história de milhões: As aventuras, polémicas, tramas, engenharias financeiras e muitas dívidas de Joe Berardo

José Carlos Carvalho

Em vésperas de celebrar o 77.º aniversário, o empresário madeirense que gosta de atender o telefone com um atrevido ‘Hello, darling’ foi detido pela Polícia Judiciária por suspeitas da prática dos crimes de burla qualificada, fraude fiscal e branqueamento de capitais.

A megaoperação da PJ investiga a forma como Berardo conseguiu obter quatro empréstimos junto da Caixa Geral de Depósitos, mas o momento pede uma retrospetiva do percurso do empresário, investidor e colecionar de arte, pontuado por operações duvidosas, participações opacas e ganhos e perdas avultados e, claro, muito pouco património em seu nome. “Uma garagem, apenas”, diria na II Comissão de Inquérito à Caixa Geral de Depósitos.

Comecemos pelo início, num continente mais a sul.

África do Sul

Em 1963, José Manuel Rodrigues Berardo, nascido numa família humilde da ilha da Madeira, emigra para a África do Sul, como muitos daqueles ilhéus, em busca de uma vida melhor. Sem falar uma palavra de inglês e com pouco dinheiro no bolso, e começou por negociar legumes e embalagens. Dez anos depois, Joe Berardo – o nome que adotou desde então – passaria a transformar areia em ouro. Basicamente, Berardo investiu no projeto de um sul-africano de origem portuguesa, Tony Caldeira, que retirava os montes de areia que atulhavam as entradas das minas e de onde ainda conseguia extrair ouro suficiente para um negócio bastante rentável, numa altura em que o ouro estava em alta nos mercados.

Mas segundo Tony Caldeira, depois de as ações da empresa de Joe caírem a pique na bolsa de Joanesburgo, o empresário não só saiu do país como deixou os seus sócios sem nada – terá levado o ouro do cofre, os documentos que provavam que eles tinham 35% da sociedade e ainda terá oferecido ao Estado sul-africano uma dívida de 240 mil contos em impostos não pagos, segundo dados de 2003

Já em 1989 as contas da sua empresa Aujac tinham sido congeladas pelas autoridades sul-africanas, por andar a exportar cicas, um vegetal muito raro e cuja exportação da África do Sul é proibido. Vale a pena saber como era a intricada rede de empresas que o gestor contruiu naquele país, e cuja empresa mãe era a Johannesburg Mining & Financing Corporation (JMF) e sobre a qual a VISÃO escreveu em 1994, quando fez um extenso perfil do empresário.

Coleção Berardo: Como o Estado perdeu um trunfo numa história de milhões

Regresso à pátria

Falido em África, mas aclamado em Portugal, Berardo torna-se num dos principais acionistas do Banif – o Banco Internacional do Funchal – ao lado de Horário Roque ou Armínio Sousa Gomes ainda em 1988 e no ano seguinte recebe de Ramalho Eanes o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique. Precisamente em 1989, Berardo vende a sua já falida JMF a dois amigos, numa altura em que se acredita que as dívidas da empresa ascendessem a mais de um milhão de contos, na época. Mas, na Madeira, inaugura a sua Fundação com um capital de 4 milhões de contos, e que detém 20% da Empresa Madeirense de Tabaco, fazendo de Joe o sócio maioritário da companhia.

Desde a sua fundação que a Fundação – passe o pleonasmo – esteve envolvida em polémicas judiciais: consta que a organização usou uma corretora para obter benefícios fiscais ilegítimos mas as investigações foram ficando em águas de bacalhau. E enquanto isso, Joe Berardo ia diversificando os seus negócios, tendo inclusivamente participações em empresas canadianas e continuando, claro, a colecionar arte, apartamentos e carros de luxo. E é também no início dos anos 1990 que garante uma posição de 10,3% na SIC, para juntar a outras participações que foi acumulando em grupos de comunicação social, e que foram quase todas conseguidas da mesma forma: um significativo aumento de capital que outros investidores não conseguiam acompanhar e estava feito.

De onde vinha o dinheiro? As dúvidas foram persistindo ao longo do tempo, mas houve sempre suspeitas de engenharia financeira entre as empresas que detinha.

Em 2006, já o Comendador era amplamente aplaudido com um dos poucos self-made men portugueses, é assinado um protocolo de comodato entre Joe Berardo e o Estado Português, com a duração de 10 anos e que permite colocar no Centro de Exposições do CCB quase mil obras de arte pertencentes ao empresário. Custos para Joe? Zero. Custos para o Estado: todos os que tiverem a ver com manutenção e funcionamento de uma exposição com entradas gratuitas.

Neste mesmo ano fica definido que o Estado entra na Fundação Berardo como membro, tendo o mesmos poderes do empresário que, por estatuto, é presidente vitalício da organização. O Estado fica também com opção de compra sobre as 862 peças expostas no CCB.

Os créditos da CGD

Em abril de 2006, a CGD aprova o primeiro crédito a Berardo: um contrato de €50 milhões com a Metalgest, a holding do seu grupo empresarial, que permite a Berardo comprar ações de empresas cotadas. Em novembro, o madeirense escreve a Carlos Santos Ferreira, então presidente do banco público, a pedir uma linha de crédito de €350 milhões para comprar ações do BCP – onde tinha vindo a reforçar posição desde o ano anterior – e de outras cotadas. O empréstimo é aprovado em abril de 2007, mas não obedece às recomendações do parecer inicial da direção de risco do banco. Foi dispensado o aval de Joe Berardo, que também não o queria dar, e foram dadas como garantidas as ações do BCP, com um rácio de cobertura de 105%.

Tornando-se um dos acionistas de referência, Berardo foca-se em afastar os antigos gestores do banco, e é uma das principais vozes de apoio a Paulo Teixeira Pinto contra Jardim Gonçalves, que luta para recuperar o poder de demitir e nomear o presidente executivo da instituição, que entretanto está nas mãos da Assembleia Geral. Já com o contrato de crédito assinado entre a CGD e a Fundação Berardo, o empresário pede autorização ao Banco de Portugal para aumentar a sua participação qualificada no BCP, o que faz sem esperar pela resposta do regulador.

O banco central aprovaria a operação já depois de esta estar concluída, e pouco antes da demissão de Paulo Teixeira Pinto, em agosto de 2007. Em outubro, Berardo reforça a posição no BCP para 6,82% e no final desse ano, numa reviravolta que ficou sempre por explicar, surge o nome de Carlos Santos Ferreira para assumir a presidência do BCP. O banqueiro levaria consigo, vindos do banco público, Armando Vara e Vítor Fernandes.

Já com Faria de Oliveira ao leme da CGD, é aprovada a libertação de €38 milhões da linha de crédito contratada no ano anterior para Berardo acompanhar um reforço de capital do Millennium BCP. Já durante a CPI à CGD, Faria de Oliveira lembrou que nessa altura foram pedidas mais garantias, como o aval pessoal de Berardo – o que na verdade, não valeu de nada.

Os segredos de Joe

A trama BCP

A queda do Lehman Brothers e a crise financeira mundial que de repente caiu sobre as nossas cabeças, e depois de vários reforços de garantias, incluindo entregas de ações do BCP – que entretanto despencavam em bolsa – Berardo entra em incumprimento pela primeira vez em novembro de 2008.

No mês seguinte, é assinado um Acordo-Quadro com os três bancos que são os maiores credores de Berardo, e que assegura o contrato promessa de penhor sobre os títulos de participação da Associação Coleção Berardo (ACB). Cada título foi associado a uma obra de arte específica para reforçar a segurança jurídica do contrato, e o contrato seria sempre a dividir pelas três instituições.

Durante os anos de 2009 e 2010 sucederam-se os contratos de penhor, que são entretanto concretizados, mas ainda assim os juros do empréstimo da Fundação junto da CGD não foram pagos, com o banco público concedido uma moratória dos mesmos até janeiro de 2011. E a título excecional, garantia. A verdade é que estes juros não foram pagos até março de 2012.

Quando, em dezembro de 2010 as contas da Fundação revelam que o Estado não entregou os €500 mil anuais previstos no protocolo para aquisição de novas obras de arte, o Comendador aproveitou a deixa: se o Estado não cumpria, ele também não tinha que o fazer.

No ano seguinte, uma auditoria do Banco de Portugal, liderado por Carlos Costa, dava conta de falhas várias na atribuição dos créditos concedidos pela CGD. O banco público chegou a ter mais de €4,5 milhões de créditos garantidos por ações. É neste ano que a direção de risco volta a manifestar-se, no âmbito de uma reestruturação de crédito que, concluía, “não permitia reforçar o valor previsível da recuperação do crédito”. Que é como quem diz: a CGD ficava a perder.

Até porque Berardo tinha dado um aval pessoal sobre, ‘apenas’, €38 milhões, mas só tinha em seu nome uma garagem no Funchal, pelo que esse era capital perdido. A Metalgest e a Fundação Berardo estariam em falência técnica se contabilizassem as ações que detinham ao valor atual do mercado. Não houve redução de dívida ou reforço de garantias…

Dívidas e mais dívidas

Em 2012, as dívidas de Berardo à CGD, ao BCP e ao então Banco Espírito Santo ascendiam a €1 027 milhões, e as três instituições assinaram um acordo de reestruturação de dívida. No entretanto, a participação de Berardo no BCP vai decrescendo: no final desse ano, já só detinha 3% do banco.

Em 2016, Joe Berardo consegue um renovado acordo com o Estado, que faz nas costas dos bancos credores e ainda muda os estatutos da Associação Coleção Berardo, dona das obras expostas no CCB, o que lhe permite continuar a resistir aos à tona de água. Isto porque o Tribunal da Comarca de Lisboa dá razão a um cidadão que, em 2013, deu entrada numa ação a pedir a nulidade da alteração dos estatutos que deu poderes aos bancos na sequência do acordo assinado no final de 2008. Com a sentença na mão, Berardo volta a alterar os estatutos da Associação e ainda consegue uma adenda ao protocolo de 2006, que garante a exibição da coleção até 2023.

Isto levantava um obstáculo à execução da opção de compra por parte do Estado, que poderia ter ajudado no abate da dívida à CGD. Numa altura em que o banco estava particularmente pressionado pela Comissão Europeia devido à reestruturação que tinha sido negociada aquando da intervenção de que o País foi alvo, esta almofada de capital teria sido de elevado valor para a instituição pública.

Quem ri por último?

#MeJoe
Joe Berardo ouvido na Assembleia da República em 2019

Em 2018, Joe Berardo tenta levar algumas das suas obras mais valiosas a Londres, para as avaliar tendo em conta uma eventual venda, mas é impedido pela Direção-Geral do Património Cultural. Na mesma altura, os bancos credores tentam efetivar o penhor da coleção de arte moderna de forma a conseguir minimizar os danos que se iam acumulando ao longo dos anos. Mas Berardo não quer perder o controlo das suas obras, e portanto o acordo que chegou a estar em cima da mesa entre bancos e empresário cai por terra sem acordo: as instituições financeira fazem então um ultimato ao empresário, que ou aceita os termos propostos para uma reestruturação da sua dívida, ou enfrenta uma execução.

O Comendador não aceita, os bancos avançam para a via judicial e a II CPI à CGD acaba por parecer virar o tabuleiro do jogo. A postura de algum descaso e de displicência perante os deputados à Assembleia da República, as afirmações de que não era dono de coisa alguma e de que não deveria nada a ninguém soaram a provocação, e nem credores nem populares gostaram do que viram. Sobretudo quando Joe Berardo gargalha na cara de Cecília Meireles, quando ela o questiona sobre a possibilidade de deixar de mandar na Fundação que tem o seu nome.

Terá sido também esse o momento que deu o mote para a investigação entretanto iniciada pela PJ e pelo Ministério Público, que culminaria de detenção do ainda Comendador. Que pode perder a Comenda, para além da coleção. E da liberdade.

Ao assinar a VISÃO recebe informação credível, todas as semanas, a partir de €6 por mês, e tem acesso a uma VISÃO mais completa.

Uma VISÃO mais completa

Assinar agora

Relacionados

Os segredos de Joe
Política

Processo de retirada de comendas a Joe Berardo ficou parado

Joe Berardo, agora suspeito de crimes fiscais e branqueamento de capitais, ainda é comendador. Manuela Ferreira Leite lidera o Conselho das Ordens Honoríficas

Política

Joe Berardo e advogado detidos em operação por suspeita de crimes económicos

O empresário Joe Berardo e o seu advogado André Luís Gomes foram hoje detidos no âmbito de uma operação que visou "um grupo económico" que terá lesado vários bancos

Os segredos de Joe
Política

Os segredos de Joe

Aos 19 anos, colava rótulos em garrafas de vinho da Madeira, emigrou para a Africa do Sul, onde vendeu legumes, teve um bar (e cadastro na esquadra), tirou ouro de areia, liderou empresas poderosas. De ser jardineiro num colégio a ter um jardim com cicas, é um percurso singular e sinuoso... Senhoras e senhoras, Joe Berardo, num perfil traçado pela VISÃO em 1994, que vale a pena recordar

Mais na Visão

Mundo

La Palma regista sismo de 4,6, a maior magnitude desde o início da erupção

36 sismos foram registados na ilha de La Palma, Espanha, desde a noite passada, um deles em Mazo com 4,6, o de maior magnitude desde que a erupção do vulcão começou há quase um mês

Imobiliário

Investidores belgas apostam 85 milhões em Gaia

A pandemia está longe de ter travado o interesse dos investidores estrangeiros em Portugal. O Gaia Hiils vai ter 256 apartamentos distribuídos por oito edifícios

Crónicas
Exclusivo

Travessa do Almargem nº 1

O nosso velho prédio foi, em boa hora, renovado. Infelizmente, com o acrescento de um mamarracho metido-a-moderno, que tapa toda a fachada lateral

Sociedade
Exclusivo

Foram as estrelas dos confinamentos mas em excesso afetam o cérebro: Como afastar agora os miúdos dos ecrãs

O uso excessivo da tecnologia prejudica o desenvolvimento do cérebro, revelam estudos em neurociência. Especialistas alertam: é preciso encontrar um equilíbrio, antes que seja tarde. Mas depois de termos andado a apregoar os seus benefícios durante os confinamentos, como fazemos agora para tirar os ecrãs às crianças?

Sociedade
Exclusivo

"O ensino remoto é desastroso". Neurocientista arrasa abuso da tecnologia e explica porquê

Michel Desmurget, neurocientista e best-seller premiado em França, explica porque é crucial mudar a maneira como os nossos filhos usam a tecnologia e como fazê-lo

Mundo

Assassínio de deputado britânico considerado "incidente terrorista"

O assassínio do deputado britânico David Amess foi considerado "um incidente terrorista", com a investigação inicial a apontar para uma "potencial motivação ligada ao extremismo islâmico", informou ao início da madrugada a Polícia Metropolitana (Met) de Londres

Visão Saúde
VISÃO Saúde

Nutricionistas alertam que portugueses estão comer o dobro e pedem ação do Governo

Os portugueses estão a comer o dobro do necessário e de forma desequilibrada, alertou a Ordem dos Nutricionistas após serem conhecidos os resultados de um estudo, e pede ação urgente

Sociedade

OE2022: PS insiste em continuar negociações na especialidade com "equilíbrio e bom senso"

O secretário-geral adjunto do PS insistiu na continuação das negociações do OE para 2022, considerando que ainda há disponibilidade para discutir alterações propostas pelos parceiros

VERIFICADO

Fact Check: André Ventura foi nomeado para prémio que distingue personalidades que lutam contra a corrupção?

O jornal I-Inevitável noticiou que André Ventura tinha sido nomeado para prémio anticorrupção. O líder do Chega regozijou-se no Twitter. Mas será, de facto, mesmo assim?

Atualidade

O fascínio da Idade Média na VISÃO História

Cavaleiros de lança em riste, donzelas em apuros, saltimbancos, jograis, mercadores, vendilhões… Para muitos, a Idade Média é a época do passado mais apelativa e, por isso, mais recriada em feiras, livros, séries e jogos virtuais. O mais recente número da revista é dedicado ao período medieval em Portugal

Exame Informática
Exame Informática

Ghost Robotics constrói cão-robô com arma integrada

Empresa especializada em robótica e que já fornece os militares dos EUA apresentou uma nova versão do seu cão robô, desta feita equipado com uma espingarda

Política

Rangel quer debates quinzenais de volta e um mano a mano com Costa nas legislativas (mas só em 2023)

Paulo Rangel garantiu, esta sexta-feira, que, se ascender à liderança do PSD, vai bater-se pelo regresso dos debates quinzenais, que foram eliminados com a ajuda dos sociais-democratas, e exigiu que António Costa não fuja às responsabilidades em 2023, e se submeta a eleições. Em resposta a Rui Rio, que acusou os críticos internos de querer que “berre” contra o PS, o eurodeputado laranja assegurou que em caso algum irá ter “uma oposição sistemática, ruidosa ou trauliteira”. Conversas à direita serão com todos menos o Chega