Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

O bom ladrão no filme "A Queda do Império Americano"

Ver

Um thriller policial que revela um olhar ácido sobre o mundo da alta finança. O filme A Queda do Império Americano, do realizador Denys Arcand, já se estreou nas salas de cinema

O filme é um desafiante deambular por esquemas financeiros, entre a crítica e a autocrítica e a reflexão moral

O filme é um desafiante deambular por esquemas financeiros, entre a crítica e a autocrítica e a reflexão moral

D.R.

Ao contrário daquilo que se possa pensar, A Queda do Império Americano não é a sequela de O Declínio do Império Americano (1986) / As Invasões Bárbaras (2003). Muito menos se trata de um remake atualizado. Contudo, também não se pode dizer que o novo filme do quebequiano Denys Arcand esteja completamente distante daqueles outros que o popularizaram. Há em comum, sobretudo, a importância dada a um pano de fundo, a uma subcamada alegórica, chamada para o próprio título.

À superfície, o filme é um thriller policial e financeiro, com uma interessante intriga amorosa. Pierre-Paul é um licenciado em Filosofia a trabalhar numa empresa de entrega de encomendas em Montreal. Leva uma vida modesta, refletindo sobre a própria sociedade, em constante teorização e, nos tempos livres, revela-se filantropo, dedicando-se à crescente vaga de sem-abrigo nas ruas da cidade. Um dia, quando faz uma entrega, é surpreendido por um assalto com tiroteio. No meio da confusão, agarra a oportunidade de colocar no seu camião dois sacos de desporto cheios de dinheiro. Essa é a bagagem que lhe falta para um outro patamar. A partir daí, com inteligência da personagem e do realizador, o filme torna-se um desafiante deambular por esquemas financeiros, entre a crítica e a autocrítica e a reflexão moral. Universo visto no cinema em obras como O Capital (2009), de Costa-Gavras, mas aqui exposto com uma dimensão de alto pensamento filosófico em contraponto com o pragmatismo coloquial, de uma ideia de thriller humano.

As conclusões apresentadas também são diferentes. Apesar da exposição crítica de uma organização social e económica perversa, há uma ética obscura que prevalece, numa personagem que quase se transforma num Robin dos Bosques de ocasião. O que mais faz falta no mundo são ladrões honestos.

Veja o trailer do filme

A Queda do Império Americano > de Denys Arcand, com Alexandre Landry, Maripier Morin, Maxim Roy, Vincent Leclerc > 127 minutos