Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Orquestra Bamba Social: O som que vem do Brasil no Porto

Ver

O coletivo, com 17 músicos portugueses e brasileiros, nasceu no Porto, para reinterpretar o samba de raiz. A Orquestra Bamba Social é um dos projetos com cheirinho a Brasil que andam a contagiar a cidade e fazem o tema de capa da VISÃO Se7e, esta quinta-feira, 4, nas bancas

A Orquestra Bamba Social é constituída por 17 músicos portugueses e brasileiros. Denise Machado, vocalista, é a única mulher

A Orquestra Bamba Social é constituída por 17 músicos portugueses e brasileiros. Denise Machado, vocalista, é a única mulher

Em 2012, quando Pedro Pinheiro recebeu um cavaquinho do Brasil, estava longe de imaginar que o presente iria resultar na formação de uma banda. Autodidata e apaixonado por música desde sempre – tocou com os Sloppy Joe (de Marta Ren) e Souls of Fire –, o músico do Porto começou por formar um quinteto de reinterpretação de clássicos da música brasileira com um grupo de amigos, entre os quais, Tomás Marques, e que está na origem do que é hoje a Orquestra Bamba Social.

“Começámos por tocar no Baixaria [bar do Porto já extinto], e rapidamente percebemos que o público tinha mais afinidade com o samba de raiz do que com os temas de chorinho”, conta Pedro Pinheiro. O sucesso era tal que faziam “maratonas musicais de mais de três horas”. “Os portugueses foram o combustível para o crescimento dos Bamba Social”, afirma o músico de 38 anos, que trabalha como comissário de bordo numa companhia aérea.

Ao longo do tempo, foram juntando-se outros músicos à banda – tanto portugueses como brasileiros –, até chegarem aos 17 elementos atuais. A única mulher é Denise Machado, vocalista desta orquestra juntamente com Pedro (Guerrinha), Ângelo B, Tiago Nacarato e Luca Argel. Ao repertório de clássicos brasileiros, dos anos 30 à atualidade (Chico Buarque, Zeca Pagodinho, Seu Jorge, entre outros), acrescentaram sonoridades como o jazz e o funk, e temas originais como os recentes Cadê Cascais?, com o brasileiro Marcelo D2, Sorria, com o português Tiago Nacarato, e Começa com S, da autoria de Luca Argel, músico e cantautor brasileiro que trocou o Rio de Janeiro pelo Porto. Os três originais hão de ser incluídos no primeiro álbum do coletivo a ser lançado em 2020.

“O nosso samba tem muitas mutações, influências que cada um traz na sua bagagem musical”, sublinha Pedro Pinheiro. Em 2018, a Orquestra Bamba Social esgotou duas noites na sala Suggia, na Casa da Música, no Porto e, antes disso, já se tinha apresentado em Paris, França, e Inglaterra, onde regressa agora, nos dias 4 e 5 de abril, para dois concertos em Londres e em Cambridge. No dia 27 de abril, será em “casa” que o coletivo de 17 músicos portugueses e brasileiros dará um concerto em plena Avenida dos Aliados, no Porto. Haja samba!

Veja o videoclip do novo tema Começa com S, da Orquestra Bamba Social